1

Coroado: as mesmas cenas ano após ano…

Ruas do bairro alagam nos mesmos locais a cada período de chuvas, sem que nenhuma ação seja feita pelo poder público; e após milhões e milhões serem gastos em uma drenagem nunca concluída

 

A Rua Carlos Macieira tem diversos trechos assim em toda a sua extensão; e nenhum metro de asfalto do início ao fim de seu trajeto, que liga a Avenida dos Africanos ao João Paulo

A foto acima é um trecho da Rua Dr. Carlos Macieira, no Coroado, no cruzamento com a Avenida Projetada, que dá acesso à Feira do joão Paulo.

A via está assim desde que começou a chover, simplesmente por que não tem canais de escoamento, nem galerias.

E ficou assim em 2019, 2018, 2017, 2016, 2015, 2014, 2013, 2012, 2011, 2010, 2009, 2008… enfim, está assim desde que se tem notícia.

O blog Marco Aurélio D’Eça mostra a situação – não apenas da Carlos Macieira, mas de todo o Coroado – desde que inciou suas atividades, em 2006; ou seja, cobrou das gestões de Tadeu Palácio (PDT), João Castelo (PSDB) e Edivaldo Júnior (PDT).

E nada foi feito.

Desde o início da gestão Castelo foram gastos quase R$ 100 milhões em uma especie de drenagem desnecessária do canal que corta o bairro, um verdadeiro escoadouro de dinheiro público, como se pode ver aqui, aqui, aqui também, aqui, mais aqui, também aqui e aqui…

O blog Marco Aurélio D’Eça também já mostrou que bastam apenas algo em torno de apenas R$ 20 mil para resolver o problema histórico.

Este é o custo aproximado da compra de apenas um terreno de 3 metros de frente, na mesma Rua Carlos Macieira,  na zona mais próxima da Avenida dos Africanos; este terreno seria transformado em uma espécie de bueiro para escoamento das águas da chuvas para o igarapé que margeia as matas do quartel do Exército, que já é um pântano.

Entenda no post “Solução para alagamento no Coroado custa menos de R$ 20 mil…”

Tudo isso já foi dito não uma, mas duas, cinco, dez vezes para os técnicos da Prefeitura de São Luís, que insistem em um imaginário projeto de drenagem profunda cortando todo o bairro – e que nunca é efetivado.

E o problema atinge a todos, indiscriminadamente.

Esta via mostrada no vídeo acima, por exemplo, é a quadra 42, onde fica o Pub Sarará Grill, atual símbolo da cultura e do lazer no bairro, que gera emprego e renda na região.

Mesmo assim, sofre com alagamentos de dia e de noite.

Sem a criação dos bueiros para escoamento da água, o Coroado sofre com os alagamentos constantes, mas também com a  falta de asfalto, que a prefeitura não faz exatamente por que alega que precisa fazer antes a drenagem.

E nunca faz nenhuma coisa nem outra.

Os anos vão passando e a comunidade do Coroado vai ficando esquecida pelo poder público, vivendo às margens da sociedade e recebendo toda a carga de preconceito oriundo exatamente da falta de infraestrutura.

E tudo bem ali, coladinho ao Centro de São Luís…

Marco Aurélio D'Eça

One Comment

  1. Calma que Holandinha começou a trabalhar, tem eleição esse ano, ano de eleição ele é raio. São Luís é 3 anos na taca e 1 ano com obras, mas Graças a Deus tá acabando essa gestão pífia do PDT.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *