0

Boi de Sonhos: Uma festa pra ficar na história da cultura maranhense

O próximo ano promete marcar as homenagens em comemoração às bodas de prata pela passagem dos 25 anos do Bumba meu Boi de Sonhos, um dos principais grupos de sotaque de orquestra do Maranhão. Para isso, uma mega festa será realizada no dia 19 de outubro, na Casa das Dunas.

O ato promete selar a maturidade e jovialidade de um grupo cultural em constante transformação no estado.

A programação completa será disponível nas redes sociais da brincadeira: @boidesonhosoficial.

Presidente de honra

Cileninha é uma das mulheres de destaque que comandam o grupo que majoritariamente é envolto por homens que gerenciam os grupos culturais na cidade. Foi de um encanto de criança que nasceu no berço do bairro do São Cristóvão, um grupo de sotaque de orquestra, em 1º de maio de 1995, na Rua da Pedreira, nº 90, pela então menina alcunhada por “Cileninha”, mas que na verdade tem o nome de origem, Leocilene Silva dos Santos.

A garota que tinha como maior sonho brincar num bumba-meu-boi de orquestra bem animado, formado com jovens e adolescentes, que tivesse indumentárias bonitas, coreografias diferentes e adequadas às músicas, que agradasse ao público e botasse todo mundo para dançar com toadas animadas e poesia fácil do povo aprender, conseguiu consolidá-lo.

Tudo começou quando passou a reunir na porta de casa, as crianças entre 08 e 12 anos, e outras ruas de localidades vizinhas, formando um grupo com 10 vaqueiros, 10 vaqueiras e 08 índias, todos mirins e que começaram a ensaiar, passando a confeccionar suas próprias fantasias a partir de retalhos de tecidos e chapéus velhos, tendo apoio de seus pais que o ajudaram.

Foi então que o Boi de Sonho se tornou realidade e hoje é um dos grupos mais esperados nas noites do São João do Maranhão com diversas apresentações durante os meses juninos.

Para ela, um dos desafios em exercer o papel feminino em uma brincadeira é a abertura para negociações das apresentações itinerantes, e a confiança na credibilidade de um Boi dirigido por uma mulher.

Por Davi Max

0

Imagem do dia: Thaynara OG e uma fortuna para o Unicef…

Digital Influencer arrecadou nada menos que R$ 217 mil para obras assistenciais do Fundo da ONU, além de divulgar a cultura maranhense por intermédio do São João da Thay

 

A digital influencer maranhense Thaynara OG entregou nesta quinta-feira, 18, um cheque de R$ 217,1 mil à representação maranhense do Unicef.

O recursos foram arrecadados durante o São João da Thay promovido pela influenciadora e que atrai para São Luís celebridades de todo o país.

Os dois gestos de Thaynara são louváveis em todos o seus aspectos: tanto o fato de usar seu prestígio para divulgar o São João do Maranhão a partir da própria São Luís quanto o fato de usar esse evento para arrecadar fundos sociais.

É um gesto que deveria ser seguido por diversas outras personalidades maranhenses…

0

Vereador Dr. Gutemberg lembra o 8 de maio, dia dos Blocos Tradicionais

GUTEMBERG ARAÚJO É AUTOR DO PROJETO QUE TRANSFORMOU O 8 DE MAIO em dia dos Blocos Tradicionais

Manifestação única no país e constitui um dos principais pilares da cultura maranhense, os ‘Blocos Tradicionais’ foram ainda mais valorizados com a criação de um dia especial só para eles no calendário municipal.

Defensor da cultura,  o vereador Dr. Gutemberg Araújo, ainda em seu primeiro mandato, criou a Lei 4.698/2006 que institui o 8 de maio como o Dia Municipal dos Blocos Tradicionais.

Além da valorização desse segmento cultural maranhense, a data também presta homenagem ao Mestre Walmir Moraes Corrêa, um dos grandes nomes do carnaval maranhense e fundador do bloco Os Foliões.

“Hoje é o dia de levantar as mãos, batucar e aplaudir esse som contagiante dos Blocos Tradicionais. Essa tradição é nossa. É única. A nossa cultura também faz parte da minha luta. Parabéns aos nossos Blocos Tradicionais! E viva meu amigo, o saudoso Mestre Walmir Moraes, fundador do meu querido bloco ‘ Os Foliões’ ”, destaca o vereador Dr. Gutemberg.

História

OS BLOCOS TRADICIONAIS MARCAM A HISTÓRIA DO CARNAVAL MARANHENSE e são patrimônio cultural de São Luís

Com indumentárias coloridas, um figurino próprio, e o som dos tambores feito com as mãos espalmadas, a alegria dos Blocos Tradicionais invadem as ruas de São Luís e a passarela do samba, no período carnavalesco.  

Segundo os registros, os primeiros blocos surgiram no final da década de 1920. Já na década de 1940, criaram os primeiros concursos. Com o passar dos anos, vieram os desfiles competitivos nas praças João Lisboa e Deodoro.

Os Feras, Foliões, Príncipe de Roma, Os Vampiros, Os Tremendões, entre outros. De acordo com a Associação Maranhense de Blocos Carnavalescos (AMBC) e a Academia Maranhense de Blocos Tradicionais, existem mais de 40 blocos na capital. Os Blocos Tradicionais do Maranhão estão em processo de reconhecimento como Patrimônio Cultural e Imaterial do Brasil.

0

Espetáculo Palavra de Mulher chega a São Luís…

Misto de show e teatro com as artistas Lucinha Lins, Tânia Alves e Virgínia Rosa, indicado a quatro categorias no Prêmio Bibi Ferreira, será apresentado sábado e domingo no Teatro Arthur Azevedo

 

Há dez anos estreava em São Paulo o espetáculo Palavra de Mulher, um misto de show e teatro em que as cantoras/atrizes Lucinha Lins, Tania Alves e Virgínia Rosa interpretam personagens femininas da obra de Chico Buarque.

Desde então, PALAVRA DE MULHER conquistou a crítica (em 2014, foi indicado em 4 categorias ao Prêmio Bibi Ferreira) e arrebatou o público por onde passou – e não foram poucos os palcos em que foi apresentado. Ao longo desses anos todos, o espetáculo foi visto por mais de 200 mil pessoas, em mais de 50 cidades país afora.

Num espetáculo que canta e encanta, faz rir e faz chorar, Lucinha Lins, Tania Alves e Virgínia Rosa emprestam corpo e voz a tantas outras mulheres para, num clima de cabaré, falar, através da música, de amores, dores de amores, esperança, solidão, encontros, desencontros, sedução, felicidade, força, abandono, liberdade, sonhos e conquistas.

Agora, uma década depois da primeira apresentação, PALAVRA DE MULHER celebra a data com uma turnê pelo norte e nordeste do país. Acompanhadas pelos músicos Ogair Júnior, Ramon Montagner e Robertinho Carvalho essas três talentosas cantoras/atrizes trazem um repertório que inclui músicas como “À Flor da Pele”, “Teresinha”, “Meu namorado”,“Palavra de Mulher”, “Bem-Querer”, “O Meu Amor”, “Folhetim”, “Atrás da Porta”, “Tango de Nancy”, “Tatuagem”, entre outras.

O espetáculo será apresentado em São Luís nos dias, 17 de novembro, às 20h, e 18 de novembro, às 19h, no Teatro Arthur Azevedo.

Os ingressos já estão à venda na Bilheteria Digital (Rio Poty Hotel, Shopping da Ilha e Rio Anil Shopping).

Valores:

Plateia, Frisa e Camarote: R$ 60 inteira / R$ 30 meia entrada

Balcão: R$ 50 inteira / R$ 25 meia entrada

Galeria: R$ 40 inteira / R$ 20 meia entrada

Informações: (98) 98712-4304 / 98197-4214

Produção local: Outroplaneta Produções

0

O Maranhão na cultura nacional…

Por Antonio Carlos Lima

Em capítulo dedicado a Gonçalves Dias, no livro que acaba de lançar,  “Percursos da poesia brasileira”(Autêntica, 366 páginas),  o poeta, ensaísta, professor da UFRj e crítico literário Antonio Carlos Secchin lamenta, em belíssimo e profundo ensaio,  o fato de que, hoje, o poeta maranhense seja muito pouco lido.

Observa, com pesar,  que a última edição de sua obra reunida foi a que Alexei Bueno organizou em 1998, vinte anos atrás. Considera incompreensível o lapso editorial em relação a quem classifica como “o primeiro grande poeta indiscutivelmente nacional”.

O fato é lamentável porque, no entendimento de Secchin, se a carta de Pero Vaz de Caminha representa nossa certidão de nascimento, como ficou estabelecido na historiografia,  a “Canção do exílio”, de Gonçalves Dias, simboliza “a nossa carteira de identidade”.

No ensaio, o autor analisa o  modo como o poeta caxiense reprocessou a questão da alteridade da cultura indígena em sua produção poética, ou seja, de que modo “observou e absorveu” as diferenças e refletiu o espírito nacional. 

Conclui que, “ao esvair-se”, “o poeta se transforma num alterofilista, sem ‘h’: em vez de erguer alteres, cuida de levantar alteridades”.

Se o conjunto de textos do professor e crítico carioca se inicia com o estudo sobre o autor de “Os timbiras”,  ele praticamente conclui o livro com dois escritos consagrados a outro maranhense, o poeta Ferreira Gullar.

 

Ao defender na Academia Sueca a concessão  do Prêmio Nobel de Literatura ao autor do “Poema Sujo”, Secchin fez a exaltação de “uma vida admirável pela capacidade de dizer não a toda forma espúria de poder, mesmo ao preço de pagar por isso com a própria liberdade”.

Ele reconhece na obra de Gullar “uma poesia admirável pela inquietação e pela ampla gama de recursos, que tanto fere a nota pessoal do amor e da solidão quanto se ergue na defesa de valores éticos universais através de sua muralha luminosa de palavras”.          

O outro texto transcrito é o que Secchin pronunciou na Academia Brasileira de Letras, onde ocupa a cadeira número 19, na recepção ao acadêmico eleito Ferreira Gullar.

O tratamento conferido a Gonçalves Dias e a Ferreira Gullar neste delicioso percurso que o professor Secchin nos convida a fazer pelos caminhos da nossa literatura, principalmente na fase de afirmação de nossa nacionalidade, faz justiça a dois grandes poetas brasileiros, um deles, talvez o maior deles, hoje esquecido.

E, sem que seja essa sua intenção, o livro reafirma a importância da contribuição maranhense na construção da cultura nacional.

Além dos dois poetas destacados, o livro menciona, de passagem, outros maranhenses: Sousândrade, Gentil Homem de Almeida Braga, Raimundo Corrêa,  também esquecidos.

“Percursos da poesia brasileira” passa, naturalmente, ao largo de questões regionais. O objetivo do autor é oferecer ao leitor o que ele chama de “uma história informal” da poesia brasileira do período mencionado.

Nesse livro, Secchin revela-se apaixonado leitor de poesia.

Por isso, sua maior alegria, como professor, foi, como diz, perceber que pode auxiliar pessoas a superar resistências contra a poesia, “ou melhor ainda,  perceber que,  para uns poucos, a poesia passou a integrar também a cesta básica de alimentos indispensáveis à vida”.

O Maranhão, como se vê, contribuiu bastante para essa cesta com o pão espiritual de sua poesia.

Antonio Carlos Lima é Jornalista.

Email: [email protected]

0

Hildo Rocha diz que Flávio Dino implantou o caos no Turismo maranhense

Durante pronunciamento na tribuna da Câmara o deputado Hildo Rocha acusou o governador Flávio Dino de destruir o turismo do Maranhão. Segundo o parlamentar as praias da capital poluídas, desprezo pela cultura, desvalorização dos artistas da terra e desorganização administrativa são fatores determinantes para o caos no Turismo maranhense. 

Rocha mencionou reportagem publicada no último domingo, pelo Jornal o Imparcial. Na publicação, o presidente da Associação Brasileira da Indústria de Hotéis do Maranhão (ABIH), José Antônio Barros Filho, culpa os órgãos do governo do estado do Maranhão pelo caos que vive o Turismo maranhense.

“O governador Flávio Dino assassinou o Turismo maranhense com a péssima administração que realiza, resultando, consequentemente, na diminuição da ocupação da rede hoteleira de São Luís. Isso fez aumentar o desemprego no segmento e diminuir a geração de riqueza, além de provocar outros efeitos negativos para a sociedade”, enfatizou Hildo Rocha.

Praias poluídas

O deputado destacou que, na reportagem de O Imparcial, o presidente da ABIH, Barros Filho, citou a poluição das praias como um dos fatores que tem contribuído para o afastamento de turistas em São Luís.

“As  praias de São Luis estão todas poluídas porque a Companhia de Águas e Esgotos do Maranhão (CAEMA), órgão comandado pelo Flávio Dino, através de prepostos, desativou as Estações de Tratamento de Esgotos (ETEs). A do Jaracaty Flávio Dino desativou logo no início do governo. Essa unidade tratava algo em torno de 15 a 20% do esgoto de São Luís, jogados na baia de São Marcos sem nenhum tratamento”, destacou Hildo Rocha

Ainda de acordo com o parlamentar, a ETE do vinhais, que foi construída pela então governadora Roseana Sarney, entregue pelo Flávio Dino, passou a operar de forma improvisada. De acordo com o deputado, o pelo menos, 40% do esgoto de São Luís poderia estar sendo tratado pela ETE do Vinhais.

“Hoje, São Luis tem as suas praias poluídas graças à inoperância, à incompetência do governador Flávio Dino. A ETE do Vinhais opera de forma inadequada, ajudando a poluir o rio Anil  e nossas praias, porque esse governo não consegue fazer nada corretamente, nem mesmo fazer funcionar eficazmente uma estação de tratamento de esgoto”, afirmou Hildo Rocha.

Desprezo pela Cultura

Hildo Rocha criticou a falta de apoio aos grupos folclóricos genuinamente maranhenses e os artistas locais.

“Promover a  cultura no Maranhão não tem dificuldade. Basta apoiar e respeitar os grupos de Bumba meu Boi, as danças portuguesas, o cacuriá, as quadrilhas, o tambor de crioula e os artistas maranhenses”, disse o deputado.

Secretaria extinta

O parlamentar enfatizou que a Cultura funciona como ímã para o Turismo.

“Nossa cultura é rica, nosso folclore ê diversificado. Não precisamos importar atrações. A cultura valorizada atrai o turistas. Os turistas trazem divisas, geram empregos, e, consequentemente, ajudam a fortalecer a economia. Mas, infelizmente o governador não gosta da cultura maranhense e pouco se importa com o segmento do turismo. Prova incontestável é que no seu governo a Secretaria de Turismo foi extinta”, lamentou Hildo Rocha.

0

Danças e homenagens ao Bumba meu Boi marcam início de semana na Câmara

Após quase duas semanas de muita tensão e debates provocados pela crise dos caminhoneiros, a semana na Câmara dos Deputados começou com uma importante celebração cultural: a tradição secular do Bumba Meu Boi, que foi tema da sessão solene desta segunda-feira (4).

O encontro, promovido pelo Procurador Parlamentar da Câmara, deputado federal Hildo Rocha (MDB), reuniu folcloristas, produtores culturais, parlamentares e representantes do Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional (IPHAN).

De maneira unânime, os discursos reafirmaram a importância do folclore como patrimônio imaterial nacional e símbolo cultural e representativo da resistência, otimismo e superação do povo brasileiro.

– A base cristã não excluiu as influências de matrizes africanas e influências indígenas que o Bumba meu Boi recebeu – ressaltou o parlamentar.

Hildo Rocha destacou também a importância da sessão solene que objetivou divulgar e preservar a memória cultural do complexo do Bumba meu Boi do Maranhão e homenagear folcloristas que mantém viva a tradição. Um deles, lembrado pelo deputado, foi o artista maranhense Seu Teodoro, falecido recentemente e que fundou o Boi de Sobradinho.

Hoje a brincadeira é mantida pelo filho de Seu Teodoro, Guarapiranga Freire.

Patrimônio mundial da Unesco

Ainda na sessão, a Presidente do IPHAN, Kátia Bogéa, destacou a aprovação da candidatura do Bumba meu Boi ao título de patrimônio imaterial da humanidade.

– Para nós, maranhenses, esse é um momento muito importante, porque São Luís já foi reconhecida como patrimônio imaterial. Hoje, o Bumba meu Boi se tornou um complexo cultural que envolve sotaques e elementos regionais, tendo se espalhado por outros estados que adotaram o folclore – enfatizou Kátia Bogéa.

Regada a muita música, a sessão seguiu com apresentação do grupo do Seu Teodoro e em seguida com a toada do principal cantor do Boi da Maioba de São Luís, Marcos Oliveira , a solenidade foi finalizada sob aplausos entusiásticos.

Participaram também da sessão o presidente do Bumba meu Boi da Maioba, José Inaldo, o Presidente do Conselho de Cultura de Sobradinho, Fernando Alexandre Jacinto da Silva, o ex-secretário de Planejamento, Gestão e Previdência, Fábio Gondin, a deputada federal Érica Kokay (PT-DF), o ex-senador Francisco Luiz Escórcio Lima, entre outras autoridades de Brasília e do Maranhão.

0

Trailler de “Glamour…” ganha destaque na TV do aeroporto…

Aeromídia, que cuida da publicidade no Cunha Machado divulga o extrato promocional do filme maranhense, em área de forte movimentação turística

 

O trailer já está sendo exibido dede a manhã desta quarta-feira, 6, chamando a atenção, sobretudo, de quem chega para o feriadão em São Luís

 

Já está em transmissão contínua no sistema de TV do aeroporto Hugo da Cunha Machado o trailler do filme “Glamour – Glória e Tragédia”, produção maranhense de autoria do titular deste blog.

A parceria com a Aeromídia, responsável pelo sistema do terminal garante veiculação 24 horas por dia em uma das áreas de intensa circulação de turistas.

O destaque do filme chama atenção no saguão do Aeroporto Cunha Machado, destacando as belezas da capital maranhense

Além de familiarizar o futuro espectador com o roteiro do filme, o trailer destaca a exuberante fotografia do carioca Carlão Limeira e do  paraense Lucas Moraga, focada nas belezas de São Luís.

É uma forma também de familiarizar quem chega com a cenografia da capital maranhense, sobretudo nesta semana de aniversário.

“Glamour – Glória e Tragédia” tem estreia marcada para 18 de outubro, no Cine Praia Grande…

0

Júnior Verde é destaque no Quarta Cultural da Assembleia..

Júnior Verde recitando poesia no projeto da Assembleia

Júnior Verde recitando poesia no projeto da Assembleia

O deputado estadual Júnior Verde (PRB) foi destaque do Quarta Cultural, uma iniciativa da TV Assembleia com o objetivo de valorizar a cultura local. O parlamentar e sua esposa, vice-presidente do Grupo de Esposas dos Deputados do Estado do Maranhão (Gedema), Sandra Lima, recitaram poesias em homenagem a São Luís.

Esta foi a quarta edição do projeto, que contou com apresentações de funcionários da Casa e do espetáculo da Companhia de Teatro Pão com Ovo.  

Para surpresa da platéia que lotou o auditório do Complexo de Comunicação da Assembleia, Júnior Verde interpretou poesias de autoria do Livro ‘São Luís, uma obra de arte’, de autoria própria, em uma performance emocionada.

“Recitamos algumas poesias em homenagem a São Luís, reflexo de uma obra literária que temos sobre a capital Patrimônio da Humanidade”, comentou o deputado, acompanhado da esposa.

“Esse projeto é maravilhoso, pois está dando oportunidade a grandes talentos se apresentarem e incentivar de certa forma a classe artística e a gente só tem a contribuir como prata da casa. Todos estão de parabéns”, reforçou Sandra Lima.

O Quarta Cultural também contou a participação do servidor Ricardo Bondim e banda, que divulgou suas canções e interpretou MPB e forró pé de serra, e do Espetáculo Pão com Ovo, com humor que brinca com as situações diárias.

O diretor de comunicação da Assembleia, Carlos Alberto Ferreira, comemorou o sucesso do Quarta Cultural.

“A melhor demonstração disso é plateia ocupando todos os assentos para prestigiar nossas atrações”, observou.

 “Agradecemos a TV Assembleia pela oportunidade e parabenizamos pela iniciativa de proporcionar a artistas maranhenses um espaço para mostrar seus talentos”, acrescentou Júnior Verde.

8

São João ignorado nos portais oficiais do Maranhão…

Em plena efervescência cultural maranhense, com o Bumba-Meu-Boi e os festejos juninos, o governo e a prefeitura praticamente ignoram o período, optando pelo culto à personalidade de seus gestores

 

Os sirtes do governo exibem o culto à personalidade de Flávio Dino. E só..

Nos sites do governo culto à personalidade de Flávio Dino

Entrou-se no terceiro dia do período junino, o mais importante para a cultura do Maranhão, calçada no folclore do Bumba-boi e nas festas de São João.

Mas na propaganda do governo, na mídia oficial e nos portais mantidos pelo poder público nada lembra a festa junina.

Nenhum outdoor, nenhuma propaganda em TV, rádio, revista ou jornais – pelo menos naqueles que repercutem – há qualquer refer^ncia aos festejos de São João e ao espetáculo do Bumba-boi,a maior expressão cultural do estado.

O que se vê nas páginas dos sites mantidos pelo Governo do Estado e pela Prefeitura de São Luís é o culto à personalidade de seus gestores. O mesmo culto criticado por eles quando em campanha.

No site da prefietura há Holandinha por todo lado. E nada da cultura junina da capital

No site da prefeitura, Holandinha por todo lado. E nada de São João

O site da prefeitura é repleto de imagens do prefeito Edivaldo Holanda Júnior (PTC), de todos o tipos, em todos os lugares.

Nas páginas do site do governo e no do Palácio dos Leões – criado exatamente para promover o governador – Flávio Dino parece um chefe onipresente do Oriente Médio, visto em todos os lugares e em todas as manifestações.

Mas nada lembra que o Maranhão está em seu período cultural mais intenso.

E o resultado – como no Carnaval, destruído pela propaganda comunista – é o abandono da terra por turistas cada vez mais receosos por vir ao estado.

Resultado direto da contrapropaganda dos próprios comunistas...