2

Oito meses e 25 dias…

O tempo acima é o que falta para as eleições gerais de 2018, que ocorrem exatamente no dia 7 de outubro. E neste início de ano eleitoral cada um dos principais candidatos vive momentos diferentes na exposição midiática.

A situação de cada um:

Flávio Dino (PCdoB) – O governador comunista entrou 2018 literalmente com o pé esquerdo. Convive desde o fim de 2017 com a incômoda revelação de que, no período de seu mandato, surgiram no Maranhão nada menos que 312 mil novos miseráveis. Sem falar no fato de que sua suposta pacificação de Pedrinhas se revelou uma farsa.

Roseana Sarney (MDB) – A ex-governadora fechou 2017 com mensagens de otimismo em relação a 2018. E ganhou, logo nos primeiros dias do novo ano, uma centena de grupos de aplicativos de troca de mensagens, formados por políticos, jornalistas, populares e simpatizantes de todas as partes do Maranhão. Tanto que já se fala na criação do “Bloco da Guerreira”, como contraponto ao desinteresse comunista no Carnaval.

Roberto Rocha (PSDB) – O senador venceu a batalha pelo PSDB e se mantém em franca articulação com lideranças de vários partidos e várias nuances políticas no interior do estado. Com forte influência na Codevasf, e um atuante mandato no Senado, Rocha assumiu o contraponto ao governo Flávio Dino, com obras e serviços que não são oferecidos pelo comunista.

Ricardo Murad (PRP) – O ex-deputado e ex-secretário atua fortemente nas redes sociais, desfazendo mitos vendidos pela mídia comunista e comparando suas ações à do governo Flávio Dino, com dados e estudos que não deixam margem para contestação. Murad atua na desconstrução do comunista nas redes sociais.

Maura Jorge (Podemos) – A ex-deputada e ex-prefeita continua em franca ação no interior do estado, fortalecendo-se em regiões importantes, como a Tocantina e a região dos Cocais. O projeto de Maura é ganhar musculatura nos segmentos evangélicos, hoje fortemente pulverizados.

Eduardo Braide (PMN) – Único dos pré-candidatos a não se declarar como tal, o deputado estadual fechou 2017 em terceiro lugar em todas as pesquisas. Sua atuação tem sido nos bastidores; e em duas frentes: montagem de um palanque forte e a busca de aliados importantes para viabilizar sua campanha na TV.

Da coluna Estado Maior, de O EstadoMaranhão

1

Cenário construído…

Lançamento da pré-candidatura de Ricardo Murad é mais uma pedra no jogo da sucessão de 2018, que já tem, pelo menos, cinco candidatos ao governo

 

Ricardo Murad mostra a jornalistas seu projeto de desenvolvimento para o Maranhão

Aos poucos, o cenário das eleições majoritárias de 2018 no Maranhão vai sendo montado, com os principais personagens tomando seus lugares no palco da disputa. Ontem, o ex-secretário Ricardo Murad (PRP) anunciou sua pré-candidatura ao governo.

Há duas semanas, o PDT havia referendado o nome do deputado Weverton Rocha para o Senado, no mesmo período em que o senador Roberto Rocha confirmou sua candidatura ao governo pelo PSDB.

Em meados de novembro, a ex-governadora Roseana Sarney (PMDB) também já havia se manifestado interessada na disputa pelo governo; e até agora é a única dos candidatos majoritários a ter uma chapa completa de senadores, com o ministro Sarney Filho (PV) e o senador Edison Lobão (PMDB).

Além do governador Flávio Dino (PCdoB), de Roseana Sarney, Ricardo Murad e Roberto Rocha, a disputa pelo governo já tem confirmada também a ex-prefeita Maura Jorge (PODE). Falta apenas a definição do deputado Eduardo Braide (PMN) – se entra na corrida majoritária ou se disputa vaga na Câmara Federal.

Sem falar no candidato da chamada ultra-direita maranhense, o coronel Monteiro Segundo.

É este o quadro que se desenha para as eleições de 2018, com uma ou outra mudança no esboço inicial, que não interferirá na pintura final.

Da coluna Estado Maior, de O EstadoMaranhão

2

Os senadores e suas chapas…

Com Flávio Dino e Roseana Sarney já definidos quanto aos nomes que comporão suas alianças, restam boas vagas em chapas como as de Roberto Rocha, Ricardo Murad, Maura Jorge e até mesmo a de Eduardo Braide, que ainda estuda entrar na disputa

 

CHAPA PRONTA. Roseana em fotomontagem com Sarney Filho e Lobão; pesquisa mostra favoritismo

 

A ex-governadora Roseana Sarney já tem uma chapa pronta de candidatos a senador para compor seu palanque: Edison Lobão (PMDB) e Sarney Filho (PV).

O governador Flávio Dino deve mesmo compor sua chapa com Weverton Rocha (PDT) e Waldir Maranhão (Avante ou PT).

Neste caso, nomes potenciais para o Senado – como os do ex-governador José Reinaldo Tavares (PSB) ou do ex-ministro Gastão Vieira (PMDB), assim como a deputada Eliziane Gama (PPS) e o prefeito de Santa Rita Hilton Gonçalo (PCdoB) – têm condições plenas de compor outras chapas.

ESCOLHIDOS. Flávio Dino ainda não disse, mas tende a formar chapa de esquerda com Weverton e Waldir

No caso de Eliziane Gama, ela já tem convite do deputado Eduardo Braide (PMN) para percorrer o Maranhão ao seu lado. (Releia aqui)

Gastão Vieira, que declarou semana passada estar novamente disposto a concorrer ao Senado, também pode compor uma das chapas.

O que dizer de uma chapa com o senador Roberto Rocha (PSDB) sendo candidato ao governo e tendo Gastão e José Reinaldo como candidatos a senador? Ou quem sabe uma chapa de Maura Jorge (PODE) com Hilton Gonçalo e Eliziane Gama?

Com forte apelo midiático, uma chapa com Ricardo Murad também tem plenas condições de abrigar candidatos ao Senado em condições de brigar por vagas.

O fato é que a indefinição das candidaturas torna aberta a disputa pela Câmara Alta.

E qualquer um dos postulantes pode acabar elegendo-se em 2018…

2

“Já temos a certeza de um segundo turno”, diz Graça Paz sobre 2018…

Deputada estadual reafirma apoio ao senador Roberto Rocha, faz uma análise das demais candidaturas e prega o ajuntamento de toda a oposição em torno de qualquer candidato que vá para um confronto direto com Flávio Dino

 

Graça Paz vê com bons olhos o surgimento de tantas candidaturas competitivas no cenário de 2018

A deputada Graça Paz (PSL) destacou a chegada do senador Roberto Rocha ao PSDB como um livramento do partido da condição de apêndice do PSDB.

– O PSDB estava sendo apêndice do PCdoB, e não é isso que o Geraldo Alckimin, o Tasso Jereissati e toda a direção nacional querem. O PSDB tem candidato a presidente; e agora tem também candidato a governador – disse a deputada, em entrevista ao jornalista Juraci Filho, do Portal Assembleia.

Analisando o cenário político atual, Graça Paz pontuou a importância do lançamento das pré-candidaturas de Roseana Sarney (PMDB), Roberto Rocha, Ricardo Murad (PRP) e também Maura Jorge.

– O tabuleiro está formado. A certeza que a gente já tem é que a eleição vai para o segundo turno. E todo o Maranhão sabe que todos esses partidos vão se juntar em torno de uma candidatura – pregou ela, deixando claro seu posicionamento político.

– Meu candidato é o senador Roberto Rocha. Eu e o meu marido Clodomir Paz estaremos com ele, no primeiro e no segundo turno Se ele não for para o segundo turno, nós iremos para onde ele for apoiar – afirmou a deputada.

3

Cenário definido para 2018…

Candidatos de oposição tiveram semana consistente na geração de fatos positivos, em contraposição a uma semana horrorosa do ponto de vista político-eleitoral para o governador Flávio Dino

 

CONSOLIDADOS. Roseana e Roberto Rocha mostraram força partidária e são candidatos-natos

Os candidatos de oposição ao governo Flávio Dino colecionaram, em uma semana, fatos tão positivos quanto negativos foram as ações em torno do próprio comunista. E neste período, consolidou-se claramente o cenário das eleições de 2018 no Maranhão, com uma clara tendência de segundo turno.

O primeiro fato a consolidar a oposição maranhense foi o anúncio da ex-governador Roseana Sarney, na sexta-feira, passada, de que vai mesmo disputar o governo contra Dino. A decisão de Roseana repercutiu fortemente nos meios políticos, gerando reações, inclusive, do próprio Dino.

Na segunda-feira, o senador Roberto Rocha (PSDB) foi chamado a Brasília pelo presidente nacional do partido, Tasso Jereissati, para ser comunicado de que vai mesmo comandar o PSDB maranhense, em substituição ao vice-governador Carlos Brandão.

NO PÁREO. Ricardo Murad garantiu legenda para a disputa; Maura Jorge foi reafirmada por Aluisio Mendes

Uma das reações a esses movimentos  veio da ex-prefeita Maura Jorge (PODE), que reafirmou sua condição de candidata e descartou compor como vice.

A decisão de Maura Jorge gerou o segundo fato para a oposição.

Na quarta-feira foi a vez do ex-deputado Ricardo Murad também ser alçado à presidência do seu PRP, o que lhe garante as condições de ser candidato.

Assim, a oposição maranhense termina a semana com quatro candidatos consolidados e com peso suficiente para influenciar nas eleições de 2018.

E outros nomes ainda podem surgir até julho do ano eleitoral…

Da coluna Estado Maior, de O EstadoMaranhão

0

Ficando pelo caminho…

Nomes que surgiram com força nas eleições de 2016 chegam a 2017 esvaziados em relação ao debate eleitoral de 2018 no Maranhão

 

RUMO A 18. Eliziane, Wellington e Braide: fortes em 2016, esvaziados em 2017…

Destaques nas eleições municipais de 2016, a ponto de serem apontados como nomes de peso nas eleições de 2018, a deputada federal Eliziane Gama (PPS) e os estaduais Eduardo Braide (PMN) e Wellington do Curso foram perdendo força ao longo do ano; e chegam ao fim de 2017 praticamente esquecidos do debate sobre o Governo do Estado.

No que diz respeito a Eliziane Gama, é bem verdade que seu nome esvaziou-se politicamente já durante a própria campanha municipal, que ela iniciou como favorita em São Luís e acabou amargando um desalentador quarto lugar.

Hoje, a deputada federal mais votada nas eleições de 2014 tem apenas um arremedo de candidatura ao Senado para tentar apresentar ao debate eleitoral do ano que vem.

Leia também:

O erro estratégico de Wellington, Eliziane e Fábio Câmara…

Potencial nome de 2018, Braide vira alvo de comunistas…

Wellington do Curso também chegou ao seu auge no primeiro turno das eleições de 2016.

Ganhou força durante a campanha, superou Eliziane, ameaçou o prefeito Edivaldo Júnior (PDT), mas acabou ficando em terceiro lugar. Tentou apresentar-se como opção ao governo – ou ao Senado – mas seu discurso não foi levado a sério.

Dos três destaques de 2016, apenas Eduardo Braide continuou com força ao longo de 2017. Mas ele próprio optou por sair do debate, recusando-se a discutir qualquer projeto majoritário para o Maranhão.

A confirmação da candidatura da ex-governadora Roseana é a pá-de-cal na candidatura de Braide, que deve mesmo buscar uma vaga na Câmara Federal.

Da coluna Estado Maior de O EstadoMaranhão

2

Flávio Dino encurralado por candidatos a senador…

Gestos dos interessados nas vagas da Câmara Alta forçam uma tomada de posição imediata do governador comunista, que preferiria indicar amigos do peito para sua chapa de 2018

 

Aliados políticos do governador Flávio Dino (PCdoB) começam a pressioná-lo de várias formas – uns mais, outros menos – pela sua decisão em relação à chapa de senadores com a qual vai para a disputa de 2018.

Os pré-candidatos – Weverton Rocha (PDT), Waldir Maranhão (Sem partido), Eliziane Gama (PPS) e José Reinaldo Tavares (PSB) – querem uma definição de Dino para que possam botar o bloco na rua e buscar viabilização entre prefeitos, classe política e população.

E essa pressão de vários lados encurrala cada vez mais o governador.

Dino tem suas preferências para o cargo, mas sabe que não poderá contar apenas com elas para fazer suas escolhas. Se pudesse, já teria dado uma das vagas para um amigo pessoal (nomes como Mário Macieira, Francisco Gonçalves e Bira do Pindaré seriam os favoritos) e a outra para Waldir Maranhão, honrando o compromisso assumido quando da votação do impeachment da ex-presidente Dilma Rousseff (PT).

O governador nunca gostou de Weverton Rocha, não tem confiança em Eliziane Gama e guarda forte ressentimento de José Reinaldo Tavares. Mas sabe que não pode, simplesmente, abrir mão desses aliados antes das convenções de julho de 2018.

E vai querer empurrar a decisão até lá.

E é exatamente porque sabem da estratégia do governador que os pré-candidatos a senador começam a fazer pressão cada vez mais forte pela decisão imediata.

Afinal, sabem que, chegando em julho, não terão tempo hábil para tomar outro rumo se forem preteridos.

E ele só tem duas vagas…

Da coluna Estado Maior, de O EstadoMaranhão

1

Maura Jorge e Roberto Rocha comentam ação eleitoral de Ricardo Murad…

Pré-candidatos a governador defenderam a participação do ex-secretário no processo, como oportunidade para que o eleitor tenha mais visões sobre o Maranhão

 

Roberto Rocha entende que a presença de Murad amplia as visões de estado disponíveis ao eleitor

Os pré-candidatos a governador Roberto Rocha (PSDB) e Maura Jorge (Podemos) receberam com naturalidade a “Carta aos Maranhenses”, documento divulgado segunda-feira, 23, pelo ex-secretário Ricardo Murad, como uma espécie de anúncio de uma candidatura em 2018.

– Como gestor e protagonista na história contemporânea do nosso Estado, a presença de Ricardo Murad traz um elemento de testemunho e de emulador de um debate que deve ser amplo e franco sobre os destinos do nosso estado – disse Roberto Rocha.

Maura Jorge disse que o povo definirá que caminho seguir

– A pluralidade de ideias é saudável em toda democracia. Ricardo tem o direito de votar e ser votado. Ao povo cabe escolher o projeto que melhor lhe representa – completou Maura Jorge.

Embora não tenha especificado que candidatura vá buscar, o gesto de Ricardo Murad está sendo entendido como uma possibilidade de ele disputar o Governo do Estado.

O governador Flávio Dino (PCdoB) e a ex-governadora Roseana Sarney (PMDB), também cotados para a disputa, não comentaram o documento de Murad…

2

Sete vereadores vão disputar as eleições de 2018…

Astro de Ogum, Honorato e Pedro Lucas se preparam para enfrentar as urnas

De O EstadoMaranhão

A disputa eleitoral de 2018 deverá ter pelo menos seis vereadores de São Luís.

Astro de Ogum (PR), Ricardo Diniz (PCdoB), Beto Castro (Pros), Marcial Lima (PEN), Marquinhos Silva (DEM), Pedro Lucas Fernandes (PTB) e Honorato Fernandes (PT) buscarão vaga na Assembleia Legislativa, Câmara Federal e Senado.

O primeiro a declarar a intenção de disputar a eleição do próximo ano foi Marquinhos Silva. Ele declarou que quer ser candidato a senador e, para isso, tentará viabilizar a candidatura no DEM, mas se não for possível, garantiu que buscará outra legenda.

Outro vereador que já se manifestou sobre candidatura para o próximo ano foi o petista Honorato Fernandes. O parlamentar quer ser candidato a deputado estadual.

“A decisão da minha pré-candidatura à deputado estadual se deu por meio de um acordo coletivo dos membros do grupo, do qual eu faço parte no PT, o ‘Articulação PT MA’. Um novo desafio que será encarado com determinação e, sobretudo, com o mesmo comprometimento social que me levou a estar hoje vereador”, disse Honorato.

Outros vereadores que se declararam pré-candidatos a Assembleia Legislativa foram Ricardo Diniz e Beto Castro.

Os que não declararam ainda foram Astro de Ogum e Marcial Lima. Os parlamentares ainda trabalham nos bastidores para tentar se viabilizar.

Outro membro da Câmara de São Luís que também deverá ser candidato em 2018 é o vereador licenciado e presidente da Agência Metropolitana, Pedro Lucas Fernandes (PTB).

Com reportagem de Carla Lima

4

Agora são três…

Com confirmação da candidatura ao governo, senador Roberto Rocha se soma ao governador Flávio Dino e à ex-deputada Maura Jorge como opção ao Governo do Estado em 2018

 

JÁ LANÇADOS. Flávio Dino, Maura Jorge e Roberto Rocha já estão em pré-campanha pelo Governo do Estado

Incluindo o próprio governador Flávio Dino (PCdoB), que é candidato natural à sua sucessão, agora já são três os nomes postos oficialmente como pré-candidatos a governador do Maranhão em 2018.

Após diversas idas e vindas, recuos e acenos em direção ao próprio Flávio Dino e ao grupo Sarney, o senador Roberto Rocha finalmente admitiu, sexta-feira, em entrevista a uma emissora de rádio de Balsas, que será mesmo candidato a governador. Antes dele, a ex-deputada Maura Jorge já havia declarado a irreversibilidade de seu projeto de candidatura.

Poderia-se também incluir a ex-governadora Roseana Sarney (PMDB) nesta lista, a julgar pela sua declaração durante o lançamento da pré-candidatura do ministro Sarney Filho (PV) ao Senado. Na ocasião, Roseana afirmou que só será “candidata a governadora. Ou a nada”.

Mas ela própria prefere não afirmar-se candidata.

De acordo com a última pesquisa Escutec, divulgada por O Estado, Roseana Sarney aparece na frente e é a única capaz de bater Flávio Dino. Roberto Rocha só cresce na ausência da ex-governadora, mesmo assim, com apenas metade das intenções de votos do comunista.

Outro com bom desempenho na pesquisa é o deputado Eduardo Braide (PMN), que também ainda não se decidiu.

Neste momento pré-eleitoral, portanto, a disputa pelo Governo do Maranhão se resume a três nomes.

Pelo menos por enquanto…

Da coluna Estado Maior, de O EstadoMaranhão