1

Roseana lamenta aumento da pobreza e questiona fundo de R$ 683 milhões

Para a ex-governadora, não faz sentido que o estado tenha aumentado a extrema miséria desde 2015, mesmo mantendo um caixa com recursos específicos para este fim; “algo nessa conta não bate”, disse ela, no Twitter

 

Roseana levantou questões sobre o fundo da pobreza mantido por Flávio Dino diante dos números do IBGE sobre a miséria do Maranhão

A ex-governadora Roseana Sarney (MDB) lamentou nesta quarta-feira, 17, em seu perfil no Twitter, o aumento da extrema pobreza no Maranhão exatamente no governo Flávio Dino (PCdoB), que tem um fundo específico para combate à miséria.

– Últimos dados do IBGE revelaram o aumento da extrema pobreza no Maranhão desde 2015. Como compreender esse cenário com o Estado dispondo de um Fundo Maranhense de Combate à Pobreza que possui cerca de R$ 683 milhões em caixa? – questionou a ex-governadora.

Os dados do IBGE não mentem: crescimento da extrema pobreza foi de mais de 30 nos seis anos de governo comunista no Maranhão

De acordo com os números do IBGE, o índice de pessoas vivendo com menos de 1,90 dólar por dia no Maranhão representava 15,2% da população em 2015. Agora, em 2019, subiu para 20,4%, crescimento de mais de mais de 30% em 6 anos e meio. 

– Vale frisar, a título de conhecimento: o recurso do Fundo Maranhense de Combate à Pobreza é um percentual do tributo cobrado sobre cada litro de gasolina comum vendido nos postos. Algo nessa conta não bate! – declarou Roseana Sarney.

Com a palavra, o governo Flávio Dino…

2

Imagem do dia: Roberto Costa e Flávio Dino

Deputado estadual e vice-presidente do MDB esteve pela primeira vez no gabinete do governador em seis anos e meio do governo comunista; e a impressão de lado a lado é de que será apenas o primeiro de vários até 2022

 

Roberto Costa e Flávio Dino no gabinete do governador: conversas sobre a pandemia, economia do estado e acenos para as eleições de 2022

O vice-presidente estadual do MDB, deputado Roberto Costa, foi recebido nesta quarta-feria, 17, pelo governador Flávio Dino (PCdoB). Foi a primeira visita do emedebista em seis anos e meio de governo comunista.

O encontro serviu para mostrar que nem Flávio Dino, nem Roberto Costa são os mesmos líderes políticos de 2014, quando o governador elegeu-se pela primeira vez. “Flávio Dino é outra pessoa”, definiu Costa, para retratar o amadurecimento político-ideológico do governador.

Os secretários Rubens Pereira Júnior e Marcelo Tavares também participaram do encontro, num reforço ao teor político do encontro

O próprio Roberto Costa amadureceu, rompeu amarras ideológicas, modernizou o MDB e hoje foram bloco independente na Assembleia, com aceno aberto para as eleições de 2022.

Mas esta é uma outra história…

1

Farra dos capelães pode gerar problemas para Flávio Dino no TSE…

Procuradoria Geral da República pediu ao Supremo Tribunal Federal a inconstitucionalidade  das leis maranhenses que tratam dos cargos de comissão de capelães nas forças policiais, alvos de ação eleitoral contra o governador comunista

 

O Maranhão é o estado com o maior número de capelães evangélicos nas forças policiais, a maior parte nomeada no período pré-eleitoral e eleitoral de 2018

 

A ação da Procuradoria-Geral da República contra uma série de leis maranhenses que criam cargos em comissão de capelães religiosos nas forças policiais (Polícia Militar, Corpo de Bombeiros, Polícia Civil e Sistema Penitenciário) pode gerar sérios problemas para o governador Flávio Dino na Justiça Eleitoral.

A chamada “farra dos capelães” foi denunciada à Justiça Eleitoral durante a campanha de 2018, pedindo a cassação do diploma de Dino por abuso de poder, na forma do uso dos cargos em troca de votos de líderes religiosos.

Se o STF acatar a ação de inconstitucionalidade da PRG, fica caracterizada a ilegalidade das nomeações no governo maranhense, o que comprovaria o crime eleitoral de Fla´vio dino.

Neste caso, além de perder o mandato, o governo pode ficar inelegível.

Anna Graziella Neiva foi autora da ação que tramita na Justiça Eleitoral e chega agora ao Supremo Tribunal Federal

– Em boa hora o Procurador Geral da República reconhece a utilização espúria desses elevados cargos públicos, não para atender a valores republicanos, mas para satisfação de interesses eleitorais, como já denunciei junto à Justiça Eleitoral do Maranhão. O tema está na pauta do dia da Justiça Eleitoral do Brasil e, o caso do Maranhão, chegará ao Tribunal Superior Eleitoral – destacou a advogada Anna Graziella Neiva, autora da ação eleitoral contra Dino.

O excesso de nomeações para postos de capelão no Estado ficou conhecido como “farra de capelães” está sendo debatido no Supremo Tribunal Federal, após decisão do Tribunal Regional Eleitoral do Maranhão, que rejeitou a ação contra Dino.

Os embargos de declaração devem ser julgados no TSE ainda em 2021…

1

Lockdown descartado por chefes do Executivo no Maranhão

Governador Flávio Dino e prefeito de São Luís, Eduardo Braide, disseram não haver necessidade de qualquer medida de fechamento total das atividades, respondendo a um questionamento da Justiça, que tem sido acionada pelo Ministério Público

 

Se depender do governador Flávio Dino (PCdoB) e do prefeito de São Luís, Eduardo Braide (Podemos) – apesar da pressão do Ministério Público – não haverá novo lockdown em São Luís.

Dino e Braide responderam negativamente ao questionamento do juiz Douglas de Melo Martins, da Vara de Interesses Difusos e Coletivos, que, por sua vez, havia sido instado pela Defensoria Pública a decretar a paralisação total das atividades no Maranhão.

Dino deixou não haver interesse do governo fechar as atividades não-essenciais, anunciou que não haverá feriado ou ponto facultativo no carnaval e afirmou que, se houver necessidades de ovas medidas, elas serão anunciadas nas tradicionais entrevistas de sexta-feira.

O prefeito Eduardo Braide, por sua vez – ele que foi pressionado diretamente pelo chefe do Ministério Público, Eduardo Nicolau – disse que o município está avançando na campanha de vacinação e na fiscalização das medidas de prevenção à CoVID-19.

O juiz Douglas Martins deu 72 horas para que os chefes de executivo se manifestassem sobe o pedido de lockdown da Defensoria Pública.

Com as manifestações já tornadas públicas, ele deve antecipar sua decisão.

2

Dino vê dois candidatos de esquerda e dois de direita em 2022

Governador que pontuou na pesquisa sobre a sucessão de Jair Bolsonaro, divulgada nesta sexta-feira, 29, vê nomes como o de Curo Gomes e PT mais consolidados que ele; e entende que só a unidade garantirá segundo turno

 

Duas perguntas para Flávio Dino

Hoje o governador João Doria tem ocupado o posto de principal adversário de Bolsonaro. Onde o senhor vê espaço para a esquerda?

Eu acho que eleição de 2022 muito provavelmente será uma disputa como na música de João Bosco e Aldir Blanc: Dois para lá, dois para cá. Dois candidatos mais do campo da esquerda e dois mais à direita. Não é o cenário que eu desejo. Defendo candidatura única. Mas é mais realista imaginar que serão dois-dois.

Ciro Gomes e Lula são nomes aventados à esquerda. O primeiro já concorreu três vezes e o segundo, defendido por setores do PT, não sabe se poderá ser candidato. Outros nomes podem emergir no campo da esquerda? O senhor gostaria de ser essa liderança?

Em meu caso, não me escalo. Sempre tem alguém que escala (meu nome). Se eu for mais um para criar divisão e eventualmente atrapalhar a ida da esquerda para o segundo turno, não me disponho a isso, seria uma incoerência de minha parte. Em nosso campo há nomes mais consolidados: o Ciro e o PT, de modo geral. Lula tem muito mais força eleitoral (entre os nomes do PT), mas o Haddad aparece bem nas pesquisas. O ideal seria juntar todo mundo.

0

Flávio Dino alimenta sonhos ambiciosos na cúpula do PSB

Coluna Radar, Veja online

Flávio Dino alimenta sonhos ambiciosos na cúpula do PSB.

O governador do Maranhão, segundo fontes socialistas, pode migrar para o partido a fim de fechar uma dobradinha com Ciro Gomes e isolar de vez o PT em 2022.

Questionado se a coisa pode virar namoro, Dino se esquiva:

Trabalho por uma união do campo progressista e por isso converso com todos os partidos do nosso campo. Meu plano A é ser candidato ao Senado pelo PC do B”. 

0

Com disputa pelo Senado, Dino mexe com as peças da própria sucessão

Ao anunciar desistência da disputa presidencial, governador volta os olhos para dentro do seu estado e do seu grupo e indica que pretende ter o controle absoluto da montagem da chapa majoritária de 2022, forçando reposicionamento de aliados e adversários

 

Flávio Dino marca a própria posição para 2022 e deixa claro que pretende comandar a própria sucessão em seu estado

Análise de conjuntura

Ao anunciar nesta quarta-feira, 30, que vai mesmo disputar uma vaga no Senado em 2022, o governador Flávio Dino (PCdoB) definiu que estará no comando do seu grupo político nas próximas eleições.

Logo de cara, marca território e estabelece cenários importantes tanto no governo quanto na oposição.

Sua candidatura ao Senado terá impacto direto sobre três outras lideranças interessadas na mesma vaga: o presidente da Assembleia Legislativa, Othelino Neto (PCdoB), o ainda prefeito de São Luís, Edivaldo Júnior (PDT), o senador Roberto Rocha (PSDB) e a ex-governadora Roseana Sarney (MDB).

Othelino deve repensar sua estratégia e buscar novas posições dentro do grupo, o que pode indicar, inclusive, a permanência no controle da AL-MA a partir de 2023; Roseana também deve optar por outras disputas.

Fortalecido como liderança histórica em São Luís, Edivaldo passa a figurar como opção de chapa em 2022, mas já não como opção ao Senado, podendo compor uma chapa de governo ou entrar na disputa da Câmara com cacife para formar a própria bancada.

Caso Roberto Rocha – que tem o apoio declarado do prefeito eleito Eduardo Braide (Podemos) para a reeleição ao Senado – decida enfrentar Dino, estará se confirmando o desenho do blog Marco Aurélio D’Eça, apresentado ainda em 2014 no post “Roberto Rocha e Flávio Dino oito anos depois…”

Ao definir sua candidatura – praticamente 15 meses antes de deixar o mandato – Dino fortalece a própria posição no grupo, em risco de esfacelamento desde as eleições municipais; esta ideia de fortalecimento é reforçada pela volta do deputado Márcio Jerry (PCdoB) ao governo.

Esta posição pode implicar também um acordão pela chapa encabeçada pelo vice-governador Carlos Brandão (Republicanos), mas não é automático.

Sobretudo pelo fato de que Jerry e Brandão são adversários históricos, e é Jerry quem estará definindo as cartas com aliados até abril de 2022.

Na condição de candidato a senador, Flávio Dino vai tratar diretamente com outra liderança do grupo, o senador Weverton Rocha (PDT), pré-candidato a governador.

Há duas perspectivas para esta conversa:

1 – Dino e Weverton se juntam na mesma chapa, com apoio de Brandão e um vice de peso para o pedetista, tornando o grupo praticamente imbatível em 2022, ou;

2 – Dino e Weverton se enfrentam, cada um em uma chapa de peso, com o comunista apostando todo o cacife para eleger também Brandão governador.

Estes cenários passarão a ficar mais claros a partir de janeiro, quando as primeiras pesquisas sobre 2022 começarão a ser apresentadas, agora já com as principais peças do tabuleiro – no governo e na oposição – definidas quanto às suas posições.

Com poucas chances para novos desenhos até o fim de 2021…

4

Weverton nega “candidatura intransigente” e cita Edivaldo como opção

Conciliador, senador maranhense disse que só concorrerá ao governo se houver viabilidade eleitoral e consenso na base; e afirma aceitar qualquer nome indicado pelo governador Flávio Dino que demonstre viabilidade eleitoral

 

Em paz com seu projeto político, Weverton reafirma comando de Dino na sucessão e cita Edivaldo Júnior como opção ao governo

O senador Weverton Rocha (PDT) deu mais uma mostra de sua maturidade política, nesta quarta-feira, 16, ao afirmar em entrevista à rádio Educadora que não há intransigência em sua candidatura ao governo.

– Eleição majoritária não é eleição de projeto pessoal. Eleição majoritária é grupo, não é sozinho. E tem que ouvir o povo. Vamos ver o que o povo vai dizer. E o líder desse grupo é o governador Flávio Dino (PCdoB) – ensina o senador.

Para Rocha, é equivocada e “pouco inteligente” a estratégia do grupo do grupo do vice-governador Carlos Brandão (Republicanos), de tentar afastá-lo de Flávio Dino.

– É claro que o grupo do vice-governador tenta nos afastar de Flávio Dino, de forma equivocada, penso eu, por conta de disputas internas. Para a eles, numa conta simples, mas não inteligente, é mil vezes melhor tentar me afastar, achando que isso me enfraquecerá – disse.

Brandão tem forçado a barra para ser candidato de qualquer jeito, mesmo tendo menos de dois dígitos nas pesquisas de intenção de votos já divulgadas; ele também hostiliza Weverton como adversário no grupo. (Relembre aqui e aqui)

Mesmo assim, Rocha aceita apoiar qualquer nome indicado pelo governador Flávio Dino (PCdoB) que demonstre mais viabilidade eleitoral e que tenha consenso na base; e cita o prefeito Edivaldo Júnior como exemplo:

– Eu sempre construí política tendo a leitura de que não se pode construir projetos pessoais. Se Flávio Dino disser: “Weverton, Brandão nós temos o nome do prefeito Edivaldo bem avaliado, que pode unificar vocês”. Qual o problema de eu fazer parte deste projeto? – perguntou 

Weverton concluiu, reafirmando sua maturidade:

– O que não vou fazer é ir de qualquer jeito para um projeto pessoal, que não represente grupo. Se tivermos esta construção, não vejo problema nenhum. Repito: o projeto é do grupo –  afirmou o senador do PDT. 

Simples assim…

2

PSB dá como certa a filiação de Flávio Dino

Governador comunista tem espaço garantido no partido, que pode até absorver o PCdoB, criando uma superlegenda para as eleições presidenciais de 2022

 

Flávio Dino com expoentes do PSB nacional; governador deve ter caminho partidário diferente a partir de 2021

Terceiro colocado na disputa pela Prefeitura de São Paulo, Márcio França indicou em entrevista à Folha de S. Paulo que espera pela filiação do governador do Maranhão, Flávio Dino (PCdoB), no seu partido, o PSB.

Segundo ele, essa pode ser uma saída para o comunista em virtude de possíveis problemas do PCdoB com a cláusula de barreira.

– Há um papel importante agora que vai ser jogado pelo Flávio Dino, que eu sinto que está de mudança. Para o PSB? Acho que sim. Sou muito amigo do Flávio. Ele é brilhante. Foi o melhor deputado que eu conheci em Brasília. O movimento dele vai ser o mais importante dos próximos dias. O PCdoB está com um problema [com a cláusula de barreira]. Ou eles migram para algum canto ou vão ser diluídos – disse o ex-governador de São Paulo, Márcio França.

Uma das alternativas é a fusão ou absorção do PCdoB pelo PSB, o que crisaria uma superlegenda à esquerda.

Dino ainda mantém-se calado sobre o assunto, sobretudo após derrota nas urnas de 2020.

De qualquer forma, o debate deve se intensificar em 2021…

1

César Pires revela detalhes de tensa reunião entre Weverton e Flávio Dino…

Embora não tenha participado diretamente do encontro – que selou a aliança do grupo pedetista com o prefeito eleito Eduardo Braide – deputado contou relatos ouvidos de quem esteve no Palácio dos Leões nos primeiros dias após o 1º turno

 

César Pires tornou públicos detalhes da reunião no Palácio dos Leões, de Marcelo Tavares, citando também o presidente da AL-MA, Othelino Neto

O deputado César Pires (PV) fez ontem um contundente relato do encontro entre o grupo dos senador Weverton Rocha (PDT) e o governador Flávio Dino (PCdoB) logo nos primeiros dias após o 1º Turno das eleições em São Luís.

De acordo com Pires – que trouxe riqueza de detalhes da reunião – que foi tensa, os aliados de Dino mostraram coragem ao dizer não ao chefe do Executivo, que queria deles o apoio incondicional ao candidato Duarte Júnior (Republicanos), apoiado pelo vice Carlos Brandão  e pelo deputado Josimar de Maranhãozinho, flagrado pela Polícia Federal com R$ 2 milhões em dinheiro vivo,.

– Sem sequer discutir a opção pelo seu candidato, o governador não queria dar a seus aliados o direito de escolha, mas recebeu um duro não do senador Weverton Rocha (PDT) e dos deputados Neto Evangelista (DEM), Juscelino Filho (DEM) e Pedro Lucas (PTB ), do prefeito de Timon, Luciano Leitoa (PSB), e do presidente da Famem, Erlânio Xavier (PDT) – relatou César Pires.

O relato de Pires foi confirmado integralmente pelo blog Marco Aurélio D’Eça com alguns dos presentes na reunião do dia 16 de novembro.

Pires revelou que Weverton e e Neto foram duro com o governador.O deputado lembrou que, mesmo ausente da reunião, o presidente da Assembleia, Othelino Neto (PCdoB), e o prefeito de São Luís, Edivaldo Júnior (PDT), também resistiram à pressão do governador e ficaram neutros na disputa pela Prefeitura.

– Ao referir aos maranhenses no livro Conselho aos Governantes, Marques de Pombal disse que o povo do Maranhão “seria obediente, fiel e amaria um general prudente, afável e modesto”; mas nenhum desses adjetivos se aplica ao governador Flávio Dino – enfatizou César Pires, ao acrescentar que “a obediência forçada é violenta, e a voluntária é segura”.

Na avaliação do deputado, a posição de Flávio Dino nas eleições ruíram as bases de seu governo, que caminha para o definhamento no fim do mandato.

– Flávio Dino não escuta conselho de ninguém: é um déspota, arrogante e prepotente, que por tudo isso já está vendo seu governo definhar. A guerra foi lançada no Palácio dos Leões e abafada. Houve discussão e muita pressão, mas os aliados do governador se recusaram a ceder aos seus caprichos – finalizou.