14

Bolsonaro desmoraliza evangélicos e militares ao mesmo tempo…

Principais bases eleitorais do atual presidente foram expostas ao ridículo em casos de corrupção que envolvem desde pastores da Assembleia de Deus cobrando propina em ouro puro em troca de verbas da educação até a compra de próteses penianas e viagra para as forças armadas

 

Bolsonaro em oração com os pastores envolvidos em corrupção no seu governo; lideranças evangélicas com acesso irrestrito aos ministérios e muita sede de ouro

Análise da notícia

As recentes denúncias de corrupção envolvendo – ao mesmo tempo – pastores da igreja Assembleia de Deus e chefes das Forças Armadas, é a culminância de um erro histórico que resultou, em 2018, na eleição do presidente Jair Bolsonaro (PL).

Os militares e os evangélicos formam a principal base eleitoral de Bolsonaro; e são eles os dois principais segmentos sociais de defesa do atual presidente nas redes sociais, igrejas, quartéis e outros setores da sociedade.

A corrupção revelada agora talvez explique a absoluta devoção dos dois segmentos. 

Líderes da igreja Assembleia de Deus desmoralizaram os evangélicos ao serem flagrados em busca de propina no Ministério da Educação em troca da liberação de verbas a prefeitos.

Já os superiores de Exército, Marinha e Aeronáutica desmoralizam os militares ao serem flagrados com compras superfaturadas de produtos exóticos, como próteses penianas e até viagra para serem usados nas três forças. 

Vista em retrospectiva, não há qualquer dúvida de que os militares e os evangélicos foram os principais responsáveis pela ascensão e chegada ao poder de Bolsonaro, um ex-deputado medíocre, que habitava o baixíssimo clero da Câmara Federal.

Desde sua vitória, figuras como os pastores Silas Malafaia e Valdomiro Santiago passaram a ter forte influência na República, a ponto de indicarem até membros do Supremo Tribunal Federal; agora, a ação de outros pastores, como Gilmar Santos e Arilton Moura mostram que os líderes evangélicos não queriam apenas poder, mas também dinheiro.

E ouro, muito ouro.

Conversas de pé-de-ouvido com generais e compra de produtos exóticos, como viagra e próteses penianas para hospitais das Forças Armadas

Desde a vitória de Bolsonaro militares com aberta defesa de teses autoritárias e antidemocráticas – como o ministro da Defesa, General Braga Neto – passaram a habitar com mais desenvoltura a Praça dos Três Poderes e a Esplanada dos Ministérios, em Brasília, a ponto de mandar recados abertos ao Congresso Nacional e ao STF; e agora se vê que esses líderes militares também gastam, e gastam muito.

E até com coisas exóticas, para não dizer eróticas.

Curiosamente, foi o próprio Braga Neto, quem, no ano passado, às véspera do aniversário do Golpe de 64, juntou no mesmo discurso militares e evangélicos para defender a ditadura, afirmando que estes dois segmentos deram base ao período militar brasileiro, de triste memória.

– Os brasileiros perceberam a emergência e se movimentaram nas ruas, com apoio da imprensa, de lideranças políticas, das igrejas, dos segmentos empresariais, de diversos setores da sociedade organizada e da Forças Armadas – disse Braga Neto. (Relembre aqui)

Felizmente, a descoberta das maracutaias evangélico-militares se deu antes das eleições de outubro, com Bolsonaro já em desgraça nos demais setores sociais e com riscos eleitorais evidentes.

Pelo menos, o Brasil tem a chance de corrigir o seu erro histórico…

1

Edivaldo Júnior investe forte no segmento evangélico…

Mesmo sem assumir publicamente a condição de bolsonarista, ex-prefeito de São Luís quer arregimentar o eleitorado crente, que seguiu em peso com o presidente Jair Bolsonaro nas eleições de 2018 e hoje ainda está sem definição de rumo no Maranhão

 

Edivaldo e Pastor Cavalcante em evento com mulheres evangélicas em Balsas; caladinho, o ex-prefeito vai ocupando espaços

Pré-candidato do PSD ao Governo do Estado, o ex-prefeito de São Luís, Edivaldo Júnior, vem apostando forte no segmento evangélico, eleitorado que decidiu as eleições em favor do presidente Jair Bolsonaro (PL) em 2018.

Crente batista, de postura conservadora, Edivaldo nunca assumiu publicamente a condição de bolsonarista, mas tem apostado forte em um dos principais eleitorados do presidente, sobretudo após receber apoio dos deputados estaduais Pastor Cavalcante e Mical Damasceno (ambos do PSD).

Aos poucos, Edivaldo vai ocupando espaços no interior, levado por deputados como Edilázio, César Pires, Pastor Cavalcante e Sérgio Macedo

O ex-prefeito ocupa a terceira posição na corrida eleitoral, chegando ao empate técnico com o governador-tampão Carlos Brandão (PSB) em alguns cenários.

A aposta no segmento evangélico tem sentido, sobretudo, após afastamento das igrejas do projeto de poder do ex-governador Flávio Dino (PSB), que conduz a campanha de Brandão.

Após período de baixa, sem definição de como seguiria a campanha, Edivaldo vem conduzindo a atual fase de sua candidatura ocupando espaços ignorados por outros pré-candidatos.

E, aos poucos, vai mostrando que chega bem mais longe que o Estreito dos Mosquitos…

2

Edivaldo Júnior é o grande vencedor da janela partidária…

Ex-prefeito de São Luís recebeu a adesão de deputados federais e estaduais após a intensa disputa por partidos, sobretudo na base dos governos Flávio Dino e Jair Bolsonaro, o que aumentou seu cacife político

 

Com apoio de Mical Damasceno, Edivaldo abre importante porta na Igreja Assembleia de Deus, a maior do Maranhão

Terceiro colocado na disputa pelo Governo do Estado (PSD), mesmo ainda distante dos líderes Weverton Rocha (PDT) e Carlos Brandão (PSB), o ex-prefeito de São Luís Edivaldo Júnior (PSD) fortaleceu-se politicamente após a intensa disputa no fim da janela partidária.

Edivaldo recebeu a adesão do deputado federal Josivaldo JP e dos estaduais Pastor Cavalcante e Mical Damasceno, que deixaram o PTB após entrada do senador Roberto Rocha.

A filiação dos parlamentares – todos ligados ao movimento evangélico – fortalece a candidatura de Edivaldo, que vinha isolada apenas com os deputados Edilázio Júnior e César Pires (ambos do PSD).

Com vínculo mais fortes no segmento evangélico mais pentecostal, o ex-prefeito – que é protestante batista – pode, inclusive, alcançar o eleitorado bolsonarista, embora não tenha assumido esta condição até agora.

A base bolsonarista representa nestas eleições – segundo a pesquisa Escutec divulgada neste sábado, 2 – algo em torno de 36%, somados os seus votos aos de Roberto Rocha, Lahésio Bonfim (Agir36) e Josimar Maranhãozinho (PL).

É, sem dúvida, um capital eleitoral importante a ser trabalhado nos próximos meses…

3

Eduardo Braide e Weverton Rocha…

Reunidos publicamente pela primeira vez desde as eleições de 2020, o prefeito de São Luís e o pré-candidato a governador trataram-se como amigos e abriram perspectivas de conversas para as eleições de 2022

 

Pela primeira vez juntos em um mesmo evento público, Eduardo Braide e Weverton Rocha cumprimentaram-se como amigos e aliados

A presença do prefeito de São Luís, Eduardo Braide (Podemos), e do senador Weverton Rocha (PDT) em um culto da Assembleia de Deus, nesta segunda-feira, 13, foi o primeiro encontro público das duas lideranças desde as eleições de 2020.

Braide tratou Weverton como “meu amigo candidato a governador”; Weverton retribuiu a gentileza reafirmando compromisso de apoio às ações do prefeito em São Luís.

Entre os dois estava a também senadora Eliziane Gama (Cidadania).

Weverton e Braide se aproximaram nas eleições municipais de 2020, quando todo o grupo do senador cerrou fileiras ao lado do então candidato do Podemos, garantindo sua vitória em segundo turno.

Desde então, os dois atuam conjuntamente, como ocorreu nas eleições da Câmara Municipal e da Famem, na virada do ano.

Mas é a primeira vez que Braide e Weverton dividem o mesmo espaço público.

E a tendência é que a reunião entre os dois se fortaleçam ao longo de 2022.

É aguardar e conferir…

6

Pastor Fábio Leite reforça campanha de Eduardo Braide entre evangélicos

Ex-candidato a prefeito de São Luís e coordenador político da Igreja Assembleia de Deus, pré-candidato a vereador do Podemos tem presença marcante na atuação pública e nos bastidores da campanha do candidato a prefeito

 

A amizade com Braide abriu portas para o candidato do Podemos na Assembleia de Deus, o que nenhum outro líder político da denominação conseguiu neste processo eleitoral

Pré-candidato a vereador pelo Podemos, o pastor Fábio Leite é, atualmente, a liderança política ligada à Assembleia de Deus com maior penetração no segmento evangélico de São Luís.

Amigo pessoal e correligionário do candidato do Podemos a prefeito, Eduardo Braide, Leite é o responsável por torná-lo uma espécie  de quase-unanimidade no segmento, sobretudo na própria AD.

 

A amizade e confiança mútua com o pastor Coutinho fortaleceu o nome de Fábio Leite na Assembleia de Deus

Líder carismático, o pastor sobrepôs nestas eleições de São Luís até mesmo os políticos com mandatos na denominação, alcançando a confiança absoluta – e provavelmente o voto – do líder da igreja, pastor José Guimarães Coutinho.

Nenhuma outra liderança tem penetração no segmento como Fábio Leite, que goza também da confiança do próprio Eduardo Braide.

O que o torna, naturalmente, um dos principais nomes do Podemos à Câmara Municipal…

2

Eduardo Braide participa de culto em homenagem a São Luís

O pré-candidato a prefeito de São Luís, Eduardo Braide (Podemos), voltou a afirmar que a cidade tem potencial para ser uma das mais desenvolvidas do país, ao participar de um culto em ação de graças pelos 408 anos de sua fundação, na noite de terça-feira (8). Ele foi convidado a participar da celebração realizada pela igreja Assembleia de Deus do bairro Habitacional Turu.

“Com muita honra me juntei aos fiéis nessa forte corrente de orações por melhores dias para nossa cidade, rogando a Deus para que continue abençoando a todos que aqui vivem. São Luís é um presente divino, cabe a nós torna-la uma cidade de oportunidades em todos os sentidos”, disse Eduardo Braide na abertura da celebração.  

O culto em ação de graças pelos 408 anos de São Luís foi conduzido pelo pastor Fábio Leite, líder espiritual da área 23 da igreja Assembleia de Deus e pré-candidato a vereador de São Luís (Podemos).

“Nossa congregação ficou muito feliz e honrada em ter entre nós, neste dia tão especial, a presença do deputado federal e pré-candidato a prefeito Eduardo Braide: um homem digno e que ao longo de sua trajetória de vida tem demonstrado possuir os princípios necessários para conduzir bem os destinos de nossa cidade nos próximos anos”, finalizou.

2

“Diálogos podem estar acontecendo”, diz pastor da AD, sobre vice de Braide

Candidato a vereador e principal articulador político interno da Assembleia de Deus, Fábio Leite diz que embora não haja “compromisso sólido” para a indicação do companheiro de chapa, a igreja espera ser ouvida no processo

 

Eduardo Braide tem em sua coligação os dois candidatos oficiais da Assembleia de Deus; e Fábio Leite é seu principal interlocutor com os membros da igreja

O pré-candidato a vereador e conselheiro político da igreja Assembleia de Deus, pastor Fábio Leite, afirmou ao blog Marco Aurélio D’Eça que a denominação espera ser ouvida no processo de escolha do vice de Eduardo Braide (Podemos).

– Não há um compromisso sólido; no entanto, diálogos podem está acontecendo – revelou o pastor.

Eduardo Braide tem conversado desde 2019 com os líderes da Assembleia de deus, com os quais manteve forte relação até chegar ao ponto de ser o principal nome apoiado na igreja.

 

Eduardo Braide é o candidato mais á vontade nos púlpitos da Assembleia de Deus, e tem ocupado espaço relevante na denominação evangélica

O próprio Fábio leite foi responsável por esta aproximação e tem acompanhado o candidato em cultos nas áreas de atuação da denominação.

Com a aproximação do período oficial de campanha e das convenções, aumentaram as especulações de uma possível indicação de vice da Assembleia de Deus, embora haja outras forças com o mesmo intento.

A posição de Fábio Leite esclarece o papel da igreja neste processo…

1

Missionário Marco Aurélio reforça campanha de Duarte Júnior

Empresário do ramo imobiliário e agente da Receita Estadual se une ao grupo do pastor Enos Ferreira para ampliar a base de apoio do candidato do Republicanos, com quem já esteve nas eleições de 2018

 

Marco Aurélio decidiu levar sua experiência como militante social, dirigente sindical e missionário para a campanha de Duarte Júnior em São Luís

O corretor de imóveis e empresário Missionário Marco Aurélio vai reforçar a base de apoio do deputado estadual Duarte Júnior (Republicanos) na disputa pela Prefeitura de São Luís.

Candidato a vereador e a deputado estadual, pelo PTC, Marco Aurélio uniu seu grupo ao grupo do pastor Enos Ferreira e se alinhou ao projeto de Duarte.

– Estive com Duarte, definimos nosso apoio a ele e quero valorizar esse momento. Já fui candidato a deputado estadual e vereador; e vamos contribuir para esta vitória rumo à prefeitura – ressaltou.

Com forte influência política no segmento evangélico, o missionário da IADESL é formado em Ciências Imobiliárias pela UFMA, com especialização em Gestão Pública; também é agente da Receita Estadual. 

Marco Aurélio é presidente Sindicato dos Corretores de Imóveis do Maranhão e vice-presidente para Assuntos Legislativos da Federação Nacional dos Corretores de Imoveis, além de diretor de comunicação da Associação dos Agentes da Receita e empresário do ramo imobiliário.

Voltado para as causas sociais, foi nessas ações que passou a se envolver com a política, assumindo papel de liderança nos segmentos que atua.

– Já apoiei o deputado Duarte Júnior na eleição de 2018; agora ampliaremos este apoio unindo nosso grupo ao do pastor Enos Ferreira, que é secretário de Relações Institucionais do Governo Do Estado – ressaltou Marco Aurélio.

Na avaliação do missionário, a capacidade e a jovialidade de Duarte, já demonstradas em sua passagem pelo Procom-MA, garantirá gestão de qualidade na Prefeitura de São Luís.

E acredita que seu trabalho no segmento evangélico influenciará esta vitória.

– Somos da Assembleia de Deus, o que reforça o projeto na igreja e nas comunidades – concluiu…

3

Evangélicos tentam barrar julgamento de “abuso de poder religioso”

Bancada da Bíblia e líderes das principais igrejas brasileiras já se articulam para tentar impedir o TSE de votar o relatório do ministro Edson Fachin, que aponta possibilidade de cassação de candidatos que manipulam fieis

 

A chamada bancada da bíblia tem como alvo, para, o relatório do ministro Edson Fachin, que prevê o crime de abuso de poder religioso

Líderes evangélicos e membros da chamada bancada da bíblia no Congresso Nacional se articulam para tentar impedir o Tribunal Superior Eleitoral de julgar o relatório do ministro Edson Fachin, que cria o crime de “abuso de poder religioso” na legislação eleitoral.

O relatório de Fachin começou a ser votado em junho, durante julgamento de um caso envolvendo uma pastora da Assembleia de Deus de Goiás, que se eleu vereadora sob suspeita de manipular o voto dos fieis de sua igreja.

Atualmente, a legislação prevê apenas os crimes de abuso de poder político e econômico para casos eleitorais; em seu relatório, Fachin admitiu que é possível punição também para quem usa a é dos fieis em proveito eleitoral.

O blog Marco Aurélio D’Eça vem abordando o assunto há pelo menos duas semanas.

Na quarta-feira, 8, mostrou como os candidatos a prefeito dividiram a Assembleia de Deus nas atuais eleições de São Luís.

Historicamente, este blog trata do tema, que chama de “coronelismo gospel”.

Para o advogado Luiz Alberto Peccinin, especialista em Direito Eleitoral, só o fato de o TSE abrir a discussão sobre o assunto – mesmo que não conclua o julgamento antes da campanha de 2020 – j´abre possibilidade para que candidatos e partidos questione o abuso religioso.

– Só pelo fato do TSE sinalizar uma abertura certamente vamos ter muitos questionamentos disso a partir dessas eleições. Até porque o abuso da estrutura [religiosa] já estava sendo analisado – diz Peccinin.

A precisão é que o TSE retome o julgamento da questão logo nas primeiras sessões após o recesso…

4

Políticos evangélicos fatiam Assembleia de Deus entre candidatos a prefeito

Os anúncios de apoio de lideranças eleitas pela denominação aos que disputam as eleições de São Luís sugere a existência de currais eleitorais religiosos ainda no século XXI; mas falta combinar com o eleitor crente, agora mais consciente de sua liberdade e responsabilidade para além da igreja

 

O uso da bíblia como arma político-eleitoral torno-se forte a partir dos anos 2000; mas a circulação livre de informações na internet acenderam a rebeldia da membresia

Editorial

Nas últimas semanas, pelo menos três anúncios de apoio de lideranças políticas aos que disputam a Prefeitura de São Luís repercutiram na mídia envolvendo a igreja Assembleia de Deus, maior denominação evangélica da capital maranhense.

Foi assim no apoio da senadora Eliziane Gama (Cidadania) ao deputado federal Rubens Pereira Júnior (PCdoB).

Foi assim no anúncio de que o secretário de Articulação Institucional e pastor, Enos Ferreira, entraria na campanha de Duarte Júnior (Republicanos).

E foi assim também ao se repercutir a aliança da deputada estadual Mical Damasceno (PTB) ao colega de Assembleia Neto Evangelista (DEM).

Em comum, Eliziane Gama, Enos Ferreira e Mical Damasceno têm o fato de ser lideranças políticas vinculadas histórica e organicamente à Assembleia de Deus, com licença para atuar politicamente usando a condição de membro da igreja e com forte influência interna na membresia.

Juntam-se a eles o deputado federal Pastor Gyldenemir (PL) e o ex-candidato a vice-prefeito de São Luís, Pastor Fábio Leite (Podemos), que já haviam declarado apoio ao candidato Eduardo Braide (Podemos).

Obviamente que tanto Braide quanto Rubens Júnior, Duarte Jr. e Neto Evangelista exploraram midiaticamente o fato de que os apoiadores levavam consigo uma fatia da AD, cada um com sua influência em um setor da igreja.

Mas isso significa que a igreja está dividida em quatro partes?

Alguém combinou com o eleitor vinculado à igreja?

Algumas das lideranças políticas da Assembleia de Deus reunidas e seus pastores: espaço de poder a partir do controle eleitoral de membros da igreja

Ao longo dos seus 14 anos de existência – sendo o mais antigo em atividade no Maranhão – o blog Marco Aurélio D’Eça sempre criticou o uso das denominações religiosas e a manipulação de crentes em proveito político. (Relembre aqui, aqui, aqui, aqui, aqui e também aqui)

Mas a despeito das críticas os líderes evangélicos continuara avançando, e perceberam no setor político um filão de troca de favores que levaria ao poder, não apenas institucional, mas também político.

O resultado disto são posts como os que revelaram a profusão de capelães nas forças policiais do Maranhão, algo inédito em toda a história do Brasil – em troca, obviamente, de poder político aos grupos estabelecidos.

Para reforçar esta crítica e pela liberdade de escolha do cristão-evangélico, este blog criou até o termo “coronelismo gospel”, hoje usado com frequência na mídia. (Relembre aqui e aqui)

E agora em 2020, mais uma vez, a religião se envolve na política; e a política usa a religião para angariar votos.

Mas e daí que Eliziane Gama seja a política mais bem sucedida da história da Assembleia, ocupando mandato de senadora da República?

E daí que Pastor Gyldenemir ou pastor Fábio Leite sejam líderes influentes na denominação, com capacidade de liderança da membresia?

E daí que Enos Ferreira seja coordenador da União de Mocidade da Assembleia de Deus em São Luís?

E daí que Mical Damasceno seja filha do presidente estadual das Assembleias de Deus no Maranhão?

Todos eles têm direito de manifestar suas preferências políticas e reivindicar espaço de poder como qualquer cidadão.

O que não pode – e nem deve ser permitido – é que seus lugares-de-fala sejam usados para manipular a consciência dos membros da igreja em proveito próprio ou de outrem, e com anuência dos próprios pastores.

E é por isso que a juventude, os mais esclarecidos e os líderes progressistas dessa denominação precisam se manifestar pela liberdade de escolha do eleitor evangélico. (Entenda aqui e aqui)

Não importando o que pensam o seus líderes…