0

O nó tático de Paulo Victor em Zanony Passos

Nenhuma outra liderança política no Maranhão conseguiu o que o presidente da Câmara Municipal de São Luís alcançou com a denúncia contra o promotor de Justiça; além de livrar a Casa da constante, e incômoda, presença policial, o vereador ainda tirou de atividade um personagem há tempos conhecido pelas estrepulias usando o cargo

 

Zanony Passos está afastado em pode perser o cargo no Ministério Público, graças `{a coragem de Paulo Victor expor publicamente o que sofria

Análise da Notícia

A divulgação da negação de um recurso no Conselho Nacional do Ministério Público interposto pelo promotor de Justiça Zanony Passos – afastado por denúncia de corrupção – trouxe de volta ao noticiário um dos mais surpreendentes casos envolvendo a classe política do Maranhão.

Nenhuma liderança política do estado conseguiu a proeza do presidente da Câmara Municipal de São Luís, vereador  Paulo Victor (PSB), que, ao gritar publicamente contra a extorsão que vinha sofrendo, impôs um verdadeiro xeque-mate em Zanony:

  • PV conseguiu o afastamento com possível perda do cargo do promotor que vinha lhe achacando;
  • e ao mesmo tempo conseguiu livrar a Câmara da incômoda presença policial em seu pátio.

Zanony Passos usou o seu cargo no Ministério Público para conseguir benefícios financeiros de Paulo Victor, por meio de nomeações de parentes indicados por ele; para isso, usava como chantagem ameaças de prisão e de perseguição policial, tanto ao presidente da Câmara quanto aos demais vereadores. 

A prática do promotor já era conhecida há tempos nos meios políticos, policiais e de imprensa, mas ele parecia se movimentar acima do bem e do mal.

E tudo indica que a denúncia de Paulo Victor dará ao achacador um destino longe da força que o cargo lhe dava:

  • afastado há pelo menos 90 dias, Zanony Passos pode ter esse afastamento aumentado em mais 180 dias;
  • ele responde também a Processo Administrativo Disciplinar na Corregedoria Nacional do Ministério Público;
  • além dos processos administrativos, o promotor pode também responder a ação penal, resultando na perda do cargo;
  • A Promotoria pela qual Zanony respondia será alvo de correição extraordinária que avaliará possíveis outros alvos de extorsão.

A política maranhense sempre se manteve achacada por expoentes de outras instituições com poder de polícia para fazer ameaças e arrancar benefícios pessoais.

O que Paulo Victor, ao correr o risco de expor, foi mostrar que é possível livrar-se nas espadas no pescoço.

Por que ninguém está acima da Lei e da Justiça.

Simples assim…

0

Mais uma vergonha para o Ministério Público do Maranhão…

Não bastasse o seu procurador-chefe estar exposto a uma investigação por assédio moral, perseguição funcional e outras denúncias, instituição que deveria prezar pela honra pública agora vê um promotor que cuida de investigar instituições acusado de chantagem e extorsão e investigado pelo Conselho Nacional da categoria

 

Zanony Passos será investigado no Conselho do Ministério Público por “gravidades concretas” no exercício da função de promotor

Análise da Notícia

Qualquer promotor sério no Maranhão – e há muitos, há de se afirmar – deve envergonhar-se de matérias como que a que ganhou blogs portais de notícia na tarde desta terça-feira, 16, dando conta da abertura de processo no Conselho Nacional do Ministério Público contra o promotor Zanony Passos, acusado de chantagem e extorsão.

 – Elevada gravidade concreta dos fatos em apuração, que envolvem atos de improbidade administrativa e crimes (…) supostamente praticados pelo Promotor de Justiça em razão do exercício de suas funções – diz a tônica do relatório do corregedor do CNMP, Oswaldo d’Albuquerque Lima Neto, ao pedir a abertura da investigação contra o maranhense.

Só para lembrar: Zanony Passos comanda – ou comandava – a Promotoria da Defesa do Patrimônio Público; e do alto deste posto chantageou e extorquiu o presidente da Câmara Municipal, vereador Paulo Victor (PSDB), com três cargos na estrutura da Casa com salários de R$ 10 mil, fato revelado neste blog Marco Aurélio d’Eça no post “Denúncia de Paulo Victor expõe entranhas do Ministério Público…”.

Este é a “gravidade concreta” estabelecida nos autos por D’Albuquerque.

Torna-se mais vergonhosa para o Ministério Público maranhense quando se vê que o afastamento se deu após notas da Procuradoria-Geral de Justiça absolutamente corporativista, tentando criminalizar a vítima no lugar do autor do crime; e é ainda mais vergonhosa também por se saber que Zanony Passos não é o único nesta situação perante o CNMP.

Desde agosto de 2023, o próprio chefe do Ministério Público do Maranhão, procurador Eduardo Nicolau, é investigado pelo conselho por assédio moral, violência funcional e outras denúncias, ações praticadas, segundo a denúncia, no exercício da própria função de procurador-chefe.

E uma triste história para uma instituição histórica…