5

Brandão se esbalda nos EUA e sua gente sofre com as enchentes no MA

Com o governador Flávio Dino de quarentena por causa da coVID-19, vice-governador deveria estar na linha de frente da assistência aos desabrigados, mas preferiu manter a tradição quatrocentona de viagem de fim do ano, “chova ou faça sol”

 

Enquanto o Maranhão sofre com as enchentes, Brandão curte a vida intensamente, como um típico quatrocentão maranhense, em férias nos Estados Unidos (Imagem: blog do Pedro Jorge)

Análise da notícia

O Maranhão vive o drama das enchentes causadas pelas intensas chuvas que assolam o interior, mas o comando do estado está acéfalo.

Enquanto o governador Flávio Dino (PSB) se recupera da coVID-19, o vice-governador Carlos Brandão (PSDB) – que deveria estar à frente das ações emergenciais – preferiu manter uma tradição típica dos quatrocentões maranhenses, de viagens de férias no fim do ano, chova ou faça sol.

Nos Estados Unidos enquanto sua gente sofre com as enchentes, inclusive em Colinas, seu próprio município, Brandão já anunciou que estará de volta apenas nesta sexta-feira, 7.

Quem fez o papel de liderança estadual nos últimos dais foi o senador Weverton Rocha (PDT), que acompanhou pessoalmente a assistência aos desabrigados, e a distribuição de roupas e alimentos em vários municípios da região tocantina.

Mas Weverton precisou encerrar sua passagem por Imperatriz, nesta quarta-feira, 5, após ter confirmado o diagnóstico de CoVID-19.

Ao lado do prefeito de Imperatriz, e sempre de máscaras, Weverton deu sua assistência aos atingidos pelas enchentes, mas encerrou sua ação por ter sido diagnosticado com CoVID-19

Com o governador fora de combate e o vice-governador se esbaldando nas férias – mesmo após críticas de agentes do próprio governo maranhense às férias do presidente Jair Bolsonaro – tem cabido aos prefeitos, secretários e parlamentares o trabalho de auxílio aos atingidos pelas enchentes.

Mas são essas pequenas diferenças que dão a certeza de que o Maranhão precisa dar um passo à frente.

E não voltar atrás na política…

5

Inseguro como candidato de Dino, Brandão contabiliza até partidos adversários

Rejeitado na reunião da base governista, vice-governador passou a usar uma frenética geração de fake news tentando criar uma situação de fato consumado em sua candidatura, o que só revela a inconsistência de seu projeto, prevista por adversários muito tempo antes

 

Carlos Brandão segue numa frenética geração de fatos na tentativa de se consolidar como candidato da base

Análise de conjuntura

O titular do blog Marco Aurélio D’Eça esteve em Barreirinhas no dia 7 de setembro, em conversa pessoal com o senador Weverton Rocha (PDT); na ocasião, travou-se um diálogo sobre a eleição de 2022 na qual, em linhas gerais, Rocha desenhou exatamente o cenário a partir da reunião de novembro, quando o governador Flávio Dino (PSB) iria anunciar o seu candidato.

À época, o senador – como todo o Maranhão – já sabia que Dino indicaria o nome do vice-governador Carlos Brandão (PSDB), até por motivos óbvios.

– A partir de então, passaremos a sofrer uma inclemente onda de notícias negativas, apontando nosso esvaziamento e até uma debandada geral da nossa campanha; isso tudo deve durar em torno de 30 a 45 dias, e precisamos suportar esta pressão e controlar a ansiedade, já que está tudo dentro do script – disse Weverton, exibindo um impressionante controle da situação e uma forte segurança em seu projeto.

Está acontecendo exatamente como desenhado pelo senador do PDT.

Conversa entre o titular do blog e o senador Weverton, ainda em setembro: fatos de hoje confirmam perspectivas de três meses atrás

Desde a reunião da última segunda-feira, 29 – quando Flávio Dino indicou o nome de Brandão, sem, no entanto, conseguir a adesão da base – o vice-governador passou a criar uma série de fatos tentando se consolidar como a opção definitiva ao governo.

E plantou até notícias absurdas sobre apoios e alianças.

De segunda-feira para cá, Brandão já anunciou apoio do Cidadania, desmentido pela senadora Eliziane Gama, e até do próprio PDT, de Weverton Rocha, pela simples presença do deputado pedetista Zito Rolim em um de seus eventos pós-anúncio de Dino.

A plantação das notícias em favor do vice-governador acabam revelando uma clara insegurança do seu projeto, sobretudo pela frustração de o governador não ter batido o martelo definitivamente.

E ainda levaram  um balde água fria com a pesquisa  Escutec divulgada ontem, na qual Weverton Rocha aparece com mais que o dobro dos votos do vice-governador, este ainda em briga pela terceira e quarta posições.

 2022 deve iniciar com Weverton Rocha e seus aliados em nova reunião de confraternização – mesmo em meio as fake news brandonistas sobre esvaziamento – ocasião em que deve apresentar novos encaminhamentos de alianças.

Exatamente como desenhado há três meses atrás… 

0

Aliados de Brandão tentam cooptar lideranças ligadas a Weverton…

Emissários do Palácio dos Leões oferecem de vagas na chapa encabeçada pelo vice-governador a cargos na estrutura do futuro governo em troca do apoio à candidatura do tucano nas eleições de 2022; Eliziane Gama, Othelino Neto, André Fufuca, Pedro Lucas e Cléber Verde foram algumas das lideranças sondadas

 

Flávio Dino começou a fazer força em favor de Brandão para tentar encaixá-lo nos critérios que embasam a escolha do candidato do grupo

A pouco mais de 10 dias do anúncio do candidato do Palácio dos Leões às eleições de 2022, emissários do governador Flávio Dino iniciaram uma forte ofensiva na tentativa de cooptar lideranças em favor do vice-governador Carlos Brandão (PSDB).

O blog Marco Aurélio D’Eça apurou que foram sondados a senadora Eliziane Gama (Cidadania), o presidente da Assembleia Legislativa, Othelino Neto (PCdoB) e os deputados federais Pedro Lucas Fernandes (PSL), André Fufuca (PP) e Cléber Verde (PRB), todos aliados do senador  Weverton Rocha (PDT).

Para tentar cooptar essas lideranças, auxiliares de Dino – como o secretário de Comunicação Fábio Capelli – estão oferecendo desde vagas na chapa encabeçada por Brandão até cargos no primeiro escalão do futuro governo a ser iniciado em abril de 2022.

Vaga de vice de Carlos Brandão foi oferecida a Othelino Neto, um dos principais aliados do senador Weverton Rocha

De acordo com o blog de Neto Ferreira, por exemplo, a Othelino Neto foi oferecida a vaga de vice na chapa de Brandão.

Também foi sondado o irmão de Eliziane, pastor Eliel Gama, pré-candidato a deputado federal, a quem foi oferecido o Detran.

Flávio Dino disse que pretende anunciar seu candidato a governador em novembro, mas ressente-se da dificuldade de apoio ao vice-governador Carlos Brandão, que ainda não conseguiu ter nenhuma liderança ou partido em sua base, a não ser os controlados pelo próprio Dino – PSB e PCdoB.

A tentativa de cooptação visa dar um verniz de apoio ao vice, para justificar ao menos um dos critérios que ele precisa atender para ser escolhido candidato.

mas as barreiras e4ncvotnradas nesta cooptação tornam mais difícil a vida do pré-candidato tucano.

E pode forçar Dino a adiar a escolha…

1

Carlos Brandão assume apoio candidato presidencial do PSDB

Vice-governador tucano vai cerrar fileiras em favor do governador do Rio Grande do Sul, Eduardo Leite, tido como a potencial escolha do mercado e da mídia para encarnar a terceira via no embate com o presidente Jair Bolsonaro e com o ex-presidente Lula

 

Carlos Brandão está fechado com Eduardo Leite, que deve representar o mercado e a grande mídia no embate com o ex-presidente Lula nas eleições de 2022

O governador  Carlos Brandão (PSDB) assumiu definitivamente o seu apoio à candidatura presidencial ao colega de partido  Eduardo Leite, governador  do Rio Grande do Sul.

O blog Marco Aurélio D’Eça já havia apontado a preferência de Brandão pelo tucano gaúcho, na disputa interna do PSDB contra o governador de São Paulo, João Dória.

Apesar das tentativas de ter o PT em seu palanque no Maranhão, Brandão vai atuar diretamente na campanha de Leite, contra o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva.

O governador do Rio Grande do Sul é visto hoje como o principal nome para encarnar a terceira via na disputa entre o presidente Jair Bolsonaro e o presidente Lula.

Ele tem o apoio do mercado e da grande mídia; e defende bandeiras simpáticas ao atual momento político, o que o torna potencial adversário de um dos dois principais candidatos num eventual segundo turno.

Brandão esteve, inclusive, no Rio Grande do Sul, para firmar apoio a Eduardo leite, visita também revelada pelo blog Marco Aurélio D’Eça.

As prévias do PSDB para escolha do candidato a presidente serão realizadas neste mês de novembro…

0

Brandão desconversa sobre apoio a eventual outro candidato…

Vice-governador põe dúvidas sobre a escolha de outro nome da base por Flávio Dino, o que reforça a ideia de que o governador não pretende cumprir a carta-compromisso assinada por ele próprio

 

Brandão aposta suas fichas na decisão do governador Flávio Dino, mesmo sem atender aos critérios da carta-compromisso de julho

O vice-governador  Carlos Brandão (PSDB) desconversou nesta quinta-feira, 21, em entrevista ao jornal O EstadoMartanhão, sobre a possibilidade de apoiar um eventual outro candidato da base escolhido pelo governador Flávio Dino (PSB).

– Eu acho que esse é um assunto que, na realidade, a gente tem que deixar um pouquinho mais para a frente para a gente se manifestar. Vamos aguardar o governador fazer essa análise, fazer essa composição, fazer esse diálogo, para a gente ver – disse Brandão.

Embora tenha dito que, ao assinar a carta todos os pré-candidatos autorizaram Dino a decidir por si mesmo, o vice-governador fala em decisão coerente.

– Eu acho que todos nós vamos seguir essa carta. Já que a gente assinou, nós autorizamos. Eu credito que a decisão dele será coerente, eu prefiro aguardar essa decisão dele – afirmou.

Entre os critérios estabelecidos pelo governador, em comum acordo com os candidatos, estão a melhor posição em pesquisas e o maior poder de agregação entre os partidos da base.

Brandão não atende a nenhum destes critérios.

A entrevista do vice-governador a O Estado reforça a suspeita de que Flávio Dino pretende ignorar a carta assinada em julho na escolha do seu candidato.

O próprio governador já descumpriu os termos do documento ao estimular duas novas candidaturas-amigas, mesmo após a divulgação da carta.

Dino recebeu o ex-prefeito Edivaldo Júnior, pré-candidato do PSD, a quem pediu apoio à sua candidatura de senador; e viu seu secretário de Educação, Felipe Camarão, ser lançado por membros do PT empregados em seu governo.

Nos meios políticos, é dado como certo que o governador vai declarar apoio a Brandão, rasgando os termos da carta.

Mas a tendência é que ele adie para abril esta decisão.

Na tentativa de evitar o racha na base…

2

Carlos Brandão aposta no trunfo de assumir o governo em abril

Vice-governador entende que, após estar no comando do estado, a aglutinação de forças em torno de si será muito maior do que agora; e, segundo seus aliados, tem convicção de que terá o governador  Flávio Dino, PT, PSB e PCdoB em seu palanque

 

Em posição privilegiada no tabuleiro da sucessão, Brandão, por enquanto, só observa os movimentos, esperando o tempo passar

O vice-governador Carlos Brandão (PSDB) observa a intensa movimentação de pré-candidatos ao governo de uma posição privilegiada no tabuleiro da sucessão do governador Flávio Dino (PSB).

Nenhum outro pré-candidato tem o trunfo que o tucano tem: o fato de assumir o governo a partir de abril de 2022.

– Não se pode esquecer que Brandão se fortalece e ganha poder de fogo naturalmente quando sentar na cadeira de governador; e os leões do Palácio ainda são poderosos e ágeis – dizem aliados e adversários ouvidos pelo blog Marco Aurélio D’Eça.

Nem a liderança do senador Weverton Rocha (PDT) nas pesquisas de intenção de votos, nem o surgimento da pré-candidatura do secretário Felipe Camarão (PT) tiram o sono do vice-governador, segundo seus articuladores.

Brandão aposta que terá não apenas o governador Flávio Dino (PSB) em seu palanque, mas também o  PT e o PCdoB, coligação suficiente para embalar seu projeto governamental.

O objetivo inicial é chegar ao segundo turno; e a força do Palácio dos Leões, entende o vice-governador, é suficiente para garantir sua presença a disputa direta contra um dos adversários.

Com esta visão privilegiada do tabuleiro, Carlos Brandão segue demarcando seus espaços e administrando o tempo que falta para assumir de vez o governo.

E entende que, só a partir de então, o jogo começará a ser jogado…

2

Carlos Brandão deve mesmo apoiar Eduardo Leite no PSDB

Tucano, vice-governador do Maranhão tende a seguir a orientação do mercado, que quer o governador do Rio grande do Sul como candidato a presidente, representando a terceira via contra Jair Bolsonaro e Lula

 

Eduardo Leite cumprimenta Carlos Brandão, em recente encontro dos dois tucanos no Rio Grande do Sul

Apesar dos acenos de setores do PT maranhense alinhados ao governo Flávio Dino (PSB), o vice-governador  do Maranhão, Carlos Brandão,  já assumiu compromisso com o seu partido, o PSDB, e com o mercado, na disputa presidencial de 2022.

Brandão deve apoiar o governador do Rio Grande do Sul, Eduardo Leite,  na tentativa de construir uma terceira via na disputa presidencial contra Lula (PT) e Jair Bolsonaro (sem partido).

Em setembro, o vice-governador maranhense esteve com Leite, e acenou com a possibilidade de apoiá-lo nas prévias do PSDB contra o governador de São Paulo, João Dória Júnior.

Eduardo Leite é a opção do mercado para as eleições presidenciais.

A elite econômica brasileira busca uma alternativa ao ex-presidente Lula e ao atual presidente Jair Bolsonaro, que polarizam a disputa presidencial.

O nome de Eduardo Leite é considerado leve por que, além de ter uma gestão aprovada, do ponto de vista do desenvolvimento, acena também para movimentos sociais, com o LGBTQIA+, assim como mostrou o blog Marco Aurélio D’Eça no post “Sistema encontra em Eduardo Leite a terceira via de 2022…”.

Caso o governador gaúcho vingue como opção do PSDB, o vice-governador do Maranhão assegura um palanque competitivo, fugindo da polarização Lula X Bolsonaro.

Gostem ou não os petistas maranhenses…

5

A solução José Roberto Arruda no Maranhão…

Posição adotada em 2006 no Distrito Federal pelo então governador Joaquim Roriz para evitar racha na base e garantir dois palanques a ele na disputa entre o então senador do DEM e a vice-governadora Maria Abadia é defendida por aliados como saída para o governador Flávio Dino na disputa de 2022

 

Tanto Weverton quanto Brandão poderão ter Flávio Dino como candidato a senador, solução igual a adotada em 2006 no Distrito Federal

Ensaio

O blog Marco Aurélio D’Eça publicou, em 22 de junho o post “Demora de Flávio Dino diminui sua liderança e prejudica Brandão e Weverton…”.

O texto, tratava da difícil situação do governador na disputa entre o vice-governador Carlos Brandão (PSDB) e o senador  Weverton Rocha (PDT); e apontou a “solução José Roberto Arruda” como saída para evitar um racha.

A “solução José Roberto Arruda” é o nome dado à posição adotada pelo então governador do Distrito Federal, Joaquim Roriz (PMDB), em 2006, para tentar neutralizar os efeitos da disputa entre dois aliados: o então senador José  Roberto Arruda (PFL) e a vice-governadora Maria Abadia (PSDB).

Candidato ao Senado, Roriz decidiu declarar apoio à sua vice tucana; mas atendeu ao pedido de Arruda para ser candidato ao Senado também no palanque pefelista.

Resultado: o candidato do PFL elegeu-se com 50,38% dos votos. (Saiba mais aqui)

O post de junho do blog Marco Aurélio D’Eça foi baseado em conversas com aliados de Brandão, de Weverton e com membros do núcleo Duro do Palácio dos Leões. 

A ideia é que Dino, mesmo optando por um ou por outro como seu candidato oficial, garanta ao preterido a possibilidade de também apresentá-lo como candidato a senador em suas andanças pelo interior.

E que vença o melhor.

A “solução Roberto Arruda” é aceita naturalmente por aliados de Weverton, que, aliás, já declaram Dino como seu candidato a senador. (Entenda aqui, aqui e aqui)

Inseguros, os aliados de Brandão, por outro lado, preferem uma imposição de Dino em seu favor, passando a tratar Weverton como adversário.,

Afinal, o exemplo da também tucana Maria Abadia deixa o ninho ressabiado…

2

Carlos Brandão deve apoiar Eduardo Leite para presidente…

Vice-governador do Maranhão, que controla o PSDB no estado, reuniu-se com o governador do Rio Grade do Sul na semana passada e terá papel importante nas prévias do partido, que definirá o nome tucano para enfrentar o presidente Jair Bolsonaro e o ex-presidente Lula

 

Eduardo Leite recebeu Carlos Brandão no Rio Grande do Sul e teve boas impressões sobre as prévias do PSDB

Se depender do vice-governador do Maranhão, Carlos Brandão, o governador do Rio Grande do Sul, Eduardo Leite, será o candidato do PSDB as eleições presidenciais de 2022.

Brandão esteve com Eduardo Leite na semana passada, em visita ao Rio Grande do Sul, quando praticamente encaminhou o apoio do ninho tucano no Maranhão.

O PSDB quer viabilizar um nome para ser a terceira via na disputa já polarizada entre o presidente Jair Bolsonaro e o ex-presidente Lula (PT).

Leite disputa as prévias do PSDB com o governador de São Paulo, João Dória; também são candidatos o senador Tasso Jereissati (CE) e o ex-senador Arthur Virgílio (AM), mas ambos tendem a apoiar o governador gaúcho.

As prévias do PSDB serão realizadas em novembro e definirão o nome do PSDB que fará contraponto a Bolsonaro e Lula.

Queridinho da mídia tradicional e do chamado mercado, Eduardo Leite é visto como a opção de terceira via do “sistema”…

3

Flávio Dino vai reunir novamente Carlos Brandão e Weverton Rocha

Governador ainda tenta garantir apoio para uma candidatura única em sua base, mesmo diante da intensa movimentação dos dois principais candidatos

 

Brandão e Weverton vão ouvir novamente Flávio Dino em, reunião no Palácio dos Leões

O governador  Flávio Dino deve se reunir nos próximos dias com o vice-governador  Carlos Brandão (PSDB) e com o senador  Weverton Rocha (PDT).

Na pauta as eleições 2022.

Dino quer avaliar o momento da movimentação de cada um dos aliados e tentar, novamente, um consenso entre eles para definição de candidatura única na base governista.

Em julho, Dino definiu as regras para escolha do seu sucessor e chegou a definir novembro como mês para esta definição.

Weverton e Brandão têm se movimentado intensamente pelo interior em busca de formação de alianças e de captação de apoios nos municípios.

Na conversa, Flávio Dino deve reafirmar o interesse em uma candidatura única.

Embora essa possibilidade esteja cada vez mais remota…