0

Vini Jansen cobra solução de Braide para o lixo que inunda o Coroado…

Pré-candidato a vereador mostra detritos que se acumulam diariamente na Avenida Projetada por falta de destinação adequada na feira do João Paulo; e mostra vídeo durante as chuvas, quando toda montanha de dejetos é levada pelas águas para as ruas do bairro, que já sofre com o alagamento crônico

 

Durante as chuvas, a montanha de lixo jogada na feira desce para as ruas do Coroado, já cronicamente alagadas

O pré-candidato a vereador Vini Jansen (Avante) divulgou nesta quarta-feira, 11, vídeo gravado na Avenida Projetada, onde uma montanha de lixo sem destinação adequada da feira do João Paulo se acumula diariamente.

Ao gravar as imagens, ele anexou outras, que mostram o lixo sendo levado pela enxurrada das chuvas para as ruas do bairro do Coroado, que já sofre com o alagamento crônico, que a prefeitura poderia solucionar com apenas R$ 200 mil.

O vídeo mostra os riscos que corre a população do Coroado com o lixão que desce nas chuvas diariamente

Quando chove, todo esse lixo aqui – e não é filme não, é realidade – tudo isso vai parar lá embaixo, na porta dos moradores. Isso é uma falta de respeito. Fora isso é a limpeza, a dignidade que os moradores precisam. Amanhã vou estar lá na Semosp protocolando um ofício para que seja resolvido”, mostrou o pré-candidato a vereador.

Vini Jansém mostrou o problema do acúmulo de lixo na feira do João Paulo, que humilha os moradores do Coroado diariamente

Como prometido no vídeo, Vini Jansen já esteve na Secretaria de Obras para cobrar solução para a falta de destinação adequada do lixo da feira do João Paulo e pela falta de fiscalização da própria Prefeitura de São Luís; agora é esperar pela solução deste problema

Já que o outro, o alagamento crônico, o prefeito Eduardo Braide (PSD) sequer fala no assunto…

0

Braide amarga na Maria Aragão o mesmo que o povo sofre nos bairros…

Com comunidades espalhadas por São Luís inteira amargando alagamentos quase diários resultantes das chuvas que ocorrem todo ano, prefeito de São Luís – que vai gastar mais de R$ 3 milhões com shows neste São João – experimentou na própria pele o que sofrem os moradores dessas comunidades no dia dia sem infraestrutura adequada

 

A Praça Maria Aragão inundou durante a festa de São João da prefeitura; o bairro do Coroado sofre isso há 320 anos, diante do descaso da mesma prefeitura

Editorial

A imagem acima, publicada no blog do jornalista Domingos Costa, foi registrada na noite desta quinta-feira, 6, na segunda noite do Arraial da Praça Maria Aragão.

O prefeito Eduardo Braide (PSD) – que anunciou mais de R$ 3 milhões em shows durante as festas juninas – sentiu, pela segunda noite seguida, o que sentem moradores de diversas comunidades de São Luís, vítimas do alagamento causado pelas chuvas, por falta de drenagem nos bairros.

Estes R$ 3 milhões gastos no São João, por exemplo, dariam para fazer o serviço do bairro do Coroado pelo menos 15 vezes, como já mostoru este blog Marco Aurélio d’Eça, no post “Solução para alagamento no Coroado custa menos de R$ 200 mil…”.

É triste para a cultura maranhense ver um palco como este debaixo d’água por falta de infraestrutura adequada.

Mais triste ainda é ver populações inteiras perder tudo o que têm pelo descaso do poder público.

Ano após ano…

0

Vídeo do dia: não é o Rio Grande do Sul; é o Coroado, Braide!!!

Bairro no qual o prefeito prefere gastar milhões em obras desnecessárias sofre há décadas com alagamentos que podem ser resolvidos com a simples retirada de uma casa da irregular na rua Dr. Carlos Macieira, que impede a vazão da água para as matas do quartel; o resultado é inundação com lixo descendo da também malcuidada feira do João Paulo

 

Enquanto Braide quer fazer quadra de milhões, o Coroado resolveria o alagamento com uma fração desse valor

O vídeo acima, feito na tarde chuvosa desta quarta-feira, 5, é apenas mais um produzido ao longo dos últimos 30 anos por moradores indignados com o alagamento crônico do bairro do Coroado, enquanto os prefeitos preferem gastar milhões em obras de maquiagem desnecessárias, como a que o atual, Eduardo Braide (PSD) anunciou em 4 de maio.

Recorte do vídeo de mais um dia de chuvas e alagamentos no Coroado, que sofre há décadas com o problema

A solução para esta inundação – custa menos de R$ 200 mil e já foi mostrada por este blog Marco Aurélio d’Eça em vários posts, como este publicado em 2019, com o título “Solução para alagamento no Coroado custa menos de R$ 200 mil”.

A propósito, a obra desnecessária anunciada por Braide há mais de um mês segue apenas com tapume.

E o custo deste tapume já daria para resolver o alagamento do bairro…

0

Braide anuncia obra desnecessária no Coroado, que sofre com alagamento crônico…

Prefeito visitou neste sábado, 27, área que já foi sumidouro de recursos públicos nas gestões de Tadeu Palácio (PDT), João Castelo (PSDB) e Edivaldo Júnior (PDT) nos últimos 20 anos; no mesmo período, comunidade vem cobrando o fim das enchentes, serviço que pode ser resolvido a um custo insignificante de menos de R$ 200 mil

 

Complexo anunciado por Braide no Coroado: uso de obras inacabadas sem resolver o principal: o alagamento crônico

Este blog Marco Aurélio d’Eça vem mostrando, desde 2016, que a solução para o alagamento crônico da comunidade do Coroado pode ser resolvida a um custo atual de menos de R$ 200 mil.

  • O problema surgiu a partir do início dos anos 90, quando um morador decidiu construir uma casa em cima da galeria de escoamento das águas que descem do Filipinho, Jordôa, Redenção e João Paulo no período de chuvas;
  • Basta retirar a casa – ou qualquer outra da Rua Dr. Carlos Macieira na altura mais próxima à Avenida dos Africanos – e essas águas escoariam livremente para as matas do 24º Batalhão de Caçadores, que é um pântano e absorveria todo o volume.

Em novembro de 2019, este blog Marco Aurélio d’Eça acionou o então secretário de Infraestrutura Antonio Araújo, que chegou a conversar com os moradores sobre a venda casa, o que foi retratado no post “Solução para alagamento do Coroado custa menos de R$ 20 mil…”.

Neste sábado, 27, o prefeito Eduardo Braide (PSD) foi ao Coroado, mas, ao invés de anunciar, finalmente, a solução para o problema crônico que aflige toda a população do bairro, preferiu anunciar uma obra absolutamente desnecessária, aproveitando exatamente a mesma área onde já se gastou pelo menos R$ 100 milhões e nada saiu.

É assim que ficam as ruas do Coroado, entra ano e sai ano, mas o prefeito quer fazer é complexo pra alagar durante as chuvas

A obra que Eduardo Braide anunciou neste sábado, 27 – sem necessidade alguma, inoportuna, repita-se! – será um tal “Complexo de Educação e Cidadania”, utilizando os restos de obras às margens do mesmo canal que deveria absorver às águas da chuva que inundam o bairro ano após ano.

Por mais bonito, espetacular e chamativo que esse tal complexo possa ser – como mostram as imagens virtuais divulgadas pelo prefeito em suas redes sociais – será apenas mais um gasto mal planejado de recursos públicos.

Por que, se não resolver o problema do alagamento – gastando apenas R$ 200 mil – esses complexos vão sempre por água abaixo.

É simples assim…

1

Menos de meia hora de chuvas e o Coroado já fica assim…

Abandonado pelo poder público e sem liderança política que encampe a luta do bairro, comunidade sofre com alagamentos cada vez mais frequentes, mesmo depois de mais de 50 ações condenando a prefeitura a resolver o problema de drenagem que já dura mais de 30 anos

 

Bastaram menos de 30 minutos de chuvas na tarde desta quarta-feira, 15, para que a maioria das ruas do bairro do Coroado ficassem como mostram as imagens deste post.

Uma situação que vem se agravando ano após anos.

Na noite de segunda-feira, com a violenta chuva que se abateu em toda São Luís, o bairro acumulou mais de um metro de volume de água em algumas ruas; e só conseguiu se livrar da enchente quase no amanhecer.

Abandonado pelo poder Público – Governo do Estado, prefeitura, Judiciário e Ministério Público – a comunidade do Coroado sofre sem drenagem há mais de 30 anos.

E a solução é tão simples, pelo menos para alguns setores do bairro: basta a desapropriação de um dos imóveis construídos irregularmente na avenida Carlos Macieira, às margens do Igarapé que corta o bairro.

E sem uma liderança política efetivamente ligada ao bairro, o abandono fica até pior, com políticos surgindo de tempos em tempos apenas por interesse de voto em troca de asfalto ou benefícios pessoais aos comunitários.

Bastaram menos de 30 minutos na tarde de hoje para que a maior parte das ruas do Coroado ficasse assim: triste realidade de 30 anos

Desde a gestão do prefeito Tadeu Palácio (PDT), a Prefeitura já foi condenada em mais de 50 ações pela Vara de Interesses Difusos e Coletivos, a resolver o problema de drenagem do Coroado.

Mas nunca sequer iniciou qualquer serviço deste tipo. (Relembre aqui, aqui, aqui, aqui, aqui, aqui, aqui, mais aqui e também aqui)

Foram três ações na gestão de Palácio, outras tantas na gestão de João Castelo (PSDB) e uma inúmeras vezes no governo Edivaldo Júnior (sem partido); já se está no terceiro ano do mandato de Eduardo Braide (PSD)

E não tem quem obrigue a prefeitura a cumprir a decisão judicial.

Uma triste sina para um dos bairros mais próximos do Centro da Capital…

1

Coroado, de Tadeu Palácio a Eduardo Braide: dia e noite debaixo d’água…

Foram mais de R$ 100 milhões anunciados e supostos serviços feitos pelos prefeitos João Castelo e Edivaldo Júnior sem que o bairro passasse pelo menos um período chuvoso sem as inundações que viraram até folclore na comunidade; com o atual prefeito as esperanças se renovaram, mas não se concretizaram, passados dois anos da gestão

 

Passa ano após ano, vem prefeito e sai prefeito e as ruas do Coroado sofrem com o período chuvoso, de dia e de noite

Editorial

A cobertura do blog Marco Aurélio d’Eça sobre as enchentes no Coroado começaram desde a sua estreia na blogosfera, em 2006 ainda na gestão do então prefeito Tadeu Palácio (PDT); mas foi a partir da gestão de João Castelo (PSDB), que essas cobranças ganharam mais força, sobretudo pelos anúncios que o falecido gestor fazia sobre a drenagem no bairro.

Em 26 de janeiro de 2012 – há exatos 11 anos, portanto – Castelo proferiu a seguinte frase sobre o Coroado:

O que era antes um rio de esgoto, transformou-se agora numa realidade totalmente diferente, numa área saneada, que vai dar mais dignidade a quem vivia na lama

O prefeito havia entregue um arremedo de obra cuja inutilidade vinha sendo alertada pela própria população, que, já à época, cobrava a retirada de uma residência irregular em cima de um bueiro na Rua Carlos Macieira, que impedia o desaguamento das chuvas.

Bastou as primeiras chuvas de março para que o fracasso da obra – de R$ 30 milhões, segundo a própria prefeitura – se mostrasse. 

Ainda em 2012,  já durante a campanha eleitoral, o blog Marco Aurélio d’Eça registrou a divergência de opinião do então prefeito Castelo e do seu principal adversário, o então deputado federal Edivaldo Júnior (PTC) sobre o que fazer com a drenagem do Coroado, que já consumia milhões e milhões de reais.

Castelo garantia que havia feito obras de infraestrutura e saneamento, o que mostrava-se inverídico diante das inundações recorrentes; o então candidato Edivaldo disse na campanha:

Esses bairros são esquecidos pela atual administração e merecem um cuidado todo especial, porque neles a atuação do poder público é mais importante. Não podemos deixar que a realidade dessas pessoas seja sempre de carência, de esgoto a céu aberto

Edivaldo foi eleito, mas também esqueceu-se do “cuidado todo especial” no Coroado.

Em fevereiro de 2013, já na gestão de Holandinha, o blog Marco Aurélio d’Eça voltou a registrar os milhões e milhões gastos em uma obra que nunca resolveu o problema do Coroado.

Foi assim em 2014, 2015, 2016 – na reeleição de Edivaldo Júnior – 2017, 2018, 2019 e 2020, como registrou o blog no post “Coroado: as mesmas cenas, ano após ano…”.

Em novembro de 2019, o blog Marco Aurélio d’Eça voltou a tratar da solução simples de retirada de casas construídas irregularmente nas galerias, no post “Solução para alagamento do Coroado custa menos de R$ 20 mil.,..”.

Com base em dados de engenheiros, o blog afirmou, à época:

A retirada de uma única casa na borda dessa rua [Carlos Macieira] – ao custo de R$ 10 mil, R$ 15 mil – resolveria todo o problema de escoamento, por que as águas da chuva encontrariam destino. E há vários imóveis à venda

Comunidade e blog acreditaram que Eduardo Braide seria a solução para o problema, esperança refletida no post de junho de 2021, intitulado “Alagamentos no Coroado: agora a esperança é Braide”.

Dois anos de gestão já se passaram. Nenhum estudo, serviço ou projeto foi apresentado pela gestão de Braide ao Coroado, que segue com seus alagamentos, como os registrados pelo blog:

em fevereiro, no post “Coroado pela enésima vez debaixo d’água…”;

e em abril daquele ano, no post “A triste sina do Coroado…”.

Passou-se 2022 e nada.

Finalmente chega-se a este dia 25 de janeiro de 2023 e a realidade do Coroado é a mesma, com as mesmas ruas alagadas ano após ano, entra prefeito e sai prefeito.

Tudo isso 11 anos depois do gasto dos primeiros R$ 30 milhões em uma obra inútil.

Inútil e desnecessária…

0

“Guerreiras das Comunidades” levam ações para Vila Palmeira, Santa Cruz, Barreto e Santa Júlia

Coletivo que reúne lideranças comunitárias da região fazem ações sistemáticas que vão de doação de cestas básicas, passando por marcações de consultas e atendimento psicossocial; e pretende reforçar as ações até 2024, quando espera chegar à Câmara Municipal

 

As “Guerreiras das Comunidades” em ação na arrecadação de alimentos para doação, em, selfie de Aline Brito, uma das lideranças do coletivo

Um grupo de lideranças comunitárias femininas tem movimentado os bairros da Vila Palmeira, Santa Cruz, Barreto e Santa Júlia com ações que vêm modificando a realidade dessas comunidades.

Formado por Aline Brito, Rariny França e Josy Guerreira, o coletivo intitulado “Guerreiras das Comunidades” leva desde cestas básicas às pessoas carentes até marcação de consultas e exames, passando por mutirões de atendimento nas áreas de saúde, social e esportiva.

– Visando expandir os trabalhos e levar para outras comunidade, quem sabe não surge um coletivo em 2024 como futuras vereadoras – declarou Aline Brito, que pretende engajar outras mulheres comunitárias no projeto.

O objetivo das “Guerreiras das Comunidades” é juntar lideranças também do Sacavém, Coroadinho, Coroado, Bairro de Fátima, Areinha, Monte Castelo, Caratatiua e Alemanha.

Formando um verdadeiro anel de solidariedade em uma das regiões mais carentes de São Luís.

2

Periferia vive clima de terror, mortes e ameaças

Comunidades carentes de São Luís sofrem com ações de homens não-identificados em motos, sempre à noite – e sempre com o mesmo modus operandi – que vêm deixando rastro de mortes em vários bairros

 

Imagem que correu grupos de Whatsapp no domingo, 24, supostamente de um bairro do município de Viana; terror se espalha pelo interior

Um clima de terror se implantou em comunidades carentes de São Luís há pelo menos uma semana.

Uma chacina no bairro da Alemanha, na última quarta-feira, 20, um tiroteio no Coroado no mesmo dia e a morte de um jovem na rua da Vala, no João Paulo, no último sábado, 23, têm o mesmo modus operandi: homens de preto, em motos, chegam atirando a esmo.

Por outro lado, dois policiais militares foram assassinados em menos de uma semana – no Coroado e no São Cristovão – e um terceiro, no Cohatrac, só escapou de morrer por que alvejou o homem que chegou atirando.

As mortes se espalham também pelo interior; grupos de Whatsapp relatam ações de execuções em Matinha e Viana.

Bar no Coroado anuncia cancelamento de festa devido ao clima de insegurança que tomou conta da comunidade desde o sábado, 16

O clima de terror levou a cancelamentos de eventos e festas nos bairros durante o fim de semana; em grupos de Whatsapp, líderes comunitários aconselham as pessoas a ficarem em casa.

Nem a morte dos PMs, nem as dos civis ainda não foram explicadas claramente pelas autoridade de segurança.

O que causa ainda mais medo nas comunidades…

1

Alagamentos no Coroado; agora a esperança é Braide

Mesmo após oito anos de gestão de Edivaldo Júnior – período em que o problema foi mostrado ano após ano – comunidade na região central de São Luís segue alagada com as chuvas, sem solução à vista para um problema simples de resolver

 

Basta alguns minutos de chuva para as ruas do Coroado ficarem assim; basta alguns poucos milhares de recursos para o problema ser resolvido

O blog Marco  Aurélio D’Eça passou os oito anos de mandato do ex-prefeito  Edivaldo Júnior cobrando do seu setor de obras uma solução para o alagamento do bairro do Coroado. (Relembre aqui, aqui, aqui, aqui, aqui, aqui, aqui, mais aqui e também aqui)

Todo ano o prefeito e sua equipe prometiam soluções que nunca chegaram; e a comunidade segue alagada, como mostra o vídeo gravado por moradores, após as chuvas da tarde de sexta-feira, 11.

Como se vê nos links acima, o problema se arrasta desde a gestão de João Castelo, quando se iniciou o derrame de dinheiro no canal; e chega a 2021, em plena gestão de Eduardo Braide (Podemos)

Curiosamente, o Governo do Estado entregou ontem uma quadra com pracinha reformada à comunidade. A inauguração se deu horas depois da enchente nas ruas, sequer tratada pelos representantes do governo.

Jovens comentam a cheia das ruas após as chuvas da tarde de sexta-feira, 11/6; mais uma vez assim…

A solução o alagamento da parte mais baixa do Coroado – já mostrada aqui neste blog – é tão simples que fica até ridículo: basta a desapropriação de um dos imóveis construídos irregularmente na avenida Carlos Macieira, às margens do Igarapé que corta o bairro.

Com a desobstrução, a água da chuva encontra passagem direta para o igarapé e para o pântano que compõe as matas do 24º Batalhão de Caçadores.

A esperança da solução se volta agora ao prefeito Eduardo Braide.

Que precisa fazer uma visita à comunidade…

1

A triste sina do Coroado….

Entra prefeito e sai prefeito e a comunidade na região central de São luís sofre com os alagamentos devido à falta de drenagem, serviço no qual já foram supostamente gastos quase R$ 1 bilhão nos últimos 15 anos; detalhe; o problema se resolve com apenas 000,1% do que já foi “investido”

 

Imagem registrada às 19h desta terça-feira, 20, após menos de uma hora de chuva na região do Coroado

Ano após ano, a comunidade do Coroado – uma das mais charmosas da região central de São Luís – sofre com alagamentos como o da foto acima, ocorrido no início da noite desta terça-feira, 20, com apenas umas poucas horas de chuva.

Nos últimos 15 anos, o blog Marco Aurélio D’Eça já registrou anúncios de obras que, somadas, aproximam de R$ 1 bilhão os valores supostamente gastos na região, sem que ninguém visse nenhum tipo de resultado. (Relembre aqui, aqui, aqui, aqui, aqui, e também aqui).

O último serviço foi apenas maquiagem, realizado no final do ano passado na gestão de Edivaldo Júnior, obra, inclusive, que ficou inacabada, deixando a vala da Rua da Felicidade parcialmente aberta.

A gestão do prefeito Eduardo Braide (Podemos) ainda não se manifestou sobre a conclusão deste serviço de Edivaldo e nem com a solução para o problema – que se resolve com a aquisição de qualquer imóvel construído em cima do escoamento da água na avenida Carlos Macieira.

O custo de um imóvel deste é mínimo diante do astronômico valor que já se gastou na obra…