0

Edivaldo Jr. reaparece em post parabenizando Flávio Dino…

Ex-prefeito que estava há três meses sem postar nada no instagram, no twitter ou em qualquer outra rede social desejou êxito ao novo ministro do Supremo Tribunal Federal e citou também a senadora Ana Paula Lobato, que assume o posto no Senado que poderia estar hoje com o próprio Holandinha

 

A postagem de Edivaldo: o que não deve passar pela cabeça do ex-prefeito de São Luís ao ver o desenrolar de 2022?

Desaparecido das redes sociais desde novembro – quando postou o recebimento de sua carteira da OAB-MA – o ex-prefeito de São Luís Edivaldo Júnior (sem partido) postou nesta quinta-feira, 22, homenagem ao novo ministro do Supremo Tribunal Federal, Flávio Dino.

– Parabenizo o amigo Flavio Dino pela posse como ministro do Supremo Tribunal Federal (STF) desejando êxito neste novo desafio. Com a sua experiência e competência, contribuirá muito com a Suprema Corte, fortalecendo a democracia brasileira – declarou Edivaldo.

N a postagem, Edivaldo também desejou sucesso à nova senadora Ana Paula Lobato (PSB),que assume a vaga de Dino no Senado.

– Que Deus a abençoe em sua missão – disse.

Curiosamente, a vaga que Ana Paula assumiu poderia ter sido do próprio Edivaldo Jr., caso ele não tivesse buscado o caminho que buscou nas eleições de 2022.

No início daquele ano, contam os bastidores da política, o ainda governador  Flávio Dino chamou o ex-aliado para uma conversa no Palácio dos Leões e ofereceu a ele postos na futura chapa eleitoral a ser encabeçada pelo então vice Carlos Brandão.

Holandinha poderia escolher entre ser o vice de Brandão ou compor a chapa do próprio Dino, como primeiro suplente de senador; o ex-prefeito preferiu apostar em uma candidatura a governador e amargou apenas o quarto lugar.

E o restante da história todos já conhecem…

0

A amargurada despedida de Flávio Dino…

Futuro ministro do Supremo Tribunal Federal não esconde a tristeza em discurso de despedida no Senado Federal, fala de exílio como membro da elite do judiciário brasileiro, mostra inveja de quem pode permanecer na política e acena com possível volta às disputas ideológico-eleitorais

 

Flávio Dino na tribuna do Senado: exílio no Supremo e um possível “até logo” da vida política

Análise da Notícia

O ainda senador Flávio Dino, que toma posse no Supremo Tribunal Federal nesta quinta-feira, 22, tem exposto em tons cada vez mais fortes sua amargura por ter que deixar a carreira política pela vaga na elite do judiciário brasileiro.

Em seu discurso de despedida da carreira política, no Senado Federal, ele confirmou com todas as letras o que este blog Marco Aurélio d’Eça dizia desde setembro de 2023: foi convidado a se retirar da política.

– Invejo quem permanecerá na política. Desejo que Deus seja generoso para que, quem sabe, eu esteja presente aqui compartilhando desses momentos com vocês, daqui a algumas décadas – desabafou o ministro, em seu discurso.

Em outro trecho, ele citou o poema Canção do Exílio, do Maranhense Gonçalves Dias, confirmando o termo usado pela imprensa maranhense, de que sua estada no STF será uma espécie de exílio da vida política; tanto que deixou em aberto a possibilidade de voltar ao debate ideológico-eleitoral.

– Não sei se Deus me dará oportunidade de estar novamente na tribuna do Parlamento, no Senado ou na Câmara. Tenho me animado muito acompanhando a eleição dos Estados Unidos, porque os dois contendores têm cerca de 80 anos. Então, quem sabe, após a aposentadoria, em algum momento, se Deus me der vida e saúde, eu possa aqui estar –disse, amargurado.

Se não pedir para sair antecipadamente, Dino ficará no STF até 2043, quando completará 75 anos.

Neste caso, estará apto a disputar as eleições gerais de 2046…

0

Lula fez a mesma promessa para Weverton e Eliziane sobre 2026…

Senadores maranhenses cujos mandatos terminam em fevereiro de 2027 estão convencidos de que o presidente irá atuar para colocá-los na chapa que vai disputar o Governo do Estado liderada pelo atual governador Carlos Brandão, ele próprio um dos candidatos naturais a uma das vagas e que tem outros planos para a sua sucessão

 

Weverton e Eliziane apostam no mesmo Lula para garantir a reeleição em 2-026; mas o presidente precisa combinar com o governador Carlos Brandão

Ensaio

O título deste post é a resposta a outro, de 26 de janeiro, que continha a pergunta: “Lula fez a mesma promessa a Weverton e Eliziane?!?!”.

Quem conversa com o entorno dos senadores Weverton Rocha (PDT) e Eliziane Gama (PSD) – e com eles próprios – ouve praticamente a mesma sentença: “o presidente Lula vai atuar para garantir minha presença na chapa majoritária de 2026.”

Em linhas gerais, tanto Weverton quanto Eliziane dizem ter a garantia de Lula para a reeleição em 2026.

Nas conversas pessoais, o senador do PDT é ainda mais incisivo que a colega do PSD, uma vez que fala, inclusive, de uma fatura não-liquidada por Lula desde 2022, quando o ainda candidato do PT a presidente optou por apoiar Brandão e não “quem teve história com ele”.

Se Lula não foi leal à história dele com Weverton quando estava sem mandato – apenas como candidato a presidente – por que cumpriria agora, já sentado no controle da máquina do governo?

Está claro que Lula deve ter feito a mesma promessa para Weverton e para Eliziane.

Ainda que queira cumpri-la, o presidente precisa combinar, logo de cara, com o governador Carlos Brandão (PSB), que tem as prerrogativas para liderar a própria sucessão, sendo, ele próprio, candidato natural a uma das vagas de senador.

Ora, para garantir o mandato de governador ao seu vice Felipe Camarão (PT), Brandão precisa se desincompatibilizar seis meses antes da eleição. Pra fazer isso, ele precisa das garantias do próprio Camarão, e do PT de Lula, de que trabalharão pela sua eleição ao Senado.

Isso se deixar mesmo o posto.

Admitindo a hipótese de que Brandão será candidato a senador – com Felipe candidato a governador – pergunta-se: Por que Lula quebraria lanças por um ou outro nome na disputa pelo Senado se já estará contemplado com o PT no governo tendo a possibilidade de reeleição? 

Além de Brandão, outro aliado de Lula com pretensões senatoriais é o atual ministro dos Esportes André Fufuca (PP); são, portanto, quatro nomes já postos na base lulista para a disputa senatorial de 2026.

A promessa de Lula a Weverton e Eliziane  pode até ter existido.

Mas pelo menos um dos dois está sendo enganado.

Ou os dois…

0

Posição estratégica no Senado aproxima mais Eliziane de Brandão…

Única senadora efetivamente na base do governo maranhense dentre os três representantes do Maranhão, parlamentar está com o governador desde as eleições de 2022 e vem dando sustentação a ele nas articulações em Brasília, o que lhe coloca como uma das opções na chapa majoritária do governo em 2026

 

Eliziane tem sido leal a Brandão desde que decidiu apoiá-lo em 2022; e é hoje a única senadora na base de apoio do governo maranhense em Brasília

A senadora Eliziane Gama (PSD) é atualmente a única dos três representantes do Maranhão no Senado Federal efetivamente na base de apoio do governador Carlos Brandão (PSD); o Palácio dos Leões não conta com o senador Weverton Rocha (PDT) e vê uma incógnita na relação com a futura senadora Ana Paula Lobato, que deve, inclusive, deixar o PSB.

Aliada de Brandão desde as eleições de 2014, Eliziane fechou compromisso com ele na reeleição, em 2022, garantindo, com o gesto, o compromisso de apoio nas eleições de 2026; desde então, a senadora do PSD tem se posicionado efetivamente como aliada do governador, assumindo todas as posições de apoio e de presença na base do governo maranhense.

Brandão não conta em hipótese alguma com o apoio do pedetista Weverton Rocha, seu adversário nas eleições de 2022 e que resiste a qualquer tipo de relação atual com o Palácio dos Leões; a futura senadora Ana Paula Lobato, por outro lado, é esposa do deputado estadual Othelino Neto (PCdoB), que tem tomado cada vez mais posições não-alinhadas ao Governo do Estado.

Um dos trunfos de Eliziane na relação com o governador é sua proximidade com o presidente Lula (PT), com quem Brandão tem pouca interlocução; Eliziane se aproximou de Lula via o senador Flávio Dino, que vai deixar a Casa para assumir posto no Supremo Tribunal Federal.

A senadora do PSD pretende estreitar esta interlocução em favor do governo maranhense, sobretudo com articulações nos ministérios.

Em 2026 serão duas vagas de senador pelo Maranhão em disputa, exatamente a de Eliziane e a de Weverton Rocha; como o governador pode ser um dos candidatos, Eliziane espera que sua relação com o governo desde 2022 a mantenha como uma das companheiras de chapa, ao lado do governador.

É com este compromisso que ela trabalha desde que decidiu seguir com Brandão na reeleição do governador…

0

“Já comecei a andar”, diz Fufuca sobre disputa pelo Senado…

Ministro dos Esportes mostra consciência da missão que tem pela frente nas eleições de 2026, mas já fala como pré-candidato a uma das vagas hoje ocupadas por Weverton Rocha e Eliziane Gama

 

Fufuca tem a simpatia de Carlos Brandão e de Flávio Dino para seu projeto de chegar ao Senado Federal

O ministro dos Esportes André Fufuca está convicto da disputa por uma das duas vagas de senador pelo Maranhão nas eleições de 2026; ele já fala, inclusive, como pré-candidato a senador.

Um projeto majoritário é uma caminhada complexa e longa; tenho plena consciência disso, por isso já comecei a andar”, afirmou o ministro, em entrevista ao jornal o Estado de S. Paulo, no início da semana.

Três vezes eleito deputado federal, um dos parlamentares mais influentes da bancada maranhense, Fufuca é hoje, aos 24 anos, ao lado do governador Carlos Brandão (PSB), um dos nomes mais cotados para ocupar o Senado a partir de 2027 nas vagas hoje ocupadas pelos senadores Weverton Rocha (PDT) e Eliziane Gama (PSD).

A posição do ministro é privilegiada por que conta com o apoio do próprio Brandão, enquanto seus prováveis adversários ainda dependem da influência, pro exemplo, do presidente Lula (PT).

E ao decidir começar a andar, André Fufuca mobiliza lideranças em torno de si…

0

Lula fez a mesma promessa a Weverton e a Eliziane?!?

Ambos os senadores maranhenses cujos mandatos terminam em 2026 justificam ser compromisso do presidente a inclusão deles na chapa que de ser encabeçada pelo vice-governador Felipe Camarão; o problema: uma dessas vagas tende a ser, naturalmente, do atual governador Carlos Brandão

 

Weverton com Lula, Eliziane com Lula; mas Brandão e Felipe também não estão com Lula?

Tanto o senador Weverton Rocha (PDT) quanto a sua colega de bancada Eliziane Gama (PSD) têm dado entrevistas se pondo como opções comprometidas com o presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT) para as eleições de 2026; Weverton Rocha foi bem mais incisivo:

Minha ideia é tentar reconduzir o mandato de senador em 2026, com apoio do Lula”, declarou o pedetista, em recene entrevista ao jornal O Estado de S. Paulo, analisada neste blog Marco Aurélio d’Eça sob o título “Espólio político de Flávio Dino põe Weverton e Eliziane em disputa por 2026”.

Eliziane Gama não declarou publicamente esperar essa definição de Lula, mas nas conversas de bastidores – inclusive com este blog Marco Aurélio d’Eça – ela deixa claro que se apoiará em Lula para garantir sua vaga na chapa de 2026, que aliás, ressalta como “acordo firmado com Brandão ainda em 2022”.

É muito pouco provável que o Lula venha – em algum momento entre agora e 2026 – afirmar que trabalha por Weverton ou por Eliziane especificamente no Maranhão; mas mesmo em fazendo isso, enfrentará um problema equacional: como garantir ao mesmo tempo que o petista Camarão seja candidato ao governo, Eliziane Gama e Weverton sejam senadores e Brandão também tenha sua vaga?

Este blog Marco Aurélio d’Eça já tratou das dificudlades que o próprio Brandão enfnretará em 2026 para organziar uma chapa que contemple ao mesmo tempo ele próprio, Felipe Camarão, Eliziane Gama e o ministro André Fufuca?

Pelo que se vê, esta mesma equação será posta para resolução de Lula.

O presidente conseguirá solucioná-la?!?

0

Felipe Camarão é o candidato natural de Brandão em 2026, diz Madeira…

Dando continuidade ao momento de fortes declarações públicas sobre o poder no Maranhão, chefe da Casa Civil do Governo do Estado apontou os caminhos do seu grupo político em 2026, disse que o governador deve mesmo disputar uma das vagas ao Senado, mas preferiu não cravar nome para a segunda vaga de senador; tudo isso em entrevista à rádio Difusora News

 

Madeira e os jornalistas da Difusora News: recados para todos os atuais personagens da política maranhense

Análise da Notícia

O chefe da Casa Civil do governo Carlos Brandão (PSB), Sebastião Madeira (PSDB), está impossível neste início de ano eleitoral; após dar recados diretos ao candidato do Palácio dos Leões a prefeito Duarte Júnior (PSB), e de fechar portas para outros nomes em 2024, ele agora traça prognósticos também para 2026.

Em entrevista ao programa Expediente Final, da rádio Difusora News, Madeira deixou claro que o entendimento do seu grupo político, liderado por Brandão, é de ter o atual vice-governador Felipe Camarão (PT) como candidato natural ao governo.

É um cara absolutamente correto, leal, preparado. Não tem razão nenhuma para que isso não aconteça”, disse; neste cenário, o chefe da Casa Civil estabelece que o atual governador tenha uma das duas vagas em disputa para o Senado.

 

Não só acredito como defendo que ele (Brandão) vá ocupar a cadeira dele do Senado. Passe oito anos. É novo, se um dia quiser voltar a ser governador, aí é avaliação dele”, ponderou.

 

O chefe da Casa Civil diz não ver sentido algum em uma decisão diferente do governador para além dessa da chapa com Felipe Camarão; entende ele que qualquer outra especulação é expressão de desejo de quem torce pelo rompimento.

Aí o governador sai do grupo que lhe apoiou, sai de todo um conjunto, para poder fazer um enfrentamento absolutamente inócuo e desnecessário?”, perguntou Madeira.

 

Sebastião Madeira só não quis fechar questão antecipada em torno da segunda vaga de candidato a senador na chapa de 2026, que tem como interessados os atuais ocupantes do mandato Weverton Rocha (PDT) e Eliziane Gama (PSD), o ministro dos Esportes André Fufuca (PP), e o deputado federal Márcio Jerry (PCdoB).

Se fosse pra defender, eu defendia eu mesmo”, brincou.

0

Brandão defendeu ainda em Julho Marcio Jerry para o Senado

Em reunião com membros do PCdoB maranhense, governador disse que o deputado federal representa o campo mais à esquerda da base governista no Maranhão, o que embola ainda mais o tabuleiro da chapa de 2022, que já tem o próprio Brandão, os atuais senadores Weverton Rocha e Eliziane Gama e o ministro dos Esportes André Fufuca

 

Márcio Jerry e Carlos Brandão: comunista teve o nome defendido pelo governador para compor a chapa de candidatos ao Senado Federal

A informação apareceu quase perdida em meio a um textão da edição on-line revista Veja, nesta quinta-feira, 18.

– Para embolar ainda mais o tabuleiro, Brandão disse em uma reunião com o PCdoB em julho do ano passado, no Palácio dos Leões, que, na sua opinião, uma das vagas ao Senado deveria ficar com o deputado federal Márcio Jerry, representante do campo mais à esquerda da base governista no estado – disse o texto, reproduzido no Maranhão pelo blog do jornalista John Cutrim. (Leia aqui)

Liderança política mais próxima do futuro ministro da Justiça Flávio Dino, Márcio Jerry é deputado federal pelo PCdoB e aparece em discussão sobre as chapas majoritárias desde 2015, quando Dino assumiu o governo pela primeira vez; desta vez, a menção do próprio governador joga lenha da fogueira das vaidades dos futuros pretendentes ao Senado.

São cinco atualmente, incluindo Jerry; além do próprio governador  Brandão, querem a vaga os atuais representantes do Maranhão, senadores Weverton Rocha (PDT) e Eliziane Gama (PSD), o ministro dos Esportes André Fufuca (PP) e agora o deputado comunista.

Este blog Marco Aurélio d’Eça conversou com representantes do PCdoB e da grupo dinista no estado; todos confirmaram a reunião com Brandão; o próprio Márcio Jerry detalhou a data, dia 9 de julho, no Palácio dos Leões.

– Eu nunca resolvi tratar do assunto por que entendi que não era o momento; e essa questão do timming perdurou até agora – disse ele, ao comentar o vazamento da informação pela revista Veja, seis meses depois.

0

O reposicionamento de Weverton Rocha…

Após um início de ano de mergulho na derrota de 2022, senador pedetista se realinhou ao grupo do ainda ministro da Justiça Flávio Dino, solidificou sua aliança com o presidente Lula, viu o PDT se recolocar no debate eleitoral e chega ao fim de 2023 com cacife para correr em faixa própria, independentemente das escolhas do governador Carlos Brandão para 2026

 

Weverton fecha 2023 bem mais próximo do agora ministro do STF Flávio Dino e com o prestígio em alta no governo Lula

Ensaio

Se o governador Carlos Brandão (PSB) cumprir o compromisso que tem com o ainda ministro da Justiça Flávio Dino e sair do cargo em 2026 para concorrer ao Senado – abrindo o mandato para o vice-governador Felipe Camarão (PT) – terá, fatalmente, o senador Weverton Rocha (PDT) como companheiro de chapa.

Se, por outro lado, Brandão decidir mandar às favas o acordo com Dino – que já estará no Supremo Tribunal Federal – e deixar Camarão fora do governo para apoiar outro nome à própria sucessão, fatalmente enfrentará uma chapa apoiada pelo presidente Lula (PT), com o próprio Camarão e… Weverton.

Após um ano de mergulho para juntar os cacos de uma derrota fragorosa, que ele próprio reconhece fruto de alguns erros estratégicos de sua campanha, o senador pedetista chega ao final de 2023 com o cacife renovado, força política em franca ascensão e potencial para agregar uma legião de desgarrados na era pós-Dino no Maranhão. 

Weverton reconstruiu as condições para voltar a pensar no jogo de poder.

Quando lideranças e jornalistas o apontavam como “morto” no debate político, ele lambeu as feridas de guerra, mergulhou na reconstrução dos laços históricos com a esquerda e com o presidente Lula (PT), refez as pontes com Flávio Dino e foi fundamental na articulação que garantiu ao ministro a vaga no Supremo Tribunal Federal.

Esta movimentação foi registrada neste blog Marco Aurélio d’Eça ainda em setembro, no post “Weverton ganha força de articulador em Brasília…”.

Por outro lado, enquanto se rearticulava em Brasília, o senador viu seu PDT ressurgir das cinzas com uma candidatura a prefeito que – mesmo com toda má-vontade da mídia e dos políticos fecha o ano como uma das remanescentes na disputa pela Prefeitura de São Luís; a candidatura pedetista é uma espécie de terceira via, capaz de mudar o resultado eleitoral de 2024.

É a partir da sucessão municipal – e não apenas na capital, mas em todos os municípios – que Weverton trabalha para reagregar aliados e ex-aliados, desde os dinistas mais empedernidos até os brandonistas decepcionados, além de desgarrados de todos os lados.

Há quem diga no Palácio dos Leões que o governador  Carlos Brandão dá de ombros para qualquer tentativa de reaproximação de Weverton, por que já definiu seu projeto eleitoral de 2026.

Mas há também entre os próprios aliados do governador Brandão, quem diga que, para desenhar os cenários de 2026, é preciso olhar com atenção para a atual formação da bancada maranhense no Senado Federal.

Seja por qual aspecto que se queira ver…

0

Lula vai usar o 8 de janeiro para despedida de Flávio Dino do Ministério…

Presidente revelou nesta quarta-feira, 20, que o ministro da Justiça participará de uma solenidade entre os três poderes para relembrar os episódios antidemocráticos ocorridos, mas ainda não definiu o seu substituto

 

Flávio Dino sorri diante dos conselhos de Lula sobre a p0olstura no STF, durante a reunião ministerial desta quarta-feira, 20

O presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT) reuniu nesta quarta-feira, 20, o seu corpo de auxiliares para a última reunião ministerial de 2023; durante o encontro, o presidente anunciou que o ministro da Justiça Flávio Dino deixa a pasta no dia 8 de janeiro.

Oito de janeiro foi a data dos atos golpistas no início do ano, um dos primeiros desafios de Flávio Dino no ministério.

O maranhense assume a vaga no Supremo Tribunal federal em 22 de fevereiro; ele passará cerca de um mês e meio no Senado Federal, até renunciar para assumir o STF.

Durante a reunião ministerial, Lula chegou a dar a Dino conselhos de comportamento no Supremo.

– Ali não pode prevalecer apenas a visão ideológica. Um ministro da Suprema Corte não tem que ficar dando entrevista, não tem que ficar dando palpite sobre voto – frisou Lula, que ressaltou a competência do auxiliar.

Uma das críticas a Dino durante seu período como ministro da Justiça era exatamente ao excesso de entrevistas que ele protagonizava.