0

A escolha de Flávio Dino: candidatura única ao Senado ou ao governo?

Partidos da base do governador aceitam e defendem publicamente que ele seja o único candidato a senador do grupo; mas o comunista terá que negociar os interesses desses partidos em relação à disputa pelo governo

 

Com múltiplos palanques, Flávio Dino terá eleição tranquila para o Senado e mostrará nacionalmente sua força política

Uma declaração do secretário Simplício Araújo ao jornalista Clóvis Cabalau, da TV Mirante, nesta sexta-feira, 21, reforçou ainda mais a ideia de que o governador Flávio Dino (PCdoB) será candidato único ao Senado em sua base de apoio.

– A única certeza que eu tenho é que teremos um candidato a senador, o Flávio Dino. Mas não temos um favorito ao governo. Vossa excelência, o povo, ainda não se manifestou – declarou o secretário.

Simplício, que é pré-candidato a governador, também preside o Solidariedade; e sua posição é a mesma de todos os presidentes de partido que compõem a base de Flávio Dino.

Do PCdoB, do PT, do PDT, do PSB, do PSDB, do DEM, do PTB, do PP, do PRB, do Cidadania, do PROS e do PSL.

Até mesmo o PL, o Avante e o Patriotas, que estão com Josimar de Maranhãozinho, podem ter Dino como candidato a governador.

Mas o comunista precisará fazer uma escolha.

Ele vai buscar a unidade em torno de seu nome para garantir uma eleição tranquila ao Senado ou vai obrigar os partidos a abrir mão de seus projetos, tentando impor uma candidatura única de governador?

A possibilidade de múltiplos palanques na base de Flávio Dino foi revelada no blog Marco Aurélio D’Eça, após recuo de Dino na tentativa de imposição de um nome de governador.

Flávio Dino deixa o governo em abril de 2022; a partir de então, precisará da estrutura do mesmo governo para embalar seu projeto senatorial.

Mas é a unificação partidária em torno do seu nome que garantirá a vitória tranquila, sem adversários que possam dividir votos – o que, ao final, terá forte repercussão nacional.

Ele brigará pela candidatura única de Brandão, forçando os partidos e grupos já consolidados a abrir mão dos seus candidatos a governador?

Ou liberará os múltiplos palanques na base, tendo a garantia de transitar em todos eles como candidato único a senador?

Esta é a escolha que Flávio Dino precisa fazer…

4

Candidato ao Senado, Flávio Dino já admite palanques múltiplos

Governador comunista será o candidato único de praticamente todos os partidos de sua base, incluindo os que apoiam as candidaturas ao governo do senador Weverton Rocha e do deputado Josimar de Maranhãozinho, além do vice-governador Carlos Brandão

 

Flávio Dino chegou à conclusão de que cada um deve se virar com os trunfos que têm na eleição de governador, desde que garantam a ele palanque para o Senado

Até então em busca do entendimento de sua base para as eleições de 2022, o governador Flávio Dino (PCdoB) já admite mais de uma candidatura ao governo entre os partidos que o apoiam.

E todos garantem apoio à sua candidatura ao Senado.

Esta posição partidária consolidada – a maioria com o senador Weverton Rocha (PDT) e outra parte com o deputado Josimar de Maranhãozinho (PL) – tornou quase impossível a imposição de um nome único da base, como pretende o vice-governador Carlos Brandão (PSDB).

Weverton já tem o apoio do PDT, do DEM, do PSB, do PSL, do Cidadania e do Republicanos; e pode conseguir também o PP e o PROS.

Maranhãozinho, por sua vez, tem o PL, o Avante e o Patriotas; e busca o PTB.

Já fechados para o governo, todos eles admitem apoiar Flávio Dino ao Senado, o que garantiria a inédita condição de palanque triplo ao governador maranhense. 

Brandão teria o próprio PSDB, o PCdoB e o PT, mas com o trunfo de assumir o governo em abril de 2022.

Foi diante desta consolidação partidária em torno do senador e do deputado federal que Flávio Dino recuou do objetivo da reunião do dia 31 de maio e vai agora tratar, apenas, da candidatura ao Senado.

De acordo com fontes do alto escalão do Palácio dos Leões, o governador já admite as três candidaturas na base, garantindo a ele os palanques de Brandão, de Weverton e de Josimar.

Para isso, o governador vai empurrar ao máximo a decisão sobre candidaturas ao governo, a fim de ganhar tempo na pressão exercida pelo vice-governador e seu padrinho, ex-governador José Reinaldo Tavares.

O que era para ser decidido agora – como querem Brandão e Tavares – será adiada primeiro para dezembro e depois para abril.

E quando chegar a hora cada um já estará com suas candidaturas consolidadas, de uma forma ou de outra.

Simples assim…

6

Carlos Brandão ouve mais um não na tentativa de consolidar candidatura

Vice-governador corre contra o tempo na tentativa de viabilizar uma aliança consistente, mas enfrenta resistências, diante da baixa empolgação que desperta entre as lideranças partidárias;  e pode acabar com a menor parte das legendas que compõem a base do governo Flávio Dino

 

Josimar disse não às tentativas de Brandão de ter seu apoio em 2022; é a segunda resposta negativa do vice-governador, que vai ficando sem margem partidária

O governador Flávio Dino (PCdoB) chamou nesta quarta-feira, 28, ao Palácio dos Leões, o deputado federal Josimar de Maranhãozinho (PL); era mais uma tentativa de o seu vice, Carlos Brandão (PSDB), viabilizar uma coligação consistente para sua candidatura em 2022.

E mais uma vez ouviu um “não!” como resposta.

Josimar disse ao governador que será candidato em 2022; o deputado revelou também ter ouvido do próprio Dino a afirmação de que Brandão será seu candidato.

Brandão corre contra o tempo por que precisa dar à sua candidatura uma aliança consistente para a disputa de 2022.

Há duas semanas, também sob a custódia de Flávio Dino, o vice reuniu-se com o senador Weverton Rocha (PDT) e tentou a mesma estratégia usada com Josimar – ainda que de forma mais sutil – ouvindo também do pedetista a confirmação de candidatura, embora queira o apoio não apenas de Dino, mas do próprio Brandão.

Flávio Dino já disse em entrevista que tem algo em torno de 14 ou 15 partidos em sua base de apoio, com os quais pretende conversar sobre a sua sucessão.

Destes 15 partidos, pelo menos seis já declararam apoio a Weverton Rocha: PDT, PSB, Cidadania, Republicanos, DEM e PSL.

Com Josimar reúnem-se outros três partidos: PL, Patriotas e Avante.

Dentro da base, ainda não se posicionaram o PROS e o PP, que está mais próximo de Weverton. Já o PTB, alinhado ao bolsonarismo, caminha para a oposição.

Caso tenha sido ungido pelo governador, como afirma Maranhãozinho, sobrariam a Brandão seu próprio PSDB, o PCdoB dinista e o PT.

É por isso a pressão, tentando antecipar o jogo da sucessão.

Que ele mesmo tentou adiar…

3

Eventual entrada de Bolsonaro no Patriotas favorece Maranhãozinho

Presidente tem o partido controlado pelo deputado federal maranhense como uma das opções pode filiação para disputar as eleições de 2022, o que pode garantir uma candidatura bolsonarista a governador do Maranhão

 

Josimar é vinculado a Bolsonaro; e a eventual entrada do presidente no Patriotas fortalece seu projeto de poder no Maranhão

A notícia de que o presidente Jair Bolsonaro está analisando entre três legendas – Patriotas, PMB e DC – a filiação para a disputa das eleições de 2022 pode ter forte influência no processo eleitoral maranhense.

O Patriotas é vinculado diretamente ao deputado federal Josimar de Maranhãozinho (PL), que disputa com o senador Roberto Rocha o lugar de candidato bolsonarista no Maranhão.

Caso confirmada a entrada de Bolsonaro no Patriotas  – e caso Rocha, que está sem partido, não acompanhe o presidente – Maranhãozinho ganha força como opção da direita na disputa pelo Governo do Estado.

E chega não apenas com o partido do presidente, mas com outros dois partidos, o seu PL e o Avante, que ele também controla.

Além disso, alinhado a Bolsonaro, Josimar tende a atrair outros partidos do campo da direita, como o PSD e o PTB – o PSC, obviamente, não seguirá com ele pelas diferenças pessoais que tem com o colega Aluisio Mendes.

De uma forma ou de outra, as expectativas partidárias em torno de Bolsonaro são acompanhadas de perto pelos bolsonaristas maranhenses.

E terá forte influência na definição do candidato deste campo político…

3

Bolsonaro quer Roberto Rocha candidato em aliança com Josimar de Maranhãozinho

Por Ribamar Correa

Em meio ao bombardeio que o vem ameaçando, o presidente Jair Bolsonaro (sem partido) acrescentou mais um item na sua já extensa lista de pretensões em relação ao Maranhão: eleger o senador Roberto Rocha (sem partido) sucessor do governador Flávio Dino (PCdoB). De acordo com fonte bem situada no arraial bolsonarista, o que até pouco tempo era apenas uma vaga intenção do senador Roberto Rocha – que avaliava também disputar outros mandatos, como tentar a reeleição e retornar à animada planície da Câmara Federal -, a ideia de entrar na disputa pelo direito de residir e trabalhar no Palácio dos Leões ganhou estatura de projeto engendrado pelo Palácio do Planalto.

De acordo com a mesma fonte, Roberto Rocha e Jair Bolsonaro já teriam tratado do assunto em conversa reservada, tendo o senador saído da reunião autorizado a cair em campo em busca de consistência eleitoral. O primeiro acerto poderá ser feito com o deputado federal Josimar de Maranhãozinho (PL), que em conversas preliminares teria sinalizado forte interesse numa composição “abençoada” pelo presidente da República.

O projeto de poder de Roberto Rocha não é novo, e ficou bem claro quando, meses após se eleger senador pelo PSB e com o apoio decisivo do então candidato a governador Flávio Dino, rompeu com o mesmo, entrou na disputa do Governo em 2018, mas foi duramente reprovado nas urnas. Fora do grupo, migrou para o PSDB e abraçou sem reservas o projeto de poder do presidente Jair Bolsonaro, de quem se tornou aliado de proa e defensor o incondicional.

Em contrapartida, Roberto Rocha se tornou o principal porta-voz do presidente Jair Bolsonaro no Maranhão, ao lado da prefeita de Lago da Pedra, Maura Jorge – que deve deixar o PSDB e se filiar ao partido ao qual se filiarem o senador e o presidente. Continue lendo aqui…

1

Grupo de Josimar ainda indeciso quanto à eleição na Câmara

Único deputado federal com bancada própria entre os maranhenses, parlamentar do PL mantém seus aliados sem definição em relação aos candidatos a presidente da Casa, Arthur Lira e Baleia Rossi

 

Os deputados do grupo de Josimar de Maranhãozinho vão esperar as negociações do chefe para decidirem sobre eleições na Câmara Federal

Um dado curioso saltou aos olhos do blog Marco Aurélio D’Eça na divulgação da lista de supostos apoios na bancada maranhense aos candidatos a presidente da Câmara Federal.

O único grupo indeciso entre os 18 maranhenses é o que tem como comandante do deputado federal Josimar de Maranhãozinho (PL).

Como se sabe, Josimar controla uma bancada de outros três parlamentares: Junior Lourenço (Avante), Marreca Filho (Patriotas) e Pastor Gil (PL).

E são exatamente estes os únicos a não declarar voto nem em Baleia Rossi, nem em Artur Lira.

E a decisão da bancadinha de Josimar deverá ser tomada em reunião a ser conduzida por ele próprio.

Poderoso o deputado dono do PL…

2

Acossado pela PF, Josimar de Maranhãozinho sai do foco

Com forte batalhão de deputados federais, estaduais, prefeitos, vice-prefeitos e vereadores, em São Luís e no interior, deputado federal pego na Operação Descalabro – que investigou desvio de emendas parlamentares – frustrou os que esperavam as milionárias festas de fim de ano que demonstravam a força política e econômica do seu grupo

 

Josimar com parte do seu grupo político: recolhimento após operação da Polícia Federal que flagrou desvio de emendas em São Luís

Acostumado a promover mega-eventos em São Luís e no interior do estado durante as festas e fim de ano, o deputado federal Josimar de Maranhãozinho (PL) está recolhido desde a operação da Polícia Federal que desbaratou esquema de desvio de recursos de emendas parlamentares no Maranhão.

Ele também orientou sua base e seus aliados a mergulhar neste fim de ano.

Controlador das ações  de três deputados federais – Marreca Filho (Patriotas), Júnior Lourenço (Avante) e Pastor Gyldenemir (PL) – Maranhãozinho tem poder também sobre o suplente Paulo Marinho júnior (PL), formando verdadeira sub-bancada na Câmara Federal.

Além disso, controla diretamente três deputados estaduais – Detinha, Leonardo Sá e Hélio Soares (todos do PL) – os vereadores de São luís Aldir Júnior (PL) e Daniel Oliveira (PL),; e centenas de prefeitos, vice-prefeitos e vereadores.

Este batalhão inteiro resultaria em festas de peso, tanto na capital quanto no interior, que mostraria força política de Josimar de Maranhãozinho; e daria cacife para suas pretensões de disputar o governo em 2022.

Mas veio a operação da Polícia Federal e agora a sua perspectiva é outra.

Por isso a decisão de fechar-se em copas…

2

Em propaganda, Josimar admite controle do Avante no MA

Placa de outdoor com resultado das eleições municipais inclui os prefeitos eleitos pela legenda – oficialmente comandada pelo deputado Júnior Lourenço – na cota dos que pertencem ao grupo de Maranhãozinho, recentemente pilhado em operação da Polícia Federal

 

O outdoor de agradecimento de Josimar de Maranhãozinho; prefeitos do Avante entre membros do grupo do parlamentar

Em post publicado em 7 de dezembro, o blog Marco Aurélio D’Eça publicou post em que mostra o controle do deputado federal Josimar de Maranhãozinho (PL) sobre as ações de três outros colegas na bancada maranhense.

Desde o início do mandato dos atuais deputados e senadores, este blog mostra que Josimar controla não apenas as ações do PL, seu partido, mas também o Patriota, que deveria ser comandado por Marreca Filho, e o Avante, que tem Júnior Lourenço como presidente formal. (Saiba mais aqui, aqui, aqui  aqui, aqui)

Agora, o próprio Josimar de Maranhãozinho confirma que tem o controle do Avante.

Em placa de outdoor espalhada por todo o Maranhão, o deputado federal – recentemente alvo de operação da Polícia Federal por desvio de recursos de emendas parlamentares – inclui os prefeitos eleitos pelo Avante como membros de seu grupo político.

Na propaganda, ele cita 40 prefeitos, 15 vice-prefeitos e 275 vereadores eleitos pelo PL, mas inclui também os eleitos pelo Avante; e afirma:

– O povo maranhense nos honrou com 418 mandatos e nos fez forte para fazer muito mais pelo nosso estado.

Se o comando do Avante lutava para se desvencilhar de ligações com Maranhãozinho, o outdoor do dono do PL é um prato cheio para coleta de provas pela Polícia Federal.

Simples assim…

1

Queda de Josimar altera tabuleiro de 2022

Deputado federal acusado de desviar recursos de emendas da saúde era um dos principais parceiros políticos do vice-governador Carlos Brandão, que vinha, inclusive, usando sua força política para tentar antecipar o debate eleitoral

 

Envolvimento de Josimar de Maranhãozinho em esquemas de corrupção desbaratados pela Polícia Federal deixa Carlos Brandão em situação política difícil

Do blog Marrapá

A operação da Polícia Federal deflagrada quarta-feira, 9, que teve como alvo o deputado federal Josimar de Maranhãozinho (PL) muda a configuração do tabuleiro político do Maranhão para as eleições de 2022.

O ‘Moral da BR’ era considerado peça-chave na formação do grupo com o vice-governador Carlos Brandão (Republicanos).

Ambos se aproximaram durante a campanha do candidato derrotado Duarte Júnior (PRB) e ensaiavam a continuidade da parceria para o próximo pleito.

Com a queda de Josimar, Brandão pode ter perdido seu principal parceiro, o que o enfraquece eleitoralmente.

]Além disso, os 40 prefeitos eleitos pelo partido do deputado federal devem ficar ressabiados com qualquer parceria feita com ele a partir de agora.

Tudo isso enfraquece um dos grupos que vislumbra a sucessão de Flávio Dino (PCdoB).

1

Te cuida Josimar!!! PF deflagra operação contra desvio de emendas…

Assim como adiantou o blog Marco Aurélio D’Eça, policiais federais estão realizando busca e apreensões em endereços ligados ao esquema que supostamente desviou cerca de R$ 15 milhões em emendas que deveriam ser usadas na saúde

 

Josimar e seu grupo de “corretores de emendas; Polícia Federal pode desbaratar quadrilha que já desviou milhões dos cofres públicos”

Policiais federais estão desde cedo nas ruas do Maranhão cumprindo mandados de busca e apreensão em endereços vinculados a um esquema de desvio de recursos de emendas federais para a área da Saúde.

Embora sem dar nomes, a própria PF revela que há um deputado federal como alvo da operação, acusado de desviar os recursos de suas emendas.

A operação acontece quatro dias depois de o blog Marco Aurélio D’Eça revelar, com exclusividade, que o deputado federal Josimar de Maranhãozinho (PL) controla as emendas dos colegas Pastor Gyldenemir (PL), Júnior Lourenço (Avante) e Marreca Filho (Patriota).

Na semana passada, a Polícia Federal prendeu o agiota Josival Cavalcante , o Pacovan, apontado como “corretor” do esquema de desvio das emendas. Ele tentava extorquir o prefeito de Ribamar, Eudes Sampaio (PTB), com quem Gyldenemir negociou emendas.

O esquema de compra e venda de emendas vem sendo denunciado pelo blog Marco Aurélio d’Eça desde o início de 2019.

Mas o escândalo é bem mais antigo,. e vem desde 2011, como comprova posts deste blog.

Agora, a PF começa a desbaratar as quadrilhas que roubam o dinheiro que deveria ser investido nos municípios…