6

Edivaldo também precisa apresentar provas….

Para contestar informação de que perdera R$ 613 milhões em projetos para mobilidade urbana em São Luís, prefeito usa blogs alinhados ao seu projeto de poder para alegar que a documentação está em análise da Caixa Econômica Federal. Mas não apresentou qualquer prova do que diz

 

Edivaldo diz que Eliziane não apresentou provas; mas também não apresenta proa alguma

Edivaldo diz que Eliziane não apresentou provas; mas também não apresenta proa alguma

A coordenação de campanha do prefeito Edivaldo Júnior (PDT) usou nesta segunda-feira, 15, blogs alinhados ao seu projeto de poder para tentar contestar informações publicadas neste blog dando conta de que ele havia perdido R$ 613 milhões em projetos de mobilidade urbana para a capital maranhense.

licitação

O documento da licitação: e para onde foi o dinheiro?

O assunto e a documentação foram divulgados no post “Os R$ 600 milhões da mobilidade perdidos por Edivaldo”.

Tentando vincular a denúncia à candidata do PPS, Eliziane Gama (?), Holandinha diz que os projetos não foram liberados por que o Governo Federal “deu uma freada nos investimentos por causa da crise”. 

E garante que a documentação está em análise na Caixa Econômica Federal.

Mas o prefeito não apresentou nenhuma prova de que os projetos estejam mesmo em análise na CEF.

O fato é que o PAC disponibilizou R$ 613 milhões em projetos para São Luís e este dinheiro nunca chegou.

O prefeito alega não haver provas de que o dinheiro foi perdido pela incapacidade da prefeitura.

Mas também não apresenta prova alguma do contrário.

E neste caso, é ele quem precisa provar que não perdeu o dinheiro por incompetência.

Simples assim…

Marco Aurélio D'Eça

6 Comments

  1. De fato, essa confirmação precisa existir. Porém, por outro lado, é prudente que sejam visitadas as provas e ineficiência de Gestão no tocante ao Programa Bacia do Bacanga, que foi um acordo de emprestimo feito junto ao Banco Mundial. As avaliações ja saíram saíram e o Banco não tem razão alguma para enaltecer São Luís. Basta procurar os dados no site do World Bank.

  2. O prefeito não honrou com a contrapartida da Prefeitura (isso é praxe em todo projeto). O resultado é que São Luís não recebe obras importantes. Isso é fato.

  3. Não sei como Eliziane ainda tem coragem de defender Castelo, esse homem squeou os cofres públicos na maior cara de pau! Mas é aquele negócio, me diga com quem andas, que te direi quem és.

  4. E a Deputada? Que além de usar blogs alinhados ao seu projeto de mentiras, como o seu! Quer insistir em mentiras e factoides, portanto já que a deputada e você insistem no assunto, deveriam evocar provas verídicas junto aos órgãos competentes como a CEF e Ministério das Cidades. Tu não és um blog que tem fontes milagrosas??

    Resp.: Aguarde mais documentos sobre essa história, meu caro. Aguarde…

  5. Até os últimos momentos de Dilma (Edivaldo dizia ser próximo por ter participado do conselho de líderes da base) foram liberados milhões de reais para projetos (com intuito de barrar o impeachment). Qualquer pessoa sabe que o orçamento público (e mesmo o doméstico) é um bolo bem disputado. A realidade dos documentos apresentados é cabal em demonstrar que faltou capacidade da prefeitura em dar prosseguimento com os referidos projetos. Os projetos do Estado (mesmo os oriundos do governo anterior) financiados pela União continuam sendo executados (pode até ser devagar). Então, qual o motivo da Prefeitura não conseguir também? É melhor pensarem em outra desculpa.

  6. O blogueiro afirma: “Mas o prefeito não apresentou nenhuma prova de que os projetos estejam mesmo em análise na CEF.”
    E vossa senhoria apresentou prova de que o recurso foi efetivamente liberado?
    Sem contrato o recurso não sai.
    Simples assim

    Resp.: A seleção dos projetos – como publicado no blog – mostra que os projetos foram aprovados para recebimento dos recursos. Te pergunto: passaram-se dois anos. Os recursos chegaram?!? Sua resposta é autoexplicativa, meu caro.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *