0

Aliados de Brandão forçam a barra por apoio do PT…

Contando com apoio de petistas empregados no governo, tucano tenta criar situação de “fato consumado” na aliança com o partido do presidente Lula, mesmo fechado com outros projetos presidenciais

 

Tucano histórico, que nunca votou em Lula, Brandão quer ter o PT para agradar a Flávio Dino, que ainda força sua transferência para o PSB

Ainda filiado ao PSDB – e sem garantias de transferência para o PSB – o vice-governador Carlos Brandão vem forçando uma barra para tentar criar a ideia de “fato consumado” na aliança com o PT, do ex-presidente Lula.

Para isso, usa aliados na imprensa na tentativa de gerar fatos, reinterpretando declarações de petistas de acordo com seu interesse.

Filiado ao PSDB – e sem qualquer identificação com o projeto de poder de Lula – Brandão já sabe que não terá como receber o apoio do PT, ainda que ouça isso de petistas empregados no governo, gente do tipo de Augusto Lobato ou Chico Gonçalves.

O próprio Lula já declarou ao governador Flávio Dino (PSB) que não há hipótese de apoio ao PSDB; essa conversa foi revelada pelo blog Marco Aurélio D’Eça, no post “‘PSDB não!’, disse Lula a Flávio Dino…”.

Foi a partir desta conversa que Dino inventou a fracassada candidatura do secretário Felipe Camarão, numa tentativa de afastar o PT do senador Weverton Rocha; agora, os dinistas plantam a informação de que o mesmo Camarão pode vir a ser vice de Brandão, hipótese descartada pela cúpula petista.

No Maranhão, os principais diretórios petistas já declararam apoio a Weverton, como o diretório de São Luís.

O  senador do PDT também tem apoio de entidades sindicais e de classe ligadas ao petismo, como o Sindsep, a CUT e a Fetaema.

Para Brandão, uma saída seria a transferência para o PSB, mas ele resiste a deixar o PSDB por absoluta falta de identidade ideológica com a esquerda.

Tucano histórico, o vice-governador flerta com projetos presidenciais mais á direita, como o governador de São Paulo, João Dória, e até do ex-juiz Sérgio Moro (Podemos).

Mas esta é uma outra história…

 

 

Marco Aurélio D'Eça

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *