3

Brandão explica termo “desertor” usado no segundo turno…

Em entrevista à TV Guará, vice-governador revelou pela primeira vez a existência de um acordo para apoio conjunto ao candidato do governo no segundo turno, o que, segundo ele, foi descumprido pelo PDT e pelo DEM, razão pela qual usou a palavra durante a campanha

 

Brandão revelou pela primeira vez os motivos que o levaram a chamar de desertores o PDT e o DEM durante as eleições municipais

O vice-governador Carlos Brandão (Republicanos) revelou pela primeira vez, nesta quinta-feira, 17,  em entrevista à TV Guará, as razões que o levaram a classificar de “desertores” os líderes do PDT e do DEM no segundo turno das eleições municipais.

De acordo com Brandão, havia um acordo entre os presidentes de partido e o governador Flávio Dino (PCdoB) – antes mesmo do primeiro turno – para que todos apoiassem o candidato da base que fosse ao segundo turno.

– Logo no começo do ano, vários partidos demonstraram interesse de lançar candidato. Houve um acordo. Cada um lançaria seus candidatos, três, quatro, dez, quantos quisessem… Só que nesse acordo houve entendimento entre os presidentes de partido que, no segundo turno, todos marchariam juntos. Esse acordo não foi cumprido. Existe uma expressão que diz que o “combinado não é caro”. Quando o Duarte foi pro segundo turno, o PDT e o DEM resolveram não cumprir o acordo. Isso nos levou a uma cobrança desses dois partidos – revelou o vice-governador, em, entrevista ao programa Os Analistas.

Questionado também sobre a não-participação do prefeito Edivaldo Júnior (PDT) na campanha, Brandão explicou que não havia acordo para isso, embora todos esperassem o apoio do prefeito, pelas razões lógicas.

– Edivaldo também não participou da campanha, mas nós não tínhamos acordo com Edivaldo, é preciso deixar claro. A gente esperava que ele no apoiasse, mas não tinha acordo como tinha com os partidos. É diferente – justificou.

Mesmo assim, o vice-governador entende que a ausência de Edivaldo e o não cumprimento do acordo pelo DEM e pelo PDT deram ao prefeito eleito Eduardo Braide (Podemos) os 5, 6 pontos necessários para ele garantir a vitória.

Com relação à campanha de 2022 – e da citação do nome de Edivaldo como opção do grupo, feita pelo senador Weverton Rocha (PDT) – Brnadão preferiu contemporizar.

– Esse assunto a gente só deve discutir mais profundamente lá na frente. Até por que, se começar a discutir eleição de 2022, acaba o governo. A gente tem que focar na gestão – avisou.

O vice-governador revelou estar com uma agenda de inauguração de obras que praticamente o impedirá de estar em São Luis nos próximos meses, mas garante continuar uma agenda política.

– Mas vou estar recebendo lideranças, prefeitos, vices-prefeitos. E basicamente a gente tem que focar nesses prefeitos, para fazer parcerias. Esse é o foco do nosso governo – revelou Brandão, revelando a realização de seminário logo no início de 2012.

0

Erlânio Xavier fortalece posição para reeleição na Famem

Com apoio de prefeitos nos principais colégios eleitorais e de articulação de líderes da bancada na Câmara e no Senado, presidente da entidade municipalista caminha para renovação do mandato nas eleições de janeiro

 

Luciano Leitoa desmentiu prefeito eleito de Bacabeira, Calvet Filho, e declarou apoio a Erlânio Xavier

O atual presidente da Federação dos Municípios do Maranhão (Famem), Erlânio Xavier (PDT) deve ser reeleito para o comando da entidade em janeiro.

Consolidado entre os colegas gestores, e com apoio de prefeitos de grandes colégios eleitorais – como Assis Ramos, de Imperatriz, e Luciano Genésio, em Pinheiro – Xavier tem um trunfo a mais: o apoio da maioria da bancada no Congresso Nacional.

Senadores e deputados federais têm conversado com os seus prefeitos aliados para reafirmar o voto no atual presidente da Famem, o que torna quase incabível uma chapa de oposição com peso na entidade.

Caso se concretize a vitória de Erlânio, será a terceira derrota do vice-governador Carlos Brandão (Republicanos) desde as eleições municipais.

Depois de ser derrotado no segundo turno em São Luís – com o apoio a Duarte Júnior (PRB) – Brandão tentou interferir na eleição da Câmara Municipal, mas viu o pedetista Osmar Filho construir a unanimidade, com o apoio do prefeito eleito Eduardo Braide (Podemos).

Ainda mais insatisfeito, o vice-governador tenta interferir no processo da Famem, mesmo criando constrangimentos e ameaças de racha na base do governo Flávio Dino. (Entenda aqui e aqui)

O problema é que, com a perda do principal aliado, o deputado federal Josimar de Maranhãozinho (PL_) – pego pela Polícia Federal sob acusação de desvio de emendas da Saúde – Brandão não consegue sequer encontrar um candidato que faça frente na eleição da Famem.

E pelo visto, terá que engolir mesmo a reeleição do pedetistas Erlânio Xavier…

1

César Pires revela detalhes de tensa reunião entre Weverton e Flávio Dino…

Embora não tenha participado diretamente do encontro – que selou a aliança do grupo pedetista com o prefeito eleito Eduardo Braide – deputado contou relatos ouvidos de quem esteve no Palácio dos Leões nos primeiros dias após o 1º turno

 

César Pires tornou públicos detalhes da reunião no Palácio dos Leões, de Marcelo Tavares, citando também o presidente da AL-MA, Othelino Neto

O deputado César Pires (PV) fez ontem um contundente relato do encontro entre o grupo dos senador Weverton Rocha (PDT) e o governador Flávio Dino (PCdoB) logo nos primeiros dias após o 1º Turno das eleições em São Luís.

De acordo com Pires – que trouxe riqueza de detalhes da reunião – que foi tensa, os aliados de Dino mostraram coragem ao dizer não ao chefe do Executivo, que queria deles o apoio incondicional ao candidato Duarte Júnior (Republicanos), apoiado pelo vice Carlos Brandão  e pelo deputado Josimar de Maranhãozinho, flagrado pela Polícia Federal com R$ 2 milhões em dinheiro vivo,.

– Sem sequer discutir a opção pelo seu candidato, o governador não queria dar a seus aliados o direito de escolha, mas recebeu um duro não do senador Weverton Rocha (PDT) e dos deputados Neto Evangelista (DEM), Juscelino Filho (DEM) e Pedro Lucas (PTB ), do prefeito de Timon, Luciano Leitoa (PSB), e do presidente da Famem, Erlânio Xavier (PDT) – relatou César Pires.

O relato de Pires foi confirmado integralmente pelo blog Marco Aurélio D’Eça com alguns dos presentes na reunião do dia 16 de novembro.

Pires revelou que Weverton e e Neto foram duro com o governador.O deputado lembrou que, mesmo ausente da reunião, o presidente da Assembleia, Othelino Neto (PCdoB), e o prefeito de São Luís, Edivaldo Júnior (PDT), também resistiram à pressão do governador e ficaram neutros na disputa pela Prefeitura.

– Ao referir aos maranhenses no livro Conselho aos Governantes, Marques de Pombal disse que o povo do Maranhão “seria obediente, fiel e amaria um general prudente, afável e modesto”; mas nenhum desses adjetivos se aplica ao governador Flávio Dino – enfatizou César Pires, ao acrescentar que “a obediência forçada é violenta, e a voluntária é segura”.

Na avaliação do deputado, a posição de Flávio Dino nas eleições ruíram as bases de seu governo, que caminha para o definhamento no fim do mandato.

– Flávio Dino não escuta conselho de ninguém: é um déspota, arrogante e prepotente, que por tudo isso já está vendo seu governo definhar. A guerra foi lançada no Palácio dos Leões e abafada. Houve discussão e muita pressão, mas os aliados do governador se recusaram a ceder aos seus caprichos – finalizou.

0

Eduardo Braide conversa com aliados para montar equipe…

Prefeito eleito quer discutir espaços partidários de forma técnica, ocupando os espaços da gestão com especialistas de cada área, que tenham, além do conhecimento, a capacidade gerencial e  a de relações interpessoais

 

Braide tem conversado sobre a equipe com os vários atores sociais de São Luís

O prefeito eleito Eduardo Braide (Podemos) tem aproveitado esta semana para sentar com aliados que o apoiaram no primeiro e no segundo turno das eleições.

Nessas conversas, ele expõe seus objetivos na gestão de São Luís, impõe as condições para indicação de auxiliares e define os critérios para escolha de titulares das pastas.

Braide quer especialistas em cada setor da prefeitura, mas que precisam ter, além, da capacidade técnicas também comprovada experiência gerencial e,. sobretudo, relações interpessoais com todos os setores da sociedade.

Apoiaram Braide no primeiro turno PSD, PSC, PMN e PSDB;no segundo turno, chegaram MDB, PDT, DEM, PTB e setores do PT, do PSL e do PCdoB. 

A equipe de secretários deve ser divulgada até o final de dezembro.

A posse do prefeito ocorrerá no dia 1º de janeiro…

0

Hilton Gonçalo recebe visita do prefeito eleito de Palmeirândia

Hilton Gonçalo (PMN), recebeu nesta terça-feira, 8, a visita do prefeito eleito de Palmeirândia, Edilson da Alvorada (Republicanos). Na oportunidade, eles trocaram experiências sobre a gestão municipal para o pleito que se avizinha.

Edilson da Alvorada foi vice-prefeito de Palmeirândia entre os anos de 2017-2020 e agora será prefeito pela primeira vez, portanto ele foi dialogar com Hilton Gonçalo que está indo para seu quarto mandato como prefeito em Santa Rita e possui uma vasta experiência.

Estiveram presentes também na conversa, Iriane Gonçalo e Ariston Gonçalo.

Os dois possuem uma vasta experiência no poder público; a primeira é atual prefeita de Pastos Bons que concluirá no próximo dia 31 de dezembro de 2016 seu segundo mandato como gestora, e o segundo é deputado estadual desde 2019 e foi vice-prefeito de Santa Rita entre 2017 e 2019.

Na oportunidade, o quarteto ainda discutiu os planos para o futuro político do Grupo Gonçalo, o qual eles fazem parte.

A ideia é lançar candidaturas fortes para a Assembleia Legislativa e Câmara Federal, assim como participar da montagem da chapa majoritária em 2022.

0

Osmar Filho cresce em articulação e deve ser unanimidade na Câmara

Com o gesto fundamental do prefeito eleito Eduardo Braide, presidente da Câmara Municipal consolidou uma base que levou colegas ainda reticentes a confirmar apoio à sua reeleição, o que deve ocorrer em chapa única

 

Osmar Filho mostrou extrema habilidade ao apoiar Braide após resultado do primeiro turno; e o gesto do prefeito garantiu sua reeleição no comando da Câmara

Mais jovem presidente da Câmara Municipal eleito em 2019, o vereador Osmar Filho (PDT) vem demonstrando extremo amadurecimento nestas eleições de 2020.

Aliado incondicional do ex-candidato a prefeito Neto Evangelista (DEM), Osmar seguiu com este no apoio a Eduardo Braide (Podemos), numa articulação que consolidou a aliança pela governabilidade em São Luís.

O primeiro gesto desta articulação foi a declaração de apoio de todos os vereadores da base do prefeito eleito à reeleição do presidente pedetista.

O gesto levou praticamente toda a Câmara – eleitos e reeleitos – a dar apoio à reeleição de Osmar Filho.

Foi talvez o mais rápido xeque-mate eleitoral da história do parlamento municipal.

Consolidado, com a imagem fortalecida entre os pares, Osmar caminha agora para um segundo mandato à frente do legislativo municipal.

Credenciado, naturalmente, a voos mais altos…

0

“Flávio Dino levou ‘taca’ nas eleições no Maranhão”, diz Edilázio

O deputado federal Edilázio Júnior (PSD) avaliou hoje, em pronunciamento na Câmara Federal, como vexatório o desempenho do governador Flávio Dino (PCdoB) – enquanto líder de um grupo político -, nas eleições municipais do Maranhão.

O parlamentar lembrou que em 4 dos 5 maiores colégios eleitorais do estado – aí incluída a capital, São Luís, o governador não obteve êxito com os seus candidatos a prefeito. Para Edilázio, Dino saiu menor destas eleições.

“Venho aqui destacar as derrotas do Partido Comunista do Brasil no estado do Maranhão. O governador Flávio Dino saiu pequeno das eleições deste mês de novembro. Flávio Dino perdeu em quatro das cinco maiores colégios eleitorais do nosso estado”, disse.

E completou: “Ele perdeu em São Luís. No primeiro turno o candidato dele [Rubens Júnior], teve míseros 10% dos votos. No segundo turno o governador apareceu na televisão mais do que o próprio candidato [Duarte Júnior] e coagiu funcionários e secretários para que trabalhassem pelo candidato, rachou o grupo dele e ainda assim entrou na taca onde a ‘Ilha Rebelde’ mostrou mais uma vez que não aceita cabresto”.

Edilázio lembrou que além de São Luís, Dino perdeu a eleicao em Imperatriz, em Caxias e em São José de Ribamar. “E a única cidade dos 5 maiores polos em que ele se saiu vitorioso foi no município de Timon, onde ele obteve apenas 40% dos votos. Ou seja, 60% dos munícipes de Timon também disse não à gestão comunista e aos aliados do governo comunista”, completou.

Edilázio ainda enfatizou, antes de concluir o seu pronunciamento, que Dino acumulou outras duas derrotas significativas no Maranhão: Lago da Pedra, que tem como prefeita eleita Maura Jorge e São Pedro dos Crentes, onde o prefeito reeleito Lahesio Bonfim obteve mais de 90% dos votos válidos, com a maior votação proporcional do Maranhão. Os dois combatem o comunismo no Maranhão de forma expressiva.

Ele também enfatizou que em 2016 o PCdoB encerrou o pleito com 45 prefeitos eleitos. Em 2020 esse número baixou para 22, a maioria em municípios pequenos.

“Em 2020 o Maranhão já mostrou que não quer mais esse tipo de governo, que coage, que persegue que usa a polícia de forma opressiva. O governador sai pequeno, se vende como um grande líder nacional, mas lá no seu quintal pegou taca de cabo a rabo no estado do Maranhão”, finalizou.

0

“O leão já não morde o tanto quanto imaginava”, diz César Pires

César Pires detonou Flávio Dino na tribuna da Assembleia Legislativa

Nesta terça-feira (1º), quando da realização da primeira sessão da Assembleia Legislativa do Maranhão, alguns deputados estaduais utilizaram a Tribuna para comentar o resultado das urnas no 2º Turno e parabenizar o prefeito eleito de São Luís, Eduardo Braide (Podemos).

O deputado César Pires (DEM), que apoiou Braide desde o 1º Turno, fez uma abordagem interessante sobre o pleito eleitoral. O parlamentar optou em fazer uma reflexão sobre a tentativa do governador do Maranhão, Flávio Dino (PCdoB), em tentar modificar o cenário eleitoral, “caindo de cabeça” no 2º Turno e arregimentando os secretários do Governo para a eleição, que por sua vez foram acusados de assédio contra servidores públicos estaduais de São Luís.

Para César Pires, a eleição em São Luís, que culminou com a derrota do comunista, mostrou que o leão já não morde o tanto que imaginava.

“O leão que rugiu, o povo do Maranhão subtraiu os seus caninos e deixou o leão banguelo, e agora o leão já não morde tanto quanto imaginava. As garras felinas também já não amedrontam ninguém, que a imposição não é importante para o povo do Maranhão, e, sobretudo, para o povo de São Luís. O senhor governador deu passos equivocados, fez ranços, beicinhos, ameaçou, fez tudo o que era possível e imaginário, que eu diria assim, para uma deselegância política. Aquilo que tente vender a nível nacional, aqui na forma tupiniquim, ele tenta fazer diferente, mas o povo do Maranhão deu resposta”, afirmou.

César Pires disse que espera que Flávio Dino tenha aprendido a lição e possa rever a sua forma de fazer política, principalmente aqui no Maranhão.

“Senhor governador, repense os seus modus operandi, a sua forma de fazer política, Vossa Excelência imaginou que o nível de aceitação que Vossa Excelência supostamente tem nas pesquisas, acontecem por uma razão, simplesmente, porque Vossa Excelência ainda não tem o adversário, mas a hora que tiver o adversário, fique certo que Vossa Excelência vai desidratar, definhar e vai ser colocado num local correto”, destacou.

O deputado César Pires finalizou confirmando que estava feliz com a eleição de Braide, mas também pela resposta das urnas pelos servidores públicos estaduais da capital maranhense.

“Estou muito feliz pela vitória do Braide, mas também feliz pela decisão do povo de São Luís, principalmente os funcionários públicos que foram obrigados a adesivarem carros, a irem para reuniões, mostrar apoio ao candidato do governador nas redes sociais, mas a resposta veio das urnas, veio através do voto no 19, no Eduardo Braide”, finalizou.

1

Conceição Andrade de volta à política e à gestão de São Luís…

Ex-prefeita teve papel importante na campanha do prefeito eleito Eduardo Braide, tanto no primeiro quanto no segundo turno, e é nome de peso para gerenciar ações importantes da nova gestão a partir de janeiro

 

 

Conceição Andrade em ação na campanha, participação que mereceu elogio público de Eduardo Braide em suas redes sociais

A ex-prefeita de São Luís Conceição Andrade é lembrada como espécie de mulher-forte da campanha do prefeito eleito Eduardo Braide (Podemos).

Gestora com acentuado perfil gerencial e forte liderança, a ex-prefeita coordenou ações de Braide em várias regiões do estado e ganhou espaço importante no staff da campanha.

É hoje um dos nomes mais cotado para na equipe do futuro prefeito, como espécie der mulher-forte da gestão.

Conceição foi prefeita de São Luís entre 1993 e 1996; também foi gerente regional de Itapecuru no governo Roseana Sarney e secretária de Agricultura no governo José Reinaldo Tavares.

Para os aliados de Braide, a ex-prefeita deve ter papel fundamental na condução do governo, deixando ao prefeito tarefas estratégicas, e dando a ele a condição de planejar o desenvolvimento de São Luís e os projetos que fortalecerão a imagem da gestão.

Ainda não há nomes divulgados por Braide para com por sua equipe, mas ele vem analisando perfis.

Curiosamente, com auxílio também da própria Conceição Andrade…

5

João Alberto se culpa por não ter sido eleito vereador de Bacabal

Ao fazer campanha com a certeza de que os bacabalenses reconheceriam seus serviços prestados, ex-senador relaxou na corrida ao voto com a certeza de que seria o mais votado; e avisa: tentará de novo em 2024

 

João Alberto auto-penitenciou-se pela derrota em Bacabal, mas avisou que estará de volta às urnas em 2024

Por Ribamar Corrêa

Passada a borrasca da corrida às urnas no interior, o ex-deputado estadual, ex-deputado federal, ex-prefeito, ex-vice-governador, ex-governador e ex-senador João Alberto (MDB) avaliou cuidadosamente o insucesso da sua candidatura à Câmara Municipal de Bacabal. E chegou a algumas conclusões.

A primeira: foi ele o único responsável por não ter sido eleito.

A segunda: fez campanha movido pela certeza de que os bacabalenses reconheceriam os serviços que já prestou à cidade.

A terceira: de tanto ouvir que estava eleito e que seria o mais votado, relaxou na corrida ao voto.

Em resumo: aos 86 anos, depois de inúmeras campanhas bem-sucedidas em todos os níveis, tirou do insucesso nas urnas a descoberta de que o excesso de confiança o fez esquecer de que cada eleição é como se fosse a primeira, não existindo eleição prévia, principalmente numa disputa pulverizada como para vereador.

Diz que foi surpreendido com o resultado, mas logo percebeu que ele foi fruto dos seus equívocos. E já tomou uma decisão: será candidato a vereador de Bacabal de novo em 2024.

– Não quero encerrar minha carreira com uma derrota em minha terra – afirmou.