4

Flávio Dino atua para isolar Weverton Rocha já em 2020…

Governador tem atuado fortemente para afastar o prefeito Edivaldo Júnior do senador-presidente do PDT, num movimento que visa forçá-lo a abrir mão do projeto de se eleger governador já em 2022

 

Flávio Dino decidiu chamar Edivaldo a estar com Rubens Júnior, mesmo contra o projeto do seu próprio parido, o PDT, presidido por Weverton Rocha

No Maranhão, até os ratos do Centro Histórico sabem que o senador Weverton Rocha (PDT) jamais estaria onde está se dependesse do governador Flávio Dino (PCdoB).

Rocha elegeu-se senador por que criou as próprias condições para que isso ocorresse, forçando Dino a ter que apoiá-lo, diante de uma situação construída a fórceps pelo pedetista.

Flávio Dino também não quer que Weverton seja governador em 2022; aliás, o comunista não cogita, sequer, a candidatura do pedetista à sua sucessão.

Por isso Dino tem trabalhado para que o senador fique isolado nas eleições municipais de São Luís, sem opção de alianças e candidatos; e fora do segundo turno.

Em 21 de janeiro último, o blog Marco Aurélio D’Eça escreveu o post  Edivaldo Júnior entre Weverton Rocha e Flávio Dino.

Mas é preciso analisar também que Flávio Dino não quis, na última década, nenhum projeto encabeçado por Weverton Rocha, inclusive a eleição e reeleição do próprio Edivaldo Júnior (PDT). 

Foi Weverton – e não Dino – quem fez de Edivaldo prefeito eleito e reeleito na capital maranhense.

Em 2012, quando o atual prefeito de São Luís era um deputado federal sem maiores destaques em Brasília, Flávio Dino apostava no ex-prefeito Tadeu Palácio como opção do grupo para disputar a Prefeitura de São Luís.

Foi o atual senador do PDT quem construiu, bancou e segurou a candidatura de Edivaldo, que acabou se elegendo prefeito contra o então favorito João Castelo (PSDB).

Em 2016, Weverton Rocha chegou a vivenciar propostas de Flávio Dino para que Edivaldo Júnior fosse substituído, já que sua rejeição era quase intransponível; resistindo à proposta comunista, o senador vestiu a camisa do prefeito, exortou os aliados e deu a ele uma vitória histórica contra o surpreendente Eduardo Braide (hoje no Podemos). (Relembre aqui, aqui e aqui)

Nem a própria eleição ao Senado, Weverton Rocha deve a Flávio Dino.

O governador comunista tinha outros planos e apostava, até o início de 2018, que o pedetista se contentaria com a reeleição à Câmara. Mas teve que engolir uma candidatura consolidada na base, com centenas de prefeitos, deputado estaduais, prefeitos e vereadores.

O resultado é que Weverton teve quase 2 milhões e votos, mais do que o governador conseguiu na própria reeleição.

Flávio Dino já tem o seu plano eleitoral para 2022, em que Weverton Rocha não está incluído.

Caberá ao próprio senador, agora, saber se construiu um grupo – com aliados incondicionais – ou apenas pensou no próprio umbigo.

E se não fizer essa análise, ficará a ver navios em 2022.

Já a partir de 2020…

Marco Aurélio D'Eça

4 Comments

  1. “Foi Weverton e não Dino que fez de Edvaldo prefeito eleito e reeleito”.
    Até os ratos do centro histórico sabem que isso não tem pé nem cabeça. Dino era prefeito eleito, presidente da Embratur. EHJ só se convenceu de ser candidato porque Dino bancou.
    Weverton? Grande liderança, aguerrida, constrói grupo politico.Virou senador pelo grupo. pdt tem espaços importantes no governo.
    Cabe todo mundo.
    Ruim mesmo meu amigo é arrumar uma briga com Dino, perder a prefeitura e adeus projeto governador.
    Juízo!

  2. Weverton já confirmou que irá apoiar ainda no primeiro turno o candidato Neto Evangelista.
    E o governador teima com Rubens Junior.
    Vamos ver como fica ??????

  3. Essa pedra eu cantei e venho cantando desde 2017 quando Weverton se impôs como candidato a senador. Aí me lembro de um artigo de Joaquim Haickel em que ele dizia que o único homem no Maranhão que Dino teme é Weverton Rocha. E é verdade. Weverton sabe conquistar aliados pela simpatia, pelo trato, pela conversa… Dino não. Dino nunca deixou de ser juiz e acha que todo mundo tem que ser puxado pelo beiço, pela força bruta. Usa sua autoridade de governador para impor a todos sua vontade. Mete medo. Weverton não se deixaria mandar por Dino, caso fosse eleito governador. E é isso que Dino quer: eleger um governador pra que ele, de Brasilia ou seja la de onde for, continue dando as contas. Weverton uma vez sentado naquela cadeira, jamais se deixaria tutelar. E Dino sabe disso. Costumo dizer que o novo coronel do Maranhão não é Dino, mas sim Weverton. Dino é so uma ponte entre Weverton e Sarney. Pois bem. A oposição não tem nomes para peitar com o mínimo de igualdade o candidato governista em 2022. E isso não é por nenhum feito extraordinário de Dino, que não tem nenhum, mas tão somente pela forma como ele aparelhou tudo, todas as secretarias com muitos cargos comissionados, enfim. E pode apostar aí: Weverton não vai abrir mão da candidatura e vai ser o verdadeiro nome que vai se insurtir contra o candidato governista em 2022.

    • Vai se insurgir e vai perder a eleição para o governo. Não sou nenhum fã de FD, mas tdos se lembram que WR e Eliziabe andavam agonizando nas pesquisas para o Senado, momento em que FD chamou os prefeitos pra uma reuniāo e o jogo virou. Nesse grupo não tem espaço para dois sóis brilharem. O grupo tem um timoneiro e este é FD. É ele quem tem liderança, articulação e voto. WR deve esperar o seu momento, que não é agora. Se não romper com FD chegará um dia ao governo. Quem sabe em 2026 não teremos um combate interessante WR X Eduardo Braide. Um conselho ao WR- respeite a fila que chegará sua vez.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *