5

Eduardo DP, de Flávio Dino a Brandão: só não podem dizer que não sabiam de nada…

Vida de crimes do Imperador de Dom Pedro, chamado de “chefe de organização criminosa” pela Polícia Federal, vem de muito antes de o comunista assumir o poder, abrigá-lo em seu governo e pagar nada menos que R$ 726 milhões em contratos desde 2015, mesmo depois de o seu próprio sistema de segurança realizar sucessivas operações contra ele

 

Já em Pedrinhas, com uniforme laranja de presidiário, Eduardo DP conseguiu novo contrato com o governo Brandão no mesmo dia em que foi pego pela Polícia Federal (imagem: blog Atual7)

 

Análise da notícia

Nem o ex-governador Flávio Dino (PSB) e muito menos o seu sucessor-tampão Carlos Brandão (PSB) podem alegar que não conheciam a vida de crimes do empresário Eduardo DP, preso na quarta-feira, 20, pela Polícia Federal acusado de chefiar “organização criminosa” especializada em fraudar contratos públicos.

O Imperador, como é conhecido o empresário, foi preso por fraudes na Codevasf, mas tem contratos com o governo comunista de mais de meio bilhão de reais; e tem relação íntima com os poderosos do Palácio dos Leões, como mostrado pelo blog Marco Aurélio D’Eça no post “Filho de Márcio Jerry em festiva intimidade com Eduardo DP…”.

Eduardo José Barros Costa, o DP ou Imperador, começou a ser conhecido da mídia ainda em 2012 – quando Flávio Dino ainda nem era governador – após operação policial contra agiotagem; em julho daquele ano, o Jornal Pequeno publicou extensa reportagem mostrando que Eduardo tinha nada menos que sete Carteiras de Identidade e quatro CPFs.

Esta reportagem do JP foi analisada pelo blog Marco Aurélio D’Eça, em 30/7/2012, no post “As várias identidades de Eduardo DP…”

Flávio Dino assumiu o governo em 2015.

Em março daquele ano, a Polícia Civil, já sob o comando de Flávio Dino, realizou a Operação Imperador, que botou DP atrás das grades sob acusação de desvio de verbas em prefeituras maranhenses; em novembro daquele ano a polícia prendeu o Imperador novamente, desta vez sob acusação de agiotagem.

Outras duas prisões foram realizadas um ano depois, em maio e julho de 2016.

Uma dessas prisões foi divulgada no blog Marco Aurélio D’Eça, no post “Agiotagem: os mesmos alvos de sempre…”, que levantava suspeitas sob a proteção do próprio governo Dino a outros agiotas.

A intimidade de Eduardo com Márcio Jerry e Flávio Dino permitiu várias fotos como esta, mesmo depois de o próprio governo prendê-lo por quatro vezes

Foi então que a sorte de Eduardo DP começou a mudar com Flávio Dino.

Milionário, dono de frotas de carros e aeronaves, Eduardo DP passou a se aproximar das secretarias de Infraestrutura e de Cidades, comandada pelos comunistas Clayton Noleto e Márcio Jerry; e os contratos com o governo começaram a surgir, ao mesmo tempo em que membros do governo e aliados cruzavam os céus em aviões e helicópteros cedidos pelo empresário.

Para garantir os recursos da Secid e da Sinfra, usava sempre a Construservice, espécie de laranjal que sublocava uma série de outras empresas indicadas por membros do governo e lobbystas.

No total, entre 2015 e 2022, Flávio Dino pagou ao “chefe da organização criminosa” preso pela Polícia Federal nada menos que R$ 726 milhões, segundo levantamento do blog do Neto Ferreira, com base em documentos do Portal da Transparência.

É preciso relembrar: o próprio sistema de segurança do governo Flávio Dino havia prendido o empresário por quatro vezes entre 2015 e 2016, o que não impediu de ele ganhar somas milionárias do comunista ao longo de sete anos, com direito, inclusive, a várias fotos juntos.

Avião pertencente ao Imperador, que membros e aliados do governo comunista passeavam livremente pelo interior maranhense (imagem: blog Maldine Vieira)

Foi a intimidade com o poder que levou o filho de Márcio Jerry, Caetano Barroso – como mostrado acima – a funcionar como espécie de lobbysta do empresário, com quem frequentava festas caríssimas em São Luís e outros estados.

Sucessor-tampão de Flávio Dino, Carlos Brandão manteve o prestígio do Imperador no governo; tanto que publicou novo contrato com a Construservice no mesmo dia em que o empresário estava sendo enjaulado pela Polícia Federal.

Flávio Dino, Carlos Brandão, Márcio Jerry, filho e Clayton Noleto podem alegar qualquer coisa para justificar sua relação com Eduardo DP e os benefícios desta relação.

Só não podem dizer que não conheciam os seus crimes…

Sem categoria

Marco Aurélio D'Eça

5 Comments

  1. Uma notícia relevante dessa da prisão de Eduardo DP e Jorge Aragão e Gilberto Leda, que por sua vez noticiavam tanto as investigações antes, não deram um pio. Só falam da Econométrica… Algo de errado não está certo…

  2. O Cuba fazia passar na presença de seus pobres e tolos serviçais comunistas que não deixava acontecer corrupção em seu governo, cínico.! Agora se vê que ele é pior do que o ex-governador Jackson Lago que deixava todo mundo surrupiar e não se locupletava para parecer honesto.

    Esse grupo político acabou com bilhões suspeitos em obras.

  3. Diante dos contratos de Eduardo DP serem tanto na Codevasf como no Governo FD/Brandão e da necessidade da PF e do MPF seguirem o caminho do dinheiro suspeito, e construtoras terem geralmente “caixa único” sem contas específicas, as investigações das obras estaduais da Sinfra e da Secid, por atração, devem ficar unicamente na esfera federal, ou seja, na PF e no MPF, o que vai levar os comunistas a entrar em desespero.

  4. Por que os algozes críticos e atuantes em redes sociais que tanto cobram postura e respostas de seus adversários, agora, mergulham em profundo silêncio. Cadê Flávio Dino e Márcio Jerry? Onde estão ? Pelo visto estão esperando a poeira baixar para voltarem as redes sociais para criticarem seus opositores e silenciarem de suas mazelas.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *