3

Juiz diz que ações contra eleitos aprimoram o processo eleitoral…

Titular da 10ª Zona Eleitoral de São Luís, José Ribamar D’Oliveira Costa Júnior frisou que os questionamentos ao resultado do pleito são “desdobramentos” naturais das eleições

 

Diplomação dos eleitos foi realizada no Centro de Convenções Pedro Neiva de Santana

O juiz da 10ª Zona Eleitoral de São Luís, José Ribamar D’Oliveira Costa júnior ressaltou, durante solenidade de diplomação dos eleitos em São Luís, que o Tribunal Regional Eleitoral fez sua parte para que a vontade do eleitor fosse respeitada.

– É verdade que vivemos tempos difíceis com o país atravessando uma das piores crises econômica, política e social, como certa instabilidade entre os poderes da República, mas, apesar de tudo, inclusive com contingenciamento de recursos, conseguimos atravessar esse mar revolto com a normalidade necessária para assegurar que a legítima vontade popular dentro do devido processo legal fosse respeitada – declarou, em discurso.

Costa Júnior frisou, porém que o desdobramento natural desse processo eleitoral são os questionamentos do resultado, “através das representações e ações judiciais que também servem para aprimorá-lo”.

Edivaldo Júnior usou a máquina para comprar votos,s segundo provas apresentadas por Braide

O deputado Eduardo Braide (PMN), segundo colocado na disputa em São Luís, apresentou no início da semana ação de cassação do prefeito reeleito Edivaldo Júnior (PDT), exatamente por entender que o pedetista manipulou a vontade popular.

A ação de Braide elenca uma série de provas de que Holandinha comprou votos e usou a máquina administrativa para influenciar a vontade do eleitor. (Releia aqui, aqui e aqui)

Além da ação do deputado contra o prefeito, o próprio TRE ainda vai ter que analisar a situação dos vereadores Aldir Júnior (PR), Nato Júnior (PP) e Beto Castro (PROS), cujas prestações de contas foram rejeitadas pela Justiça Eleitoral.

O juiz Costa Júnior presidiu a solenidade de diplomação dos eleitos, representando a Corte Eleitoral maranhense…

Marco Aurélio D'Eça

3 Comments

  1. Essa história ainda vai render assunto, mas eu gostaria de saber o porquê da licitação da escolha da empresa que ficaria na portaria das escolas foi suspensa? Até porque eu estranhei haver uma licitação, embora o contrato da empresa Jm já venceu, a referida empresa está prometendo emprego na portaria em janeiro estranho ou a licitação seria uma farsa ou então a prefeitura vai contratar sem licitação, eu não acredito em licitação da prefeitura de São Luís, de qualquer forma ficarei atenta a esse desdobramentos

  2. O Braide gosta de uma intriga. Vem falar de uma eleição limpa, mas nunca dei explicações sobre a bagunça do gabinete dele, assessores e anajatuba.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *