0

Zé Inácio vai auxiliar Rafael Leitoa na liderança do governo

Governador Flávio Dino nomeou o deputado do PT como vice-líder da bancada governista, num movimento de reaproximação com o partido de Lula no Maranhão

 

O governador Flávio Dino nomeou o deputado estadual do PT, José Inácio, vice-líder do governo na Assembleia Legislativa.

A indicação do deputado foi comunicada nesta quinta-feira, dia 15, no Palácio dos Leões, em São Luis.

O parlamentar petista vai somar esforços junto com o líder do governo, o deputado Rafael Leitoa, na aprovação de matérias e projetos de interesse do governo do Maranhão no legislativo estadual.

Em entrevista a meios de comunicação de São Luís, o deputado estadual Rafael Leitoa elogiou a nomeação do colega para a vice-liderança dizendo que José Inácio tem sido seu companheiro em duas legislaturas e chega como peça importante para somar na defesa das matérias importantes que são enviadas pelo governo do estado para o legislativo .

A Assembleia Legislativa do Maranhão é composta por 42 deputados estaduais.

1

Flávio Dino tem parecer favorável às contas dos três primeiros anos

Na condição de presidente da Comissão de orçamento da Assembleia Legislativa, deputado Roberto Costa vota pela aprovação das contas do governador referentes aos anos de 2015, 2016 e 2017

 

O deputado estadual Roberto Costa, que é presidente da Comissão de Orçamento, finanças, fiscalização, e controle, esteve reunido com os parlamentares para apresentar o relatório das contas de governo do Estado do Maranhão referente aos anos de 2015, 2016 e 2017, dos quais foi o relator. Na ocasião, o deputado apresentou um parecer prévio pela aprovação das contas anuais de governo nos referidos anos.

“Temos desenvolvido o nosso trabalho sempre mantendo em mente o objetivo inicial que é o de dialogar com todas as questões que estiveram em pauta para beneficiar a população maranhense,” afirmou o deputado.

A Comissão de Orçamentos e Finanças  tem como objetivo atuar sobre proposições e assuntos econômicos, incluindo ainda os de competência de outras comissões, que concorram para aumentar ou diminuir assim a despesa como a receita pública; sobre a atividade financeira do Estado; sobre a fixação de subsídios e ajuda de custo a Deputados, Governador e Vice-Governador; sobre o projeto de lei orçamentária, em especial os que disponham sobre o Plano Plurianual, as Diretrizes Orçamentárias e o Orçamento Anual, bem como os projetos referentes à abertura de créditos.

As contas foram aprovadas pela comissão que é formada pelos deputados: Ariston Ribeiro, Ciro Neto, Edivaldo Holanda, Ricardo Rios, Mical Damasceno e Carlinhos Florença, que acompanharam o voto do relator.

1

Simplício Araújo na articulação entre governo e empresários

Inteiramente envolvida inteiramente envolvida na guerra contra o novo coronavírus, a equipe do governador Fla´vio Dino (PCdoB) tem destaques importantes na efetivação das medidas.

Neste aspecto, o trabalho intenso do secretário de Indústria e Comércio, Simplício Araújo, tem chamado atenção.

Coube a Simplício Araújo o papel de articulador na relação complexa, e às vezes tensa, do governo com os setores econômicos, a começar pelo comércio varejista.

O secretário foi figura-chave em todos os momentos que o governador Flávio Dino precisou acioná-lo para sentar com líderes empresariais para negociar com eles situações que permitissem ao Governo aplicar duras medidas restritivas sem que a área econômica fosse castigada em demasia.

Em todas elas teve bom desempenho.

Primeiro suplente de deputado federal e presidente do Solidariedade no Maranhão, Simplício Araújo poderia estar no exercício do mandato, vivendo, portanto, uma realidade bem mais amena.

Preferiu, porém, a pauleira de comandar uma pasta frente a pandemia.

E, até onde é possível avaliar, está fazendo sua parte.

1

OAB cobra na Justiça cronograma de compra de vacinas pelo governo Dino

Entidade quer também que o governo seja obrigado a reinstalar o Hospital de Campanha com 200 leitos, nos moldes do que foi instalado em 2020 e fechado antes que a pandemia tivesse sido controlada

 

Em defesa do direito à saúde e da preservação da vida da população maranhense, a OAB Maranhão ingressou na Justiça com uma ação civil pública, com pedido de liminar, requerendo que o Estado do Maranhão seja obrigado a apresentar, em até 05 dias, o cronograma de aquisição de vacinas do Estado, bem como requerendo a reinstalação de novo hospital de campanha em São Luís com mínimo de 200 leitos, sendo 186 clínicos e 14 UTI, mesmo tamanho do hospital de campanha instalado no ano de 2020 e fechado antes que a pandemia tivesse atingido seu momento mais grave.

Em seu pedido, a OAB cobra que o Estado apresente também os documentos que comprovem quais as providências tomadas no sentido de adquirir novos imunizantes, devendo indicar com quais laboratórios iniciou negociação e apresentar as propostas formuladas, bem como que o Estado apresente, ainda, os dados quanto ao monitoramento, supervisão e avaliação de cada município, nos termos do item “4.10” do Plano Estadual de Vacinação (que atribui tal responsabilidade ao Estado), uma vez que a maioria dos municípios aplicaram menos de 80% (oitenta por cento) das vacinas recebidas.

Em sua ação, a Seccional Maranhense da Ordem leva em consideração: 1. Que o Maranhão está liderando o ranking de maior alta em média de mortes; 2. Que ocupamos a 23ª colocação do ranking de vacinação do País; 3. Termos ultrapassado, na capital, a taxa de 90% de ocupação de leitos de UTI exclusivos para Covid-19, e; 4. Termos, segundo os dados do Ministério da Saúde do Governo Federal, 126.369 doses de vacinas já recebidas pelo Estado e ainda não disponibilizadas aos municípios.

“Mais uma vez a OAB/MA vem cumprir o seu papel de defensora da constituição, da cidadania e da sociedade, e dessa vez pelo bem maior de nossa população que é a vida. Não conseguimos avançar no processo de imunização de nossa população e temos visto a cada dia os números de infecção e de mortes aumentando. Soma-se a isso o fato de que estamos as portas do colapso na rede pública e privada de saúde. O que buscamos é a preservação da vida e evitar que o caos se instale em nosso Estado e que a população não seja, mais ainda, a grande vítima de toda essa situação”, explicou o presidente da OAB Maranhão, Thiago Diaz.

Da assessoria

1

Abrasel critica lockdown em bares e restaurantes de São Luís…

Presidente da representação maranhense da associação que congrega o setor diz que endurecimento das medidas do Governo do Estado – que vai liberar auxilio de R$ 1 mil para bares e R$ 600 para artistas – transforma a cultura e o entretenimento em vilões da pandemia de CoVID-19

 

Bares e restaurantes terão que fechar as portas, de novo, a partir da próxima segunda-feria, 15, por causa das medidas contra a CoVID-19…

O presidente da representação maranhense da Associação Brasileira de Hotéis, Bares e Restaurantes, Gustavo Araújo, criticou nesta sexta-feria, 12, o endurecimento das medidas de funcionamento do setor em São Luís. 

Em entrevista coletiva na manhã de hoje, o governador Flávio Dino (PCdoB) anunciou que bares e restaurantes terão que fechar as portas, por uma semana, a partir da próxima segunda-feira, 15.

Na avaliação de Gustavo, essa medida torna o setor de entretenimento e cultura em vilões da pandemia de CoVID-19.

– O que a Abrasel não entende é com base em quê as autoridades decidiram transformar bares e restaurantes em vilões da pandemia – questionou o representante da entidade setorista, em entrevista à rádio Nova FM.

Gustavo Araújo vê injustiça em transformar bares e restaurantes em vilões da pandemia

Para amenizar os prejuízos para bares, restaurantes e artistas que tocam na noite, Fla´vio Dino anunciou auxílio de R$ 1 mil para as empresas do setor e R$ 600 para artistas da Grande São Luís.

O auxílio de R$ 600 para artistas pode-se somar ao auxílio anterior, de R$ 1,5 mil, este abrangendo todo o estado.

As medidas do governo entraram em vigor a partir da segunda-feira, 15.

Até lá, valem as medidas que estão em vigor até o domingo, 14…

3

Listado como “zona crítica da CoVID-19”, Maranhão deve reforçar restrições

Mesmo após medidas tomadas pelo governador Flávio Dino, número de casos e de mortes continuou a subir no estado, o que levou o secretário de Saúde, Carlos Lula, a alertar a população “para o pior”

 

O Maranhão aparece na lista de “zonas críticas” para a CoVID-19, divulgada pela Fiocruz

O Maranhão está na lista de “Zona de Alerta Crítico” para a CoVID-19, segundo análise do Instituo Fiocruz, divulgado nesta quarta-feria, 10.

A capital, São Luís, também está entre as 25 com risco de colapso iminente.

A divulgação da lista pode levar o governador Flávio Dino (PCdoB) a manter – ou mesmo reforçar – as medidas restritivas para diminuir a aceleração da contaminação pelo coronavírus.

O estado está sob restrição desde o último dia 5, com proibição de funcionamento das atividades entre as 21h e as 9h, salvo algumas exceções.

Mesmo assim, o número de contaminados e de mortos pela CoVID-19 vem aumentando, o que levou o secretário de Saúde, Carlos Lula, a alertar “para o pior”.

As restrições atuais vão até o próximo domingo, 15.

Mas Flávio Dino pode anunciar novas medidas até lá…

1

CoVID-19: alvo agora é a bebida alcoólica

Governadores entendem que a venda deste tipo de produto em determinada faixa de horário pode  influenciar aglomerações e ampliar os riscos de contaminação pelo coronavírus e suas variantes

 

O copo de cerveja nas happy hours poderá ficar restrito no maranhão a partir desta segunda-feira, 8

Governadores de 21 estados brasileiros, incluindo o Maranhão, que restringir o uso de bebidas alcoólicas em determinada faixa de horário, para evitar a proliferação do coronavírus e suas variantes.

A informação é do jornal Folhas de S. Paulo.

Já aderiram ao plano os gestores estaduais de Piauí, Paraíba, Bahia, Rio Grande do Norte, Pernambuco, Rio Grande do Sul, Santa Catarina, Mato Grosso, São Paulo, Pará, Distrito Federal, Alagoas, Minas Gerais, Ceará, Sergipe, Goiás, Maranhão, Amazonas, Paraná, Espírito Santo e Rio de Janeiro.

Os governadores, inclusive o do maranhão, onde o total de mortes subiu 151% nos últimos 14 dias, querem restringir a venda até o dia 14 de março, para evitar aglomerações.

O curioso é que, no estado, já existe um decreto que proíbe funcionamento do comércio – à exceção dos essenciais – a partir das 21 horas, o que , em tese, já diminuirias a venda de bebidas.

A decisão dos governadores pode sair ainda nesta segunda-feira, 8…

5

Flávio Dino vai dar auxílio de R$ 1,5 mil a artistas maranhenses…

Projeto vai beneficiar mil pessoas, num total de R$ 1,5 milhão em recursos, como forma de compensar o período de proibição das atividades de bares e restaurantes, além de eventos, shows e entretenimento no Maranhão

 

Flávio Dino concedeu coletiva em que anunciou novas medidas de restrição contra a CoVID-19

O governador Flávio Dino (PCdoB) anunciou na manhã desta quarta-feira, 3, Auxílio Emergencial de R$ 1,5 mil para artistas e operadores da cultura em todo o Maranhão.

Serão beneficiadas até mil pessoas, selecionadas pela Secretaria de Estado da Cultura.

De acordo com o governador, este auxílio compensará o bloqueio total de festas, shows e eventos de entretenimento que causem aglomeração, e que serão proibidos no período de 5 a 14 de março.

As inscrições poderão ser feitas no site da Secretaria de Cultura (cultura.ma.gov.br) a partir do dia 10 de março…

3

Flávio Dino reúne, reúne… e nada decide

Em mais uma interminável roda de diálogos, destas vez com a classe empresarial, governador comunista reuniu capitães da indústria, mas nenhuma decisão foi tomada para frear a segunda onda da pandemia de coronavírus

 

Os representantes empresariais reunidos por Dino eram apenas capitães da indústria e altos executivos do comércio; e mesmo assim, nada foi decidido contra a pandemia de coronavírus

Inseguro quanto ao que fazer diante da nova onda de contaminação pelo coronavírus no Maranhão  o governador Flávio Dino mostra-se sem rumo na condução das ações contra a pandemia.

Na tarde desta terça-feria, 2, ele reuniu apenas capitães da indústria e altos executivos do setor de comércio para discutir restrições  ás atividades não-essenciais.

Mas nenhuma decisão foi anunciada, assim como correu após a reunião com prefeitos e representantes do Judiciário e do Ministério Público.

O governador comunista mostra-se claramente perdido em meio apo aumento dos casos de CoVID-19 e quer dividir com terceiros as suas próprias responsabilidade.

Segundo apurou o blog Marco Aurélio D’Eça, Flávio Dino tenta ganhar tempo para aguardar uma eventual decisão da Justiça sobre o pedido de lockdown feito pela Defensoria Pública do Estado.

Na prática, ele quer fechar tudo, mas quer que essa decisão recaia sobre outros ombros, não os dele.

E diante de tanta insegurança, a CoVID-19 avança aceleradamente no estado…

2

Suspensão de shows e eventos depende de reunião com empresários

Inseguro quanto às medidas que precisa tomar para conter o avanço da CoVID-19, governador Flávio Dino já decidiu suspender festas, cultos, missas, shows, reuniões, resenhas, rolês, batucadas, pagodes, forró, samba, raves e afins; mas quer dividir a culpa com os próprios representantes do setor

 

Governador via reunir com a classe empresarial, mas nada fala sobre a classe artística, principal atingida com a suspensão dos eventos no estado

O governador Flávio Dino (PCdoB) decidiu suspender todo tipo de evento cultural, religioso, esportivo ou meramente festivo no Maranhão – mesmo aqueles com até 150 pessoas.

Mas só vai dizer a partir de quando vale sua decisão após reunião com a classe empresarial, nesta terça-feria, 2.

As medidas mais duras de combate à CoVID-19 são cobradas por cientistas e profissionais da área de Saúde – inclusive o titular da pasta no maranhão, Carlos Eduardo Lula – mas Dino parece querer dividir o desgaste da decisão.

Ontem, ele tentou convencer prefeitos e membros do Judiciário, mas todos foram contra o lockdown.

Principal atingida com a suspensão dos eventos, a classe artística parece esquecida pelo poder público na discussão do que fazer contra a pandemia

Agora, quer chamar a classe empresarial para negociar uma forma de suspender os eventos sem prejuízo da atividade comercial, sabe-se lá como ele pretende fazer isso.

Sem os eventos culturais, a classe artística também sofre, sem local para apresentação e sem condições de garantir a sobrevivência.

Mas parece que, para o governo, a classe artística é a que menos importa neste processo.