0

“Bora vacinar pobre”, prega Yglésio nas redes sociais…

Deputado estadual, que é médico, diz que é preciso segurar a priorização de categorias profissionais; e justifica: “vamos lutar para os que têm mais chances de morrer tenham mais chances de viver”

 

Dr. Yglésio mostra indignação com os fura-fila que se aproveitam de terem prerrogativas profissionais, mesmo sem estar na linha de frente de serviços essenciais

O deputado estadual Dr. Yglésio (PROS) defendeu na manhã desta terça-feira, 1, a vacinação imediata de pessoas com maior vulnerabilidade social, no lugar de se priorizar categorias profissionais.

– Bora vacinar pobres, bora vacinar pobres, bora vacinar pobres – pregou ele, em suas redes sociais.

Em conversa com o titular do blog Marco Aurélio D’Eça, Ygl´[esio, que é médico, disse que ficou indignado ao ver que alguns políticos se utilizam dessas prioridades para furar a fila da vacinação com gente que não está na linha de frente, mas se beneficia das prerrogativas profissionais.

– Quem está em serviço essencial já foi vacinado. O que não pode é se aproveitar de um decreto para vacinar gente que está em casa apenas por ter diploma de profissão A ou de B – explicou.

Na avaliação do parlamentar, é preciso vacinar os mais pobres por que estes tês mais riscos de não sobreviver quando contaminados pela CoVIdf-19.

– Vamos lutar para os que têm mais chances de morrer tenham mais chances de viver – concluiu o deputados, nos posts de suas redes sociais.

1

E os sem-prioridade? Quando voltarão a ser vacinados?

Enquanto autoridades e políticos enchem a agenda de vacinação com uma série de categorias para furar a fila da vacina, pessoas saudáveis e ativas no mercado de trabalho – com até 59 anos – vão ficando para trás, expostas ao coronavírus; mas elas também correm risco de morrer

 

Milhares de cidadãos adultos com idade até 60 anos estão excluídos das listas de vacinação contra a CoVID-19

Editorial

O ativismo político de autoridades públicas em defesa de classes sociais e categorias profissionais incluídas na lista de prioridades da vacinação contra o coronavírus está causando uma injustiça social no Maranhão.

Pessoas com até 59 anos, relativamente saudáveis e ativas no mercado de trabalho estão expostas ao coronavírus sem nenhuma perspectiva de vacinação; apenas pelo fato de serem relativamente saudáveis e ativas no mercado de trabalho.

São homens e mulheres excluídos da lista de prioridades por não apresentar comorbidades, não fazer parte de nenhuma categoria beneficiada com o fura-fila e não estar em nenhum grupo profissional considerado de risco.

Mas estas pessoas também morrem de CoVID-19.

Desde que começaram as prioridades, a vacinação dessas “pessoas comuns” parou entre os com idade acima de 60 anos.

Na semana passada, a Prefeitura de São Luís até abriu cadastro para homens e mulheres com idade entre 55 e 59 anos, mas sem previsão de vacinação, uma vez que a lista de prioridades só aumenta.

Enquanto não são vacinados, milhares de cidadãos vão e vêm todos os dias para o trabalho, correndo os mesmos riscos  de todos no contato com a CoVID-19.

Mas estão esquecidos pelas autoridades apenas pelo fato de serem “comuns”…

1

Gastão Vieira pede prioridade na vacinação contra Covid para bancários

Para o parlamentar, a proposta contribui para reduzir a propagação do vírus em ambientes com alta circulação de pessoas

 

O deputado Gastão Vieira (MA) apresentou o Projeto de Lei 1759/21, que prevê prioridade na vacinação dos bancários e demais profissionais de instituições financeiras que trabalhem diretamente no atendimento ao público.

Para o parlamentar, a proposta contribui para reduzir a propagação do vírus em ambientes com alta circulação de pessoas.

“Vi aglomerações nas entradas das instituições financeiras, principalmente daquelas pessoas que buscam os auxílios criados pelo Governo Federal. Os bancários que trabalham no atendimento acabam muito expostos ao vírus, mas não podem deixar de trabalhar, afinal são eles que viabilizam o pagamento dos auxílios. Caso esses benefícios não sejam pagos, a situação do nosso país fica ainda pior”, explica o parlamentar.

Segundo o projeto, somente em função do pagamento do auxílio emergencial, a Caixa Econômica Federal já atendeu mais de 120 milhões de pessoas.

1

É válido o teste com a vida de terceiros?!?

Por em risco a vida de muitos que nem estão aí para o futebol – apenas para se saber se pode ou não abrir eventos neste momento de pandemia – é um capricho desnecessário que pode levar a consequências políticas e de saúde pública tão criminosas quanto a omissão na compra de vacina e no uso de máscaras

 

Com jogadores já expostos em aglomerações e viagens sucessivas, agora os dirigentes do futebol – e as autoridades – põem em risco também o torcedor

 

Editorial

A abertura de 6 mil cadeiras do estádio Castelão para as finais do Campeonato Maranhense entre Moto X Sampaio – o que, na prática, resultará em aglomeração de quase 10 mil pessoas, levando em conta outros que irão trabalhar –  está sendo tratada pelas próprias autoridades como “evento-teste”.

Estão testando o quê nesta fase da pandemia?!?

A menos que se tenha uma justificativa para motivo essencial – o que não é o caso do futebol – este teste promovido pelo poder público, atendendo a itneresses meramente pecuniários de dirigentes e empresários, é um teste com a vida dos cidadãos.

E não são apeans os cidadãos que vão ao estádio que estão correndo riscos; estes, pelo menos estão assumindo a própria responsabilidade.

Mas eles têm pais, mães, filhos, trabalham, frequentam escolas, vão às igrejas, visitam familiares e amigos.

E muitas destas vítimas potenciais de uma eventual infecção não estão nem aí para o futebol; estão pouco se importando para a decisão do Campeonato Maranhense.

Mas acabam, sem querer – sem mesmo sair de casa – expostos ao risco pelas próprias autoridades que deveriam protegê-las.

Não há dúvida de que o fechamento das atividades não-essenciais no período de pandemia pode levar à falência alguns negócios, ao risco de se fechar estabelecimentos e gerar desemprego.

Mas o risco de aglomerações desnecessárias – como as próprias autoridades pregam – é a morte.

Simplesmente a morte.

Há outras formas de torcer por Moto e Sampaio neste período de pandemia; formas que poderiam, inclusive, render recursos para os clubes, se é esta a necessidade deles.

O governo poderia financiar transmissões via TV e repassar aos clubes os direitos dessa transmissão; poderia oferecer uma premiação para o campeão.

Mas a pressão dos dirigentes e a insegurança das autoriades gerou um evento-teste que pode testar a vida de muitos, inclusive de quem não vai ao estádio Castelão.

Atitude tão criminosa quanto a omissão em comprar vacina ou cobrar o uso de máscaras.

Simpels assim…

0

Braide intensifica higienização de ônibus e inicia vacinação de motoristas e cobradores…

Prefeito anunciou para estra quarta-feira a imunização dos profissionais do transporte rodoviário de passageiros dentro da lista de prioridades do programa da Prefeitura de São Luís; ônibus têm higienização viagem após viagem nos terminais

 

Os ônibus passaram a ser higienizados nos terminais após cada viagem

O prefeito Eduardo Braide (Podemos) anunciou nesta terça-feira, 11, o início da vacinação de motoristas, cobradores e fiscais do setor de transporte rodoviário de passageiros em São Luís.

A vacinação dos profissionais do transporte foi pedida oficialmente pelo deputado Dr. Yglésio (PROS) e pelo vereador Marquinhos (DEM); e cobrada pelo blog Marco Aurélio D’Eça no editorial de , intitulado “Autoridades silenciam sobre vacinação de trabalhadores do transporte…”

A imunização da categoria começa nesta quarta-feira, 12.

Além da vacina, o prefeito intensificou a higienização dos ônibus que fazem o transporte na capital maranhense.

< align=”center”>div

Motorista Antonio Araújo mostra sanitização de ônibus no terminal do São Cristovão

Após cada viagem, ao chegar nos terminais de integração, eles são submetidos à pulverização de produtos que desinfectam acentos, barras de segurança e paredes internas.

A lista com o nome de trabalhadores do setor deve ser encaminahda á prefeitura pelas empresas de transporte coletivo…

1

Dr. Yglésio também defende vacinação de rodoviários…

Deputado ouviu categoria e entendeu a necessidade de imunização para os profissionais de 40 a 60 anos, o que já tinha sido cobrado também pelo vereador Marquinhos; prefeitura anunciou inclusão da categoria na vacinação contra a Influenza H1N1, mas não se manifestou sobre a CoVID-19

 

Yglésio pediu ao secretário Joel Nunes a inclusão de motoristas e cobradores na lista de prioridades da vacina contra a CoVID-19

O deputado estadual Dr. Yglésio (PROS) solicitou à Secretaria Municipal de Saúde, nesta segunda-feira, 10, a inclusão de  motoristas e cobradores do transporte público da capital, com idade entre 40 e 60 anos, fossem incluídos na lista de prioridades da vacinação contra a CoVID-19.

Há três semanas, o vereador Marquinhos (DEM) também já havia cobrado a imunização dos rodoviários de São Luís.

Dr. Yglésio ouviu representantes da categoria e entendeu a necessidade de vacinação. 

– Aquelas pessoas que trabalham nos ônibus estão expostas a um nível muito alto de se contaminar, de contaminar outras pessoas. E o pior é que não possuem proteção suficiente para evitar isso, podendo, inclusive, ajudar a propagar a doença na cidade – afirmou o deputado.

Motoristas de ônibus estão expostos sem nenhum tipo de proteção à CoVID-19,e precisam se virar como podem para escapar do coronavírus

A Prefeitura de São Luís incluiu  motoristas e cobradores anunciou nesta terça-feria, 11, a inclusão de caminhoneiros e trabalhadores de transporte coletivo rodoviário de passageiros urbano de longo curso na lista de vacinação contra a gripe influenza H1N1, que começa nesta terça-feira, 11.

Mas não se manifestou ainda sob re a vacinação deste público contra a CoVID-19…

1

Vacinação já atingiu 21 mil profissionais da Educação, revela secretário

Titular da Seduc, Felipe Camarão comemorou a marca atingida e disse que isso representa esperança para o futuro do ensino no Maranhão

 

A primeira dose da vacinação contra a CoVID-19 já alcançou 21 mil profissionais da Educação no maranhão, segundo informou nesta quarta-feira, 28, o secretário de Educação Felipe Camarão.

– Isso me deixa feliz e cheio de esperança para os dias futuros – afirmou o secretário.

A vacinação de profissionais da Educação começou ha cerca de 10 dias; prefeituras e Governo do Estado montaram estruturas para imunizar o setor e garantir a volta às aulas nas escolas públicas e particulares.

A aplicação continua diariamente nos postos de vacinação…

0

TCE vai fiscalizar municípios com baixa taxa de vacinação

O Tribunal de Contas do Estado (TCE-MA) vai realizar fiscalização nos municípios do Estado com menores percentuais de cobertura na campanha de vacinação contra o novo coronavirus (covid-19). A medida vai incluir também aqueles que deixaram de prestar informações obrigatórias ao órgão, em descumprimento da Decisão Normativa nº 39/2021, que normatizou o acompanhamento da vacinação contra a covid-19 por parte do TCE maranhense. Nesses casos também haverá o pagamento da multa prevista.

A Secretaria de Fiscalização do TCE (Sefis) concluiu a análise dos questionários e documentos comprobatórios sobre os planos de vacinação contra a covid-19. O objetivo do órgão é identificar as ações adotadas pelos municípios no processo de imunização de suas populações bem como prevenir a ocorrência de desvios e fraudes na execução dos planos de vacinação. “São informações importantes para tomada de decisões e mudanças de rumo para que o Estado como um todo tenha melhor performance na campanha”, explica o secretário de Fiscalização do TCE, Fábio Alex de Melo.

Dos 217 municípios maranhenses, 190 elaboraram e encaminharam seus Planos de Vacinação, sendo que, desse total, 151 atendiam aos requisitos do Plano Estadual de Vacinação. Dez municípios não encaminharam ou encaminharam de forma inadequada; nove não responderam ao quesito sobre a adequação ao Plano Estadual e oito não encaminharam o questionário até o momento: Axixá, Buriti, Davinópolis, Godofredo Viana, Itinga do Maranhão, Lago Verde, Pinheiro e Santana do Maranhão.

Um total de 119 municípios não publicaram seus Planos de Vacinação nos Portais da Transparência, outra exigência da Decisão Normativa do TCE.  Caso mais grave foi o dos municípios de Afonso Cunha, Alto Alegre do Pindaré, Axixá, Brejo de Areia, Buriti, Buriti Bravo, Cedral, Centro Novo do Maranhão, Chapadinha, Godofredo Viana, Monção, Porto Rico do Maranhão, São Francisco do Brejão e São Francisco do Maranhão, que não publicaram nos portais da transparência e nem encaminharam os planos ao Tribunal.

As regionais de Baixo Parnaíba, Médio Mearim, Pindaré, Tocantins Maranhenses e Metropolitana foram as que apresentaram maior número de respostas negativas aos questionários.

De acordo com a análise do Tribunal, a divulgação e campanha sobre a vacina são aspectos que precisam ser melhorados. Cerca de 69 municípios não estão divulgando os critérios de Priorização e 93 não estão fazendo campanhas sobre a importância da vacina. Além disso, o processo de informação no sistema nacional sobre o registro da vacinação ocorre de forma precária na maioria dos municípios. De acordo com a pesquisa, 113 municípios informaram não ter estrutura para registro da informação tempestiva

Como pontos positivos, o estudo destaca a utilização dos sites das prefeituras para divulgação e orientação da população. A maioria traz informações atualizadas sobre a pandemia da covid-19, sobre a vacinação e cadastro para os grupos prioritários, além de orientações sobre prevenção e divulgação das medidas restritivas.

Em muitos deles são disponibilizados painéis com o histórico da pandemia no município, incluindo números de casos confirmados e óbitos. Em relação à vacinação, são informados os quantitativos das doses recebidas e das pessoas vacinadas. São exemplos de sites municipais: Itapecuru- mirim, Imperatriz, São Luís, Caxias, Codó e Timon.

0

Autoridades silenciam sobre vacinação de trabalhadores do Transporte…

Enquanto uma série de categorias “fura-fila” são beneficiadas com prioridade na lista de imunização de governo e prefeituras, motoristas, cobradores e fiscais, obrigados a circular em ônibus lotados e terminais aglomerados – totalmente vulneráveis à CoVID-19 – são esquecidos pelo poder público

 

É assim que os ônibus circulam diariamente em São Luís,m mesmo durante a pandemia, pondo em risco diversos trabalhadores vulneráveis à CoVID-19

Editorial

Ao longo dos últimos meses, uma série de ações corporativistas fazem pressão para emplacar professores, membros da Segurança Pública, advogados, jornalistas e até pastores e padres na lista de prioridades da vacinação contra a coVID-19.

O blog Marco Aurélio D’Eça concorda com algumas dessas prioridades; outras – incluindo a de jornalistas e pastores – acha absurdas. 

Não há como se falar em prioridade na vacinação sem incluir na lista categorias extremamente vulneráveis à CoVID-19, seja pela situação de trabalho, seja pela condição social.

E a categorias dos trabalhadores no transporte público é uma das que mais precisam desta vacina.

Cobradores e motoristas, principalmente, estão expostos diariamente ao coronavirus, em ônibus superlotados e abafados, terminais aglomerados e em inúmeras viagens diárias, sem a menor segurança contra a CoVID-19.

E sem a proteção da vacina, alem de se expor ao vírus, também expõem outras categorias igualmente vulneráveis, como trabalhadores da construção, empregadas domésticas e representantes do comércio, muitos sem o mesmo poder de pressão das categorias já beneficiadas.

Mas até agora, apenas o vereador Marquinhos (DEM) saiu em defesa desta categoria. 

Nem o Governo do Estado, muito menos a Prefeitura de São Luís manifestou, até o momento, nenhuma posição a respeito da vacinação destes trabalhadores.

Mas há autoridades disponíveis o tempo todo para sair em defesa de professores, de agentes de segurança, e até de padres e pastores.

Esta é a realidade da pandemia no Maranhão…

0

Zé Inácio destaca prioridade para trabalhadores da educação no plano de vacinação

O deputado estadual Zé Inácio (PT), em discurso durante sessão remota da Assembleia, destacou o início da vacinação dos profissionais da educação da rede estadual. A vacinação teve início hoje, 20, por profissionais com 55 anos ou mais nesta primeira etapa.

“Parabéns ao governador Flávio Dino  pela importante iniciativa de priorização dos trabalhadores da educação no Plano Estadual de Vacinação. É uma forma de se estabelecer um retorno seguro das atividades presenciais nas unidades da educação em todo o estado do Maranhão. E quando nós nos referimos aos trabalhadores da educação, é além dos professores. E isso foi uma defesa nossa, desde o início do ano, sobretudo, quando veio essa segunda onda do Covid-19, nós destacamos a importância e a necessidade de se vacinar os professores como também todos os profissionais da educação, como a equipe gestora que atua nas escolas, os técnicos, os zeladores das escolas, os serventes, merendeiros, os serviços gerais e etc. Então todo o conjunto de trabalhadores que fazem parte deste trabalho nas escolas merecem ser vacinados.”, afirmou o deputado.

O parlamentar também destacou a vacinação dos profissionais de educação das redes municipais de ensino, que teve início em São Luís na segunda-feira (19).  

“É importante destacar que para os profissionais da educação da rede municipal e privada a competência de proceder a vacinação é das prefeituras. Então os prefeitos têm um papel importante nessa tarefa da vacinação dos profissionais da educação.”,disse.

E por fim ressaltou que a educação é uma atividade que, por excelência, gera aglomeração e se dá em espaços limitados e por um período prolongado. Daí a necessidade e extrema importância de vacinar os profissionais dessa área.