5

Eliziane Gama já decidiu: será candidata em 2022…

Senadora eleita em 2018 vai incluir o nome na disputa pelo Governo do Estado e já comunicou a decisão aos aliados e prováveis adversários

 

Eliziane Gama entra na briga pelo Governo do Estado e amplia número de candidatos na base de Flávio Dino

Líder em todas as pesquisas que já a incluíram na disputa pelo Governo do Estado, a senadora Eliziane Gama (Cidadania) tem comunicado aos aliados e até a prováveis futuros adversários, que também estará na disputa de 2022.

A senadora, eleita em 2018, pode concorrer pelo Cidadania ou até mesmo por outra legenda, já que vem conversando com partidos de todos os matizes.

Eleita melhor senadora de 2020 no Congresso, a maranhense tem apresentado excelente desempenho nacional com sua postura crítica em relação ao governo Jair Bolsonaro.

Eliziane Gama é o quarto nome da base do governo Flávio Dino (PCdoB) a manifestar interesse pela sucessão do comunista.

Além dela, são pré-candidatos o vice-governador Carlos Brandão 9PRB), o senador Weverton Rocha (PDT) e o ex-prefeito de São Luís, Edivaldo Júnior (PDT).

O risco é a disputa descambar para uma nova guerra fratricida na base de Flávio Dino.

Mas isso, só a habilidade do próprio governador poderá impedir…

1

Weverton e Edivaldo: mesmo projeto e mesmo partido…

Movimentação da semana passada mostrou que os dois pedetistas estão se movimentando com vontade no jogo da sucessão do governador Flávio Dino, o que embaralha as cartas do grupo liderado pelo comunista

 

Weverton, que lançou Edivaldo, articula ao lado do ex-prefeito lideranças do porte de Othelino Neto e Osmar Filho

As imagens que correram o fim de semana, em que o senador Weverton Rocha e o ex-prefeito Edivaldo Júnior (ambos do PDT) aparecem em vários encontros com lideranças políticas do estado, rearrumaram as cartas da sucessão do governador Flávio Dino (PCdoB).

Lançado candidato pelo próprio Weverton Rocha, ainda no final do ano passado, Edivaldo mostra-se bastante à vontade no papel , mostrando, inclusive forte unidade no grupo liderado pelo PDT.

Ao lado dos presidentes da Assembleia Legislativa, Othelino Neto (PCdoB), e da Câmara Municipal, Osmar Filho (PDT) – outros importantes atores do processo de 2022 – Edivaldo esteve ainda com o secretário Márcio Jerry; e Weverton também foi ao encontro do governador Flávio Dino.

Toda esta movimentação põe a sucessão de Flávio Dino em um tripé já definido, tendo em uma ponta o vice-governador Carlos Brandão (PRB) e nas outras duas os dois pedetistas, que dão juras de unidade em qualquer circunstância.

E é deste tripé que deve sair o sucessor de Dino, a menos que surjam surpresas de última hora.

Mas esta é uma outra história…

3

Edivaldo Júnior no cenário político

Ex-prefeito de São Luís dá sinais claros de que pretende continuar no foco das discussões de poder no Maranhão, ao visitar o presidente da Assembleia Legislativa, Othelino Neto

 

Edivaldo com Othelino: conversas sobre o passado e o futuro político do Maranhão

Repercutiu fortemente a visita do ex-prefeito de São Luís, Edivaldo Júnior (PDT), ao presidente da Assembleia Legislativa, Othelino Neto (PCdoB).

Foi o primeiro encontro político do pedetista desde que deixou a prefeitura.

Sinal de que pretende continuar ativo nos bastidores.

E a Assembleia, com ou sem pandemia, ainda é um importante desaguadouro das questões relativas ao Maranhão.

Com forte popularidade ao final do mandato, o prefeito deve manter importante recall para o pleito de 2022.

que deve se refletir nas primeiras pesquisas sobre a sucessão do governador Flávio Dino (PCdoB).

É aguardar e conferir…

1

Brandão insufla e Jerry tenta apaziguar Dino…

Vice-governador tenta mostrar ao titular do Palácio dos Leões a importância de afastar do governo aliados do projeto do senador Weverton Rocha, mas o secretário  de Cidades entende que acirrar os ânimos agora é antecipar o fim do governo

 

A guerra agora é travada nos bastidores do governo Flávio Dino entre o vice-governador Carlos Brandão e o secretário de Cidades, Márcio Jerry

Uma guerra surda vem sendo travada nos bastidores do poder entre o vice-governador Carlos Brandão (PRB) e o secretário de Cidades e principal aliado do governador Flávio Dino, Márcio Jerry (ambos do PCdoB).

Derrotado três vezes em suas tentativas de diminuir a força eleitoral do senador Weverton Rocha (PDT), Brandão tenta convencer Dino de que é preciso diminuir a presença do grupo pedetista no governo.

Mas enfrenta a resistência do secretário de Cidades, Márcio Jerry, para quem, antecipar o racha na base agora é, também, antecipar o fim do próprio governo comunista. 

A cada derrota, Brandão se sente diminuído no embate com Rocha e tenta impor vontades contra ele no governo; Dino até reflete sobre as propostas, mas ouve de Jerry a importância da manutenção da unidade da base.

E nesta guerra de bastidores o vice-governador vai ficando cada vez menor…

1

Em eleição histórica, Famem inicia hoje batalha de 2022

Disputa entre o atual presidente Erlânio Xavier e o prefeito de Caxias, Fábio Gentil, transformou-se em mais uma tentativa do vice-governador Carlos Brandão de fazer contraponto político ao senador Weverton Rocha

 

Erlânio Xavier representa na Famem o poder de articulação do senador Weverton Rocha nos municípios maranhenses

Análise de conjuntura

Desde 1996, com a eleição do então prefeito de Balsas, Luiz Rocha – que havia sido governador do estado – a eleição da Federação dos Municípios do Maranhão (Famem) não ganhava tanta importância como a desta quinta-feira, 14.

A disputa entre o atual presidente da entidade, Erlânio Xavier (PDT), e o prefeito de Caxias, Fábio Gentil (PRB), virou mais uma prévia do que deverá ser a sucessão do governador Flávio Dino (PCdoB), em 2022.

Derrotado nas eleições municipais de São Luís, Imperatriz, Pinheiro e Timon – alguns dos principais colégios eleitorais do Maranhão – o vice-governador Carlos Brandão (PRB) tenta, desde então,  suplantar o senador Weverton Rocha (PDT) em uma medição de força pré-eleição estadual.

Tentou a Câmara de São Luís, mas não conseguiu sequer formar chapa; agora tenta tomar a Famem, apoiando a candidatura de Gentil.

Os grupos de Erlânio e Gentil articulam freneticamente e ambos garantem ter maioria para chegar ao comando da entidade.

O mais importante, porém, será a quantidade de votos que cada prefeito terá, o que demonstrará a capacidade de articulação de Brandão – que está no exercício do governo – e de Weverton, cujo PDT elegeu a maioria dos gestores.

Fábio Gentil é a nova tentativa de Carlos Brandão suplantar a força de Weverton Rocha e se consolidar como opção para o governo em 2022

Ganhando a eleição com Gentil, Brandão respira como pré-candidato a governador e pode sonhar com a cadeira de Dino em 22; se der Weverton, com Erlânio, o pedetista praticamente se consolida como principal candidato a governador e passa a ser a referência das eleições estaduais de 2022.

Por isso a quarta-feira, 14, terá uma importância histórica para o Maranhão…

0

Flávio Dino alimenta sonhos ambiciosos na cúpula do PSB

Coluna Radar, Veja online

Flávio Dino alimenta sonhos ambiciosos na cúpula do PSB.

O governador do Maranhão, segundo fontes socialistas, pode migrar para o partido a fim de fechar uma dobradinha com Ciro Gomes e isolar de vez o PT em 2022.

Questionado se a coisa pode virar namoro, Dino se esquiva:

Trabalho por uma união do campo progressista e por isso converso com todos os partidos do nosso campo. Meu plano A é ser candidato ao Senado pelo PC do B”. 

2

Mudanças de Flávio Dino fortalecem Márcio Jerry

Agora na Secretaria de Cidades, deputado federal terá influência também na Articulação Política e na Comunicação do governo

 

Assim como indicou o blog Marco Aurélio D’Eça, ainda em novembro, no post “A hora do bombeiro comunista”, o deputado federal Márcio Jerry confirmou sua volta ao governo nesta quarta-feira, 30. 

E ele voltou poderoso.

O bombeiro comunista – responsável por reagrupar a base governista após Racha nas eleições municipais – agora será secretário de Cidades.

Mas terá influência direta nas pastas da Articulação Política e da Comunicação, agora desmembradas.

A missão de Jerry no governo Dino é clara: atuar diretamente para unificar a base em torno de uma chapa única em 2022.

E se essa unificação garantir a ele próprio lugar de destaque nessa chapa, melhor ainda…

3

Carlos Brandão e Felipe Camarão em agenda no interior…

Vice-governador e o secretário de Educação têm participado de inaugurações de escolas, mas a presença dos dois acaba por levantar também aspectos políticos sobre as eleições de 2022

 

Felipe entrega “Escola Digna” ao lado de Carlos Brandão: agenda administrativa e repercussão política no interior

O vice-governador Carlos Brandão (PRB) e o secretário de Educação Felipe Camarão (DEM) cumprem juntos, no interior, forte agenda de inaugurações e entregas de obras em vários municípios.

Mas a presença dos dois no interior acaba por levantar conversas sobre a sucessão do governador Flávio Dino (PCdoB).

Ao lado do senador Weverton Rocha (PDT), Brandão é um dos nomes de Flávio Dino (PCdoB) para 2022, com o acréscimo de que assumirá o mandato.

Felipe Camarão, por sua vez, é apontado como opção de bastidores de Dino, seja para concorrer ao governo, seja para compor uma chapa, o que se fortalece com sua presença na agenda do vice-governador.

 

4

Weverton nega “candidatura intransigente” e cita Edivaldo como opção

Conciliador, senador maranhense disse que só concorrerá ao governo se houver viabilidade eleitoral e consenso na base; e afirma aceitar qualquer nome indicado pelo governador Flávio Dino que demonstre viabilidade eleitoral

 

Em paz com seu projeto político, Weverton reafirma comando de Dino na sucessão e cita Edivaldo Júnior como opção ao governo

O senador Weverton Rocha (PDT) deu mais uma mostra de sua maturidade política, nesta quarta-feira, 16, ao afirmar em entrevista à rádio Educadora que não há intransigência em sua candidatura ao governo.

– Eleição majoritária não é eleição de projeto pessoal. Eleição majoritária é grupo, não é sozinho. E tem que ouvir o povo. Vamos ver o que o povo vai dizer. E o líder desse grupo é o governador Flávio Dino (PCdoB) – ensina o senador.

Para Rocha, é equivocada e “pouco inteligente” a estratégia do grupo do grupo do vice-governador Carlos Brandão (Republicanos), de tentar afastá-lo de Flávio Dino.

– É claro que o grupo do vice-governador tenta nos afastar de Flávio Dino, de forma equivocada, penso eu, por conta de disputas internas. Para a eles, numa conta simples, mas não inteligente, é mil vezes melhor tentar me afastar, achando que isso me enfraquecerá – disse.

Brandão tem forçado a barra para ser candidato de qualquer jeito, mesmo tendo menos de dois dígitos nas pesquisas de intenção de votos já divulgadas; ele também hostiliza Weverton como adversário no grupo. (Relembre aqui e aqui)

Mesmo assim, Rocha aceita apoiar qualquer nome indicado pelo governador Flávio Dino (PCdoB) que demonstre mais viabilidade eleitoral e que tenha consenso na base; e cita o prefeito Edivaldo Júnior como exemplo:

– Eu sempre construí política tendo a leitura de que não se pode construir projetos pessoais. Se Flávio Dino disser: “Weverton, Brandão nós temos o nome do prefeito Edivaldo bem avaliado, que pode unificar vocês”. Qual o problema de eu fazer parte deste projeto? – perguntou 

Weverton concluiu, reafirmando sua maturidade:

– O que não vou fazer é ir de qualquer jeito para um projeto pessoal, que não represente grupo. Se tivermos esta construção, não vejo problema nenhum. Repito: o projeto é do grupo –  afirmou o senador do PDT. 

Simples assim…

2

PSDB deve trocar Roberto Rocha por Eliziane Gama no Senado

Partido quer retomar sua ideologia mais vinculada à esquerda e o senador maranhense está absolutamente alinhado ao presidente Jair Bolsonaro o que torna impossível a convivência; oposicionista, senadora do Cidadania teria o perfil mais adequado ao projeto tucano para 2022

 

Sem clima no PSDB, Roberto Rocha deve deixar o partido, que já iniciou conversas para ter Eliziane Gama como referência no Senado

O senador Roberto Rocha está mesmo de saída do PSDB.

A cúpula nacional da legenda avaliou que a direita está tomada pela presença do presidente Jair Bolsonaro e que só terá salvação com uma postura de centro-esquerda, mais alinhada ao socialismo.

Mas os tucanos não querem perder a cadeira no Senado e já engataram conversas coma senadora Eliziane Gama (Cidadania), que tem postura mais adequada ao projeto da legenda para 2022. 

Além de ser crítica qualificada  da gestão bolsonarista, Eliziane Gama tem bem mais presença nacional do que Rocha, além de ter interlocução importante com presidenciáveis mais alinhados à centro-esquerda.

A favor da transferência da senadora pesa o fato de o p´residente do Cidadania, Roberto Freire, ser muito próximo do PSDB, o que a manteria com o controle da atual legenda no Maranhão.

Roberto Rocha – que já perdeu a liderança do partido no Senado – não abre mão da aliança com Bolsonaro, o que torna praticamente impossível a convivência no tucanato.

O caminho do senador maranhense seria o PTB, que tem o deputado federal Pedro Lucas Fernandes como presidente.