0

Zé Inácio convida população a discutir Orçamento Participativo de 2019

O deputado Zé Inácio usou a tribuna da Assembleia para convidar a população a participar de Audiência Pública que vai discutir o Orçamento Participativo 2019 e o Plano Plurianual 2019-2023 da Região Metropolitana, amanhã (11), no Centro de Convenções Paulo Freire, da UFMA, no campus do Bacanga, das 13h às 18h.

O evento é voltado para a população dos municípios da grande ilha, São Luís, Paço do Lumiar, Raposa, Ribamar e Alcântara.

“Aproveito para convidar, a pedido da Secretária Adjunta de Direito Humanos e Participação Popular, a Creusamar de Pinho, que nos fez o convite e pediu inclusive que estendesse esse convite a todos os Deputados, ao Presidente. E aproveito estender a toda a população do Estado do Maranhão, em especial, a região metropolitana. E solicitar também a presença da imprensa, porque é um evento importante, um evento em que o Governo discuti, de forma participativa, envolvendo a população do estado, vários segmentos representativos da sociedade, tanto representantes da juventude, do movimento sindical, das organizações sociais, empresariais, associações, várias entidades que estão representadas nessas audiências públicas.”, disse.

O parlamentar também destacou a iniciativa do Governo em buscar a participação da população.

“Tem sido um marco do Governo Flávio Dino, que, de forma participativa, também faz esse diálogo com a sociedade maranhense, definindo o rumo do orçamento público. É bem verdade que apenas uma parte desse orçamento é discutido com a sociedade, mas é um grande passo, porque são poucas as experiências que se tem de discussão, de forma participativa, do orçamento público. Em alguns municípios, nós já vivenciamos essa experiência. Mas, em termos de Governo do Estado, essa é uma inovação do Governo Flávio Dino, que cabe destaque. E cabe também destacar o grande esforço, o grande empenho e a competência de quem está à frente desse trabalho, que é o Secretário Chico Gonçalves, Secretário de Direitos Humanos e Participação Popular, juntamente com sua equipe.”, declarou.

“Um debate que envolve a sociedade maranhense, para discutir cultura, infraestrutura, saúde, educação, saneamento básico, agropecuária, agroindústria, programa para reforço na área de psicultura, apicultura, extrativismo vegetal, mineral, várias atividades econômicas que são típicas do nosso Estado do Maranhão e que precisam ser debatida com a sociedade.”, disse Zé Inácio.

0

Após tom de “ódio”, aliados de Bolsonaro tentam aliviar discurso contra oposição

Ministro-chefe da Casa Civil, Onyx Lorenzoni, percebendo a estrategia equivocada tentou colocar “panos quentes”, ao assumir cargo. Resta saber se o presidente seguirá a mesma lógica.

Os próprios aliados perceberam tom acima da medida das primeiras palavras de Bolsonaro e tentam diminuir o ímpeto da fala.

Depois de um discurso carregado de elementos ideológicos e travestidos de papel de “candidato”, aliados do presidente da República, Jair Bolsonaro (PSL) tentaram nesta quarta-feira (2), primeiro dia de fato de trabalho da nova gestão federal, diminuir o tom. Em algumas falas, a ideia era sinalizar com a oposição.

A mais contundente fala neste caminho foi do ministro-chefe da Casa Civil, Onyx Lorenzoni. Segundo o novo líder do Governo, disputas políticas e ideológicas devem ser travadas, no entanto, com ponderação e sempre pensando no bem maior, que é a população brasileira. “É importante pedir um pacto político entre governo e oposição pelo amor ao Brasil. Não é possível que a oposição não compreenda, assim como o Governo”, disse. 

Para Lorenzoni, o governo Bolsonaro não recebeu um “papel em branco” e deve construir a nação mais justa com todos. A fala do novo chefe da Casa Civil também é uma tentativa de colocar panos quentes na relação que promete ser tensa entre Executivo e Legislativo Federal. A pauta da previdência, por exemplo, deverá ser uma das primeiras encaminhadas ao Congresso.

3

Sem projeto, Flávio Dino usa grupo Sarney como discurso de campanha…

Comunista está há três anos no mandato aproveitando-se obras deixadas pela ex-governadora, sem que tenha apresentado ao eleitor qualquer sinal que mostre, de fato, um rumo próprio para o Maranhão

 

QUERO SER ELE. O olhar não esconde o que Flávio Dino sonha…

O governador Flávio Dino (PCdoB) é um homem acuado.

Ele não consegue engatar uma conversa mínima em que não se refira ao governo Roseana Sarney (PMDB).

O governo Dino só sobrevive fazendo o contraponto ao grupo Sarney.

O comunista só se refere a Roseana, fala de Roseana, usa as obras de Roseana e ataca Roseana por onde passa.

Foi assim em mais um périplo radiofônico, em emissoras financiadas pelo seu governo, na manhã de segunda-feira, 9.

Dino só fala de Roseana porque não tem o que falar do seu próprio governo.

BENDITA HERANÇA. tudo o que Dino mostra foi deixado por Roseana

As obras do governo Flávio Dino são as obra do governo Roseana. O que Dino entregou de obras na Saúde foram deixadas por Roseana. As obras das estradas foram iniciadas por Roseana.

E até os recursos usados indiscriminadamente por Flávio Dino foram deixados por Roseana.

Mas Dino precisa manter este discurso contra Sarney por acha que a população ainda acredita no debate Sarney X Anti-Sarney.

Talvez por isso, Roseana tenha falado uma das frases mais significativas deste momento político no Maranhão:

– Este governo é o meu governo – sentenciou a ex-governadora.

É simples assim…

10

“Todos que defendem a democracia devem estar no ato com Lula”, diz Zé Inácio…

Inácio defendeu legado de Lula, de Dilma e do PT

A aproximação da chegada da caravana “Lula pelo Brasil”, em São Luís, foi abordada pelo Deputado Zé Inácio (PT) durante seu discurso realizado quinta-feira, 31, no plenário da Assembleia Legislativa.

– Sabemos que o legado do governo Lula e Dilma é elemento central na disputa política e ideológica no Brasil, por isso a necessidade de se recuperar esse legado – disse Zé Inácio.

Viajar visitando o Brasil e vendo de perto a realidade social do povo brasileiro já é uma ação realizada por Lula desde a década de 70, quando ele realizou a organização do movimento sindical. Na década de 80 organizou o Partido dos Trabalhadores – que se tornou um dos maiores partidos da América Latina, e na década de 90 viajou nas caravanas da cidadania onde discutiu com a base, as lideranças, os movimentos sociais, a classe política e a população brasileira as propostas de governo.

– O Lula continua viajando o Brasil, ele está indo em várias regiões onde a população reclama contra as reformas que tiram o direito da classe trabalhadora, que não aceita a reforma da previdência do jeito como estar, que deseja a garantia dos direitos sociais, que não quer nenhum direito a menos – enfatizou o parlamentar.

A caravana do Lula finaliza seu percurso pelo Nordeste, em São Luís, no próximo dia 05 de setembro, na Praça D. Pedro II, Centro Histórico de São Luís.

– Por isso deixo aqui o convite a todos para que acompanhem esse ato do ex-presidente, que será realizado em frente a igreja da Sé, entre o Palácio dos Leões e o Tribunal de Justiça. Um espaço simbólico, porque o Palácio representa o poder, a igreja a fé e o Tribunal a Justiça. E todos nós que defendemos a democracia exigimos justiça para que o ex-presidente tenha de fato a liberdade para disputar mais uma eleição, pois aqueles que sentem medo do Lula é porque temem que ele seja eleito novamente Presidente da República deste país – finalizou.

0

Weverton no primeiro discurso como líder do PDT na Câmara…

Rocha demarcou território que pretende defender

Rocha demarcou território que pretende defender

Temos que ter juízo, responsabilidade e maturidade para saber dividir o que são assuntos partidários, de governo e de estado. Temos que discutir uma solução para nosso Brasil e o nosso trabalhador”

Teremos tempo para fazer bons debates e nós não iremos nos acovardar. Sou de uma geração que está vendo o amadurecer da democracia, e defenderemos o voto e a vontade popular”