3

Carlos Lula usa o mesmo argumento de Flávio Dino para negar envolvimento em compra falsa de respiradores

Ex-secretário de Saúde do Maranhão diz que a responsabilidade pela compra foi do estado da Bahia e que a operação da Polícia Federal se deu exclusivamente para investigação naquele estado

 

Assim como Flávio Dino, Carlos Lula jogou para a Bahia a responsabilidade pela compra fake de respiradores durante a pandemia

O ex-secretário de Saúde do Maranhão, Carlos Eduardo Lula (PSB), utilizou praticamente os mesmos argumentos do ex-governador Flávio Dino (PSB) para rebater informação do blog Marco Aurélio D’Eça, segundo a qual, eles devem ser alvos de operações da Polícia Federal para explicar compra falsa de respiradores durante a pandemia.

A compra fake causou ao Maranhão prejuízo de R$ 9 milhões.

Segundo Lula, toda a investigação se dá no âmbito do estado da Bahia, responsável direto pela compra do Consórcio Nordeste, do qual o Maranhão faz parte.

– É necessário esclarecer que a operação não investiga o Maranhão, tampouco o ex-secretário da Saúde, Carlos Lula – afirmou o ex-secretário, por meio de nota de sua assessoria.

De fato – e nem o blog Marco Aurélio D’Eça disse o contrário – Carlos Lula e Flávio Dino não foram alvos da operação desta terça-feira, 26, especificamente; o que este blog disse é que a operação de ontem é apenas uma fase de outras, em que todos os envolvidos – incluindo os maranhenses – são alvos.

Repetindo Flávio Dino, Carlos Lula lembrou que a empresa responsável pela venda fake já está sendo processada no Tribunal de Justiça da Bahia.

Assim como Dino, Lula só não explicou como o governo pretende fazer para reaver os R$ 9 milhões jogados fora…

1

Aliado de Brandão, Felipe dos Pneus é afastado por corrupção…

De acordo com a operação realizada nesta quarta-feira, 27, prefeito de Santa Inês comandava esquema que teria desviado cerca de R$ 8,5 milhões envolvendo adesões a atas com recursos da Secretaria de Saúde

 

Ex-membro da base de Flávio Dino na Assembleia, prefeito Felipe dos Pneus é aliado do governador-tampão Carlos Brandão

O prefeito de Santa Inês, Felipe dos Pneus, foi alvo nesta quarta-feira, 27, de operação da Polícia Federal para desbaratar esquema envolvendo recursos da Saúde e que teria desviado cerca de R$ 8,5 milhões.

Aliado do governador-tampão Carlos Brandão (PSB), o prefeito foi imediatamente afastado do cargo, assim como outros membros de sua gestão.

De acordo com a investigação da Polícia Federal – que alcançou também endereços em São Luís, Caxias e Teresina (PI) – Felipe dos Pneus usava adesões a atas de licitações de outros municípios para compra em postos de combustíveis, mesmo com preços superfaturados em mais de 200%.

– A investigação revelou fortes indícios de que grande parte das contratações de Santa Inês eram precedidas de negociações de propina, possivelmente repassadas para os integrantes da organização criminosa, por meio de empresa fictícia, criada para essa finalidade – diz release da Polícia Federal.

Apoiador do governador-tampão Carlos Brandão, Felipe dos Pneus fez parte da base de apoio do ex-governador Flávio Dino (PSB) na Assembleia Legislativa.

Ele foi eleito prefeito em 2020…

11

Em nota ao blog, Flávio Dino culpa Governo da Bahia por compra falsa de respiradores…

Ex-governador nega que seja alvo da investigação da Polícia Federal sobre o caso, diz que a compra foi efetuada na Bahia, que a empresa responsável pela venda está sendo processada na Bahia e que o Consórcio Nordeste responde judicialmente pelos seus atos

 

Flávio Dino e seus colegas governadores do Consórcio Nordeste: prejuízo de cerca de R$ 9 milhões somente ao Maranhão

Em nota encaminhada ao blog Marco Aurélio D’Eça, o ex-governador Flávio Dino (PSB) negou que seja alvo da investigação da Polícia Federal sobre a compra falsa de respiradores durante a pandemia de coronavirus – e que resultou em operação nesta terça-feira, 25, na Bahia, no Rio de Janeiro, no Distrito Federal e em São Paulo.

– A compra questionada foi efetuada na Bahia, não no Maranhão. O Consórcio Nordeste é uma autarquia, que responde juridicamente pelos seus atos; sobre a empresa que não cumpriu o contrato, ela está sendo processada perante o poder judiciário da Bahia, onde ocorreu a compra, para devolver valores pagos – disse Dino, por meio de sua assessoria de imprensa, na primeira interlocução com este blog desde o início de seu governo, em 2015.

Embora tenha ignorado em sua nota de resposta, Flávio Dino pagou, como governador, cerca de R$ 9 milhões pelos respiradores que não recebeu; ele continua sem dizer como fará para receber o dinheiro pago.

No primeiro trecho de sua nota, o ex-governador afirma não haver nenhuma investigação contra ele na Polícia Federal. E ressalta que a própria matéria se refere a outros estados como alvos da operação policial.

Mas o blog Marco Aurélio D’Eça não disse que o maranhão era alvo desta operação; o blog disse, e reafirma, que Dino e seu ex-secretário de Saúde, Carlos Eduardo Lula, deverão ser alvos de outras etapas da investigação, pela participação no consórcio que efetuou a compra.

Até por que, Dino também foi denunciado – junto com os colegas governadores – tanto ao Superior Tribunal de Justiça como em ações do Ministério Público Estadual e Federal, e denúncias à OAB, à CGU e ao TCE maranhenses segundo revelou este blog em junho de 2020, no post “De como o consórcio de governadores causou rombo financeiro ao Nordeste…”.

Ao responsabilizar o Governo da Bahia e o Consórcio Nordeste pela compra, Flávio Dino disse ainda que a empresa responsável pela venda está sendo processada na Bahia para devolução do dinheiro pago.

Pelo que se entende da declaração do ex-governador, o erário maranhense vai depender da boa vontade do Judiciário bahiano para receber os R$ 9 milhões que perdeu na operação.

Abaixo, a íntegra da nota de Flávio Dino:

1. Não há nenhuma investigação na Polícia Federal contra o ex-governador Flávio Dino. A própria matéria se refere a outros estados como alvos da operação policial;

2. A compra questionada foi efetuada na Bahia, não no Maranhão. O consórcio Nordeste é uma autarquia, que responde juridicamente pelos seus atos;

3. Sobre a empresa que não cumpriu o contrato, ela está sendo processada perante o Poder Judiciário da Bahia, onde ocorreu a compra, para devolver valores pagos.

3

Compra falsa de respiradores põe Flávio Dino na mira da Polícia Federal

Operação desencadeada nesta terça-feira em quatro estados do Nordeste envolve também o ex-governador maranhense e seu ex-secretário de Saúde, que participaram do escândalo de milhões durante a pandemia

 

Flávio Dino foi um dos mais ativos defensores da compra de respiradores pelos governadores do Nordeste

A operação da Polícia Federal desencadeada nesta terça-feira, 26, nos estados de São Paulo, Rio de Janeiro, Bahia e no Distrito Federal põe o ex-governador Flávio Dino na mira das investigações.

Como governador do maranhão, em 2020, no pico da pandemia de coronavirus, Dino e seu então secretário de Saúde, Carlos Eduardo Lula, participaram do Consórcio Nordeste para a compra de 300 respiradores, que nunca foram entregues.

A operação desta quarta-feira é apenas a primeira de uma série, que deve envolver todos os estados nordestinos.

O escândalo da falsa compra de respiradores se deu no auge da pandemia; os estados nordestinos decidiram comprar, em consórcio, os equipamentos para uso nas UTIs, mas as empresas nunca entregaram a compra.

Só o Maranhão teve um prejuízo R$ 9 de milhões; Flávio Dino nunca se movimentou para recuperar o dinheiro.

Leia também:

Flávio Dino pagou três vezes mais por respiradores que não recebeu…

Empresa que não entregou respiradores quer negociar devolução do dinheiro…

De como o consórcio de governadores causou rombo financeiro ao Nordeste…

Apesar de os órgãos de controle do Maranhão – TCE, Ministério Público e Tribunal de Justiça – ignorarem o escândalo, a Polícia Federal continuou investigando, o que resultou na operação de hoje.

Flávio Dino e o secretário de Saúde têm responsabilidade direta sobre a compra nunca recebida…

1

Revista ligada a Flávio Dino volta a destacar ações contra Josimar Maranhãozinho

Crusoé, ligada ao site O Antagonista, e com estreita relação com o secretário de Comunicação Ricardo Capelli, divulga informações privilegiadas de processo que está em segredo de Justiça

 

Com estreitas relações no governo de Flávio Dino, Crusoé tem sido usada para dar pressão no deputado federal Josimar Maranhãozinho

A revista Crusoé, ligada ao site O Antagonista, voltou a dar destaque à operação da Polícia Federal, semana passada, em endereços ligados ao deputado federal Josimar Maranhãozinho (PL).

Mais grave: a revista destaca informações privilegiadas do processo, que está em segredo de Justiça.

A Crusoé e o Antagonista têm forte ligações com o governo Flávio Dino (PSB) – e sobretudo com o seu secretário de Comunicação, Ricardo Capelli.

Flávio Dino paga, desde 2015, empresa ligada ao jornalista Ricardo Noblat, que faz a intermediação de matérias em veículos de circulação nacional.

Desde que Josimar Maranhãozinho decidiu se afastar do governador, a Crusoé tem dado destaque privilegiado às ações da PF contra ele.

O deputado, que é pré-candidato a governador – garante que não há nada de irregular em suas operações parlamentares.

3

Desconfiado de Bolsonaro, Valdemar Costa Neto pode tomar PL de volta…

Presidente nacional do partido entende que a ação da Polícia Federal contra parlamentares da legenda, nesta sexta-feira é uma ação do presidente da República para tentar assumir o controle partidário

O comando nacional do PL desconfia que Bolsonaro esteja por trás da operação da PF contra Pastor Gil e Josimar

A ação da Polícia Federal nesta sexta-feira, 11, em endereços dos deputados federais Josimar Maranhãozinho e Pastor Gil (ambos do PL) teve o dedo do presidente Jair Bolsonaro.

Pelo menos é este o entendimento do próprio presidente nacional do partido, Valdemar da Costa Neto.

Costa Neto entende que o presidente da República tenta criar dificuldades para membros da legenda na tentativa de se apossar do comando partidário durante as eleições de 2022.

Bolsonaro se filiou ao PL no final de 2021; desde então, tenta impor nomes de sua confiança nos diretórios estaduais, mas enfrenta resistência de Valdemar.

No Maranhão, por exemplo, ele tentou impor o senador  Roberto  Rocha, mas recebeu um não do presidente nacional.

A ação contra Josimar e Pastor Gil se deu uma semana depois de a direção nacional do PL  confirmar o comando regional do partido para o deputado estadual Hélio Soares, ligado a Josimar.

Além dos deputados maranhenses também foi alvo da PF nesta sexta-feira o deputado federal Bosco Costa, do PL de Sergipe, outro que resiste ao controle de Bolsonaro.

Mas Valdemar da Costa Neto tem uma carta na manga: o fim da janela partidária. Após o fim do prazo para filiação partidária ele pode dar o contragolpe em Bolsonaro.

A menos que o presidente deixe antes o PL…

2

Denúncias deste blog embasam relatório contra Josimar no STF

Notícias divulgadas desde o início de 2020 – apontando o deputado federal maranhense como “papão de emendas” no Congresso Nacional – fazem parte do arcabouço sob a responsabilidade do ministro Ricardo Lewandowski, que vazou na semana passada

 

Reportagem da revista Crusoé destaca o “Mercadão das Emendas” e joga luz sobre o deputado maranhense Josimar Maranhãozinho

 

Um conjunto de matérias publicadas pelo blog Marco Aurélio D’Eça ao longo de 2020, compõe o relatório que embasa as denúncias do Ministério Público Federal contra o deputado Josimar Maranhãozinho (PL) no Supremo Tribunal Federal.

O documento – que deveria ser sigiloso – vazou esta semana, e é tema das principais revistas e portais nacionais de notícias.

Mas tudo começou em fevereiro de 2020, a partir deste blog.

Quem conseguiu ter acesso ao documento diz que há nele elencados ao menos 10 posts publicados neste blog ao longo de 2020 e 2021, juntamente com reportagens de outros veículos nacionais.

Em 20 de fevereiro de 2020, o blog Marco Aurélio D’Eça publicou o post “Venda de emendas parlamentares pode virar escândalo nacional”.

Naquela época, o blog já revelava que um único deputado maranhense conseguia comprar até R$ 50 milhões em emendas, inclusive de outros estados.

– Investigado pela Procuradoria-Geral da República, o esquema pode se transformar no maior escândalo do país desde a Operação Lava Jato – vaticinou o post.

Em 15 de junho de 2020, nova denúncia do blog Marco Aurélio D’Eça, com selo de Exclusividade: “Destino das emendas na pandemia pode gerar novas ações da PF…”

– Levantamento do blog Marco Aurélio D’Eça em sites de controle, nos portais de transparência e nas páginas das próprias prefeituras identificou grandes volumes de recursos encaminhados para pequenos municípios – em detrimento de outros, maiores – e até dinheiro de emenda parlamentar a municípios que sequer registraram casos de coVID-19 – dizia o texto.

Por, praticamente, delinear o caminho a ser seguido no Maranhão, este é um dos posts que compõem o relatório em poder do STF, 

Foto icônica de Josimar Maranhãozinho, recorrente no blog Marco Aurélio D’Eça: ele, em família, com sua bancada de deputados federais

Naquela época, Josimar Maranhãozinho já era tido no Congresso Nacional por “Papão de Emendas”, pela facilidade que tinha de liberar recursos nos ministérios.

No início de dezembro de 2020, a Polícia Federal desencadeou operação no Maranhão, que resultou na prisão do agiota Josival Cavalcanti, o Pacovan.

Na semana seguinte, exatamente no dia 7 de dezembro, o blog Marco Aurélio D’Eça publica nova postagem com selo de Exclusividade: “Josimar controla emendas de três deputados maranhenses…”.

Neste mesmo post, o blog lembrava que a Polícia Federal se voltava agora para outras emendas maranhenses, em outros canais de indicação.

– Os olhos da PF agora se voltam para outras movimentações tidas por suspeitas, envolvendo grandes volumes de recursos destinados à Codevasf, à UFma, aos Bombeiros e a fundações que controlam hospitais em São Luís e no interior – disse a matéria, linkando textos anteriores sobre o assunto.

Chegou a 2021 e o blog Marco Aurélio D’Eça publica, em 4 de março – também com exclusividade – aquela que seria a chave do processo envolvendo Josimar de Maranhãozinho: “Polícia Federal vai unificar ações que envolvem Josimar de Maranhãozinho…”  

De lá pára cá, o deputado federal vem sofrendo em várias frentes de investigação, que ele atribui à perseguição de adversários, mas que a imprensa vê como um grande escândalo que pode resultar em algo de repercussão nacional.

A exemplo do que traz neste fim de semana a revista Crusoé, com a reportagem “Mercadão das Emendas”.

Que tem Josimar de Maranhãozinho como destaque…

6

Operação da Polícia Federal pode levar Edivaldo à CPI da Covid

Senador Alessandro Vieira (Cidadania-PE) apresentou requerimento – que será votado nesta quarta-feira, 26 – para que o ex-prefeito de São Luís dê explicações sobre desvios de recursos para a pandemia investigados durante sua gestão

 

Investigação contra Lula Fylho pode levar Edivaldo Júnior a ter que se explicar à CPI da COVID-19 do Senado Federal

O ex-prefeito de São Luís, Edivaldo Júnior (sem partido) pode ter que dar explicações á CPI da CoVID-19, do Senado Federal.

A comissão vota nesta quarta-feria, 26, Requerimento do senador pernambucano Alessandro Vieira (Cidadania) pedindo a convocação de Edivaldo e outros 11 prefeitos e ex-prefeitos que foram alvos de operação da Polícia Federal durante a pandemia.

A informação foi dada em primeira mão, nesta terça-feira, 25, pelo blog do Gilberto Léda.

Edivaldo teve a gestão como alvo da PF no dia 9 de junho doa no passado, quando agentes fizeram busca e apreensão em endereços ligados ao então secretário de Saúde, Lula Fylho, acusado de superfaturamento na compra de insumos e equipamentos para o combate à CoVID-19.

O escândalo repercutiu nacionalmente à época, o que levou à exoneração de Lula Fylho.

 

Requerimento com a convocação de Edivaldo Júnior à CPI da COVID-19, que deve ser votado nesta quarta-feira, 26

Mesmo depois da gestão, já em janeiro, a Polícia Federal promoveu novas buscas, desta vez na casa e no escritório de Lula Fylho, apreendendo, inclusive, dinheiro vivo.

Edivaldo nunca tratou do assunto, nem publicamente, nem entre aliados.

Agora, pode ter que dar explicações em âmbito nacional…

0

Polícia Federal vai unificar ações que envolvem Josimar de Maranhãozinho

Deputado é citado nas operações Ágio Final – que envolve também o colega Pastor Gildenemyr, o ex-prefeito de Ribamar, Eudes Sampaio e o agiota Pacovan – e na operação Descalabro, que apreendeu R$ 2 milhões em seus escritórios

 

Josimar de Maranhãozinho é investigado pela Polícia Federal em duas ações que envolvem recursos de emendas parlamentares

A Polícia Federal vai unificar duas investigações que seguiam paralelas,  mas envolvem o deputado federal Josimar de Maranhãozinho (PL) e a suspeita de desvio de recursos de emendas parlamentares.

As primeira operação, denominada Ágio Final, investiga pagamento de propina de emendas parlamentares e extorsão; e envolve também o deputado federal Pastor Gil (PL), o ex-prefeito de São José de Ribamar, Eudes Sampaio (PTB), e o agiota Josival Cavalcante, o Pacovan.

A outra operação, denominada Descalabro, tem como alvo direto o próprio Josimar de Maranhãozinho, e resultou na apreensão de R$ 2 milhões em endereços ligados a ele.

Ambas as operações corriam de forma independente, mas depoimentos já obtidos pela Polícia Federal mostraram que tratam do mesmo tema: desvio de recurso de emendas parlamentares.

Com o pedido de compartilhamento de informações, as duas ações da PF ficarão sob a custódia do Supremo Tribunal Federal, que coordena a operação Descalabro, contra Maranhãozinho, esta em segredo de Justiça.

De acordo com as primeiras investigações, só a operação Ágio Final movimentou cerca de R$ 6,6 milhões em emendas parlamentares, com suspeita de pagamento de propina da ordem de R$ 1,6 milhão. 

Os deputados federais ainda não foram ouvidos pela Polícia Federal…

1

Em Nota, Luciano diz que Prefeitura colabora com investigação da PF em Pinheiro

O prefeito de Pinheiro, Luciano Genésio, emitiu há pouco uma nota oficial e gravou um vídeo a respeito da operação da PF deflagrada na manhã de hoje (2) apontando desvios de recursos para a compra de testes rápidos de Covid-19.

O gestor diz que tomou conhecimento dos fatos apenas nesta terça-feira e garantiu que o Município está colaborando com as investigações.

Leia a nota:

Meus amigos, estou aqui para esclarecer a toda população de Pinheiro e do Maranhão sobre a ação da Polícia Federal realizada na manhã de hoje, na Secretaria de Saúde.

Informo que o município está colaborando com a operação e a Secretaria colocou à disposição da investigação toda documentação solicitada pela PF.

Acompanharei esse processo de perto, na certeza de que a verdade e a justiça serão estabelecidas.

Luciano Genésio