7

Air Supply: Marafolia, quem diria, traz um show de qualidade a SL…

Air Supply, em apresentação no Brasil

Expert em produções caça-níqueis de baixo custo, o grupo Marafolia acertou desta vez, ao trazer para São Luís a dupla australiana Air Suply, um dos ícones do pop internacional.

Ao contrário das produções de baixo custo e baixa qualidade, como os pseudo-forro o sertanojo universitário e o pagode barato, produções como esta atraem exatamente o público na faixa entre 30 e 40 anos, boa parte já consolidada financeiramente e pronta para consumir produtos de qualidade.

O show do Air Suply está previsto para o estacionamento do Rio Anil Shopping, no dia 24 de março.

Formada pelo britânico Graham Russell e pelo australiano Russel Hitchcock, o Air Suply especializou em baladas pop que embalaram os jovens dos anos 80 e 90.

Graham Russell e Russell Hitchcock

Sucessos como Making love Out of Nothing at all, Without you, All Out Of Love e Lonely is The Night são clássicos a várias gerações.

Antes de São Luís, o Air Supply faz show em São Paulo, no próximo dia 14, com lotação já esgotada no HSBC Hall.

Sem dúvida uma sacada de mestre dos produtores do Marafolia para São Luís, que já perdeu ícones como Cyndi Lauper e A-HA, que estiveram no brasil em 2011, mas não vieram para cá.

A propósito, o vocalista do A-Ha, Morten Harket, estará novamente no Brasil em setembro, para apresentações solo em São Paulo, Belo Horizonte e Recife.

Exatamente na época do aniversário de 400 anos de São Luís.

Seria imperdível…

18

Esquema Marafolia tira “Bandida” do Carnaval de São Luís…

 

Bandida em São Luís: festa popular

O esquema Marafolia, que opera o circuito alternativo do carnaval na Grande São Luís – praias e cidades de Paço do Lumiar, Raposa e São José de Ribamar – conseguiu tirar a banda Bandida do carnaval na capital maranhense.

Tradicional bloco da cidade, a  Bandida deveria fazer o circuito Litorânea, mas foi informada que não estaria na programação “por não se adequar ao estilo de carnaval proposto”, segundo explicaram alguns organizadores.

O “carnaval proposto” pelo Masrafolia é o mesmo que a empresa enfia ouvido a dentro dos maranhenses há anos: axé baiano e forró elétrico.

E com a conivência da Secretaria de Cultura, que se mantém ocupada apenas com as apresentações do Bicho Terra e Cia., belíssimo, mas já um tanto qanto onipresente no carnaval, no São João  e no que aparecer de festa durante o ano.

Os repetitivos shows do Marafolia: para "miolos-moles"

A empresa Marafolia detém o controle da organização do Carnaval também em várias cidades do interior. Oferece coisas do tipo Psirico, Jamil e Uma Noites e outras programações baratas do quinto escalão do carnaval baiano.

Vêm pra cá por que já não são mais atrações na Bahia. Mas aqui, os organizadores cobram alto pela participação dessas coisas.

A Bandida, que fez sucesso com seu pré-carnaval na Ponta D’Areia e na Choppana deverá participar de alguns eventos no interior.

Está prevista, inclusive, um encontro histórico, entre ela e o bloco “As Patifas”, de Pinheiro, o que ainda está sendo articulado.

E o folião de “pouco miolo” de São Luís vai continuar ouvindo as porcarias que o Marafolia empurra.

Carnaval após carnaval…

9

Dulce Brito segue agora em carreira solo na produção de eventos…

Dulce Brito busca novos rumos

A jornalista e empresária Dulce Brito deixou o Marafolia.

O show de ontem, do Chiclete com Banana, foi o último em que ela participou como sócia da empresa. A Jornalista pretende agora abraçar novos projetos no setor de eventos.

– Vou trabalhar agora com outros tipos de eventos, algo mais intimista. Quero promover congressos, palestras, feiras e alguns shows, mas nada no estilo com o qual estive envolvido nos últimos anos – revelou ela ao blog.

Dulce Brito é sócia da empresa Marafolia há mais de 10 anos. A empresa produziu praticamente todos os eventos de axé e pop/rock dos últimos anos. E continuará com a mesma fórmula, mas sem Dulce.

Aspecto do Marafolia, evento com a marca da jornalista

– Quero atuar em eventos com  outro conteúdo, influenciar na formação cultural – adiantou.

Também pesou na decisão, o fato de querer ter mais tempo livre, curtir a vida pessoal. “Quero poder estar com a família, com os netos”, disse. 

Jornalista, a empresária continuará com o trabalho no setor de eventos do Sistema Mirante, posto que ocupa há quase 30 anos. E manterá as relações com a empresa Marafolia, embora agora apenas como representante da mídia.

Ela ainda não definiu quando estreará a carreira solo…