1

Vereador contesta proibição de artistas em bares…

Raimundo Penha argumenta que, se o estabelecimento já está com a capacidade máxima definida no próprio decreto de abertura, a presença de música ao vivo não fará nenhuma diferença para efeito de aglomeração

 

Os bares reabriram, mas sem a presença de artistas nos palcos, que ficam vazios desde o último sábado, 27

O vereador Raimundo Penha (PDT) contestou nesta terça-feira, 30, a regra do Governo do Estado que proibiu a realização de música ao vivo nos bares e restaurantes de São Luís.

Estes estabelecimentos ganharam permissão para voltar a funcionar a partir do último sábado, 27, mas com a proibição de shows e a apresentações artísticas.

– Queria entender o sentido de não ter música ao vivo em bares. Se estes já tem uma capacidade definida, ao m,eu ver, a presença dos artistas não vai alterar em nada – ponderou o parlamentar de São Luís.

O vereador Raimundo Penha contestou em suas redes sociais a proibição dos shows aos vivo nos bares

Na avaliação de Penha, ao contrário de prejudicar, a presença de artistas é uma forma de ajudar no reforço às normas de prevenção e proteção nos próprios estabelecimentos.

O vereador anunciou que vai apresentar requerimento à Prefeitura de São Luís pedindo a liberação imediata dos shows ao vivo nos bares e restaurantes.

1

‘Muita enganação’, afirma César Pires sobre rede para atender Covid-19

O deputado César Pires questionou nesta terça-feira (30) os dados informados pelo governo Flávio Dino sobre a oferta de leitos hospitalares exclusivos para o tratamento de pacientes acometidos pela Covid-19 em São Luís. Segundo ele, cerca 55 respiradores foram instalados na rede estadual da capital maranhense até agora. “O governo, mais uma vez, mente ao repassar informações ao povo maranhense”, afirmou ele.

Ressaltando não ser contra a aquisição de respiradores e ampliação do número de leitos, César Pires afirmou que o inaceitável é o governo mentir para a população informando ter instalado uma rede que não existe. “Recebi informações de fontes confiáveis, que diariamente têm que lidar com a pouca disponibilidade de equipamentos tão necessários para salvar a vida das vítimas do coronavírus”, enfatizou ele.

Em pronunciamento na tribuna da Assembleia Legislativa, César Pires informou, por exemplo, que o Hospital Real, contratado pelo governo estadual em São Luís, ofertou 220 leitos para tratamento da Covid-19, ocupando no máximo 60% desses leitos, com 10 respiradores. No Hospital São José, também privado, eram 55 leitos com apenas três respiradores. No HCI, foram disponibilizados 60 leitos e 25 respiradores para atender os pacientes com coronavírus, e o hospital de campanha instalado em São Luís conta com 10 respiradores.

Ao apresentar esses dados, César Pires quis mostrar à população que o governo Flávio Dino divulgou o que de fato não entregou aos maranhenses. Para ele, a propaganda oficial foi muito maior que os investimentos feitos para o enfrentamento da pandemia no Maranhão, onde mais de 2 mil pessoas já morreram em decorrência da Covid-19.

“Estamos encaminhando ofício à Secretaria de Estado da Saúde, para informar se esses dados a nós repassados por fontes fidedignas estão corretos ou não, e também vamos solicitar à Comissão de Saúde da Assembleia Legislativa, para que também fiscalize essa situação acompanhada dos três deputados da oposição. O Legislativo tem que cumprir o seu papel de cobrar transparência e fiscalizar os atos do Executivo. Foi muita propaganda pelo pouco que foi feito para salvar vidas no Maranhão”, concluiu ele.

2

Covid-19: Rafael Leitoa diz que reconhecimento ao governo causa ânsia nervosa da oposição

O deputado estadual e líder do governo na Assembleia Legislativa, Rafael Leitoa (PDT), saiu, mais uma vez, em defesa dos avanços da saúde que o Maranhão teve nos últimos meses para conter a pandemia do novo coronavírus. Na sessão de hoje, ele enterrou as críticas vazias feitas por César Pires (PV) e Wellington do Curso (PSDB), e afirmou que elas se dão porque a população do Maranhão reconhece os investimentos realizados pelo governador Flávio Dino.

“Talvez o governador mais atuante no combate ao coronavírus. Então fico muito tranquilo de subir a esta tribuna e fazer essa defesa clara, transparente, de forma objetiva, porque o governo tem se esforçado diariamente, diuturnamente”, afirmou Rafael Leitoa, destacando a inauguração de mais 10 leitos de UTI em Timon e em Caxias, entregues neste final de semana.

“Hoje nós contamos com 20, em março, nós não tínhamos nenhum e, há décadas, esperávamos esse leito de UTI que chegou num bom momento não só para Timon, mas para todas regiões do estado. Se não tivéssemos a coragem e altivez do governador Flávio Dino, com certeza, nós estaríamos em momento pior”, reiterou, citando a inauguração de hospitais e leitos em todas as regiões do estado.

Respiradores

Mais uma vez os respiradores foram temas de debates na Assembleia Legislativo. E, novamente, Wellington do Curso e César Pires usaram discursos falaciosos para imputar culpa no governo do Estado em relação a compras frustradas do Consórcio Nordeste.

“A devolução que o Deputado César Pires e Deputado Wellington do Curso se referem todo mundo sabe aqui do estado que, infelizmente, o Consórcio Nordeste fez uma compra que foi frustrada por um fornecedor que não entregou os respiradores e que teve as contas bloqueadas pela Justiça”, explicou, informando que o caso está em investigação na Bahia.

Já sobre a segunda compra, Rafael Leitoa esclareceu que ela foi devolvida na mesma moeda.

“Foi pago em dólar e foi devolvida em dólar. Você não pode comprar em dólar e ser devolvido em uma moeda diferente. A mesma quantidade de dólares pagos pelo governo do Estado foi a quantidade de dólares devolvidos e ressarcidos aos cofres públicos”, respondeu.

Ao fim, de novo, a oposição não contestou os argumentos do líder do governo.

Da assessoria

0

Mais um início de semana com reaberturas…

Shoppings centers voltam a funcionar nesta segunda-feira, com restrições de lotação; Câmara Municipal também reabre forma gradual a atividades; e a Sedel inicia discussão para retomada do calendário esportivo no estado

 

O comércio da Rua Grande e outros centros começar já está praticamente todo de volta; e tende a reabrir gradualmente nos próximos dias

 

Esta segunda-feira, 15 marca mais uma etapa da reabertura gradual das atividades econômicas no Maranhão.

A partir de hoje, os shoppings centres voltam a funcionar, com restrição de horário e de lotação; e com regras rígidas de proteção e higienização – à exceção das praças de alimentação e cinemas, que continuarão fechados.

O governo Flavio Dino (PCdoB) já havia autorizado a reabertura de igrejas católicas e evangélicas, que voltaram a funcionar neste fim de semana – também com regras de lotação e higienização.

A partir de hoje, a Câmara Municipal também começa a funcionar com atividades presenciais, de forma gradual, até retomar todas as suas ações.

E a Secretaria de Esportes e Lazer (Sedel) já definiu agenda com federações e associações esportivas para retomada de treinos, campeonatos e eventos esportivos.

O Maranhão tem hoje quase 60 mil casos de coVID-19 e quase 1,5 mil óbitos.

1

Flávio Dino admite ser impossível controlar aglomerações

Durante a entrevista desta segunda-feira, 8, governador diz que a orientação é para que o cidadão evite circular pela cidade se não houver necessidade de sair de casa, mas reconheceu que a decisão é da própria pessoa

 

No Castelão teve até torneio de papagaio, com jovens e adultos sem máscaras durante toda a tarde

O governador Flávio Dino admitiu nesta segunda-feria, durante entrevista coletiva sobre a pandemia de coronavírus, que as autoridades azem o que podem para segurar o cidadão em casa.

Mas reconheceu ser impossível controlar as aglomerações.

Durante o fim de semana –  o primeiro após afrouxamento das medidas de restrição – houve aglomerações na avenida Litorânea, na Lagoa da Jânsen, além de festas, pagode e torneio de futebol e de pipas em várias regiões de São Luís.

O decreto que estabeleceu as restrições para siar de casa e a obrigatoriedade do uso de máscaras ainda está em vigor, mas o cidadão já não mostra mais interesse em seguir a quarentena,

E em a presença do poder público fiscalizando, é como se a vida tivesse voltado ao normal.

1

Maranhão se aproxima das mil mortes por coVID-19

No mesmo período em que o governo libera setores do comércio e municípios abrem ainda mais atividades – de restaurantes a igrejas, de academias a shoppings centers – estado está a pouco mais de 100 registros de chegar ao patamar simbólico e triste dos mais afetados pelo coronavírus

 

Quase mil famílias choram a morte de seus entes no Maranhão, enquanto as autoridades começam a afrouxar as regras para que tudo volte ao normal (imagem meramente ilustrativa)

Com 34 novos óbitos registrados nesta quarta-feira, 27, o Maranhão se aproxima da triste marca dos estados que já registraram mil mortes por coVID-19.

Agora já são 887, faltando 113 para atingir a desagradável marca.

Mas a triste meta se dá no momento em que tanto o Governo do Estado quanto as prefeituras começam a afrouxar as regras do isolamento social.

O governo já liberou setores do comércio regido por ambientes familiares e caminha para afrouxar mais ainda, a partir deste domingo, 1º de junho.

No interior, onde a coVID-19 já se alastra rapidamente, a liberdade está ainda maior.

Desde abril, alguns municípios já haviam liberados comércios de roupas e calçados, pequenos restaurantes e lanchonetes.

Em Imperatriz, a partir desta quinta-feira, 28, já estão liberados restaurantes e até shoppings center’s. (Entenda aqui)

O Número de contaminados pela coVID-19 em todo o Maranhão está se aproximando dos 30 mil casos confirmados.

Mais precisamente 27.979…

0

Maranhão tem 198 municípios com registro de coVID-19…

Coronavírus se espalha pelo interior em meio ao debate sobre falta de leitos, situações difíceis em algumas cidades e perspectiva de abertura gradual das atividades comerciais, o que já começou a ser feito em Imperatriz

 

Em Bacabal, município com explosão de casos, covas estão sendo abertas para vítimas de coVID-19

O Maranhão atingiu o número de 198 municípios com registro de coVID-19.

O alastramento do coronavírus pelo interior – alertado há pelo menos duas semanas pelo blog Marco Aurélio D’Eça – se dá em meio a um intenso debate sobre a falta de leitos no interior, iniciado também aqui neste blog. (Relembre aqui, aqui e aqui)

Além do debate sobre leitos, o interior vive a expectativa da reabertura do comércio, uma vez que o próprio governador Flávio Dino (PCdoB) já admite esta possibilidade a partir da próxima semana.

Em alguns municípios, como Imperatriz e Santa Inês, as lojas de todos os tipo já estão em pleno funcionamento.

Mas os riscos de colapso no interior são reais.

Em Bacabal, por exemplo, a situação já ´de caos. Já foram registrados na cidade quase 600 casos de coVId-19; a preocupação é tana que a prefeitura mandou abrir covas individuais para mortos por suspeita da doença.

Em outros municípios, a população não dispõe, sequer, de leitos de UTI, o que pode sobrecarregar outras regionais.

Apenas 19 municípios maranhenses ainda não registraram casos de CoVID-19…

0

Edilázio Júnior cobra abertura de hospitais de campanha…

Governo do Estado anunciou a construção de unidades provisórias de saúde em São Luís e em Açailândia, que são citadas em todas as entrevistas do governador Flávio Dino – mas até agora não foram postas em funcionamento

Secretário Carlos Lula vistoriou obras do hospital de campanha de São Luís, que o site da SES anuncia conclusão para sexta-feira, 15

O deputado federal Edilázio Júnior (PSD) cobrou nesta segunda-feira, 11, a inauguração dos dois hospitais de campanha que o governador Flávio Dino (PCdoB) anuncia desde o início da pandemia de coronavírus.

– O que nós queremos, governador, são os hospitais de campanha. O hospital de Açailândia, que até hoje não abriu, e o hospital do Multicenter Sebrae, que o senhor já falou em tantas entrevistas – cobrou o parlamentar.

Edilázio cobrou em vídeo que Flávio Dino deixe de falar e faça mais, inaugurando os hospitais que precisam funcionar contra a coVID-19 

Desde o início da pandemia, o governador lembra em todas as entrevistas destes hospitais de campanha.

Na semana passada, a página do governo na internet divulgou matéria anunciando que as obras do hospital de Açailândia – feito em parceria com a inciativa privada – estavam na reta final, mas não disse quando será inaugurado. (Leia aqui)

A unidade terá 60 leitos exclusivos para coVID-19, sendo 7 de UTI.

O hospital de campanha de Açailândia está praticamente pronto, mas o governo não anunciou ainda data de inauguração da unidade

Já o hospital de São Luís, instalado no pavilhão de eventos do Multicenter Sebrae, terá 200 leitos e tem previsão de entrega para a próxima sexta-feira, 15. (Veja aqui)

Na avaliação de Edilázio Júnior, se o governador não tivesse desativado boa parte dos hospitais construídos na gestão da ex-governadora Roseana Sarney, teria leitos suficientes para atendimento á covid-19.

– Vamos diminuir o gogó, governador e vamos trabalhar no combate ao Covid. Valorize as equipes de saúde, é isso que nós queremos – finalizou.

2

Números da pandemia no Maranhão foram previstos em estudo

O blog Marco Aurélio D’Eça publicou em 5 de maio dados da Universidade Federal de Minas Gerais apontando 700 casos por dia a partir do início do lockdown na Grande São Luís; desde então, os números têm subido, superando o prognóstico dos especialistas

 

O Maranhão já superou a marca dos 800 casos de coVID-19 por dia; e os estudos apontam crescimento até chegar ao pico de 1,5 mil, em 5 de junho

O blog Marco Aurélio D’Eça publicou na terça-feira, 5, o post intitulado “Pesquisadores previram colapso de hospitais em São Luís”.

Tratava-se de um estudo da Universidade Federal de Minas Gerais, que apontava também o início do crescimento assustador do número de contaminados no Maranhão.

Naquele dia, quando se iniciava o lockdown judicial na Grande São Luís, a UFMG estimava que o total de contaminados chegaria a 700 por dia exatamente na terça-feira, 5.

Divulgados no final da noite, os números oficiais do Governo do Estado apontaram 498 novos casos naquele dia, 202 a menos que a previsão da UFMG.

Na quarta-feira, 6, caiu para 361,  mas superou a casa dos 500 na quinta, 7, chegando a 520 novos casos.

Na sexta-feira, 8 e no sábado, 9, viu-se o estouro dos números, em pleno lockdown: 856 e 854, respectivamente. 

Os números do domingo, 10, chegaram a 545.

A média desses seis dias é de 605,6 casos/dia.

O mais assustador, porém , é o que o estudo da UFMG prevê para as próximas semanas: o pico do Maranhão se dará em 5 de junho, com 1,5 mil casos por dia. 

Para contrariar esta estimativa, há só uma saída:

Fique em casa!!!

1

Governo Federal dá exemplo a Flávio Dino, diz Edilázio

O deputado federal Edilázio Júnior (PSD) elogiou a iniciativa do Governo Federal que, por meio do Ministério da Mulher, da Família e dos Direitos Humanos (MMFDH) e o Conselho Nacional de Direitos da Pessoa Idosa (CNDI) decidiu aplicar recursos do Fundo Nacional da Pessoa Idosa para auxiliar as Instituições de Longa Permanência de Idosos (ILPI) durante o período de combate ao Covid-19, o novo coronavírus.

Edilázio comparou a medida da União com a adotada pelo governador Flávio Dino (PCdoB), que decidiu realocar recursos do Fundo Estadual do Idoso – sem estratégia definida contra o coronavírus -, o que resultou numa ação civil pública do Ministério Público contra o Governo do Maranhão.

“O Governo Federal dá exemplo, ao utilizar os recursos para ajudar os abrigos durante o período da pandemia do coronavírus. No Maranhão o governador Flávio Dino, em caminho inverso, decidiu retirar recursos do Fundo do Idoso e foi alvo de uma ação do MP que tramita na Justiça. Que Flávio Dino observe o exemplo do Governo Federal ao invés de passar o dia no twitter e retirando recursos dos idosos”, disse. 

Edilázio lembrou que a ação do MP cobra de Flávio Dino a realocação dos R$ 50 milhões da propaganda institucional para a prevenção e o combate ao vírus no Maranhão. Dino, por outro lado, ainda não se manifestou sobre o tema.

Auxílio

A medida adotada pelo Governo Federal de aplicar os recursos do fundo nacional tem o objetivo de auxiliar os abrigos com as dificuldades de abastecimento durante a pandemia do novo coronavírus. A Secretaria Nacional dos Direitos da Pessoa Idosa (SNDPI) já iniciou o cadastramento das ILPIs para a triagem das necessidades e definições dos repasses em caráter emergencial.