1

Eudes Sampaio inaugura Liceu Ribamarense III com Carlos Brandão e Luis Fernando

O prefeito Eudes Sampaio (PTB) encerrou, nesta sexta-feira (14), de forma apoteótica e simbólica, a maratona de inaugurações de obras e início de outras em São José de Ribamar. Com presenças do vice-governador Carlos Brandão, secretários estaduais como Luis Fernando Silva (Programas Estratégicos), Felipe Camarão (Educação) e Anderson Lindoso (Cultura), ele entregou o sonhado Liceu Ribamarense III na Vila Sarney Filho II.

A nova unidade escolar se une à outras duas da rede em tempo integral ribamarense que estão no rol das melhores escolas do Maranhão, sendo o Liceu Ribamarense I, a melhor do Estado e uma das mais bem avaliadas do país, de acordo com o Índice de Desenvolvimento da Educação Básica (IDEB).

Muito emocionado, o prefeito Eudes Sampaio falou do esforço que foi feito pela atual gestão para tornar real o sonho de uma escola da magnitude do Liceu Ribamarense III. “Encontramos esse sonho praticamente nos escombros, mas fomos à luta, recorremos ao governador Flávio Dino para nos apoiar e conseguimos hoje, com muita alegria, entregar ao nosso povo esse templo do conhecimento”, destacou ele, ao recordar da emoção que foi quando comprou o terreno para a obra, ainda na gestão anterior do então prefeito Luis Fernando.

Em seu discurso, o vice-governador, Carlos Brandão (PRB), fez questão de dizer que ficou impressionado com a infraestrutura da escola. “É, sem dúvida, uma das melhores escolas já feitas em São José de Ribamar. Estamos muito felizes de estar hoje aqui junto à Prefeitura nesta inauguração de um equipamento construído através dessa parceria, que continuará entre o estado e o município, e que trará muitos outros benefícios à população”, ressaltou.

Para o ex-prefeito Luis Fernando, atual secretário estadual de Programas Estratégicos, que idealizou o projeto pioneiro no Maranhão de escolas em tempo integral, a sua satisfação era indescritível. “As duas primeiras, que são as duas melhores do Maranhão, construímos com recursos próprios e se não fosse o “período de destruição” a que o município foi acometido, já estávamos como muito mais escolas no padrão dessas”, lembrou Luis Fernando.

As falas emocionadas dos componentes da mesa virtual na inauguração da escola, que somada às dezenas de outras inaugurações inspiraram o deputado federal Pedro Lucas Pedro Lucas (PTB) a trocar o sobrenome do prefeito, de Sampaio para “Eudes Trabalhador”, refletiram a satisfação do público presente e das declarações de uma mãe, que finalizou: “A ideia dessa escola, linda assim, mostra que a educação na cidade é de qualidade, que nossos filhos terão uma excelente educação e que não somos piores e nem menores do que o filho de um rico, que pode pagar por uma boa escola”.

0

Ex-prefeitos mostram-se distantes da eleição de Ribamar…

Luis Fernando Silva e seu sucessor, Gil Cutrim, amargam, por razões equivalentes, pouca aceitação entre a população ribamarense; e dificilmente terão forças para influenciar resultados nas eleições de outubro

 

Gil Cutrim e Luis Fernando Silva: duas décadas de construções e desconstruções em São José de Ribamar; e pouca influência no processo de 2020

Os dois últimos prefeitos de São José de Ribamar – Luis Fernando Silva (PSDB) e Gil Cutrim (PDT) – foram do céu ao inferno na popularidade no município em pouco mais de uma década; e deverão amargar o ostracismo no debate sucessório de 2020.

Eleito como sumidade política em 2004, Luis Fernando reelegeu-se em 2008 tendo ninguém menos que Gil Cutrim como seu vice; mas renunciou menos de ano depois para assumir cargo no governo Roseana Sarney (PMDB), em 2009.

Cutrim reelegeu-se em 2012, mas já sem a relação de aliança com Luis Fernando; amargou uma gestão criticada, razão pela qual ajudou no retorno do próprio Luis Fernando, em 2016.

Ocorre que Luis Fernando renunciou novamente em 2018, para assumir um obscuro cargo no governo Flávio Dino (PCdoB), seu ex-adversário, abrindo espaço para o atual prefeito, Eudes Sampaio (PTB).

O resultado é que, por essas idas e vindas, nem Silva, nem Cutrim gozam do que se pode chamar de influência na eleição de outubro.

E devem permanecer ao largo do debate em São José de Ribamar…

3

A superprefeitura de Luis Fernando Silva…

Nem mesmo os aliados do governo Flávio Dino acreditam piamente na hipótese, mas projeto do comunista é fazer do novo auxiliar uma espécie de gerentão metropolitano e resolver a equação de 2020

 

LUIS FERNANDO SILVA, AGORA SECRETÁRIO; projeto metropolitano e olho em 2020

Ao tomar posse ontem na Secretaria de Assuntos Estratégicos do governo Flávio Dino (PCdoB), o ex-prefeito de São José de Ribamar, Luis Fernando Silva (PSDB), virou uma espécie de gerentão metropolitano.

O ex-prefeito vai comandar uma pasta turbinada pelo governador – e que deverá abrigar sob suas asas também outras agências de influência na Grande São Luís.

Caberá ao próprio Luis Fernando viabilizar seu nome como uma espécie de gestor da região metropolitana, influenciando diretamente o pleito de 2020, tanto na capital quanto em Ribamar, Raposa e Paço do Lumiar.

Aliados do governo Flávio Dino não acreditam na hipótese de Luis Fernando como candidato em São Luís;

Mas, e se ele se viabilizar?!?

É aguardar e conferir…

1

Luis Fernando toma posse nesta sexta-feira no governo Flávio Dino…

Prefeito de São José de Ribamar reuniu aliados e auxiliares na tarde de ontem para comunicar sua renúncia; ele vai assumir a Secretaria de Programas Estratégicos

 

LUIS FERNANDO DURANTE REUNIÃO COM ALIADOS E SECRETÁRIOS; renúncia planejada apoio ao futuro prefeito

O prefeito de São José de Ribamar, Luis Fernando Silva (PSDB) confirmou ontem sua renúncia do mandato e sua posse na Secretaria de Programas Estratégicos do governo Flávio Dino (PCdoB).

Como adiantou o blog Marco Aurélio D’Eça, o agora ex-prefeito reuniu secretários e aliados na Câmara Municipal para comunicar sua renúncia. (Relembre aqui)

Luis Fernando tomará posse no governo Flávio Dino nesta sexta-feira, às 10 horas, em solenidade no Palácio dos Leões.

No mesmo dia, à tarde, o vice-prefeito Eudes Sampaio assume a Prefeitura de São José de Ribamar.

6

Afinal, o que Flávio Dino ganha com Luis Fernando no governo?!?

Todas as versões sobre a renúncia do prefeito de Ribamar apontam benefícios apenas para o próprio gestor municipal, sem nenhuma contrapartida conhecida ao comunista

 

IDA DE LUIS FERNANDO PARA O GOVERNO FLÁVIO DINO é um jogo em que apenas um se beneficia

Desde que surgiram as primeiras informações sobre uma suposta renúncia do prefeito de São José de Ribamar, Luis Fernando Silva (PSDB), as versões, todas elas, apontam benefícios apenas para o próprio prefeito.

Mas, afinal, o que o governador Flávio Dino (PCdoB) ganha com isso?!?

Dentre as diversas versões – incluindo as dos blog Marco Aurélio D’Eça – há as que apontam Luis Fernando como possível candidato a prefeito em São Luís. (Releia aqui)

Outras dão conta de que o prefeito de Ribamar seria o candidato a senador em 2022, fortalecendo o projeto do atual vice-governador, Carlos Brandão (PRB). (Relembre aqui e aqui)

Nenhuma informação ou análise apontou, até agora, qualquer benefício lógico para o próprio Flávio Dino neste jogo.

Para ser candidato a presidente Flávio Dino depende de Luís Fernando? A resposta é não.

Para concorrer ao Senado, em que Flávio Dino precisaria de Luis Fernando? A resposta é: em nada

Flávio Dino não tem nenhum candidato a prefeito em condições de derrotar o favoritismo de Eduardo Braide (PMN)? É claro que tem.

E para fazer de Carlos Brandão seu candidato a governador, Flávio Dino precisaria da ajuda de Luis Fernando em que aspecto? A resposta é: em nenhum.

A articulação para levar o prefeito de Ribamar ao governo é, portanto, estranha em seus aspectos mais objetivos.

E só o próprio Luis Fernando poderia explicar…

2

Flávio Dino quer Luis Fernando senador em 2022…

Governador garante ao ainda prefeito de Ribamar a única vaga em disputa nas próximas eleições estaduais, vaga esta que o próprio comunista pode acabar disputando

 

FLÁVIO DINO QUER ATRAIR LUIS FERNANDO PARA O GOVERNO, mas suas proposta não dão segurança ao prefeito

O prefeito de São José de Ribamar, Luis Fernando Silva (PSDB) prometeu anunciar após o “Lava Pratos” sua renúncia do posto – diante do convite do governador Flávio Dino (PCdoB) para integrar o governo.

Mas o prefeito ainda está indeciso, sobretudo por causa do alto risco político que representa sua saída de Ribamar.

Para tentar convencer o prefeito a entrar no governo, o blog Marco Aurélio D’Eça apurou que fora prometido a ele a vaga de senador nas eleições de 2022.

A vaga estaria em aberto porque o próprio Flávio Dino iria disputar a presidência da República.

Mas eis que, neste fim de semana, o chefe da Casa Civil do governo comunista, Marcelo Tavares (PSB) declarou que a candidatura dinista à presidência não passa de “brincadeirinha”. (Releia aqui)

Luis Fernando sempre foi conhecido pela insegurança na tomada de decisões.

E essa declaração de Tavares acaba por deixá-lo ainda mais inseguro…

2

E a equação Luis Fernando?!?

Por Domingos Dutra*

Nos últimos dias especula-se na mídia e nos bastidores, sobre uma possível renúncia do Prefeito de São José de Ribamar, Luís Fernando, para ocupar uma secretaria no Governo Flávio Dino.

Os “analistas” políticos citam como causa desta possível renúncia o desgaste do Prefeito Luís Fernando, que não conseguiu até agora, sequer repetir a excelência dos seis anos de sua primeira gestão na cidade ribamarense.

Também na mídia e nos bastidores, questiona-se qual o projeto político embutido nesta polêmica decisão do Prefeito Luís Fernando. As análises e as futricas desta delicada decisão apontam para uma também possível candidatura do mesmo na chapa majoritária no pleito de 2022.

Permitam-me discordar tanto da causa, quanto do projeto político embutido nesta complexa decisão.  Discordo dos que acham que as dificuldades financeiras motivam a possível renúncia. Se fosse verdade, todos prefeitos do Brasil e até governadores teriam que renunciar seus mandatos, já que a crise ética, política e econômica que há cinco anos devora o Brasil atinge a todos sem distinção.

Ademais seria maldade de Luís Fernando deixar no colo do carequinha e amigo Vice Prefeito Eudes o abacaxi que não conseguiu descascar.

No último encontro que tive com o Prefeito Luís Fernando e o Vice Prefeito Eudes, não vi desânimo nos dois, apesar das dificuldades, comuns a todos os municípios brasileiros. E mesmo que fossem os problemas existentes os motivadores desta renúncia, em minha opinião, em nada abalaria o conceito de bom administrador, conquistado pelo prefeito da segunda cidade da Ilha de Upaon-Acu, ao longo de anos de experiências acumuladas. 

Eu era neném e Luís Fernando já era gestor da extinta COHAB, tendo passagem exitosa por vários cargos no Governo do Estado, com destaque para Secretária de Educação e a Casa Civil.

Por outro lado, sem querer colocar pimenta no meio do salão, considero que da turma da oligarquia que o governador Flávio Dino abocanhou, Luís Fernando é um dos poucos que migrou sem catinga do Sarney.

Flávio Dino é o melhor Governador do Brasil. Está preparado para disputar a Presidência da República. Para sustentar este projeto de esperança para o Brasil não basta Flávio Dino continuar fazendo uma boa gestão: é preciso enterrar de vez a oligarquia insepulta.

Desta forma, o projeto eleitoral de 2022 no plano estadual e em nível nacional, passa necessariamente por uma vitória consagradora nas eleições municipais de 2020, com destaque para os 30 maiores municípios do Estado e de forma especial na Capital, tambor que ecoa em todo Maranhão.

Na minha modesta observação, se a renúncia ocorrer, o estrategista Flávio Dino quer Luís Fernando candidato a Prefeito de São Luís. O Governador deve ter pesquisas qualitativas que indicam boa aceitação da candidatura de Luís Fernando a Prefeito da capital.

O Governador, com certeza tem ciência de que a pulverização de postulantes de sua base política facilitará a vitória de Eduardo Braide na Capital.

O Prefeito Luís Fernando se encaixa nesta equação: ser um nome de peso para unificar a base política dos partidos que garantiram a vitória maiúscula de toda a chapa majoritária no pleito de 2018, para vencer em 2020, as eleições em São Luís, de preferência no primeiro turno.

Considero que desta vez, Luís Fernando não embarcaria em canoa furada como ocorreu em 2014. Nesta equação, a renúncia de Luís Fernando não teria nenhum prejuízo para população de São José de Ribamar, já que o Vice Prefeito Eudes, além de fiel ao atual prefeito, possui larga experiência administrativa e bom trânsito no meio político.

Nesta equação, pode está sendo combinada com uma possível candidatura a Prefeito de São José de Ribamar do conselheiro Edmar Cutrim, o qual, ao renunciar o cargo, abriria uma vaga na cobiçada Corte de Contas, espaço que ficaria à disposição do manejo do Governador, a qual,poderá servir de agasalho para  Brandão, Othelino, Marcelo Tavares e outros personagens da fauna política.

Nesta complexa equação, o habilidoso Governador Flávio Dino, pode ressuscitar a antiga aliança entre o Silva e os Cutrins, restabelecendo a paz na Cidade Santa. 

A equação Luís Fernando para o projeto de 2022 é complexa.

Porém se o Governador Flávio Dino, teve a habilidade política que desmontou a oligarquia Sarney, tendo inclusive que engolir parte de seus membros, nesta conjuntura tem força política suficiente para superar mugangos de atores que se fortaleceram em 2018, como condição para vencer as eleições municipais, com destaque com Luís Fernando Prefeito em São Luís.

No entanto, assim, como as outras, esta minha “tese” é apenas mais uma especulação.

Como o Brasil só funciona de fato após o carnaval, vamos aguardar as águas revoltas de março para constatamos se rio realmente corre para o mar ou se o mar vai virar sertão.

*Advogado e Prefeito do Município de Paço do Lumiar

3

Luis Fernando no governo Flávio Dino reforça projeto de Carlos Brandão…

Prefeito de São José de Ribamar é amigo pessoal do vice-governador e da família do chefe da Casa Civil,. Marcelo Tavares; e vai atuar exatamente nos projetos estratégicos

 

Luis Fernando com Brandão: amizade e relação familiar que pode levar ao poder

Quem acompanha os bastidores da política sabe que as negociações que levaram o prefeito Luis Fernando Silva (PSDB) para o governo Flávio Dino (PCdoB) tem um tripé básico.

A articulação envolve o vice-governador Carlos Brandão (PRB), o chefe da Casa Civil, Marcelo Tavares (PSB), mas também o ex-governador José Reinaldo Tavares.

Amigo pessoal de José Reinaldo e de Brandão, Luis Fernando praticamente viu Marcelo Tavares nascer e tem com ele relação de carinho e respeito.

Toda essa relação quase familiar também tem pesado na decisão do prefeito de renunciar ao comando de São José de Ribamar.

E esta proximidade reforça um outro projeto; o de fazer de Carlos Brandão o próximo governador do Maranhão.

O atual vice tem consigo o trunfo de assumir o mandato em 2022, assim que o governador Flávio Dino (PCdoB) decidir renunciar para concorrer a outro cargo, que pode ser de presidente, vice-presidente ou mesmo senador.

Nesta condição, ele pode concorrer à reeleição no mesmo ano.

Mas Brandão sabe que há outros interessados já se articulando pela vaga e quer evitar desgastes e disputas na base.

Como secretário de programas estratégicos do governo comunista, Luís Fernando terá a missão de consolidar o nome de Brandão na base o governo, evitando, assim, rachas com outras lideranças – a menos que estas próprias lideranças resolvam rachar.

E além das ações estratégicas, o ainda prefeito poderá utilizar-se do seu próprio prestígio para fortalecer Brandão.

É aguardar e conferir…

1

Luis Fernando volta a se envolver em bate-boca…

Prefeito de São José de Ribamar tentou se explicar sobre obras de asfaltamento, foi desmentido por vereador e tentou calar vereador em reunião pública no Parque Jair

 

O prefeito de São José de Ribamar, Luís Fernando Silva (PSDB) envolveu-se em mais um bate-boca com populares durante audiência no Parque Jair.

Ao tentar se explicar sobre não realização de obras na comunidade, o prefeito foi contraposto por um vereador, e reagiu com arrogância.

– Cale sua boca, eu não lhe dei a palavra! Respeite o prefeito!! – gritou Luiz Fernando diante da reação do parlamentar.

Não ficou claro no vídeo se as vaias foram para Luis Fernando ou para o vereador.

Diante do bate-boca, o prefeito encerrou a palestra, desejando feliz natal aos presentes…

Veja o vídeo acima

6

O fracasso do segundo mandato de Luis Fernando em Ribamar…

Prefeito cometeu o erro de voltar ao comando da cidade após gestão de excelência com apoio de lideranças e agora vê seu prestígio afundar em um mar de problemas que põem em risco seu projeto de reeleição em 2020

 

INEVITÁVEL COMPARAÇÃO. Luís Fernando não pôde fazer o que fez no primeiro mandato e acabou sendo comparado consigo mesmo; e fracassou

Tido como exemplo de excelência em gestão no período de 2004 a 2009, quando governou o município de São José de Ribamar pela primeira vez, o tucano Luis Fernando Silva decidiu voltar ao mesmo lugar em 2016.

Cometeu um erro grave em política.

Na verdade, já havia cometido o primeiro erro político em 2014, quando recuou em cima da hora de de uma candidatura a governador que tinha todo o respaldo das lideranças políticas do seu grupo.

Apostando na aliança com o seu ex-adversário Flávio Dino (PCdoB), Luis Fernando elegeu-se em Ribamar com absoluto apoio da população.

Mas fracassou na volta à cidade.

Sem obras que justifiquem sua gestão, Luís Fernando vem perdendo o apoio da população e agora começa a perder também a liderança política em Ribamar.

A derrota na tentativa de obter um empréstimo de R$ 60 milhões na Câmara Municipal, expôs o fracasso político do prefeito.

E sem recursos, a tendência é a situação de Ribamar piorar ainda mais, já que ele nunca teve o apoio esperado do seu ex-desafeto Flávio Dino, a quem chegou a chamar de “mudança de gogó”, e acabou por perder o apoio que tinha do senador Roberto Rocha (PSDB).

O presidente tucano no Maranhão já chegou, inclusive, a pedir sua saída do PSDB.

Esnobado por Flávio Dino, sem relações federais e sem apoio local, é possível que Luís Fernando sequer concorra à reeleição em 2020.

Mas esta é uma outra história…