1

Bolsonaro aprova, mas desfigura lei de Pedro Lucas sobre máscaras

Presidente sancionou a matéria aprovada na Câmara, mas tirou a obrigatoriedade do uso nos estabelecimentos comercias, industriais e de ensino; para tentar garantir a viabilidade da proposta, o deputado maranhense já articula com os colegas a derrubada dos vetos

 

Pedro Lucas já está conversando com os deputados sobre os vetos de Bolsonaro em seu projeto de uso de máscaras

O presidente Jair Bolsonaro sancionou a lei do deputado federal Pedro Lucas Fernandes (PTB), sobre a obrigatoriedade do uso de máscaras em locais públicos e nos meios de transportes em todo o Brasil.

Na decisão, o presidente, porém, desfigurou o projeto, ao vetar algumas obrigatoriedades.

Bolsonaro decidiu, por exemplo, não ser mais obrigatório que o cidadão use máscara em ambientes comerciais, industriais e de ensino, além dos templos religiosos. 

Para garantir a viabilidade de sua matéria, Pedro Lucas já se articula com os colegas parlamentares para que os vetos sejam derrubados pela Câmara Federal.

A proposta deve voltar à Casa na próxima semana…

0

Imperatriz: Samu atendeu quase 800 casos de coVID-19 em junho

Foram 788 atendimentos relacionados à pandemia de coronavírus, dos quais 279 se deu exclusivamente na cidade; municípios é composto por 14 bases descentralizada, alcançando outros 13 municípios

 

O Samu Regional Imperatriz realizou em junho 788 atendimentos relacionados ao novo coronavirus, dos quais 279 foram exclusivamente na cidade de Imperatriz. Os dados foram divulgados nesta quinta-feira, 2, e fazem parte do relatório de trabalho do órgão ligado à Secretaria Municipal de Saúde, Semus.

O documento detalha que os 788 casos foram na Regional sediada em Imperatriz que é composta por 14 bases descentralizadas distribuídas pelos municípios de: Açailândia, Alto Parnaíba, Amarante, Balsas, Barra do Corda, Buriticupu, Cidelândia, Grajaú, Itinga, Sítio Novo, São Pedro da Água Branca, São Raimundo das Mangabeiras e Vila Nova dos Martírios.

Os dados mostram, ainda, que a média diária de atendimentos em toda a regional chegou a 26 casos.

A coordenadora o Samu, Kelma Costa, ressalta que “os casos em Imperatriz, que já chegaram a 52% dos atendimentos por coronavírus de toda a regional, hoje encontram-se na casa dos 35%, a média que no pico chegou a 14 atendimentos diários, na última semana a média foi de 6 atendimentos no plantão de 24h na nossa cidade, corroborando com a diminuição dos atendimentos”.

As bases descentralizadas do SAMU em outros municípios vêm registrando aumento o número de atendimentos de casos Covid-19.

Horário

Sobre o horário de atendimento das ocorrências o documento informa que 38% foram no período da manhã e 39% das transferências à tarde. Dos atendimentos em Imperatriz, 60% foram ocorrências e 40% foram transferências inter-hospitalares.
 

1

Auxílio de R$ 600 beneficiou mais de mil mortos no Maranhão

Dinheiro do Governo Federal que deveria ajudar as pessoas sem renda suficiente durante a pandemia de coronavírus beneficiou já falecidos e até funcionários públicos de todos os níveis no estado

 

Nada menos que 1,3 mil mortos receberam o auxílio emergencial do Governo Federal no Maranhão.

O dinheiro, que vem sendo pago desde abril, foi uma forma de garantir aos que não têm renda suficiente um recurso a mais durante o período em que as atividades estiveram paralisadas no Brasil.

Mas o auxiliou acabou abastecendo até mesmo contas bancárias de servidores públicos federais, estaduais e municipais.

As irregularidades constam de auditoria preliminar encaminhado aos ministros do Tribunal de Contas da União (TCU).

E ainda podem aumentar, diante do cruzamento com outras fontes de dados…

1

Vereador contesta proibição de artistas em bares…

Raimundo Penha argumenta que, se o estabelecimento já está com a capacidade máxima definida no próprio decreto de abertura, a presença de música ao vivo não fará nenhuma diferença para efeito de aglomeração

 

Os bares reabriram, mas sem a presença de artistas nos palcos, que ficam vazios desde o último sábado, 27

O vereador Raimundo Penha (PDT) contestou nesta terça-feira, 30, a regra do Governo do Estado que proibiu a realização de música ao vivo nos bares e restaurantes de São Luís.

Estes estabelecimentos ganharam permissão para voltar a funcionar a partir do último sábado, 27, mas com a proibição de shows e a apresentações artísticas.

– Queria entender o sentido de não ter música ao vivo em bares. Se estes já tem uma capacidade definida, ao m,eu ver, a presença dos artistas não vai alterar em nada – ponderou o parlamentar de São Luís.

O vereador Raimundo Penha contestou em suas redes sociais a proibição dos shows aos vivo nos bares

Na avaliação de Penha, ao contrário de prejudicar, a presença de artistas é uma forma de ajudar no reforço às normas de prevenção e proteção nos próprios estabelecimentos.

O vereador anunciou que vai apresentar requerimento à Prefeitura de São Luís pedindo a liberação imediata dos shows ao vivo nos bares e restaurantes.

1

‘Muita enganação’, afirma César Pires sobre rede para atender Covid-19

O deputado César Pires questionou nesta terça-feira (30) os dados informados pelo governo Flávio Dino sobre a oferta de leitos hospitalares exclusivos para o tratamento de pacientes acometidos pela Covid-19 em São Luís. Segundo ele, cerca 55 respiradores foram instalados na rede estadual da capital maranhense até agora. “O governo, mais uma vez, mente ao repassar informações ao povo maranhense”, afirmou ele.

Ressaltando não ser contra a aquisição de respiradores e ampliação do número de leitos, César Pires afirmou que o inaceitável é o governo mentir para a população informando ter instalado uma rede que não existe. “Recebi informações de fontes confiáveis, que diariamente têm que lidar com a pouca disponibilidade de equipamentos tão necessários para salvar a vida das vítimas do coronavírus”, enfatizou ele.

Em pronunciamento na tribuna da Assembleia Legislativa, César Pires informou, por exemplo, que o Hospital Real, contratado pelo governo estadual em São Luís, ofertou 220 leitos para tratamento da Covid-19, ocupando no máximo 60% desses leitos, com 10 respiradores. No Hospital São José, também privado, eram 55 leitos com apenas três respiradores. No HCI, foram disponibilizados 60 leitos e 25 respiradores para atender os pacientes com coronavírus, e o hospital de campanha instalado em São Luís conta com 10 respiradores.

Ao apresentar esses dados, César Pires quis mostrar à população que o governo Flávio Dino divulgou o que de fato não entregou aos maranhenses. Para ele, a propaganda oficial foi muito maior que os investimentos feitos para o enfrentamento da pandemia no Maranhão, onde mais de 2 mil pessoas já morreram em decorrência da Covid-19.

“Estamos encaminhando ofício à Secretaria de Estado da Saúde, para informar se esses dados a nós repassados por fontes fidedignas estão corretos ou não, e também vamos solicitar à Comissão de Saúde da Assembleia Legislativa, para que também fiscalize essa situação acompanhada dos três deputados da oposição. O Legislativo tem que cumprir o seu papel de cobrar transparência e fiscalizar os atos do Executivo. Foi muita propaganda pelo pouco que foi feito para salvar vidas no Maranhão”, concluiu ele.

0

Apenas dois municípios seguem sem casos de coVID-19 no MA

De acordo com boletim oficial da Secretaria de Estado da Saúde, Lagoa do Mato e São Félix de Balsas não registraram nenhum caso da doença, que atinge 215 municípios e já ceifou a vida de 2012 maranhenses

 

O Maranhão registra casos de coVID-19 em 2015 dos 2017 municípios.

Apenas São Félix de Balsas e lagoa do Mato ainda não foram afetados pelo novo coronavírus, segundo boletim oficial da Secretaria de Estado da Saúde.

Agora já são 2012 mortes registradas em exatos três meses – entre os dias 29 de março, quando foi registrada a primeira vítima fatal, e 29 de junho, quando foi superada a casa dos 2 mil óbitos.

O Maranhão é o sétimo estado a ultrapassar o total de duas mil mortes; e se aproxima-se dos 80 mil casos…

0

Confirmadas mais de duas mil mortes por coVID-19, no MA

Boletim da Secretaria Estadual de Saúde registrou 30 novos óbitos, o que elevou para 2012 o total de vítimas fatais da doença, com registros diários em 2015 municípios

 

Como o blog Marco Aurélio D’Eça estimou na tarde desta segunda-feira, 29, o Maranhão atingiu a marca das duas mil mortes pela coVID-19.

A|gora já são 2012 as vítimas fatais da pandemia de coronavírus.

O estado é o sétimo a ultrapassar a triste marca em todo o país; também já haviam alcançado esse número os estados de São Paulo, Rio de Janeiro, Ceará, Pernambuco, Amazonas e Pará.

Foram necessários exatos 27 dias para o Maranhão dobrar de 1 mil para duas mil as vítimas da coVID-19. (Saiba mais aqui)

1

Maranhão registra mais mil mortes por coVID-19 em apenas 27 dias

Media de óbitos a cada 24 horas aumentou significativamente na comparação entre a primeira e milésima mortes; e deve superar ainda nesta segunda-feira a simbolicamente triste marca dos 2 mil na pandemia de coronavírus

 

O período entre as mil mortes no Maranhão diminuiu significativamente neste mês de junho, ampliando a média de óbitos a cada 24 horas

O Maranhão registrou a primeira morte por coVID-19 no dia 29 de março, oito dias depois do primeiro caso de contaminação por coronavírus no estado. (Leia aqui)

A partir daí, foram mais 63 dias até que a milésima morte fosse registrada, no dia 2 de junho.

Mas entre o milésio óbito e a marca de duas mil mortes foram preciso apenas 27 dias.

Neste domingo, 28, foram registrados 1.982 óbitos por coVID-19. Se a média diária se mantiver, a triste marca de 2 mil óbitos será superada nesta segunda-feira, 29. (Veja gráfico abaixo)

Boletim da Secretaria de Saúde aponta 1982 óbitos; são menos de 20 mortes para chegar a duas mil, o que deve ocorrer nesta segunda-feira, 29

Na comparação entre os dois períodos, o estado teve entre a primeira e a milésima mortes uma média de 15,87 óbitos por dia; já entre a morte de número mil e as duas mil essa média subiu para 37,03 a cada 24h.

São quase 20 mortes a mais a cada dia neste mês de junho, na comparação com o primeiro período a partir de 29 de março. 

Mesmo assim, o Maranhão vem afrouxando as regras de distanciamento social e liberando o funcionamento de praticamente todo o setor produtivo.

1

“Cada um decide o risco que quer correr”, diz Flávio Dino sobre aglomerações

Governador diz que disponibilizou o sistema de segurança e de controle para fazer rondas em todo o estado, mas ressalta que é preciso que cada um cuide de si. “Não sou tutor de cada um; não me cabe isso”, declara; o problema é que cabe ao autor das normas zelar pelo cumprimento delas

 

Flávio Dino praticamente lava as mãos em relação às regras de funcionamento impostas pelo seu próprio governo para bares e restaurantes

Editorial

O governador Flávio Dino (PCdoB) declarou em entrevista coletiva nesta sexta-feira, 26, que a fiscalização sobre aglomerações e descumprimento de medidas sanitárias em bares e restaurantes caberá às próprias casas e aos clientes.

Dino afirmou que já reuniu com Corpo de Bombeiros e profissionais de vigilância sanitária, já direcionados para as rondas; mas não tem como fiscalizar 7 milhões de maranhenses.

– Nós temos um sistema de fiscalização que já funciona. Eu não sou tutor de cada um. Não me cabe isso. É preciso que cada um cuide de si. É impossível fiscalizar 7 milhões de pessoas – afirmou Dino.

Para ele, valerá o bom senso de cada um em seu objetivo de combater a coVID-19.

– Cada um decide o nível de risco que está disposto a correr. Infelizmente o coronavírus ainda está tirando vidas. Cada pessoa deve saber a que nível de segurança quer submeter-se. Nosso papel são normas – completou.

Há um problema na fala do governador.

A tendência é que, principalmente os bares, levem à aglomeração em suas dependências e fora dela, sobretudo pelo alto consumo de bebidas alcoólicas

De fato, não cabe ao governo fiscalizar a vida pessoal de cada um dos 7 milhões de habitantes no Maranhão; mas a fiscalização de logradouros e estabelecimentos sujeitos às regras das portarias e decretos do governo cabe somente ao próprio governo.

É do governo – e não do povo – a responsabilidade de fiscalizar se bares e restaurantes cumpriram as regras de distanciamento das mesas, disponibilizaram formas de higienização e cumpriram o horário de funcionamento.

Se as normas foram estabelecidas pelo governo, cabe ao governo zelar pelo seu cumprimento. 

É responsabilidade do governo, e não do cidadão, coibir aglomerações em vias e logradouros públicos.

Se Flávio Dino deseja apelar para o bom senso do cidadão, não necessitaria estabelecer regras, normas, portarias e decretos para disciplinar o funcionamento das coisas.

Bastaria a ele liberar tudo e torcer para a consciência do cidadão.

Mas é o próprio governo quem vai ter de arcar com o atendimento em uma eventual segunda onda de contaminação pela coVID-19.

É simples assim…

0

Shoppings pressionam por abertura de praças de alimentação

Administradoras de centros de compras apresentaram argumentação ao Governo do Estado para funcionamento de lanchonetes e restaurantes que funcionam em suas dependências; Flávio Dino admite decisão ainda nesta sexta-feira, 26

 

Os shoppings se prepararam para reabrir suas praças, mas foram surpreendidos pelo veto da Vigilância Sanitária; e agora pressionam o governo pela abertura

As administradoras de shoppings centers de São Luís vêm pressionando o Governo do Estado pela reabertura de suas praças de alimentação ainda neste fim de semana.

Os centros de compras entendem que as praças geram aglomeração tanto quanto bares e restaurantes de rua, já liberados a funcionar.

Além disso, alegam que a rede de Supermercados Mateus já está anunciando a abertura dos restaurantes de seus supermercados, que funcionam nos mesmos moldes das praças de alimentação dos shoppings. 

O Grupo Mateus está anunciando a reabertura de suas praças de alimentação; se o Mateus pode, por que os shoppings não podem?, perguntam as gestores de centros de compra

O governo chegou a anunciar a liberação das praças de alimentação dos shoppings, mas voltou atrás após alerta da Agência de Vigilância Sanitária.

E a pressão continuou, sobretudo por que já estavam preparados para o funcionamento.

Em entrevista na manhã desta sexta-feira, 27, o governador Flávio Dino (PCdoB) admitiu que ainda há um debate pendente sobre o tema.

– Ao longo do dia de hoje teremos uma resposta; quem sabe, logo depois do almoço – revelou o governador.

Os secretários Carlos Lula (Saúde), Simplício Araújo (Indústria e Comércio) e Marcelo Tavares (Casa Civil) conversam desde o início da manhã com os representantes dos shoppings.  

É possível, portanto, que estas praças também possam funcionar a partir deste sábado, 27.

É aguardar e conferir…