0

Maranhão vive explosão de casos de CoVID-19 após festas de fim de ano…

Confraternizações, comemorações natalinas e reveillons em casas, bares e hotéis são anteriores ao crescimento do número de casos de contaminação por coronavirus nos primeiros dias de janeiro, o que leva a uma reflexão sobre os riscos de aglomerações neste início de 2022

 

Os hospitais voltaram a ficar lotados com pacientes vítimas de CoVID-19 após as festas de fim de ano

 

Uma forte onda de CoVID-19 espalhou-se pelo Brasil nestes primeiros 15 dias de janeiro.

Curiosamente, o aumento dos casos de infecção por coronavírus se deu exatamente após as festas de fim de ano, quando proliferaram confraternizações, comemorações natalinas e reveillons em hotéis, bares, restaurantes e residências.

No Maranhão não é diferente.

O próprio governador  Flávio Dino (PSB) contaminou-se com a CoVID-19 após realizar festa de reveillon no Palácio dos Leões; ele e boa parte dos auxiliares.

A explosão de casos de CoVID-19 leva a uma reflexão: até que ponto é valida a liberdade de aglomeração em ruas e ambientes públicos neste período de recrudescimento da doença?

E ainda há a dúvida com o surto de gripe, que leva as pessoas a ficar sem saber que tipo de doença a pegou.

Mesmo diante do aumento dos casos de CoVID-19, os bailes populares em São Luís continuam rolando soltos no pré-carnaval

O Ministério Público recomendou aos poderes públicos que proibissem qualquer tipo de evento – público ou privado – até o fim do carnaval.

Até agora, apenas algumas prefeituras e empresas decidiram suspender todo tipo de festa.

Em São Luís, apenas as festas oficiais foram suspensas, mas os bailes pré-carnavalescos continuam girando em toda a cidade.

o Governo do Estado e a Prefeitura de São Luís continuam em silêncio.

 

1

Aglomeração do Reveillon espalha Covid-19 entre auxiliares de Flávio Dino…

Pelo menos três secretários que participaram da festa de fim de ano com o governador  já foram diagnosticados com a doença, que atingiu o próprio Dino ainda no início desta semana

 

Reveillon do Covidão, no Palácio dos Leões, está fazendo estrago na equipe de Flávio Dino, também contaminado

Aumenta dia após dia o número de infectados pela CoVID-19 entre os auxiliares do governo  Flávio Dino.

Desde que o próprio Dino anunciou estar contaminado pela CoVId-19, outros três secretários também confirmaram infecção: Francisco Gonçalves (Cidadania), e os adjuntos do Governo, Cricielle Muniz, e da Agricultura, Maxuel Guerra.

O secretário de Governo Diego Galdino também testou positivo para a CoVID, mas alega que isso ocorreu antes da festa de reveillon no Palácio dos Leões.

Outros dois secretários  – Felipe Camarão (Educação) e Simplício Araújo (Indústria e Comércio) – testaram negativo.

A festa de fim fim de ano na ala residencial do Palácio reuniu centenas de representantes do governo, aliados políticos, familiares e assessores.

A maioria não fez ou não divulgou testes…

0

Reveillon da CoVID-19 no Palácio dos Leões é prova do risco de nova onda em SLZ

Pessoas que estiveram com o governador  Flávio Dino nos últimos dias começam a apresentar teste positivo para a doença, numa prova de que aglomerar neste momento é ampliar o risco de nova contaminação em massa pelo coronavirus

 

O reveillon do Palácio dos Leões foi um exemplo de aglomeração que levou à contaminação por CoVID-19 e o risco de no0va onda em São Luís

Pessoas que estiveram com o governador Flávio Dino (PSB) nos últimos dias começaram a apresentar diagnostico positivo para a CoVID-19, assim como o próprio Dino, diagnosticado na terça-feira, 4.

Nesta quarta-feira, 5, apresentaram teste positivo para a CoVID o senador Weverton Rocha (PDT) e o secretário de Direitos Humanos, Chico Gonçalves (PT).

Até agora, dos quatro que mantiveram contato com Dino antes do seu diagnóstico, metade confirmou contaminação; além de Weverton e Gonçalves, também divulgaram testes os secretários Simplício Araújo e Felipe Camarão, estes com reagente negativo.

Flávio Dino aglomerou auxiliares, secretários e aliados em pelo menos dois eventos no fim do ano: a inauguração da urbanização da Praia do Bomfim e a festa de reveillon do Palácio dos Leões.

A contaminação ativa de pessoas que participaram dessas aglomerações mostram o risco de uma nova onda da CoVID-19 com a proximidade das festas de carnaval e pré-carnaval.

Prudente, portanto, a decisão do prefeito Eduardo Braide (Podemos), de cancelar os eventos carnavalescos patrocinados pela Prefeitura de São Luís, mesmo com a grita de produtores culturais.

As festas de pré-carnaval no Centro Histórico de São Luís têm levado multidões para as ruas nos fins de semana, a maior parte sem máscaras de proteção contra a CoVID-19.

O exemplo de Flávio Dino deve servir de alerta para toda a população…

1

Flávio Dino mantém omissão sobre festas de reveillon privadas e prejudica negócios

Secretário de Cultura cancelou agenda de eventos públicos durante a festa de fim de ano, mas o secretário de Saúde prega dia e noite que é preciso controlar o período pré-carnavalesco, enquanto Dino diz que só vai tratar do tema em meados de janeiro

 

Não vai ter reveillon, mas vai ter carnaval? Não vai ter nem reveillon, nem carnaval? Sem respotas claras do governo, a programação turística fica comprometida no Maranhão

Na semana passada, pelo menos duas festas grandes de reveillon em hotéis e clubes de São Luís publicaram nota para reafirmar a realização do evento.

As notas são reflexo da falta de alinhamento de discurso do governo Flávio Dino (PSB), que cancelou os eventos públicos na virada do ano, mas nada disse sobre os eventos privados.

O problema é que, enquanto o secretário de Cultura Anderson Lindoso reafirma o cancelamento do reveillon do governo, o secretário de Saúde, Carlos Lula, prega em suas redes sociais que todos os eventos de reveillon e carnaval devem ser cancelados, por causa da variante ômicron, do coronavírus.

Sem um discurso uníssono, as dúvidas ficam na cabeça do cidadão e as vendas de pacotes para os hotéis tendem a cair, o que levou à publicação das notas.

Na última sexta-feira, 3, Flávio Dino voltou a dizer que só vai tratar do carnaval em janeiro, por que a gesta se dá apenas no início de março.

Sem essa garantia do que ocorrerá, promotores e foliões ficam perdidos.

E a tendência é o esvaziamento da festa…

0

Braide anuncia cancelamento de reveillon em São Luís…

Surgimento da nova variante do coronavírus levou o prefeito a decidir-se pela suspensão da festa, sob argumento de que o momento requer prudência; não há informações sobre como se darão os eventos privados de fim de ano

 

O prefeito de São Luís, Eduardo Braide (Podemos), anunciou nesta segunda-feira, 29, o cancelamento de todos os eventos relacionados ao reveillon que tenha envolvimento direto da prefeitura.

Segundo Braide, o momento de risco com o surgimento da nova variante do coronavírus requer prudência..

–  Temos enfrentado a pandemia com determinação. com isso, diante do surgimento da nova variante do coronavírus, tomei a decisão de não realizarmos o reveillon em São Luís – anunciou o prefeito, em suas redes sociais.

Bride não deixou claro, porém, como se darão os eventos privados na capital maranhense, se terão restrições ou seguirão dentro da decisão de cada cidadão.

O governo Flávio Dino (PSB) ainda não se manifestou sobre a festa de fim de ano com a chancela estatal…

3

Para entender o rebote de CoVID-19 no Maranhão…

A provável segunda onda de contaminação do coronavírus no estado gerou um debate político entre setores da mídia e o secretário Carlos Lula; mas basta calcular os dias de encubação do vírus para se ter ideia de quando esse crescimento se iniciou

 

As aglomerações de fim de ano repercutiram agora nos boletins da coVID-19

Desde esta segunda-feira, 25, com a admissão pelo secretário de Saúde Carlos Lula de uma iminente segunda onda de contaminação por CoVID-19 no Maranhão, abriu-se um daqueles debates políticos que tendem mais a confundir que a explicar.

Lula atribui o rebote do coronavírus às festas de fim de ano; já a mídia, entende que tudo começou mais atrás, com as aglomerações durante a campanha eleitoral.

Mas pela lógica científica – usada pela própria mídia quando convém – é o secretário quem tem razão.

Ora, se o período de incubação do vírus no organismo humano é de cerca de 14 dias, e as eleições acabaram em 29 de novembro, os efeitos da segunda onda deveriam ser sentidos ainda em dezembro, antes mesmo das festas de fim de ano.

O recrudescimento da doença agora, depois de meados de janeiro, é a confirmação clara de que o vírus voltou a se espalhar mesmo durante as festas de fim de ano.

É simples assim… 

1

“Dino fez um carnaval na eleição e quer impedir o reveillon”, provoca Edilázio

Deputado federal diz que o governador está sendo incoerente ao estimular o cancelamento das festas de fim de ano, uma vez que o próprio comunista promoveu aglomerações durante toda a campanha eleitoral

 

Edilázio cobrou coerência de Flávio Dino no que diz respeito ao reveillon no Maranhão

O deputado federal Edilázio Júnior (PSD) classificou de incoerência a postura do governador Flávio Dino em relação ao cancelamento das festas de fim de ano, depois de os partidos terem promovido “um carnaval de aglomerações” durante o processo eleitoral em São Luís e no interior do estado.

Edilázio lamentou o prejuízo acumulado a produtores culturais, músicos, artistas, vendedores ambulantes, fornecedores e pequenos empreendedores de um modo geral, por causa da proibição na realização das festas.

Para o deputado, o governador Flávio Dino – assim como fez na ocasião do lockdown, “quando se apoiou numa decisão da Justiça” -, agora “usa” a Vigilância Sanitária para impor restrições e se esconde para evitar desgastes à sua imagem. Edilázio também ponderou que o Ministério Público foi omisso nas eleições municipais 2020.

Ele lembrou que o próprio Dino participou da campanha do candidato do Palácio dos Leões em São Luís, além de secretários de Estado e os partidos, que promoveram aglomerações.

“O que causa estranheza é que durante o período eleitoral foi um Carnaval só. Inclusive com a participação de todos os secretários de Governo – que haviam sido convocados para a campanha -, em especial o secretário de Saúde, Carlos Lula, que dançou sem máscara num palco em ato político, em meio a aglomeração”, disse.

E completou: “Quer dizer que para o governador Flávio Dino, na política pode, mas para o turismo e para o entretenimento, não pode. Falta coerência na postura do comunista”.

 

Edilázio enfatizou que compreende que é necessário se manter vigilante em relação ao Covid, mas lembrou que o próprio governador do Maranhão, há 45 dias, chamou o cidadão, em seu perfil em rede social, para participar da campanha de Duarte Júnior nas ruas.

Na ocasião, ele publicou um vídeo com aglomeração de milhares de pessoas na Praça Deodoro sem qualquer constrangimento. “Hoje, ele entendeu que há uma pandemia. Na campanha política era o vale-tudo”, finalizou.

2

Acossado pela PF, Josimar de Maranhãozinho sai do foco

Com forte batalhão de deputados federais, estaduais, prefeitos, vice-prefeitos e vereadores, em São Luís e no interior, deputado federal pego na Operação Descalabro – que investigou desvio de emendas parlamentares – frustrou os que esperavam as milionárias festas de fim de ano que demonstravam a força política e econômica do seu grupo

 

Josimar com parte do seu grupo político: recolhimento após operação da Polícia Federal que flagrou desvio de emendas em São Luís

Acostumado a promover mega-eventos em São Luís e no interior do estado durante as festas e fim de ano, o deputado federal Josimar de Maranhãozinho (PL) está recolhido desde a operação da Polícia Federal que desbaratou esquema de desvio de recursos de emendas parlamentares no Maranhão.

Ele também orientou sua base e seus aliados a mergulhar neste fim de ano.

Controlador das ações  de três deputados federais – Marreca Filho (Patriotas), Júnior Lourenço (Avante) e Pastor Gyldenemir (PL) – Maranhãozinho tem poder também sobre o suplente Paulo Marinho júnior (PL), formando verdadeira sub-bancada na Câmara Federal.

Além disso, controla diretamente três deputados estaduais – Detinha, Leonardo Sá e Hélio Soares (todos do PL) – os vereadores de São luís Aldir Júnior (PL) e Daniel Oliveira (PL),; e centenas de prefeitos, vice-prefeitos e vereadores.

Este batalhão inteiro resultaria em festas de peso, tanto na capital quanto no interior, que mostraria força política de Josimar de Maranhãozinho; e daria cacife para suas pretensões de disputar o governo em 2022.

Mas veio a operação da Polícia Federal e agora a sua perspectiva é outra.

Por isso a decisão de fechar-se em copas…

5

Flávio Dino anuncia fogos, mas silencia diante de pressão do MP a festas

Governador chama a população para queima de fogos na virada do ano, mas nada diz sobre a cobrança de promotores que querem fiscalização do Executivo em eventos privados; queda de braço cria clima de tensão e leva a cancelamento de festas

 

As manifestações do Ministério Público contra a realização de reveillon traz de volta à baila o temido e ameaçador promotor Cláudio Guimarães

Faltando três dias para o reveillon, o clima é de tensão e expectativa nas casas de eventos, bares e restaurantes que já anunciaram a realização de festas na virada do ano, diante da pressão do Ministério Público por fiscalização do governo.

Embora se mantenha em silêncio diante da cobrança do MP – mas com a decisão da Vigilância Sanitária de fiscalizar as festas – o governo Flávio Dino (PCdoB) já foi às redes sociais para anunciar locais de queima de fogos promovida pelo Executivo, o que, obviamente, atrai aglomerações.

Ainda não há nenhuma decisão judicial ou decreto governamental sobre o reveillon, mas as manifestações públicas de promotores de Justiça têm gerado instabilidade na organização das festas, inclusive com queda na venda de entradas e pacotes de fim de ano.

E a ameaça dos órgãos de fiscalização têm levado ao cancelamento de várias destas festas…

0

Imperatriz: Público lota Beira Rio no Reveillon A Gente Faz…

A noite de atrações do Réveillon A Gente Faz 2020, organizada pela Prefeitura, por intermédio da Fundação Cultural de Imperatriz, FCI, foi aberta com a dupla sertaneja Bruno Sampaio e Josué, na concha acústica da Beira Rio. Dando continuidade ao grande show da virada, nos embalos dos clássicos de rock e MPB, a banda A Resistência agitou o público com nostalgia.

Já o cantor Wellington Tigrão fez a galera dançar bastante ao som de axé e forró. A terceira atração do evento fez o público sair do chão até a contagem regressiva para o ano novo, com a tradicional queima de fogos. Além de artistas locais, com ritmos diversificados para todas as idades, o paraibano Aldair Playboy foi a atração principal da noite, com hits do brega e funk ostentação. 

O presidente da Fundação Cultural José Carneiro Buzuca, destaca que além do fomento cultural, o evento também segue a proposta da gestão Assis Ramos da valorização dos artistas locais.

“Em nossa tradicional festa da virada, não poderíamos deixar de dar destaque aos nossos cantores, e a garantia de que fizemos a escolha certa foi ver o público imperatrizense cantando todas as letras com nossos artistas”.

A programação trouxe diversão e entretenimento saudável para todo o público presente. Para a vendedora Eucimar Santos, que levou sua família para apreciar o show e ver a queima de fogos, a organização está de parabéns. “É uma oportunidade muito boa estar na Beira Rio e poder assistir essas apresentações maravilhosas de graça. Trouxe meu pessoal de casa, estamos todos animados para começar o ano que se aproxima da melhor forma possível”, comentou.

A festa teve um preparo único em sua organização, contando com policiamento reforçado, estrutura de som e iluminação, além de banheiros químicos dispostos em pontos estratégicos da Beira Rio, o Réveillon A Gente Faz foi pensando especialmente para receber as famílias de Imperatriz e região.

“E a prova de que a nossa tradicional festa de réveillon é para todos, é vermos em todos os lados pessoas de todas as idades, com suas famílias e amigos, todos comemorando a chegada do novo ano com muita animação e harmonia”, destacou Buzuca.

Além do incentivo cultural, com a divulgação e valorização dos artistas imperatrizenses realizando a animação do público que lotou a Beira Rio para recepcionar 2020, durante grande parte das comemorações, os comerciantes locais também foram beneficiados com esse grandioso evento.

“É inegável o potencial econômico dessa iniciativa, tanto para os vendedores que estão aqui com suas barracas de comidas e bebidas, quanto para a cidade como um todo, pois sabemos que muitas pessoas vem de localidades vizinhas para prestigiar nosso show da virada”, conclui Buzuca.