18

Viagem de Flávio Dino aos EUA torna Carlos Brandão inelegível…

Vice-governador assumiu o comando do estado no período vedado pela Lei Eleitoral e, agora, não poderá mais disputar as eleições de outubro; a menos que se candidate a governador

 

Flávio Dino com Carlos Brandão. Se queria se livrar do companheiro de chapa, comunista agora corre o risco de ser cassado

Não se sabe se por intenção, por falta de informação ou por arrogância, mas o governador Flávio Dino acaba de tornar seu vice, Carlos Brandão (PRB) inelegível nas eleições de outubro.

Brandão assumiu o Governo do Estado e praticou atos administrativos mesmo depois do período vedado pela Lei Eleitoral. Neste caso, ele não poderá mais disputar cargo algum nas eleições de outubro, a não ser o do próprio governador.

E as provas de sua inelegibilidade estão na própria agência de notícias do Governo do Estado, que deu ampla cobertura aos atos de Brandão no exercício do mandato, até o dia 9 de abril, dois dias depois do prazo máximo para isso.

A inelegibilidade de Brandão está prevista na Resolução nº 21.791, do Tribunal Superior Eleitoral.

– O vice que não substituiu o titular dentro dos seis meses anteriores ao pleito poderá concorrer ao cargo deste, sendo-lhe facultada, ainda, a reeleição por um único período. Na hipótese de havê-lo substituído, o vice poderá concorrer ao cargo do titular, vedada a reeleição e a possibilidade de concorrer ao cargo de vice – diz o documento. (Grifo do blog)

Notícia da agência do governo prova que Brandão atuou como governador até o dia 9 de abril, já no período proibido pela Lei

De acordo com a agência de notícia do Governo do Estado, Brandão assumiu o governo no dia 6 de abril.

No dia 9, dois dias depois do prazo legal, a própria agência noticiou que “governador em exercício realiza série de ações em Grajaú”. Há, inclusive, um vídeo com o próprio Brandão falando. (Saiba mais aqui)

Como não há no texto nenhuma referência ao dia em que Brandão esteve em Grajaú, o governo poderia alegar que a ação se deu antes do dia 7.

Mas Brandão permaneceu como governador até, pelo menos, o dia 09, data em que Flávio Dino voltou dos Estados Unidos – e foi direto à Curitiba, para um ato pró-Lula. (Veja aqui)

O vice estava, portanto, no exercício do mandato fora do período legal.

E, por consequência, está inelegível.

Simples assim…

0

Felipe Camarão encaminhado como vice de Flávio Dino…

Governador só estuda a melhor forma de anunciar a indicação do secretário de Educação de forma a impactar o ambiente eleitoral, o que deve ocorrer nos próximos dias

 

Camarão é a aposta de Flávio Dino para chapa comunista

O governador Flávio Dino (PCdoB) já se decidiu por ter o secretário de Educação Felipe Camarão (DEM) como companheiro de chapa nas eleições de outubro.

Espera apenas o melhor momento de fazer o anúncio.

A presença do DEM na chapa comunista é uma imposição da direção nacional da legenda em troca do apoio a Flávio Dino.

E não significa, necessariamente, descarte do atual vice, Carlos Brandão (PRB), que pretende mesmo disputar vaga na Câmara Federal.

Tampouco impede a presença da deputada federal Eliziane Gama na chapa, uma vez que ela pertence ao PPS.

Flávio Dino quer fazer o anúncio de Camarão em uma reunião com a presença da direção nacional do DEM.

0

Vice derrotado…

Tucano Carlos Brandão perde o controle do PSDB, diminui ainda mais sua importância no governo Flávio Dino e deve deixar a legenda para tentar sobrevida como deputado federal

 

Brandão: vice figurativo e sem partido

O vice-governador Carlos Brandão foi o maior derrotado na reviravolta que o PSDB tomou em relação ao Maranhão, garantindo ao senador Roberto Rocha (ainda no PSB) legenda para disputar o Governo do Estado em 2018. A derrota de Brandão foi ainda mais significa que a do próprio governador Flávio Dino (PCdoB), já que o comunista nunca morreu de amores pelos tucanos e tem, agora, o PT para fazer as vezes no tempo de propaganda eleitoral.

Brandão sai fragilizado não apenas politicamente, mas eleitoralmente, ainda que garanta aos aliados concorrer a uma vaga na Câmara Federal.

Vice quase figurativo no governo de Flávio Dino, o tucano nunca ocupou espaços de poder, não ampliou a participação do PSDB no governo e vive diminuído em sua terra natal, Colinas, pelo conterrâneo Márcio Jerry, principal auxiliar do governador.

E até no momento em que vê o partido que comanda tomar decisões à sua revelia, o vice de Flávio Dino não consegue gerar fatos positivos para si mesmo. Sua suposta tentativa de transferir-se para o PP – divulgada por blogs alinhados – esbarrou na negativa do deputado federal André Fufuca, que garantiu nunca ter tratado do assunto no partido.

Brandão vai deixar o PSDB, obviamente.

Isso porque pretende manter-se atrelado ao governo Flávio Dino até as eleições. Até porque não tem clima e nem perspectiva para seguir rumo diferente.

Ficará no cargo,menor, porém, do que entrou…

0

Convenção do PSDB de Brandão foi feita à revelia da cúpula nacional…

Vice-governador organizou o evento sem as devidas publicações de praxe, sem a autorização do diretório nacional e sem a presença de nenhuma liderança do alto tucanato

 

RELAÇÃO VETADA
Brandão tentou mostrar força a Flávio Dino, mas foi desautorizado por Aécio Neves

O vice-governador Carlos Brandão parece ter atropelado a cúpula nacional do PSDB para realizar a convenção comandada por ele próprio para reeleger, ele próprio, ao comando regional da legenda.

A declaração do senador Aécio Neves (PSDB-MG) ao site Diário do Poder denota que a cúpula nacional da legenda sequer sabia do evento organizado pelo vice-governador maranhense.

De fato, nenhum membro de peso do tucanato nacional esteve presente na convenção brandãonista. Também não se tem conhecimento de que houve publicação de edital com os termos da convenção ou a convocação dos convencionais.

Desde março, Brandão vem aliciando prefeitos eleitos pelo PSDB para tentar convencer a cúpula nacional a liberar a aliança com o PCdoB.

Foram esses prefeitos que deram aval a convenção do último domingo.

O problema é que, sem aval do PSDB nacional, a convenção local pode ser desfeita a qualquer momento.

E o vice-governador de Flávio Dino pode sofrer mais uma desmoralização…

2

Flávio Dino descarta Brandão como vice em 2018…

Pesquisa interna do Palácio dos Leões apontou que o representante do PSDB “é pouco conhecido no Maranhão”, o que dificultará à reeleição do comunista em uma disputa que tende a ser acirrada

 

NOME MAIS FORTE
Flávio Dino vai ajudar Brandão a voltar à Câmara, mas quer a vice para alguém mais popular

O vice-governador Carlos Brandão (PSDB) já teria sido comunicado da decisão do governador Flávio Dino (PCdoB) de não tê-lo mais como companheiro de chapa em 2018, embora queira manter os tucanos em sua base de apoio.

Segundo apurou o blog, uma pesquisa encomendada pelo Palácio dos Leões revelou, entre outras coisas, que Brandão é ainda pouco conhecido do eleitor maranhense.

Flávio Dino quer como companheiro de chapa nomes mais consistentes popularmente; chegou a citar dentro do próprio PSDB o prefeito de São José de Ribamar, Luis Fernando Silva.

Leia também:

Comunistas não querem o PDT como vice de Flávio Dino…

PT vai brigar por vice na chapa de Flávio Dino…

Tema Cunha já é opção para chapa de Flávio Dino…

Ciente do resultado da pesquisa – ainda segundo apurou o blog – Carlos Brandão já estaria articulando suas bases para uma candidatura de deputado federal.

A pesquisa que mostrou sua pouca popularidade foi encomendada e analisada pelo secretário de Comunicação, Márcio Jerry.

Curiosamente, para o vice-governador, sua pouca penetração popular se dá exatamente pela fraca ação de comunicação desenvolvida por Jerry em torno do seu nome.

Tanto que o tucano já até prepara equipe própria de mídia para acompanhar suas ações.

Mas esta é uma outra história…

6

Tema Cunha já é opção para chapa de Flávio Dino…

Embora não se manifeste sobre o assunto, presidente da Famem tem tido desempenho surpreendente na liderança de prefeitos maranhenses e se credencia naturalmente para assumir eventual posição em 2018

 

ALIADO HISTÓRICO
Desde 2006 Tema tem sido leal às campanhas de Flávio Dino, que pode ter nele o companheiro ideal para 2018

O presidente da Federação dos Municípios do Maranhão, Cleomar Tema Cunha (PSB), é hoje uma das lideranças mais articuladas da política maranhense.

Prefeito de Tuntum pela terceira vez, ele conseguiu recuperar a força e a imagem da Famem em menos de três meses – e mesmo após a entidade chegar ao fundo do poço, na gestão do ex-prefeito de São José de Ribamar, Gil Cutrim (PDT).

Tema tem articulação também com deputados estaduais e federais, o que lhe permite estar na linha de frente de ações em defesa dos municípios, tanto no Maranhão quanto em Brasília.

O presidente da Famem não diz que quer e nunca sequer esboçou indicativo disto, mas seus aliados mais próximos já o veem como o companheiro de chapa ideal para o governador Flávio Dino (PCdoB).

Primeiro porque é praticamente certo que o vice-governador Carlos Brandão (PSDB) ficará mesmo de fora da chapa comunista em 2018.

Segundo que no raio de alcance do próprio governador não se vê nomes capazes de somar em importância numa disputa.

Dino, aliás, deve o início de sua carreira política também a Tema, que deu a maior votação de Tuntum a um deputado federal, isso em 2006.

PSB FORTE
Tema tem no ex-governador José Reinaldo o principal aliado no partido, mas conta também com a ala dinista

Para Tema Cunha só há um empecilho: o PSB.

O partido é hoje fortemente influenciado nacionalmente pelo senador Roberto Rocha, embora a maioria de suas lideranças locais seja ligada diretamente a Flávio Dino.

Se garantir o PSB na aliança comunista ou encontrar uma legenda que some com a chapa do governador, Tema passará a ser o principal nome para somar com o comunista.

É aguardar e conferir…

1

PT vai brigar por vice na chapa de Flávio Dino…

Partido aposta na saída do PSDB da chapa do governador comunista para tentar se viabilizar; tese é defendida por todas as chapas inscritas na eleição para presidência da legenda

 

Zé Inácio diz que o PT vai buscar o apoio do PDT de Holandinha para indicar o vice de Flávio Dino

O PT maranhense tem um objetivo nas eleições de 2018 no Maranhão: garantir espaço na chapa majoritária do governador Flávio Dino (PCdoB), que deve concorrer à reeleição.

E o alvo é claro: a vaga do PSDB como vice do comunista.

A tese é defendida por praticamente todas as chapas inscritas para a eleição de presidente da legenda.

– É claro que o PT quer protagonizar as eleições de 2018 e tem cacife para brigar por espaços na chapa majoritária – diz o deputado estadual Zé Inácio, que concorre ao comando do partido.

Para tentar viabilizar seu projeto, os petistas deverão declarar apoio ao projeto do PDT de eleger senador o deputado federal Weverton Rocha, que já tem apoio de uma série de partidos.

Assim, e com o PSDB fora da chapa – já que a direção nacional descarta reedição da aliança com o PCdoB – o PT se fortaleceria para compor com Dino.

Falta apenas definir um nome de peso para o posto…

5

O silêncio de Carlos Brandão…

Em meio à forte crise institucional no Brasil, com a ameaça de impeachment da presidente Dilma Rousseff, presidente do PSDB no Maranhão se esconde da polêmica

 

Ao lado de Dino, Brandão foge de qualquer coisa que possa contrariar o chefe

Ao lado de Dino, Brandão foge de qualquer coisa que possa contrariar o chefe

O vice-governador Carlos Brandão é o presidente do PSDB no Maranhão. E a legenda é a principal articuladora da derrubada da presidente Dilma Rousseff (PT).

Mas ninguém sabe o que pensa Brandão a respeito do assunto.

Submisso e subserviente ao governador Flávio Dino (PCdoB) – principal articulador da defesa de Dilma, e que acusa publicamente o PSDB de liderar uma “tentativa de golpe” – Brandão prefere calar-se.

Todas as lideranças da base de Dino – contra ou a favor do impeachment – já fizeram manifestações públicas sobre o assunto. Menos Brandão.

O vice-governador parece entender que, calado, passará incólume à crise política e se manterá ao lado de Flávio Dino em 2018.

Pouco provável…

3

Submisso a Flávio Dino, Brandão começa a ser questionado no PSDB…

Brandão, fortemente entregue às ordens de Dino

Brandão, fortemente entregue às ordens de Dino

É de insatisfação o clima no ninho tucano maranhense, com a forte submissão que o vice-governador Carlos Brandão demonstra em relação ao governador Flávio Dino (PCdoB).

Incapaz de articular uma arrancada do partido com vistas às eleições de 2016 e de 2018, Brandão vê, inerte, o crescimento de outras legendas, como o PDT e o próprio PCdoB.

Pior: evita discutir internamente a posição tucana, a serviço do próprio Flávio Dino.

O vice-governador não tem autonomia para comandar o PSDB. De temperamento subserviente, prefere manter-se atrelado às ordens de Flávio Dino, o que irrita os tucanos, sobretudo nomes como João Castelo e Pinto Itamaraty, que têm interesses nas eleições da capital maranhense.

O que incomoda os tucanos é a postura serviçal que Brandão demonstra em relação ao governo, acolhendo, de pronto, todas as determinações políticas do chefe do Palácio dos Leões.

Para os líderes tucanos, já era hora de o PSDB estar com posição mais clara em relação ás eleições de São Luís.

Mas com Brandão, entendem que não será assim…

13

A difícil missão de Washington…

Oliveira: missão primeira é manter a média...

No princípio, acreditava-se que o vice-governador Washington Oliveira cresceria nas pesquisas logo que fosse definido candidato oficial do PT.

Na época, lá por fevereiro, ele ainda disputava a indicação com o deputado estadual Bira do Pindaré.

E registrava traço nas pesquisas.

Depois, ao vencer as prévias contra Bira, no início de abril, apostava-se que o candidato petista chegaria ao dois dígitos logo que definisse o seu companheiro de chapa.

Na época, segundo pesquisa Escutec, registrava 3,3% das intenções de voto.

Após estes números, um novo prognóstico foi definido pelos experts que incensam a campanha do petista: ele chegaria às convenções com amplas condições de crescimento, apoiado no leque de alianças.

O resultado da última pesquisa Escutec, diz o contrário – seus índices caíram para 2,5%.

Mesmo levando em consideração uma margem de erro de 3 pontos percentuais, significa que o candidato do governo Roseana Sarney (PMDB)alcança, até agora, no máximo, 5,5%.

Diante dos números, mais do que vencer a eleição de São Luís, o vice-governador tem antes uma difícil missão: manter a média dos candidatos do grupo na capital maranhense.

Média que chegou a 7% das intenções de votos nas duas últimas eleições…