1

Roberto Rocha para além de 2018…

Com horizonte nebuloso do ponto de vista político-eleitoral, senador maranhense precisa se movimentar com maestria nas eleições deste ano para garantir, ao menos, perspectiva para além do próximo pleito

 

Rocha tem posição no Senado, mas pouca perspectiva

Editorial

Este blog publicou em 2014 o post “Roberto Rocha e Flávio Dino oito anos depois…”.

O texto fazia uma análise futura sobre a relação das duas lideranças então recém-eleitas e apontava para uma perspectiva de que, em 2022, eles iriam, fatalmente, se enfrentar em uma disputa pelo Senado.

Na época, a quem perguntasse a Roberto Rocha sobre essa relação ele falava que sua perspectiva política, a partir de então, se baseava nos “intermináveis oito anos de mandato no Senado”.

Mas o tempo passou… e o “intermináveis oito anos de mandato” já se foram pela metade.

Do alto do seu posto no Senado, Roberto Rocha é hoje um político com perspectiva nebulosa, não apenas em 2018, mas também já se avaliando 2022 – exatamente “os oito anos depois” tratado no post citado acima. 

Leia também:

O projeto de 20 anos de Holandinha e Flávio Dino…

Embate Flávio Dino X Roberto Rocha…

O projeto de poder de Roberto Rocha…

Com poucas chances de vitória nas eleições de outubro, o senador tem cenário ruim também para daqui a quatro anos, caso Flávio Dino vença as eleições de outubro.

A menos que…

Para sair do atual processo eleitoral maior do que quando entrou – ainda em 2014 – Roberto Rocha precisa fazer gestos que o ponha como líder de fato, não apenas em 2018, mas que tenham repercussão também em 2020 e 2022.

Independentemente de ser candidato a governador, ele precisa liderar um grupo que, vencendo a eleição, crie as condições de renovação para seus “intermináveis oito anos no Senado”.

Assim, mesmo se perder, este grupo abre perspectiva de vitória nas próximas eleições municipais, o que, em tese, dará a Rocha as condições não apenas de garantir mais “oito anos intermináveis no Senado”, mas também perspectiva para que ele possa concorrer ao governo com patamar mais elevado, em 2022.

Dono de um mandato poderoso no Senado, e com uma legenda forte eleitoralmente, o PSDB, Rocha pode fazer deste processo eleitoral a virada da sua sobrevivência política para além de 2018.

Ou pode enterrar-se de vez como liderança. A escolha é apenas dele.

Simples assim…

Marco Aurélio D'Eça

One Comment

  1. Amigo Marcos, Roberto tentou em 2016 se tornar uma liderança, o problema e não conseguiu, aonde ele colocou a mãe ele perdeu, foi assim em Imperatriz, foi assim em São Luís, foi assim em Pinheiro, foi assim em todos os lugares q ele tentou mostrar uma força w ele não tem, coloca na sua cabeça amigo Marcos, logo depois da eleições de 2018, Roberto Rocha vai tentar voltar para os braços de Flávio Dino como um cachorro sem dono, vc acha mesmo q Roberto Rocha em 2022 tem coragem de concorrer contar Flávio Dino para o senado, em uma única vaga? Não vai amigo, ele vai pedir até pelo amor de Deus q Flávio apoio ele para deputado federal ou estadual, o tempo vai nos falar .

    Resp.: Ele só terá que fazer isso se não souber jogar o xadrez da política, meu caro. Ele tem caminhos em 2018 que apontam para 2020 e 2022. E nem precisa sair vitorioso agora. basta criar um novo caminho. Se não apontar para isso, aí sim, terá que pedir ppu a Dino para sobreviver.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *