1

Covid-19: Porto São Luís doa 50 mil luvas para profissionais de saúde do MA

As caixas com as luvas já foram encaminhadas pelo Porto ao Governo do Maranhão

O Porto São Luís realizará a doação de 50 mil pares de luvas à Secretaria Estadual de Saúde (SES) nesta segunda-feira, 30, para ajudar nas ações de combate ao novo Coronavírus.

As luvas estão vindo de São Paulo e serão entregues ao Governo do Maranhão, que distribuirá nas unidades de saúde para profissionais que estão trabalhando no atendimento aos pacientes e casos suspeitos do Covid-19.

O presidente do Porto São Luís, César Gazoni, destacou que é tempo de ser solidário com todos e, principalmente, com aqueles que estão na linha de frente dessa luta.

“Perguntamos ao Governo do Estado como poderíamos ajudar e nos sugeriram luvas para os médicos, enfermeiros e profissionais da saúde em geral. No decorrer da semana vamos ver com o que mais poderemos ajudar”, afirmou o CEO do Porto São Luís.

5

Com orçamento milionário, Rubens Jr. faz política com coronavírus…

Mesmo à frente de programas com recursos capazes de garantir assistência social, alimentar e financeira a milhares de famílias, secretário que disputa a Prefeitura de São Luís prefere liderar midiática campanha de arrecadação, com divulgação em seu site eleitoral

 

Rubens Jr. tem orçamento milionário em sua Secid, mas prefere fazer campanhad e arrecadação para ganhar mídia

Desde que foi nomeado secretário de Cidades pelo governador Flávio Dino (PCdoB), o deputado federal Rubens Pereira Júnior (PCdoB) já sabia que teria pela frente um orçamento milionário e um objetivo claro: viabilizar-se como candidato a  prefeito de São Luís.

Tanto que sua pasta recebeu, logo de cara, orçamentos milionários e programas igualmente abarrotados de recursos. (Relembre aqui e aqui)

Só para a reforma e construção de casas populares, Pereira Júnior distribuiu em 2019 mas de 2 mil cheques de R$ 5 mil para famílias carentes.

Sem decolar nas pesquisas, mesmo assim, o secretário agora tenta se aproveitar da crise do coronavírus para faturar midiaticamente como candidato, anunciando campanha de arrecadação de alimentos pela sua própria pasta.

Ora, com os mais de R$ 200 milhões de orçamento a própria Secid não poderia fazer essa compra destes produtos e distribuir aos beneficiários de seus programas?

O mais grave ainda: o candidato comunista divulga a ação da sua pasta em seu site pessoal, com referência às suas campanhas e número do seu partido.

O candidato do PCdoB, que é secretário de Cidades, divulgou ações públicas em site pessoal, político-eleitoral

Resultante direto da cultura do “filhotismo político”, Rubens júnior acaba por tentar se aproveitar midiaticamente de momentos difíceis da sociedade e da população.

E mantém as velhas práticas políticas no estado…

0

Andreia Rezende quer urgência em projeto que reduz impostos

Deputada estadual encaminhou Requerimento  forçando a tramitação rápida da proposta que visa redução de impostos e melhoria na infraestrutura rodoviária estadual

 

A deputada estadual e primeira secretária da Assembleia Legislativa do Estado, Andreia Martins Rezende (DEM), fez uma série de solicitações que visam beneficiar o Maranhão, principalmente a região sul.

A parlamentar deu entrada em um requerimento de urgência que solicita a votação do Projeto de Lei 031/2020, de autoria do Poder Executivo, que considera a reivindicação do setor produtivo, reduzindo a contribuição de 3% para 1,8% sobre o valor da tonelada de soja, milho, milheto e sorgo produzidos, armazenados ou transportados no Estado do Maranhão.

O Projeto ressalta ainda que a receita arrecadada com a contribuição facultativa será destinada integralmente para investimentos e custeio da infraestrutura rodoviária estadual.

De acordo com a deputada, a urgência na votação do Projeto de Lei 031/2020, se fez devido um apelo dos produtores e sindicatos que almejam uma melhoria nas rodovias estaduais, como forma de escoamento de suas produções.

0

Zé Inácio quer concorrência nacional para o Ferry Boat….

Deputado estadual avalia que garantir direito às empresas nacionais e internacionais a atuar no sistema de transporte garantirá melhor qualidade aso serviços prestados à população

 

O deputado Zé Inácio (PT) subiu à tribuna da Assembleia na terça-feira (18) para dar destaque ao decreto assinado pelo Governador Flavio Dino que determina a realização de licitação para o serviço de ferry boat.

Além disso o governador editou decreto autorizando a intervenção no serviço de transporte aquaviário realizado pela empresa Serviporto.

“Usamos esse expediente para parabenizar o governador pela inciativa de determinar que seja feita a licitação e, assim como temos cobrado nesses últimos três, quatro anos, que essa licitação de fato saia do papel, vamos continuar cobrando da MOB para que nesses próximos 30 dias, esse edital seja lançado. Parabenizo o governador pela iniciativa porque o único caminho para fazer uma licitação é que a concorrência seja aberta em nível nacional ou até internacional, para que se possa ter embarcações de qualidade.”, disse.

O parlamentar também lembrou que essa luta por melhores condições no serviço de transporte aquaviário é algo recorrente em seu mandato.

“Nós, já no nosso primeiro mandato, fizemos vários debates a respeito do sistema de travessia via ferryboats, São Luís/Cujupe, Cujupe/São Luís. Já fizemos audiências públicas aqui, já fizemos vistorias lá nos terminais, nos ferryboats. Nós temos cobrado a instalação de caixas eletrônicos, lá no Cujupe, para que o usuário do sistema possa ter oportunidade de fazer saque ou transações, temos cobrado a instalação de um posto de saúde também no Cujupe. E temos percebido que ao longo desses anos a única coisa que não avançou, que não melhorou para dar comodidade aos passageiros, aos consumidores do sistema ferryboat, foi exatamente as embarcações.”

Zé Inácio também ressaltou que houveram algumas melhoras no que diz respeito a infraestrutura dos terminais Ponta da Espera e Cujupe.

1

Edilázio cobra resposta do MP por precariedade da MA-315…

Parlamentar denunciou a obra ainda em 2019 ao Ministério Público, ao Tribunal de Contas do Estado e à própria Justiça estadual, sem que nenhuma das instâncias tenha dado resposta

Edilázio, durante formulação da denúncia aos órgãos que deveriam ter fiscalizado a obra da rodovia maranhense

No centro das discussões após denúncia formalizada pelo deputado Wellington do Curso, a precariedade da rodovia MA-315 já é alvo desde o mês de abril de 2019 de um pedido de investigação formalizado junto ao Ministério Público Estadual, Tribunal de Contas do Estado (TCE) e Justiça Estadual, pelo deputado federal Edilázio Júnior (PSD).

A rodovia foi entregue em janeiro daquele ano, e apenas 3 meses depois já apresentava trechos deteriorados, o que dificultava a trafegabilidade no local. A MA-315 liga Barreirinhas à cidade de Paulino Neves.

Na ocasião da denúncia, Edilázio apontou irregularidades quanto ao aditivo de mais de R$ 2 milhões e lesão ao patrimônio público, já que a obra apresentava graves problemas logo após a sua inauguração.

Ele protocolou ação popular, mas até o momento não houve providências do Ministério Público sobre o caso – que agora recebe nova denúncia, formalizada por Wellington -.

“É um problema que ainda persiste e que se agravou de 2019 para cá. Lembramos que em 2018 o Governo do Estado assinou contrato no valor superior a R$ 9,1 milhões para a recuperação da estrada. Depois houve um aditivo de mais de R$ 2 milhões à obra, que contraria o que determina o contrato da obra e a apuração a respeito da qualidade dos serviços já efetuados na rodovia. Até o momento aguardamos as providências a respeito”, disse.

Saiba mais

Em 2019, logo após a denúncia de Edilázio, a Secretaria de Estado da Infraestrutura assegurou o uso de um seguro da obra para a recuperação da estrada. Não há informações, contudo, a respeito da utilização ou não da apólice. 

2

Sobre o CER TEA e políticas públicas para os autistas do Maranhão

 

Por Poliana Silva Gatinho*

Hoje (ontem, terça-feira, 11) foi a inauguração do Centro de Referência especializado para pessoas com TEA (CER TEA). Faz meses que aguardo ansiosamente esse dia, por que pensei em levar algumas dúvidas minhas e de muitas mães Maranhão a fora que clamam por políticas públicas que realmente contemplem a necessidade de nossos filhos.

O cerimonial do governador no alto de sua arrogância não me deixou falar, porque políticos tem dessas coisas. Em tempo de eleição entram em nossas casas, tomam nosso café, mufam nossa farinha, nos ouvem atentamente entre abraços e declarações de amor. Quando ganham ficam inacessíveis, blindam- se no cargo que ocupam temporariamente e deixam de ouvir uma mãe que tem direito legítimo de expor seus anseios.

As políticas existem para as pessoas e não adianta fazer cerimônia cheia de autoridades, se não se ouve quem mais tem autoridade no assunto para falar: nós mães que estamos dia a dia na luta, nos dando as mãos, tentando nos ajudar mutuamente enquanto os políticos e toda a sociedade dá um tapinha nas nossas costas, chama de mãe azul, mãe guerreira , heroína e afins e se vai, como se realmente tivéssemos o super poder de conseguir tudo que nossos filhos precisam.

Não, sociedade, não somos heroínas.

Somos mães que lutam todos os dias para termos direitos básicos de nossos filhos respeitados, como o acesso a escola regular, as terapias adequadas e até mesmo o direito de ir e vir que muitas vezes nos é retirado por não conseguirmos sair de casa devido aos comportamentos que eles podem apresentar nos locais e sermos “gentilmente” convidadas a nos retirar por que os nossos filhos atrapalham.

Governador Flávio Dino, prédios bonitos e equipados são necessários, mas precisamos de transparência nessa fila que ninguém sabe onde está. Precisamos de investimento em capacitação não apenas do ponto de vista clínico, mas também nas escolas e por todo o Maranhão. Precisamos de capacitação para pais e familiares por todo o Maranhão. Eles passam mais tempo com o autista e se receberem a orientação adequada poderão melhorar muito a qualidade de vida de seus filhos.

Conheço casos de autistas no interior do Maranhão que tomam 5 remédios associados e estão fora da sala de aula porque não param de correr, a médio e longo prazo. Essa superdosagem de remédios poderá acarretar outras coisas.

Precisamos de atendimento sem restrição de idade. Os autistas crescem e não podem ficar isolados em casa.

Os governantes precisam entender que tem que ouvir as pessoas, não só quando estão precisando de votos, mas principalmente para elaborar políticas efetivas para quem precisa. Faltou humildade hoje para o governador do Maranhão e seu cerimonial em dar oportunidade a uma mãe que luta todos os dias para melhorar o mundo em que seu filho vive representando muitas mães com os mesmos anseios.

Não sou política, não quero ser famosa, não usaria nunca a necessidade do meu filho para fins próprios.

Desde que João nasceu eu disse a ele que esse mundo era legal, era bom, que tinham dificuldades, claro, mas que ia fazer tudo que fosse possível e até mesmo o impossível pra ele crescer num mundo mais justo e digno, e é isso que farei até enquanto eu respirar.

Não nasci pra jogar confetes em ninguém.

Eu sou uma cidadã consciente dos meus direitos e os do João e sei lutar por eles acima de qualquer bandeira política. Continuarei buscando, questionando ao mesmo tempo que me ponho à disposição para ajudar em tudo que for necessário para que os autistas no Maranhão tenham de fato todas as políticas públicas que tanto necessitam.

Parabéns ao governo pela entrega do CER TEA.

É um início importante. Seguimos na luta…

*Mãe do João Lucas, autista, 3 anos de idade

1

Eliziane Gama e as eleições de 2020 e 2022…

Embora ausente do debate, senadora surge entre opções para o executivo, tanto no cenário municipal quanto no estadual, mexendo no jogo eleitoral e apontando também para uma espécie de terceira via na batalha que se anuncia entre o senador Weverton Rocha e o vice-governador Carlos Brandão

ELIZIANE EM EVENTO COM FLÁVIO DINO, WEVERTON E SEUS RESPECTIVOS CÔNJUGES; força popular mesmo ausente do debate eleitoral e opção de peso para os próximos anos

A senadora Eliziane Gama (Cidadania) tem dito a aliados mais próximos – inclusive o titular do blog Marco Aurélio D’Eça – que não pretende por o seu nome no debate eleitoral pela prefeitura, em 2020.

Mesmo assim, ela aparece como opção de unidade na base governista e única capaz de garantir um segundo turno contra o deputado federal Eduardo Braide (PMN).

Esta informação foi, inclusive, fruto de post deste blog no fim de semana, analisando pesquisa de bastidores em poder do Palácio dos Leões. (Releia aqui)

Nesta segunda-feira, 18, Eliziane Gama ganhou ainda mais importância no contexto de 2022, ao aparecer como principal candidata em uma pesquisa divulgada pelo blog do Gilberto Léda.

É certo que o levantamento do Inop abrangeu setores específicos do estado, como o municípios à base da BR-135 – que recebem influência direta do deputado federal Josimar de Maranhãozinho (PCdoB) – mas significativo o fato de Eliziane superar o senador Weverton Rocha (PDT) e o vice-governador Carlos Brandão (PRB).

Weverton está em campanha aberta pelo Governo do Estado desde que se elegeu senador, em 2018. Desde então vem montando uma base de aliados e tentando influenciar diretamente no comando das principais instâncias de poder no Maranhão, como forma de se consolidar como candidato.

Mesmo assim, está 20 pontos atrás de Eliziane.

O vice-governador Carlos Brandão é mais discreto, atua de forma mais comedida, mas tem o trunfo de assumir o governo até abril de 2022, quando poderá ser candidato no cargo. Ele apareceu com 4,23% na pesquisa divulgada por Gilberto Léda.

A PESQUISA DO INOP REVELADA POR GILBERTO LÉDA; números que surpreendem quem está em campanha aberta desde o fim de 2018

Neste contexto, Eliziane Gama passa a ser uma opção do próprio governo para a pacificação da base, que vive a iminência de um racha já nas eleições de 2020, quando os grupos governistas se engalfinharão pela sucessão do prefeito Edivaldo Júnior.

E o fato de Weverton Rocha estar pessoalmente empenhado nas eleições de São Luís – e Eliziane Gama não – também é significativo da força popular que cada um representa no estado.

Questionada pelo blog Marco Aurélio D’Eça sobre a presença do seu nome nos jogos eleitorais de 2020 e 2022, a senadora foi lacônica, mas sugestiva:

– Estava me recuperando dessa campanha dura [pelo Senado]. Mas vamos recomeçar – sinalizou.

E este “recomeçar” pode dizer muita coisa do ponto de vista político.

1

Governo fechou cerca de 15 hospitais de 20 leitos no Maranhão..

Unidades de saúde construídas no governo Roseana Sarney foram abandonadas no governo Flávio Dino e acabaram fechados pelas prefeituras; Investigação do Ministério Público nunca teve o resultado apresentado

 

O HOSPITAL DE DAVINÓPOLIS É UM DOS QUE SEGUIAM FECHADOS ATÉ 2017, QUANDO O MINISTÉRIO PÚBLICO ABRIU INVESTIGAÇÃO, cuja conclusão nunca foi apresentada

Pelo menos 15 dos hospitais de 20 leitos construídos no governo Roseana Sarney (MDB) estão totalmente fechados, sem nenhum serviço adotado pelo governo Flávio Dino (PCdoB).

Outros seguem sucateados, por falta de estrutura apropriadas no município.

Os hospitais de 20 leitos foram construídos pelo então secretário de Saúde, Ricardo Murad, que garantiu o funcionamento por meio de repasse de R$ 100 mil mensais às prefeituras onde estavam instalados, o que garantiu atendimento de excelência.

Quando assumiu, Flávio Dino decidiu reduzir o repasse para R$ 70 mil; muitas prefeituras não tiveram condições de arcar coma s despesas e abandonaram os hospitais, que acabaram fechando.

Em 2017, o Ministério Público chegou a abrir inquérito para investigar o fechamento dos hospitais, mas até hoje não apresentou nenhuma conclusão.

A BANCADA FEDERAL É A ESPERANÇA DA FAMEM PARA RESOLVER O PROBLEMA dos hospitais de 20 leitos fechados no Maranhão

Agora, para tentar recuperar os hospitais, o presidente da Federação dos Municípios (Famem), Erlânio Xavier (PDT), apelou para a bancada federal. Ele quer que o deputados e senadores destinem emendas específicas para o funcionamento desses hospitais.

O salvamento dos hospitais no Maranhão, portanto, está sob a responsabilidade da bancada.

É aguardar e conferir…

0

César Pires volta a criticar redução no repasse de recursos ao Aldenora Bello

O deputado César Pires rebateu nesta quarta-feira (09) o argumento usado pelo governo estadual e seus aliados de que haveria algum impedimento burocrático para repassar recursos do Fundo Estadual de Combate ao Câncer para o Hospital Aldenora Bello. Para o parlamentar, não há nenhuma justificativa aceitável para que o repasse de recursos estaduais ao hospital tenha caído de R$ 2.989.000,00, em 2018, para apenas R$ 183 mil este ano.

“A Secretaria de Estado da Saúde alega, agora, que não pode fazer os repasses necessários ao Hospital Aldenora Bello porque o Conselho do Fundo Estadual de Combate ao Câncer não autoriza. Mas ano passado, com as mesmas legalidades do mesmo fundo, com a mesma consultoria, foram repassados R$ 2,9 milhões dos R$ 7 milhões previstos. Então porque o mesmo Conselho não proibiu ano passado”, questionou César Pires.

Ele ressaltou, ainda, que o parágrafo único do artigo 51 da lei que criou o Fundo Estadual de Combate ao Câncer estabelece que o Conselho a que se refere a Secretaria de Saúde é de caráter apenas consultivo, não deliberativo. “O fundo criado por iniciativa do então deputado estadual Eduardo Braide deveria atender não somente o Hospital Aldenora Bello, mas todas as unidades que assistem os pacientes oncológicos no Maranhão. Mas esses recursos não estão chegando onde deveriam”, acrescentou.

César Pires conclui dizendo que não adianta tentar justificar o injustificável, nem culpar o Fundo Estadual de Combate ao Câncer. “O governo fracassa em todos os níveis do sistema de saúde, e falta aos gestores a devida atenção ao Aldenora Bello. Só quem já teve pessoas queridas ali internadas sabe a importância daquele hospital. E não posso aceitar que queiram agora responsabilizar o fundo por esse grave problema. O governo quer tirar dos ombros uma responsabilidade que é dele, colocando em primeiro lugar projetos políticos pessoais, desprezando o sofrimento das pessoas e, consequentemente, um projeto humanitário. Essa é verdade”, finalizou.

0

O indispensável papel da oposição na Assembleia…

Mesmo em número reduzido, deputados que não compõem a base governista têm conseguido evidenciar situações que forçam o governo Flávio Dino a mudar rumos e a corrigir equívocos de sua equipe e dele próprio

 

CÉSAR PIRES E ADRIANO SARNEY EM UMA DAS AÇÕES NA ASSEMBLEIA LEGISLATIVA; ao lado de Wellington do Curso fazem a pequena, mas aguerrida oposição

A oposição tem cumprido um papel fundamental na Assembleia Legislativa do Maranhão.

Embora em número bastante reduzido – somente os deputados César Pires (PV), Adriano Sarney (PV) e Wellington do Curso (PSDB) – os parlamentares que não fazem parte da base governista têm conseguido fiscalizar e até forçar o Executivo a corrigir questões prejudiciais à população.

Na semana passada, César Pires usou a tribuna para criticar a decisão da Secretaria de Administração Penitenciária (Sejap) de oferecer curso de artes marciais para presidiários.

– Como aceitar que detentos sejam treinados para defesa pessoal, se por outro lado os agentes penitenciários há muito tempo não recebem esse tipo de capacitação? É muito difícil compreender que seja positivo capacitar encarcerados para o embate pessoal, dando a eles instrumentos para cometer crimes dentro e fora do sistema prisional – declarou o deputado.

Diante da repercussão negativa, a Sejap anunciou o cancelamento do curso de artes marciais.

Desmonte da Saúde

Da mesma forma, por sucessivas vezes César Pires tem usado a tribuna da Assembleia para relatar o desmonte da rede estadual de saúde, mostrando a suspensão de serviços, a falta de insumos, a demissão de pessoal em UPAs e hospitais em todo o Maranhão, de São Luís a Pinheiro, Presidente Dutra, Matões, Chapadinha, Codó, Coroatá e tantos outros municípios.

Mais recentemente, o alvo das denúncias da oposição foram o Centro de Hemodiálise de São Luís e o Hospital de Traumatologia e Ortopedia (HTO).

No primeiro caso, o governo inaugurou o serviço anunciando o funcionamento de 40 máquinas, mas César Pires mostrou, em vídeo, que só 14 estavam funcionando. No caso do HTO, foi revelada também a redução, em cerca de 25%, no número de atendimentos aos pacientes ortopédicos.

– Cumprimos nossa obrigação de fiscalizar os atos do Executivo e cobrar soluções que atendem os interesses da população. Não podemos aceitar sem questionar medidas que só interessam ao governo – concluiu César Pires.