2

As castas Judiciais do Brasil…

Decisão do ministro Edson Fachin, que reconhece a ilegalidade do ato do procurador Marcelo Miller, mas, mesmo assim, prende apenas seus cúmplices, expõe mais uma vez a ditadura do Judiciário na sociedade brasileira

 

No Brasil de castas, há cidadãos maiores e menores diante do Judiciário

Editorial

No Brasil de castas, juízes, desembargadores e ministros do Judiciário podem ter filhos assessorando políticos e esposas em escritórios de defesa de políticos que eles próprios julgarão.

No Brasil de castas, um desembargador, juiz ou ministro pode processar jornalista e ainda ter o caso julgado por um juiz de primeira instância de sua própria área de influência, como se fosse a coisa mais natural do mundo.

No Brasil de castas de  Gilmar´s Mendes, Rodrigo’s Janot e Sérgio’s Moro, defendidos – até com agressividade – por associações extremamente corporativistas e reacionárias, o Judiciário se põe, por si mesmo, acima do bem e do mal.

Leia também:

O risco iminente de golpe do Judiciário…

Ministério Público e autoritarismo…

O absolutismo do Judiciário…

E a decisão do ministro do Supremo Tribunal Federal, Edson Fachin, de prender os empresários Joesley Batista e Ricardo Saud – criminosos contumazes, que só estavam soltos pela benevolência do próprio Judiciário – exibe diferenciação que o Judiciário faz dos cidadãos comuns e de suas castas de juízes e promotores.

Fachin deixa claro que os empresários receberam “aconselhamento ilegal” do ex-assessor de Rodrigo Janot, procurador Marcelo Miller.

Mas o mesmo Fachin decidiu manter livre o “aconselhador ilegal”.

É assim que funciona no Brasil de castas do Judiciário.

Simples assim…

Marco Aurélio D'Eça

2 Comments

  1. Concordo inteiramente com tudo o que foi dito no post.
    É uma vergonha!

  2. Nosso judiciário é uma merda, caro, ineficiente, desonesto, imprevisível.
    É a nobreza, os sangue azuis do país, a quem todos temos que pagar salários milionários para pouco trabalho e muita enrolação.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *