0

Allan Garcês promove sessão especial do filme de Bob Marley…

Deputado federal receberá jornalistas, artistas, DJs, profissionais e amantes do reggae para assistir – em Avant Première, no São Luís Shopping, na próxima quinta-feira, 15 – “One Love”, película que conta a história do ícone da música jamaicana

 

Allan Garcês ao lado do pesquisador Natty Nayfsson, uma das lendas do reggae no Maranhão

Apaixonado por reggae e incentivador do segmento regueiro no Maranhão, o deputado federal Allan Garcês (PP) promove na próxima quinta-feira, 15, uma sessão especial para seus convidados do filme “Bob Marley: One Love”, que conta a história do ícone jamaicano; o parlamentar receberá jornalistas, artistas, DJs, empresários e amantes do reggae no cinema do São Luís Shopping.

Allan Garcês vem trabalhando investimentos em toda a cadeia produtiva do reggae, com objetivo de gerar emprego e renda neste setor da sociedade.

– Minha paixão pelo reggae começou na infância, quando passava férias com meus avós no bairro da Liberdade; Próximo da casa deles existia inúmeras radiolas, que aos domingos tocavam as poderosas pedras – lembra Allan Garcês.

O deputado vem se reunindo com lideranças e DJs do reggae, para organizar um projeto que fomente o fortalecimento, crescimento econômico e o desenvolvimento da cadeia produtiva do reggae.

– Nossa intenção é valorizar a nossa raiz cultural, que deu o título a nossa cidade de Capital Nacional do Reggae. Vamos colocar o Reggae no seu honroso lugar na cultura maranhense. Embora o reggae tenha sua raiz na etnia negra, ele não tem somente uma cor, é de todas as cores. O reggae não tem partido, nem ideologia. O reggae é do mundo e de todos, porém na América do Sul, nossa ilha de São Luís é considerada a Jamaica [que também é uma ilha] brasileirajustifica Garcês.

 

Pelas suas ações em favor do segmento, que beneficia também o Turismo, Allan Garcês foi recentemente agraciado com o “Prêmio Cazumbá de Turismo”, um dos mais importantes do Maranhão.

A sessão especial que ele organiza para os regueiros no São Luís Shopping é uma forma também de marcar o aniversário de Bob Marley, que acontece no dia 6 de fevereiro; em 9 de maio, o deputado federal será também anfitrião de uma sessão solene na Câmara Federal, em alusão ao Dia Nacional do Reggae.

– Pretendemos contagiar Brasília, capital do país, com parte da nossa raiz cultural, o reggae, o ritmo musical que fala de amor, paz e liberdade, afinal, São Luís do Maranhão, é a capital nacional do reggae – espera o parlamentar.

2

Entre gregos e jamaicanos…

Grecojamaicanos, ilustração do design Peron

Por Antonio Carlos Lima

Por razão alheia ao seu propósito, o jornalista, escritor e historiador João Francisco Lisboa talvez seja o principal responsável pelo título com o qual São Luís passou a ser distinguida, desde meados do século XIX, nos círculos cultos e esclarecidos do País, e que tanto incômodo e desassossego provoca até hoje em certas rodas de maranhenses.

Ao adotar o heterônimo de Tímon, um rico e abnegado cidadão ateniense que, de tanto testemunhar as fraquezas e iniquidades dos seus contemporâneos, passou a devotar ódio e desprezo à humanidade, Lisboa pretendia, na verdade, apenas pintar os costumes do Maranhão do seu tempo, “encarando o mal sobretudo”, e não exaltar as supostas virtudes dos seus conterrâneos, comparando-os aos gregos.

No Jornal de Tímon, publicado pela primeira vez em 1852, ele traça, com erudição, amargura e refinado humor, um retrato nada lisonjeiro de seu povo, “pequeno e obscuro, sim, se o comparamos com tantos outros, porém o maior, e o mais celebrado que pode haver, para um grego nascido e criado nas históricas margens do soberbo Itapicuru”.

A comparação com Atenas era, como se vê, pura ironia.

Mais tarde saudado por Antonio Candido como “um dos publicistas mais inteligentes do Brasil,” e por José Veríssimo como “o mais poderoso escritor brasileiro, prosador dos mais originais, copiosos, puros e elegantes da nossa língua moderna”, ele ignorava estar contribuindo, com os seus escritos demolidores e seus estudos históricos, para a justificação do título que mais tarde seria conferido à sua província.

O título, “Atenas Brasileira”, conservado na historiografia literária brasileira,foi, por assim dizer, uma homenagem a Lisboa, o Tímon maranhense, a partir da constatação, lá fora, de um fenômeno aqui operado após as lutas pela Independência. 

Território durante dois séculos apartado do Estado do Brasil, até então pobre e sem literatura,o Maranhão passara, repentinamente, a ocupar lugar de proeminência na vida cultural de um país agora autônomo.

Além de Lisboa, cuja figura imponente, segundo Sílvio Romero, era “suficiente para iluminar uma época inteira”, causavam espanto e admiração, Brasil a fora, entre outros, o poeta Antônio Gonçalves Dias, considerado depois o poeta da nacionalidade;o erudito Odorico Mendes, que traduziu Homero e Virgílio para a língua portuguesa;o gramático e crítico Sotero dos Reis; e o matemático Gomes de Sousa, ainda hoje reverenciado nos círculos acadêmicos.

“Nunca mais se reuniu no Brasil, nem mesmo na capital (o Rio), onde todos trabalham dispersos e separados, um igual grupo literário, notável pelo talento, pelo saber e pela variedade das capacidades”, escreveu Veríssimo, referindo-se àquele período de pouco mais de quarenta anos.

Enquanto Atenas, em dois séculos, moldou todo o caráter da civilização ocidental, os “atenienses do Bacanga e do Anil”, mais modestamente, no curso de quatro décadas, surpreenderam um país em formação com uma explosão rara de criatividade e talento.

A comparação que se estabeleceu com a Atenas do misantropo Tímon, emulado por Lisboa, era, sem dúvida, produto do exagero retórico de uma época em que o romantismo tupiniquim ainda flertava com a antiguidade clássica.

Mas se impôs no tempo em função do valor incontestável da contribuição do Maranhão à cultura nacional, que continuou a ser oferecida em outros momentos, evidentemente sem oimpacto causado por aquela geração que se extinguiu nos 60.

À época não faltaram, como hoje, os que contestaram não o fenômeno, mas o título, por julgarem-no pretensioso e imerecido.

Um livro de crítica, do bacharel Frederico José Correa, publicado em 1878 e pela primeira vez reeditada em São Luís, em 2015, pela Pitomba Livros e Discos,  é a primeira crítica contundente à Atenas tropical.

A segunda veio de voz mais conhecida, o escritor Aluísio Azevedo.

Ressentido, magoado com os seus conterrâneos pelos ataques sofridos quando da publicação, em São Luís, em 1881, de O mulato, ele escreveu, dois anos depois, no Rio, um texto demolidor contra a sua “paupérrima província que, por um abuso de retórica, ficou classificada de Atenas brasileira”. 

Mas lamentou que “todos ou quase todos esses vultos maranhenses cujos nomes são repetidos com amor e respeito, e cujo talento flameja, ora na imprensa, ora na ciência, ora na literatura, nunca receberam da sua província a menor simpatia”.

Agora, mais uma vez, eleva-se,no ambiente acadêmico de São Luís, o coro dos antipáticos ao título, que seria fruto da pretensão da elite letrada de uma sociedade escravocrata, constituída em sua maioria por analfabetos.  Ademais, os ilustres atenienses não teriam o valor apregoado.

Ora, elitista e escravocrata foi a verdadeira Atenas, que, não obstante, produziu na arte, na literatura, na ciência e na filosofia uma assombrosa torrente de obras-primas que fixaram os padrões gerais da nossa civilização.

Quanto à contribuição do Maranhão para a cultura nacional, consultem-se os livros sobre história da literatura e formação da nossa nacionalidade.

Estranhamente, os que investem contra o inofensivo epíteto de “Atenas brasileira” não sentem o menor incômodo com o título de “Jamaica brasileira” que a cidade passou a exibir, por todos os meios e modos, em função do gosto de parte da população pelo reggae, a música jamaicana que, há quatro décadas, invadiu São Luís pelas ondas do rádio.

O governo, com os olhos na indústria do turismo, já está até implantando um Museu do Reggae!

Eu, pessoalmente, entendo que a cidade pode, sem problema, conviver com as duas denominações, a primeira remetendo aos seus intelectuais e artistas, de ontem e hoje, a segunda, escancarando o fenômeno da insuspeitada identificação do são-luisense com  o reggae  e a  Jamaica, relação de tal modo explícita que as cores da bandeira jamaicana são hoje mais populares na periferia de São Luís do que as cores das bandeiras do Brasil e do Maranhão.

Meu único receio é o de que, diante de tanto prestígio do reggae, alguém tenha a infeliz ideia de substituir, na Praça do Panteon, os bustos dos nossos maiores pelas estátuas de Bob Marley e Jimmy Cliff.

É uma pena que João Francisco Lisboa não mais esteja entre nós.

Com sua pena mordaz, ele iria hoje saudar os modernos jamaicanos e atenienses, os quais,“como é claro e notório ao mundo inteiro, tanto desbancam os antigos na graça, no espírito, na liberalidade, na munificência, e em todos os mais dotes que caracterizam um grande povo”.

Parabéns, São Luís!

* jornalista. (email: [email protected])