0

Márcio Jerry vai comandar federação PT/PCdoB/PV nas eleições….

Ascensão do deputado fortalece a candidatura do ex-prefeito de São Luís Edivaldo Júnior, que ele considera fundamental para evitar uma disparada do prefeito Eduardo Braide já no primeiro tuno; mas enfrentará resistências do PT, que quer indicar o vice do deputado Duarte Júnior

 

Márcio Jerry será o presidente da Federação Brasil Esperança durante todo o processo eleitoral de 2024

O deputado federal Márcio Jerry (PCdoB) deve assumir ainda esta semana a presidência da Federação Brasil da Esperança, formada pelo seu partido e mais o PT e o PV; Márcio será o presidente desta aliança durante o período eleitoral de 2024.

Na semana passada, o comando nacional desta composição partidária formada em 2022 – e com validade até 2026 – passou a ser da deputada federal Luciana Santos (PCdoB-PE), que substituiu a deputada petista Gleisi Hoffmann (PT-PR). (Entenda aqui)

– Do mesmo modo como ocorreu a mudança na direção nacional da federação, ocorrerá também nas seções estaduais. Vim a Brasília hoje; amanhã ou depois reunirei com PV e PT para formalizar a presidência sob meu comando – disse Jerry ao blog Marco Aurélio d’Eça.

A  chegada de Márcio Jerry ao comando da FEBrasil seria uma forma de consolidar a candidatura do ex-prefeito Edivaldo Holanda à sucessão do prefeito Eduardo Braide; o deputado comunista defende a candidatura de Edivaldo como fundamental para evitar uma vitória de Braide em primeiro turno.

– Respeito a posição do nosso grupo quanto à formação de uma ampla aliança em torno de um candidato, mas entendo que é preciso evitar que a eleição se decida em turno único – disse ele, ainda na semana passada, durante a solenidade de homenagem ao futuro ministro do STF Flávio Dino, na Assembleia Legislativa.

Para garantir a candidatura de Edivaldo pela federação PT/PCdoB/PV, Márcio Jerry terá que enfrentar as articulações do grupo do próprio Dino, que pretende filiar ao PT o ex-deputado Bira do Pindaré, para fazê-lo companheiro de chapa do candidato do PSB, Duarte Júnior,

Mas esta é uma outra história…

0

Os estranhos números da pesquisa DataILha em São Luís…

Em comparação com levantamento do mesmo instituto, de agosto de 2023, números de agora mostram exponencial – e injustificado – crescimento de 11 pontos percentuais do prefeito Eduardo Braide, presença, também injustificada, do ex-prefeito Edivaldo Júnior acima dos dois dígitos e queda de gente que está se movimentando muito mais nas ruas, nas redes sociais e na mídia

Os números do DataIlha mostraram uma movimentação significativa em comparação com números de agosto do mesmo instituto

Editorial

Este blog Marco Aurélio d’Eça demorou para divulgar os números da primeira pesquisa do Instituto DataIlha sobre a corrida eleitoral de São Luís neste início de 2024; e demorou por que achou estranhos e injustificados os números, sobretudo em comparação com pesquisa do mesmo Instituto, divulgada em agosto de 2023. 

Nesta comparação, o prefeito Eduardo Braide (PSD) dá um salto significativo de 11,4 pontos percentuais, chegando a 39,7%; ainda que se reconheça a força do prefeito, não há fato que justifique crescimento tão grande, sobretudo diante de forte oposição sofrida por ele nos últimos cincos meses de intervalo entre os dois levantamentos.

Mais surpreendente é a presença de Edivaldo Júnior com 10,1%.

O ex-prefeito está fora do cenário das eleições desde novembro, quando praticamente desistiu da disputa por falta de acolhimento nos grupos políticos e espaço em partidos; este blog Marco Aurélio d’Eça elencou esses revezes no início de janeiro, no post “Praticamente fora da disputa em São Luís, Edivaldo some, de novo, das redes sociais…”.

O potencial demonstrado por Holandinha é mais estranho ainda quando comparado com outro pré-candidato, deputado Neto Evangelista (União Brasil), que também parece ter abandonado a disputa; fora do debate eleitoral desde novembro, Neto surgiu com apenas 4,9%, nada menos que 6,3% de queda em cinco meses.

Note que Edivaldo Júnior é o único dos candidatos do segundo pelotão que se mantém em todos os cenários da pesquisa DataIlha – junto com Braide e Duarte Jr. (PSB) – um claro sinal de que o levantamento visa testar exclusivamente sua força.

Há uma clara tentativa de mostrar Edivaldo como melhor opção para enfrentar Braide, inflando o prefeito em relação aos demais adversários

O desempenho de Duarte Júnior é outro ponto a ser analisado na pesquisa DataIlha em comparação com seus números de agosto. O candidato do PSB tinha 21,8% em 17 de agosto na pesquisa DataIlha.

Nestes últimos cinco meses conquistou o apoio do governador Carlos Brandão (PSB), recebeu a adesão de inúmeros partidos, deputados, vereadores, praticamente influenciou na desistência de outros nomes da base e polarizou a disputa com Eduardo Braide; não faz nenhum sentido que apareça, agora, com 20,6% no principal cenário, uma perda de mais de um ponto percentual.

Outros candidatos igualmente ativos como Duarte Júnior, e bem mais intensos na disputa que Edivaldo Júnior, como Dr. Yglésio Moyses (ainda no PSB) e Fábio Câmara (PDT) registraram, 2,3% e 1,5%, respectivamente, sem justificativa plausível.

Este blog Marco Aurélio d’Eça não tem dúvidas de que os números do DataIlha tentam dar um recado pró-Edivaldo, fortalecendo Braide em relação aos demais adversários e tentando manter o ex-prefeito numa disputa que ele mesmo já havia abandonado.

Vai conseguir?!?

0

Praticamente fora da disputa em São Luís, Edivaldo some de novo das redes sociais…

Sem partido e sem grupo político para viabilizar seu projeto de voltar a concorrer às eleições municipais, ex-prefeito deixa de publicar aspectos de sua ex-gestão em seus perfis de internet, dando sinais de que já desistiu de ser candidato em 2024

 

A última postagem de Edivaldo, fazendo juramento de advogado na OAB-MA; sonho de voltar a prefeitura já foi arquivado 

O ex-prefeito de São Luís Edivaldo Júnior (sem partido) – que vinha sendo efetivo em publicações nas redes sociais – desapareceu da internet há mais de um mês; sua última publicação no Feed do Instagram foi a do dia em que recebeu, finalmente, sua carteira da OAB-MA, ainda em novembro.

De lá para cá, o ex-prefeito nada mais publicou, nem mesmo nos stories, que tem validade diária; nem mesmo as tradicionais mensagens natalinas e de fim de ano o ex-prefeito usou para se comunicar com seu público.

Edivaldo tentou surgir como opção para a Prefeitura de São Luís e chegou até mesmo a pontuar bem nas pesquisas de 2023 – quando ainda não eram obrigatórios os registros no TRE-MA; mas ele não conseguiu viabilizar partido e sentiu a rejeição de grupos políticos ao seu nome.

Este blog Marco Aurélio d’Eça apurou que o ex-prefeito tem buscado nas últimas semanas uma conversa com o governador Carlos Brandão (PSB); ele quer espaço e apoio para disputar uma vaga na Assembleia Legislativa em 2026, fazendo uma espécie de recaminho político. 

Ainda de acordo com o que apurou este blog Marco Aurélio d’Eça, o ex-prefeito não tem amis interesse nem mesmo de lançar sua esposa, Camilla Braga, como vinha sendo especulado desde 2022.

Ela deve mesmo assumir a direção integral da escola da família Holanda…

0

A era pós-Dino: o peso de Eduardo Braide em 2026…

Favorito nas eleições de 2024, prefeito de São Luís pode se consolidar como liderança popular na capital maranhense, mas ainda carece de grupo político, de partidos fortes e de relação mais próxima com a classe política se quiser ter influência na sucessão do governador Carlos Brandão

 

Com a saída de Dino, Braide se torna a figura mais importante do estado depois de Brandão; mas não parecer ter a mesma disposição do governador para agregar

Perfil

A aposentadoria política do ainda ministro da Justiça Flávio Dino vai fazer surgir novas lideranças em todos os níveis no Maranhão. Uma delas, sem dúvida, é o prefeito de São Luís Eduardo Braide (PSD).

Favorito para ser reeleito em 2024, Braide já esteve cotado para disputar o Governo do Estado em 2022, mas acabou sem qualquer influência direta no processo eleitoral que resultou na vitória do governador Carlos Brandão (PSB). 

O prefeito tem uma forte relação com a população da capital maranhense, o que lhe garante popularidade nas alturas; este perfil já foi analisado neste blog Marco Aurélio d’Eça, no post “Um Eduardo Braide da classe política, outro Eduardo Braide da população…”.

A falta de relação mais próxima com a classe política, o desprezo por partidos, parlamentares e lideranças, a difícil relação com a imprensa alimenta o perfil de outsider ainda pretendido pelo prefeito, embora este perfil – de sucesso a virada da década – já tenha se perdeu no timming político nacional.

Braide lidera uma gestão efetiva do ponto de vista administrativo; o resultados de suas ações são vistas em toda a cidade, das áreas chamadas mais nobres à periferia, com foco na zona rural. É um secretariado de técnicos desconhecidos, sem nenhum auxiliar que se mostre tão destacado do ponto de vista político quanto o próprio prefeito.

O próprio Eduardo Braide alimenta este traço de sua gestão.

Este modelo político, na verdade, é o mesmo do ex-prefeito Edivaldo Júnior (sem partido), com a diferença de que o atual prefeito tem menos carisma pessoal; de difícil acesso, embora afável no trato, pouco afeito a reuniões sociais ou eventos políticos, Edivaldo não construiu base política necessária para a pós-gestão, e o resultado está aí, na atualidade.

O ex-prefeito foi esquecido pelo mesmo povo com quem convivia em suas andanças, deu as costas para o grupo político que o elegeu duas vezes e amargou um retumbante fracasso nas eleições de 2022; hoje, sua popularidade é só um arremedo do que era há três anos atrás e é rejeitado por partidos.

Ainda em 2018, após importante desempenho nas eleições municipais de 2016 – que o alçou ao patamar de liderança política em São Luís – o atual prefeito foi analisado por este blog Marco Aurélio d’Eça, no post “Os caminhos de Eduardo Braide…”.

– Alçado à condição de pré-candidato a governador por conta do recall das eleições de 2016, Braide tem a situação considerada difícil por que não tem partido com tempo na propaganda e com bancada para assegurar sua participação em eventuais debates – analisava o blog, já naquela época.

Eduardo Braide também deve ter pretensões de voos mais altos em política, seja em 2026 ou mais para frente.

Para isso, no entanto, é fundamental que construa uma base política sólida e um grupo que esteja disposto a quebrar lanças por ele no pós-prefeitura.

Caso contrário, pode se transformar no que são hoje Conceição Andrade, Tadeu Palácio e o próprio Edivaldo Júnior.

Simples assim…

0

De como Edivaldo Júnior cavou uma forte rejeição em São Luís…

Mesmo com oito anos de mandato, postura avessa do ex-prefeito somada ao distanciamento partidário e à virada de costas ao grupo que o acolheu em todas as suas eleições levaram a uma antipatia do eleitor que ele não consegue mais tirar apenas com suas postagens em redes sociais

 

Edivaldo é o mais rejeitado dentre todos os oito pré-candidatos apresentados à população para a Prefeitura de São Luís

Ensaio

O ex-prefeito de São Luís Edivaldo Júnior (sem partido) deixou o comando municipal em 202o com altos índices de aprovação popular, muito disso resultado das inaugurações – no fim do mandato e a toque-de-caixa – de praças e aparelhos públicos de impacto visual na cidade.

Mas logo nas primeiras chuvas de 2021 as obras de Holandinha mostraram-se frágeis, mal feitas, a exemplo do complexo Anel Viário, que se desmanchou antes mesmo das águas de março, como mostrou este blog Marco Aurélio d’Eça no post “Entregue há menos de dois meses, obra da prefeitura se desmancha no Anel Viário…”.

Edivaldo já havia cometido um erro político: abandonou todos os seus aliados nas eleições de 2020 – os mesmos que lutaram por ele em 2012 e na sua difícil reeleição de 2016; sua postura de dar as costas para quem o acolheu favoreceu exatamente o atual prefeito Eduardo Braide, seu principal adversário em 16.

Em maio de 2021, Edivaldo anuncia sua saída do PDT; sem partido, chegou a ser convidado pelo então governador Flávio Dino (PSB) a compor a chapa do seu candidato Carlos Brandão (PSB), como vice ou mesmo suplente de senador; também foi procurado pelo senador Weverton Rocha, que já lhe havia dado o PDT em 2014.

Qual não foi a surpresa da classe política quando, no início de 2022, Edivaldo anuncia que vai concorrer a governador contra Brandão e contra Weverton?!?

Conseguiu abrigo no PSD, do então deputado Edilázio Júnior, mas abandonou o partido a própria sorte e nem fez campanha propriamente dita, amargando baixíssimos índices de votação e praticamente tirando o partido da Câmara Federal e da Assembleia Legislativa.

Mesmo após oito anos no comando de São Luís, ex-prefeito não reuniu grupo, não conseguiu partido e não deixou saudades no eleitor

Este blog Marco Aurélio d’Eça descreveu a derrocada política de Edivaldo em novembro de 2022, no post “De como Edivaldo Júnior enterrou a própria carreira política…”.

Mas ele surgiu do nada, em 2023, como pré-candidato a prefeito, tentando abrir caminho em partidos, apostando que estaria bem nas pesquisas; mas, a essas alturas, encontrou portas fechadas e voltou a se isolar.

Hoje, Edivaldo tem baixíssimos índices de intenção de votos, não há partido que demonstre interesse em seu nome e ainda amarga a maior rejeição dentre todos os pré-candidatos a prefeito, segundo a última pesquisa do Instituto Três. (Ver quadro acima)

O ex-prefeito é o exemplo acabado de como, na política, grupos, alianças e relações públicas são fundamentais para uma carreira longeva.

Tudo o que ele abriu mão nestes últimos 1o anos…

0

Edivaldo, Wellington e Yglésio correm contra o tempo em busca de partido…

Pré-candidatos a prefeito de São Luís têm menos de cinco meses para encontrar uma legenda que garanta suas candidaturas em 2024, mas esbarram, por um lado em vetos, por outro, em ações judiciais que devem chegar às últimas instâncias e impedem a transferência para outra agremiação

 

Eles até aparecem nas pesquisas, mas não têm nenhuma garantia de que continuarão na disputa pela Prefeitura de São Luís a partir de abril de 2024

O ex-prefeito Edivaldo Júnior (sem partido) e os deputados estaduais Wellington do Curso (PSC) e Dr. Yglésio Moyses (PSB) têm menos de cinco meses para encontrar um partido que garanta a eles a condição de candidato a prefeito de São Luís.

Mesmo com seus nomes incluídos nas pesquisas, nenhum dos três tem garantias partidárias para ser candidato.

A situação deles – que não mudou nada em quase seis meses – foi retratada pela primeira vez ainda em junho pelo blog Marco Aurélio d’Eça, no post “Os candidatos sem partido e os partidos sem candidatos…”.

Edivaldo não conseguiu abertura em nenhuma agremiação.

Tentou a Federação Brasil-Esperança, formada por PV, PT e PCdoB, mas foi vetado pelo ministro da Justiça Flávio Dino, que quer a trinca com o deputado federal Duarte Júnior (PSB).

Sem grupo político que o ampare e com histórico de abandonar quem trabalhou por ele, Edivaldo vê-se agora isolado e com pouco tempo de reação para entrar na disputa.

Wellington do Curso vive duas situações complicadas.

Além da falta de apoio partidário para ser candidato, ainda corre o risco de perder o mandato na Assembleia Legislativa por fraude eleitoral do próprio PSC nas eleições de 2022.

O processo que pede a anulação dos votos do partido já tem parecer favorável do Ministério Público Eleitoral, e data de julgamento marcado para 20 de novembro; qualquer que seja o resultado, cabe recurso, o que deixa mais indefinição na vida do parlamentar.

Mais difícil ainda é a vida do deputado Dr. Yglésio Moyses.

Ele até se empolga como pré-candidato a prefeito, mas – além de enfrentar resistência de outras legendas – vive a agonia da indefinição de seu futuro no PSB, que já decidiu recorrer em todas as instâncias pedindo o seu mandato por infidelidade partidária.

Se esperar a tramitação de todos os recursos dos socialistas na Justiça Eleitoral, ele perde o prazo para troca de partido; se, ao invés disso, decidir desfiliar-se por conta própria, estará dando razão às alegações de infidelidade e confirmará a perda do mandato.

A tendência é que nem Edivaldo, nem Wellington e muito menos Yglésio seja candidato em 2024, o que reduziria a disputa entre Eduardo Braide (PSD), Duarte Júnior (PSB), Neto Evangelista (União Brasil), Fábio Câmara (PDT) e Diogo Gualhardo (PSOL).

E o quadro ainda pode diminuir ainda mais…

0

A campanha tipo #TBT de Edivaldo Júnior…

Isolado e sem perspectiva partidária, ex-prefeito utiliza as redes sociais para relembranças e suas obras, sem qualquer aparição pública relevante; e já há quem aponte sua desistência da corrida eleitoral em São Luís

 

Edivaldo postou hoje #TBT de suas ações no transporte, mesmo dia que a imprensa critica queda no número de ônibus com arcon na gestão de Braide

O ex-prefeito Edivaldo Júnior (sem partido) transformou suas redes sociais em um #TBT diário de relembranças de suas obras em São Luís.

A divulgação do que fez na capital maranhense – em contraponto ao que é divulgado sobre a gestão do atual prefeito Eduardo Braide (PSD) – é a única movimentação da pré-campanha de Edivaldo, que mantém-se isolado politicamente e sem perspectiva partidária.

A presença de Edivaldo na disputa em São Luís se deu a partir de suas movimentações nas redes sociais, registradas neste blog Marco Aurélio d’Eça ainda em junho, no post “Edivaldo volta à ativa nas redes sociais…”.

A partir daí, ele apareceu nas pesquisas de intenção de votos e até conseguiu dois importantes aliados, o deputado federal Márcio Jerry (PCdoB) e o presidente da Câmara Municipal, Paulo Victor (PSDB), que abriu mão da própria candidatura  e passou a defender o nome do ex-prefeito.

Mas nenhum partido mostrou-se interessado em ter o ex-prefeito como candidato, pelo menos até o momento, apesar de algumas grandes legendas ainda estarem “soltas”, a exemplo do próprio PSDB, de Victor, além do PP, do PL e do MDB, só para citar as maiores agremiações.

A dificuldade de aparição pública tem levado a especulações de que o ex-prefeito já desistiu da candidatura e deve mesmo lançar a mulher, Camila Braga, na disputa por vagas na Câmara Municipal.

Mas esta é uma outra história…

0

Neto Evangelista ganha fôlego para a sucessão municipal…

Parecer do Ministério Público contrário à perda do seu mandato por fraude do União Brasil na cota de gênero – embora possa ser mudado em banca por outro procurador eleitoral – fortaleceu o projeto municipal do deputado e consolidou seu nome no partido, que vinha sendo fortemente assediado pelo ex-prefeito Edivaldo Júnior

 

Edivaldo vinha tentando comer o bandeco de Neto no União Brasil, mas o deputado se fortaleceu após parecer favorável do MPE

O deputado estadual Neto Evangelista revigorou-se em duas frentes com o parecer do Ministério Público Eleitoral contrário à perda dos eu mandato por fraude partidária na cota de gênero nas eleições de 2022.

Embora o parecer possa ainda ser mudado em banca durante a sessão de julgamento – uma vez que o procurador eleitoral titular é José Leite e não Hilton Melo – Evangelista respirou aliviado e ganhou fôlego na sucessão municipal.

Além disso, freou os ímpetos do ex-prefeito Edivaldo Júnior (sem partido), que vinha assediando fortemente o União Brasil para tentar disputar a prefeitura pela legenda.

O julgamento do caso União Brasil no Tribunal Regional Eleitoral ainda não tem data; mas o parecer ministerial favorável deu a neto num alento, diante dos prognósticos ruins que vinham sendo feitos sobre seu futuro político.

Além de Neto, outro candidato a prefeito, deputado Wellington do Curso (PSC) também enfrenta processo no TRE-MA sobre o mesmo problema das cotas de gênero.

Mas ao contrário do parlamentar do União Brasil, Wellington teve o parecer do Ministério Público favorável à perda do seu mandato.

0

Sem rumo partidário, Edivaldo perde ainda mais espaço após pesquisa…

Ex-prefeito vinha tendo dificuldades de viabilizar uma legenda na base do governo Brandão e no grupo do ministro Flávio Dino, o que pode ficar ainda mais difícil diante dos números do levantamento Luneta, divulgado nesta segunda-feira, 30

 

Edivaldo não consegue abrir espaço nos partidos mais consistentes para as eleições de 2024 e começa a cair nas pesquisas

Desde que decidiu apresentar-se como opção à sucessão do prefeito Eduardo Braide (PSD), o ex-prefeito Edivaldo Júnior (sem partido) vinha enfrentando dificuldades para viabilizar uma legenda.

Estimulado pelo deputado federal Márcio Jerry (PCdoB), tentou a Federação Brasil-Esperança, formada por PCdoB-PT e PV, e chegou a ser cogitado no PV, mas o processo não andou diante da pressão do ministro Flávio Dino pelo apoio ao candidato do PSB, Duarte Júnior.

Edivaldo tentou ainda o PSDB, em substituição ao vereador  Paulo Victor, que abriu mão da disputa, e o PP, do ministro dos Esportes André Fufuca, mas também não encontrou guarida; nos últimos meses tenta conseguir o União Brasil, que tem como pré-candidato os eu desafeto Neto Evangelista.

A pesquisa do Instituto Luneta, contratada pela CI Produções LTDA., divulgada nesta segunda-feira, 30, pode ser a pá de cal que falta nas pretensões do ex-prefeito de disputar as eleições de 2024.

Além de cair para o sexto lugar em intenção de votos no principal cenário, com 6,9%, Edivaldo apareceu também como o mais rejeitado dentre os pré-candidatos, com 20,05% de eleitores que declararam não votar nele em nenhuma hipótese.

Sem partido, sem grupo político, sem alianças partidárias e sem apoios de lideranças com peso político em São Luís, o ex-prefeito vai perdendo espaço diante de candidaturas que avançam bem em várias frentes.

E va tendência é que acaba por desistir de concorrer…

0

Edivaldo faz campanha na internet com lembranças de sua gestão…

Ainda sem partido definido e sem grupo político para embalar sua candidatura em 2024, ex-prefeito de São Luís usa suas redes sociais para apresentar feitos de sua passagem pelo comando da capital maranhense, postar fotos com eleitores e falar da família

 

As redes sociais de Edivaldo Júnior mostram obras e serviços de sua gestão, numa pré-campanha de internet

Sem grupo político para embalá-lo na pré-campanha e sem partido definido para apresentá-lo como candidato, o ex-prefeito Edivaldo Júnior faz uma pré-campanha de internet, focando nas relembranças de sua gestão.

No Instagram, rede social em que tem 126 mil seguidores, Holandinha posta diariamente aspectos de ações suas durante seu mandato de oito anos na prefeitura

Já mostrou, por exemplo, a revitalização do Complexo Deodoro, o “antes e depois” de feiras e mercados restaurados em sua gestão e um “Você sabia?” para manter no eleitor a memória fresca do que fez por São Luís.

Edivaldo alterna as postagens de obras e serviços com imagens ao lado de eleitores – algumas atuais, outras antigas – e também muita foto da família, esposa e filhos.

O ex-prefeito atua em duas frentes para garantir um partido político nas eleições de 2024.

Por um lado, trabalha a entrada na Frente Brasil-Esperança, embora enfrente vetos do ministro da Justiça Flávio Dino, que quer PT, PCdoB e PV com o deputado Duarte Júnior (PSB); em outa frente, Holandinha já trabalha a entrada no União Brasil, que tem como pré-candidato o seu desafeto pessoal Neto Evangelista.

Mas esta é uma outra história…