1

A aproximação entre Brandão e Weverton…

Vice-governador e senador têm se reunido cada vez mais, desde a reunião com o governador Flávio Dino, e buscam juntos o consenso para a escolha do candidato da base governista em 2022

 

Brandão e Weverton em mais uma tentativa de armistício: para muitos, mais uma humilhação de Dino aos dois; para outros, busca de consenso

As imagens que ganharam a imprensa, a blogosfera e as redes sociais no fim de semana foram a confirmação de um fato já consolidado nos bastidores: o vice-governador Carlos Brandão (PSDB) e o senador Weverton Rocha (PDT) têm-se reunido cada vez mais para discutir a sucessão do governador Flávio Dino (PSB)

Desde a reunião do dia 6 de julho, em que Dino estabeleceu os critérios para escolha do seu candidato, os dois principais nomes da base têm conversado constantemente, um tentando convencer o outro de que é a melhor opção do grupo.

Há duas semanas, por exemplo, o vice-governador e o senador reuniram-se em um jantar a sós, em que foram colocados argumentos de convencimento mútuo.

O blog Marco Aurélio D’Eça apurou que, neste jantar, Weverton ofereceu, mais uma vez, apoio a Brandão em uma eventual indicação para o Tribunal de Contas do Estado.

– Se o TCE é tão bom, por que não vai você? – teria respondido Brandão.

Mas, mesmo diante desta “treta”, o clima tem amenizado de lado a lado.

Weverton, por exemplo, deixou de realizar reuniões no interior e de ostentar apoios de partidos, prefeitos e lideranças, embora mantenha suas articulações nos bastidores. 

O senador espera que os termos do Pacto assinado por Flávio Dino e Brandão sejam cumpridos em novembro, quando pretende mostrar o cumprimento de todos os pré-requisitos para ser o candidato da base.

Brandão, por sua vez, também recuou na pressão para que Flávio Dino assuma logo sua preferência por ele. Mas continua realizando reuniões políticas com partidos fora da base, a exemplo do MDB e do PSD, que fazem oposição de Dino.

O vice-governador espera ser indicado em novembro dentro de critérios próprios, como o fato de que assumirá o governo em abril e terá condições de manter as políticas implantadas por Flávio Dino.

Neste clima mais amistoso é que os dois pré-candidatos vão se movimentando neste período de recesso parlamentar.

O clima deve esquentar, porém, a partir de agosto, quando ambos pretendem intensificar as articulações para se consolidar como a melhor opção do grupo.

Mas esta é uma outra história…

0

Edilázio admite que o PSD pode não ter candidato a senador

Apesar de garantir “chance zero de apoio a Flávio Dino” na eleição para o senado, deputado federal diz que a legenda não vai interferir na escolha pessoal do ex-prefeito Edivaldo Júnior que pretende pedir votos no governador

 

Edivaldo pode apoiar Flávio Dino ao Senado sem interferência do PSD, de Edilázio Júnior

O deputado federal e presidente regional do PSD, Edilázio Júnior, reagiu com indiferença à revelação de que o ex-prefeito Edivaldo Júnior reuniu-se com o governador Flávio Dino (PSB) para comunicar-lhe de sua candidatura ao governo e  do apoio pessoal à pretensão do socialista de se eleger senador.

A revelação do encontro entre Edivaldo e Dino foi feita sexta-feira, 23, pelo jornal O EstadoMaranhão; e confirmada por outros veículos no fim de semana.

Para Edilázio, a decisão de Edivaldo de apoiar Dino em nada interfere na posição político-eleitoral do PSD.

– Chance zero de o PSD apoiar Flávio Dino ao Senado; o partido não interfere na decisão do ex-prefeito, mas não pedirá votos para Flávio – afirmou o parlamentar, em conversa direta com o titular do blog Marco Aurélio D’Eça.

Edivaldo reuniu-se com Flávio Dino para comunicar sua candidatura e dizer do seu apoio ao projeto senatorial do governador

Edilázio Júnior, no entanto, chegou a admitir que a eventual coligação de Edivaldo pode nem ter candidato a senador, o que beneficiaria Flávio Dino.

– O que temos de obrigatório é um candidato a vice. Para o Senado, não discutimos nenhum nome. E se não tiver, não há problema em não tê-lo. O principal é que Edivaldo será candidato a governador – afirmou o deputado federal.

Para Edilázio, a posição de Edivaldo pró-Flávio Dino não é empecilho para o PSD.

– O Edivaldo sempre deixou claro sua simpatia por Flávio Dino, e isso nunca foi problema para o PSD. Por enquanto o que há é uma conversa de filiação de Edivaldo. Após isso, vamos abrir diálogo com todas as correntes do nosso campo – afirmou.

A reunião entre Dino e Edivaldo estava sendo mantida em sigilo, mas indica também que o governador não fechou questão em torno de nenhum aliado para a disputa de 2022.

A reação interna no grupo de Flávio Dino ainda não foi avaliada…

5

Movimentos de Weverton reforçam unidade na base de Flávio Dino…

Senador reúne os principais critérios definidos pelo próprio governador para escolha do candidato do seu grupo: alcance popular, apoio partidário e garantia de continuidade das ações do governo; e ainda reúne lideranças nacionais dos partidos alinhados ao campo popular e democrático

Senador Weverton Rocha reúne os critérios definidos pelo próprio governador Flávio Dino

Se fosse decidir hoje pela escolha do candidato da sua base – e levando em conta os critérios assinados por ele mesmo na carta-compromisso do dia 5 de julho – o governador Flávio Dino (PSB) optaria pelo senador Weverton Rocha (PDT).

Weverton é, hoje, o único candidato da base que atende aos pré-requisitos estabelecidos por Flávio Dino, quais sejam: alcance popular, conjunção de partidos e forças políticas e garantia de continuidade das ações do governo.

Weverton lidera todas as pesquisas de intenção de votos entre os candidatos da base, além de ter a maior percepção de vitória entre os eleitores e de apresentar a menor rejeição.

O senador pedetista reúne o maior número de partidos e lideranças na base do governo; além disso, tem apoio nacional de lideranças de peso, como o ex-presidente Lula, os presidentes da Câmara e do Senado e presidentes de partidos como PSOL, PDT, PCdoB, PSB e PT.

Weverton é também a garantia de continuidade das ações de Flávio Dino num eventual governo, o que se demonstra já agora, na lealdade ao governador.

São exatamente estes critérios que o próprio Dino quer do candidato escolhido.

É com base nessa garantia de Flávio Dino que Weverton vem cumprindo a sua parte no acordo.

O compromisso foi assumido também, pelo próprio presidente nacional do PDT, Carlos Lupi, que aceitou os termos do “pacto” assinado por Dino, Weverton, Carlos Brandão (PSDB), Simplício Araújo (Solidariedade) e presidentes de partidos aliados.

A parte de Flávio Dino agora, é cumprir os termos deste documento.

A decisão está prevista para novembro…

0

Fufuca desconhece articulação para entrada de Roberto Rocha no PP

Em conversa com o blog Marco Aurélio D’Eça, deputado federal que controla o partido no estado diz que ouviu as informações por intermédio desta página e ironiza aliados do senador que abriram esta possibilidade

 

Interlocutor privilegiado do senador Ciro Nogueira, André Fufuca mostra-se tranquilo no comando do PP

O deputado federal André Fufuca, que preside o PP no Maranhão, diz desconhecer qualquer articulação para que o senador Roberto Rocha (sem partido) assuma o comando do partido.

– Sinceramente, soube desta informação no seu blog – disse ele, ao titular do blog Marco Aurélio D’Eça.

Fufuca referia-se à postagem intitulada “Grupo de Roberto Rocha já comemoram controle do PT…”.

Com relação à festa dos partidários do senador, Fufuca até ironizou.

– Devem ter mais relação e conhecimento do que eu.

Sem partido desde que foi expulso do PSDB, Roberto Rocha vem tentando se apossar de legendas no estado, mas sempre esbarra na falta de articulação.

E o PP parece ser mais uma porta fechada ao senador…

3

José Dirceu conclui com Roseana agenda com aliados do PT

Ex-ministro, que está no Maranhão desde a semana passada – recebido pelo senador Weverton Rocha – já esteve também com o governador Flávio Dino e com militante do PCdoB e do PT

 

Mesmo em férias, José Dirceu, que pé o principal interlocutor de Lula, cumpre agenda política no maranhão com vistas às eleições de 2022

O ex-ministro e ex-presidente do PT, José Dirceu, cumprirá na tarde desta sexta-feria, 23, sua agenda de compromissos políticos com potenciais aliados do partido pára as eleições de 2022.

Ele vai se reunir com a ex-governadora Roseana Sarney, que preside o MDB maranhense.

No Maranhão desde a semana passada, Dirceu está hospedado em Barreirinhas, na casa do senador Weverton Rocha (PDT).

No Maranhão, ele já se reuniu também com o presidente nacional do PDT, Carlos Lupi, com o governador  Flávio Dino (PSB) e com líderes do PCdoB, a exemplo do deputado federal Márcio Jerry.

Principal interlocutor do ex-presidente Lula, o objetivo de Dirceu é encaminhar as costuras para a montagem da frente ampla de esquerda que pretende formar para as eleições presidenciais.

Além de PDT, PCdoB, PSB e MDB, o PT dialoga também com o PSOL.

O ex-ministro já havia se encontrado com Roseana Sarney, em Brasília, no início de junho, quando conversou sobre os caminhos do PT no Maranhão.

Na conversa de hoje, deve reforçar com a ex-governadora a posição de Lula em relação ao estado.

José Dirceu deve deixar Barreirinhas no início da próxima semana…

4

A conversa de Flávio Dino e Lula: “PSDB não!”, disse o ex-presidente…

Governador reuniu-se semana passada com o pré-candidato do PT a presidência, em conversa da qual pouco se falou nos dias seguintes, mas que tem significativa importância no contexto das eleições estaduais no Maranhão

 

Flávio Dino postou o encontro com Lula em suas redes sociais, mas não tratou dos aspectos políticos da reunião

Estariam em uma conversa do ex-presidente Lula (PT) com o governador Flávio Dino (PSB), semana passada, as explicações para uma forte pressão midiática de setores do PT e do Palácio dos Leões nos últimos dias. 

Desde a segunda-feira, 19, membros do PT empregados no governo e setores da mídia alinhados ao projeto de candidatura do vice-governador Carlos Brandão (PSDB) vêm tentando construir uma narrativa de apoio do PT ao PSDB no Maranhão.

Essa possibilidade não é cogitada nem por Lula, nem pela cúpula petista.

A conversa de Dino com Lula ocorreu na sexta-feira, 16, e foi tratada nas redes sociais pelo próprio Dino, que minimizou os aspectos políticos do encontro.

Segundo apurou o blog Marco Aurélio D’Eça, porém, o ex-presidente deixou claro ao governador que a aliança nacional do PT – a se repetir nos estados – é com os partidos da esquerda: PDT, PSB, PCdoB e PSOL, preferencialmente.

– PSDB não! – disse textualmente Lula, fala testificada pelo próprio ex-presidente a pelo menos três interlocutores dele e do governador nos dias que seguiram ao encontro.

O próprio PSDB também rechaça aliança com o PT; e defende uma alternativa a Lula e Bolsonaro, como pregam os governadores João Dória (SP) e Eduardo Leite (RS), pré-candidatos tucanos à presidência.

O apoio do PT à candidatura do vice-governador Carlos Brandão, que é o candidato tucano no estado, vem sendo defendida apenas por petistas que têm cargo no governo Flávio Dino, a exemplo do presidente estadual Augusto Lobato.

Nesta narrativa, eles tentam desqualificar, inclusive, vozes mais autorizadas do PT, como o ex-ministro José Dirceu, que está no Maranhão desde o final de semana passada.

A decisão petista, porém, passa pelo comando nacional, atendendo aos interesses nacionais, e com a posição pessoal do próprio Lula.

E este já disse o que quer no Maranhão…

0

Grupo de Roberto Rocha já comemora controle do PP…

Aliados do senador maranhense fizeram festa, nesta quinta-feira, 22, pelo anúncio da nomeação do senador Ciro Nogueira para a Casa Civil do governo Bolsonaro. “Presidente Bolsonaro e senador RR no PP”, afirmaram

 

Roberto Rocha busca um partido para controlar no Maranhão; agora,s eus aliados dizem que ele tomará o PP de André Fufuca

O grupo do senador Roberto Rocha no Maranhão comemorou como vitória o anúncio de que o senador  Ciro Nogueira (PP-PI) será o chefe da Casa Civil do governo Jair Bolsonaro.

– PP Maranhão vai ficar com RR – disse um dos aliados do senador, em mensagem de whatsapp para o titular do blog Marco Aurélio D’Eça.

Em outra mensagem, ainda mais afirmativa, outro aliado foi ainda mais enfático:

– Presidente Bolsonaro e senador RR no PP. PP no estado do Maranhão ficará no comando do senador Roberto Rocha.

O PP é presidido no Maranhão pelo deputado federal André Fufuca, que já declarou apoio ao senador Weverton Rocha (PDT) nas eleições de 2022.

Além da força pessoal que tem com o próprio Ciro Nogueira, presidente nacional da legenda, Fufuca goza de prestígio com o presidente da Câmara federal, Arthur Lira (PP-AL).

Roberto Rocha vem tentando desde o início do ano – quando foi expulso do PSDB – controlar um partido no Maranhão.

Já tentou, sem sucesso, se apossar do PTB, do PRB, do PSD e do PSL; nas últimas semanas, contava com a ida de Bolsonaro para o Patriotas.

A festa dos seus aliados dando conta de que controlará o PP maranhense é um sinal de que, finalmente, ele pode ter encontrado uma casa para disputar as eleições de 2022.

É aguardar e conferir…

0

“PSDB busca alternativa a Lula e Bolsonaro”, diz Eduardo Leite

Pré-candidato da legenda a presidente, governador do Rio Grande do Sul afirmou que as prévias de novembro irão oferecer ao país “o melhor candidato”, descartando a aliança com a esquerda e com o Centrão

 

Leite e Dória alinham o pensamento de candidatura própria no PSDB, como alternativa a Lula e a Bolsonaro

O governador do Rio Grande do Sul, Eduardo Leite, deixou claro, em entrevista ao jornal O Globo, esta semana, que o  PSDB terá sim candidato a presidente da República.

Ele descartou aliança com Lula ou com Bolsonaro; e mesmo apoio a uma candidatura que reúna todo o centro político, como espécie de terceira via.

– O PSDB não faz prévias para não ter candidato; faz para ter o melhor candidato. Não faz prévias para ser o dono da verdade, mas para construir coletivamente, desde o partido, uma alternativa a Lula e Bolsonaro. E assim será depois das prévias também com os demais partidos – disse Leite.

O governador gaúcho deve disputar as prévias tucanas com o governador de São Paulo, João Dória Jr., com o senador Tasso Jereissati (CE) e com o ex-prefeito de Manaus, Arthur Virgílio.

A postura de Eduardo Leite – que é repetida por João Dória – torna mais difícil uma aproximação do PSDB com o PT e outros partidos de centro-esquerda.

E descarta também aproximação com o Centrão, como defende o deputado federal e ex-candidato a presidente Aécio Neves.

6

Weverton é para Flávio Dino o que Lobão sempre foi para Sarney…

Ex-ministro de Minas e Energia sempre se manteve leal ao ex-presidente – mesmo preservando a sua independência política – assim como o atual senador em relação ao atual governador

 

Lobão se manteve leal a Sarney durante toda a sua vida política, mesmo com independência; e se mantém até hoje ao lado do ex-presidente

Ensaio

A reação de aliados do vice-governador Carlos Brandão (PSDB) – e de oposicionistas, tanto sarneysistas quanto bolsonaristas – ao encontro do governador Flávio Dino (PSB) com o ex-ministro Carlos Lupi (PDT), terça-feira, 20, fez lembrar a expectativa que aliados e oposicionistas do sarneysismo tinham na relação do ex-ministro, ex-governador e ex-senador Edison Lobão com o ex-presidente José Sarney. 

Lobão sempre foi leal a Sarney, embora mantivesse por toda a sua trajetória política uma independência clara em relação ao ex-presidente.

Sem precisar bajular Sarney, Lobão elegeu-se deputado federal, senador e governador, foi ministro de Minas e Energia e presidente do Senado, mantendo seu grupo alinhado ao projeto do próprio Sarney, sem dependência.

Oposicionistas à esquerda e à direita do sarneysismo sempre incensaram Lobão a romper com Sarney para liderá-los em um levante pelo poder no Maranhão.

Lobão sempre recusou e se manteve fiel ao grupo. 

A história mostra que o grupo Sarney perdeu força após um racha por traição – não de Lobão – mas de quem sempre se vendeu como “o mais leal entre os leais”.

Weverton tem vida política própria, grupo próprio, mas se mantém leal ao projeto do governador Flávio Dino desde a sua entrada na vida pública

Bolsonaristas, sarneysistas e aliados de Carlos Brandão criaram para o encontro entre Dino e Lupi narrativas distintas, mas com o mesmo objetivo: afastar o senador Weverton Rocha (PDT) do governador  Flávio Dino (PSB).

Os oposicionistas – bolsonaristas e sanreysistas – querem o rompimento, obviamente, por que necessitam de alguém que possa liderá-los em um levante contra o dinismo.

Já os aliados de Brandão querem tirar Weverton do páreo da disputa pelo Governo do Estado dentro da base dinista.

Uma mera repetição da história: Weverton Rocha é hoje para Flávio Dino o que Lobão foi para Sarney ao longo dos últimos 50 anos.

Assim como Lobão em relação a Sarney, o senador pedetista se mantem leal a Flávio Dino, mesmo mantendo uma independência política clara em relação ao governador.

Weverton cumpre as regras estabelecidas pelo próprio Flávio Dino e trabalha para ser candidato a governador, mas respeitando o pacto firmado por toda a base, mantendo-se leal ao projeto dinista.

Lobão sempre teve vida própria em relação a Sarney, mas respeitou sua liderança e se manteve leal por toda vida, inclusive hoje, após aposentadoria política.

Fiador do vice Brandão, José Reinaldo Tavares impôs duro golpe a Sarney, passou por Jackson, juntou-se e afastou-se de Dino e agora está novamente ao lado do governador

Para completar a história: contemporâneo de Lobão, o ex-governador José Reinaldo Tavares era tido por todos como uma espécie de “filho postiço mais velho” de Sarney.

Mas foi Zé Reinaldo – e não Lobão – quem impôs ao ex-presidente a mais violenta traição, logo na primeira oportunidade de poder.

É assim que a história política, como a história do mundo, se repete ao longo dos anos.

Como farsa ou como tragédia…

1

“Construindo de forma correta”, disse Weverton, sobre projeto 2022

Senador participou do encontro do governador com o presidente do PDT, Carlos Lupi, para tratar das eleições de 2022, em evento classificado por ele como “dentro do cronograma” da pré-campanha

 

Weverton conversa com Lupi e Dino após reunião no Palácio dos Leões para tratar do processo eleitoral de 2022

O senador Weverton Rocha (PDT) declarou-se “animado” após reunião da qual participou, com o governador Flávio Dino (PSB) e o presidente nacional pedetista, Carlos Lupi.

Para Weverton, o encontro com Dino está dentro do cronograma da pré-campanha a governador, que, segundo ele, está sendo construída seguindo as regras do pacto assinado por toda a base no início de julho.

– Construindo de forma correta [a agenda de campanha] – afirmou o senador.

A reunião entre Lupi e Dino – da qual participou também o secretário de Cidades Márcio Jerry – tratou da formação de uma frente ampla para as eleições presidenciais e suas implicações nas eleições estaduais.

PDT trabalha a formação de uma aliança que inclua também o PT, o PSB, o PCdoB e o PSOL; Segundo o presidente Lupi, o objetivo agora é fazer de Weverton o candidato “do coração de Flávio Dino”.

O secretário Márcio Jerry confirmou que o encontro tratou da relação eleitoral entre “os partidos do campo democrático”.

No sábado, Jerry esteve com Weverton Rocha em Barreirinhas, na conferência municipal do PCdoB; é pra Barreirinhas que segue Carlos Lupi, onde se reúne nesta quarta-feira, 21, com o ex-ministro José Dirceu, eminência parda da campanha do ex-presidente Lula.

Após reunião com Lupi, é Dirceu quem vem a São Luís, para encontro com Flávio Dino, o que deve ocorrer nesta quinta-feira, 22.

Mas esta é uma outra história…