3

Lula prestes a deixar a prisão…

Presidente completa 500 dias na cadeia e deve ser beneficiado com regime semiaberto; mas pode também ter a pena anulada pelo envolvimento do juiz Sérgio Moro em sua acusação

 

Preso há 500 dias – completados nesta terça-feira, 20, o ex-presidente Lula já pode ser beneficiado com o regime semi-aberto.

E a expectativa é que ele deixe a prisão nos próximos dias.

Mas a defesa do ex-presidente quer ir além e pede a anulação do julgamento do ex-presidente, após revelação de que o ex-juiz Sérgio Moro atuou diretamente em sua acusação. (Entenda aqui, aqui e aqui)

Essa questão envolvendo Moro será analisada pelo Supremo Tribunal Federal.

3

Zé Inácio fez prognóstico seguido pelo STF sobre transferência de Lula

Pela manhã, deputado estadual maranhense analisou como arbitrária a decisão da juíza, apontando que ela deveria aguardar análise de Habeas Corpus no STF; horas depois, o supremo disse exatamente a mesma coisa

 

ZÉ INÁCIO PERCEBEU CEDO A ARBITRARIEDADE DA JUÍZA DE CURITIBA CONTRA LULA, o que foi confirmado horas mais tarde pelo STF

O deputado estadual Zé Inácio (PT) fez ontem uma ponderação pública que acabou casando exatamente com a decisão do Supremo Tribunal Federal em relação ao ex-presidente Lula.

Pela manhã, logo após decisão da juíza Carolinas Lebbos – de transferir Lula de Curitiba para São Paulo, sem ouvir a defesa – Inácio fez o seguinte comentário no Twitter:

À tarde, ao se reunir, o Plenário do STF decidiu acatar a decisão do ministro Edison Facchin, de suspender a transferência de Lula, argumentando que a juíza deveria esperar julgamento do recurso que tramita no Supremo.

Exatamente como pregou Zé Inácio horas mais cedo.

No final da tarde, o deputado do PT analisou como acertada a decisão do STF. E apontou que líderes dos mais diversos partidos recorreram à Suprema Corte “para denunciar tamanha ilegalidade contra o ex-presidente”.

O que se vê no episódio é que, pelo menos neste momento da história, os pensamentos de petistas se coadunam com os dos que realmente fazem justiça neste país.

É a história começando a s corrigir…

1

Moro e Dallagnol na mira do STF…

O ex-juiz federal e o procurador da Lava Jato manipularam dados de operações policiais e investigações do Ministério Público para emparedar ministros; e podem ver seu reinado de picaretagens cair por terra na Suprema Corte

 

A DUPLA DINÂMICA DALLAGNOL E MORO AGORA PODEM SER ALCANÇADOS PELOS BRAÇO DO STF; picaretagens contra ministros da Suprema Corte

O efeito das novas revelações do site The Intercept sobre as picaretagens do procurador da Lava Jato, Deltan Dallagnol, provocaram um efeito devastador no Supremo Tribunal Federal.

Já existe na Corte Suprema um grupo de ministros que quer frear as pretensões absolutistas do coordenador da Lava Jato e do ex-juiz que virou ministro da Justiça.

Já se sabe que Dallagnol tentou seduzir ministros como Edson Facchin e Luiz Roberto Barroso, manipulou ilegalmente investigações contra os ministros Dias Toffoli e Gilmar Mendes, e tentou influenciar até a escolha de um membro do STF. (Releia aqui, aqui e aqui)

As novas revelações do The Intercept trazem coisas ainda mais graves: o procurador da Lava Jato manipulou até partidos políticos para processar Gilmar Mendes, num ato tresloucado de autoritarismo.

As conversas reveladas pelo site do jornalistas Gleen Grennwald já deixam claro a manipulação do processo contra o ex-presidente Lula.

Agora, revelam que a dupla dinâmica Moro e Dallagnol também tentaram manipular a Justiça em todos as suas instâncias.

E devem pagar caro por essa petulância…

0

Interferência de Moro nas delações gerou atrito entre procuradores

Em conversas divulgadas pelo The Intercept Brasil, Carlos Fernando Lima insurge-se contra o juiz, pede mais liberdade para trabalhar, mas é coagido por Deltan Dallagnol a seguir orientação do “chefe” da Lava Jato

 

CARLOS FERNANDO RECLAMOU DA ONIPRESENÇA DE MORO NA LAVA JATO, mas foi repreendido pelo colega Deltan Dallagnol

Novos diálogos divulgados pelo site The Intercept Brasil, sobre a interferência de Sérgio Moro na investigações da Lava Jato, não deixam mais nenhuma dúvida de que o ex-juiz manipulava a acusação contra o ex-presidente Lula.

Nas conversas, um dos procuradores da Lava Jato, Carlos Fernando Lima, reclama ao colega Deltan Dallagnol contra a presença de Moro nos acordos de delação premiada.

No dia 24 de fevereiro de 2015, Lima manda a seguinte mensagem a Dallagnol:

– O procedimento de delação virou um caos. Creio que se a sua divisão de serviço pressupõe que eu e Januário [Paludo] estamos encarregados dos acordos, eles devem ser tratados por nós. Você é o Promotor natural e pode discordar, e eu sempre ouço todos, mas o que vejo agora é um tipo de barganha onde se quer jogar para a platéia, dobrar demasiado o colaborador, submeter o advogado, sem realmente ir em frente. (…) Isso até é contrário à boa-fé que entendo um negociador deve ter. E é bom lembrar que bons resultados para os advogados são importantes para que sejam trazidos novos colaboradores. Eu desejo que sejam estabelecidas pautas razoáveis.

A resposta de Dallagnol deixa claro quem era o chefe da investigação, no caso, o próprio juiz Sérgio Moro:

– Carlos Vc quer fazer os acordos da Camargo mesmo com pena de que o Moro discorde? Acho perigoso pro relacionamento fazer sem ir FALAR com ele, o que não significa que seguiremos. Podemos até fazer fora do que ele colocou (quer que todos tenham pena de prisão de um ano), mas tem que falar com ele sob pena de ele dizer que ignoramos o que ele disse. Vc pode até dizer que ouve e considera , mas conveniência é nossa e ele fica à vontade pra não homologar, se quiser chegar a esse ponto. Minha sugestão é apenas falar.

A orientação de Dallagnol ao colega Carlos Lima mostra, de forma definitiva, que o procurador que coordenava a Lava Jato seguia as ordens do juiz que deveria julgar os casos investigados pelo Ministério Público.

Em outras palavras, Sérgio Moro atuou para condenar Lula e não para julgá-lo à luz das provas.

E, por isso, contaminou o processo…

2

Deltan Dallagnol usou cargo até para pedir férias no Beach Park…

Coordenador da Lava Jato, que será investigado por usar o posto para ganhar dinheiro, foi flagrado pedindo hospedagem e ingressos do parque aquático como condição para palestra paga em Fortaleza

 

DELTAN DALLAGNOL NA PALESTRA DA FIEC, EM FORTALEZA, de onde saiu para curtir no Beach Park com todas as despesas pagas, além de cachê de R$ 30 mil

Já desmascarado por usar o posto de coordenador da Lava Jato – e a própria estrutura do serviço público – para ganhar dinheiro com palestras, o procurador Deltan Dallagnol parece cada vez mais mercenário como membro do Ministério Público Federal.

Novos diálogos obtidos pelo site The Intercept Brasil revelam que Dallagnol chegou a negociar até hospedagem e ingresso no Beach Park, no Ceará, como condição para dar palestra paga em Fortaleza.

A Corregedoria Nacional do Ministério Público já abriu inquérito para investigar as palestras daquele que ficou conhcido como paladino da Justiça, e cuja a imagem começa a desmoronar como areia.

– Tais palestras teriam se dado em parceria com empresas privadas, com quem dividiram os valores – diz o documento da CNMP, que determinou a abertura da investigação.

O PARQUE AQUÁTICO CEARENSE QUE SERVIU DE JABÁ PARA PROCURADOR; conselho a Sérgio Moro: “as crianças adoraram”

Dallagnol comemorou o jabá do Beach Park em conversa com a mulher.

– Posso pegar [a data de] 20/7 e condicionar ao pagamento de hotel e de passagens pra todos nós – disse Dallagnol a ela.

Depois de curtir no sol cearense, o procurador chegou a aconselhar o então juiz da lava Jato, Sérgio Moro, a fazer o mesmo.

– Eu pedi pra pagarem passagens pra mim e família e estadia no Beach Park. As crianças adoraram. Além disso, eles pagaram um valor significativo, perto de uns 30k [R$ 30 mil]. Fica para você avaliar – aconselhou.

Ainda não há revelações de áudios que indiquem se Moro aceitou ou não o passeio no Beach Park.

Ainda…

2

Qual destes Dallagnol é verdadeiro?!?

Enquanto o jornal Estado de S. Paulo mostra o procurador da Lava Jato insistindo em ser paladino da Justiça, a Folha de S. Paulo revela seu interesse em ganhar dinheiro com a operação, usando, inclusive, a mulher como laranja

 

DALLAGNOL USA A MULHER COMO LARANJA PARA GANHAR DINHEIRO com palestras sobre a Lava Jato

Os diálogos do site The Intercept Brasil já revelaram ao mundo que a relação promíscua entre o ex-juiz Sérgio Moro e o procurador Deltan Dallagnol tinham um interesse comprometedor: condenar o ex-presidente Lula nos processos da Lava Jato.

Mas mesmo após as conversas reveladas entre os dois, Dallagnol segue endeusado por uma parte da imprensa e da sociedade.

E neste domingo, os dois Dallagnol – o que ensina a combater a corrupção e o que ensina a usar esquemas para ganhar dinheiro – surgem nas páginas dos jornais Estado de S. Paulo e Folha de S. Paulo.

Ao Estadão, em entrevista exclusiva, Dallagnol fala de corruptos e condena o uso das conversas em que foi flagrado manipulando processos.

– O interesse é anular condenações e barrar o avanço da investigação. A operação atingiu muitos poderosos e detentores do poder econômico. Poderia ser qualquer um deles, além dos corruptos que ainda não foram alcançados pela Lava Jato – diz o procurador.

Mas as novas gravações reveladas pela Folha de S. Paulo mostram, no mesmo dia, um Deltan Dallagnol bem mais igual aos que ele diz combater.

– Você e Amanda do Robito estão com a missão de abrir uma empresa de eventos e palestras. Vamos organizar congressos e eventos e lucrar, ok? É um bom jeito de aproveitar nosso networking e visibilidade – ensina à mulher o Dallagnol capitalista.

Amanda de Robito é a mulher do procurado Robson Pozzozon, também da Lava Jato, que entraria com ele na sociedade secreta para arrecadar dinheiro com as operações.

Dallagnol usa as mulheres como laranjas por que a lei proíbe que procuradores sejam sócios de empresas.

Em outras palavras, o coordenador da Lava Jato, que persegue corruptos é, ele próprio, um corrupto, que engana a lei para ganhar dinheiro com suas perseguições.

Simples assim…

 

3

Esquema judicial para condenar Lula pode ter funcionado até no TRF-4

Novas conversas em poder do site The Intercept, publicadas pela Veja, apontam para possível direcionamento no julgamento dos casos pelo relator em segundo grau, desembargador João Pedro Gebran Neto

 

DALLAGNOL CHEGOU A IRONIZAR A CONVERSA QUE TEVE COM GEBRAN NETO SOBRE AS PROVAS DA LAVA JATO; caso claro de antecipação de sentença

Um novo pacote de conversas entre procuradores da Lava Jato sobre membros do judiciário reforçam a possibilidade de que a condenação do ex-presidente Lula foi mesmo construída nos bastidores da Justiça brasileira.

E desta vez, as conversas reveladas pela revista Veja, que já está circulando, mostram que o esquema pode ter funcionado também no TRF-4, onde o caso Lula foi julgado em segundo turno, o que resultou em sua prisão imediata.

De acordo com a reportagem, o procurador Deltan Dallagnol conversou com o seu colega procurador Carlos Augusto da Silva Cazarré – que funciona como representante do MPF na segunda instância – sobre o julgamento de um recurso no TRF-4, que tem como relator o desembargador João Pedro Gebran Neto.

Os dois procuradores articulam sondagens para saber se o TRF confirmaria ou não a sentença de Adir Assad, já condenado na Lava Jato. Cazarré diz que vai sondar, mas diz que já havia percebido algo.

Mais grave, no entanto, é a postura de Dallagnol: ele revela que “em conversas fortuitas” com Gebran Neto, recebeu a informação de que as provas eram inconsistentes.

Dallagnol até brinca com a conversa: “nova forma de investigação: conversa fortuita com desembargador”.

Para qualquer jurista minimamente esclarecido, só o fato de o relator do caso manifestar-se sobre a qualidade das provas apresentadas por uma das partes já é suficiente para questionar a parcialidade do julgamento.

A reportagem da Veja adianta que há novos pacotes de conversas relacionadas à segunda instância, que condenou Lula.

Em outras palavras, o cerco está fechando para os paladinos da Justiça…

4

Imagem de Moro começa a deteriorar; e nem esgotaram os áudios…

Ao contrário dos que pregam os ainda apaixonados pelo governo Bolsonaro, as manifestações em favor do juiz foram tímidas, apesar do apoio de grupos organizados de extrema direita, como o MBL

 

O FRACASSO DO MOVIMENTO PRÓ-MORO EM TODO O PAÍS também foi registrado nos atos realizados em São Luís

Não há como negar: apesar das várias narrativas que tentam desqualificá-los, os áudios do ex-juiz Sérgio Moro, divulgados pelo site The Intercept, mostraram ao Brasil a outra cara do agora ministro do governo Bolsonaro.

E fez estragos.

Isso ficou bem mais evidente no domingo, 30, quando manifestantes foram às ruas em defesa dele, diante das revelações do site The Intercept, que o desmascararam.

E tiveram o apoio de dois movimentos de extrema direita com força para fazer zoada: o “MBL” e o “Vem Pra Rua”.

Mas as manifestações oram tímidas em relação ao início do governo.

Para efeito de comparação, desde o início do governo, os movimentos de apoio a Bolsonaro e sua turma vêm perdendo fôlego, enquanto que os protestos da esquerda crescem.

Em 26 de maio, por exemplo, segundo levantamento do site G1, os bolsonaristas reuniram manifestantes em 156 municípios.

Neste domingo, conseguiram levar gente às ruas em apenas 88 cidades.

Atualmente, apenas radicais apaixonados ainda se manifestam mais entusiasticamente em favor do governo Bolsonaro – muitos de olhos ainda vendados pela anestesia eleitoral.

Em favor de Moro, este número já é mais baixo ainda, fruto das revelações do The Intercept, que desmascaram o ex-juiz.

E ainda vem mais áudios por aí…

0

Como este blog anunciou, Flávio Dino entregou recado de Lula a Sarney…

Apesar de ser desmentido em artigo e editorial pelo governista Jornal Pequeno, encontro foi divulgado e reafirmado em posts que se comprovam nesta quarta-feira, 26, pelo próprio governador comunista

 

DINO ESTEVE COM SARNEY, NOS TERMOS DO QUE DISSE ESTE BLOG, em artigo publicado no dia 18 e desmentido pelo Jornal Pequeno

No dia 18 de junho o blog Marco Aurélio D’Eça publicou, com exclusividade, o post “Lula encaminhou por Dino recado ao ex-presidente Sarney…”

Era uma repercussão do encontro do próprio Dino com Lula, dias antes, em que foi discutido o risco à democracia que representa o governo Jair Bolsonaro (PSL).

O Jornal Pequeno, em um artigo do seu diretor e uma longa nota de abertura do seu principal colunista, desmentiu peremptoriamente este blog, classificando de fake news o encontro de Dino com Sarney.

O blog reafirmou sua informação e mostrou tratava-se de uma articulação com outros ex-presidentes, preocupados com os caminhos do país.

O TWITTER DE FLÁVIO DINO, QUE REPERCUTIU NESTA QUARTA-FEIRA: confirmação de tudo o que o blog previu

Pois nesta quarta-feira, 26, o próprio governador Flávio Dino anunciou em seu perfil no Twitter o encontro com Sarney.

– Hoje conversei com o ex-presidente José sarney sobre o quadro nacional. Apresentei a ele a minha avaliação de que a democracia corre perigo, em face dos graves fatos que estamos assistindo – disse Dino, confirmando os mesmos termos usados por este blog.

A confirmação de Flávio Dino sobre o encontro com Sarney confnirma também – e mais uma vez – uma característica deste blog: a de se antecipar aos fatos com base em um faro jornalístico in nato e pela rede de network construída ao longo de 27 anos de jornalismo.

E é claro que, humildemente, aceita, sim, o pedido de desculpas do Jornal Pequeno.

Sentir-se-á honrado, inclusive…

2

Se as mensagens do The Intercept não são autênticas, por que Moro pede desculpas por elas?!?

Mesmo tentando questionar a veracidade dos áudios que o desmascaram, ex-juiz encaminhou pedido de desculpas formal ao grupo Movimento Brasil Livre (MBL) por tê-los chamado de “tontos”

 

Já desmascarado em sua imparcialidade pelas conversas criminosas reveladas pelo site The Intercept, o ex-juiz Sérgio Moro foi pego em mais uma contradição em sua patética tentativa de se livrar das teias que criou.

Ele encaminhou pedido de desculpas formal ao Movimento Brasil Livre (MBL), grupo da extrema direita que foi chamado de “tontos” em uma conversa com o procurador Deltan Dalagnoll.

– Se de fato usei o termo, peço escusas, mas saibam que têm todo o meu respeito e sempre terão – declarou Moro, segundo a gravação publicada no Youtube pelo deputado estadual Arthur Mamãe Falei (DEM-SP), do MBL.

Ora, para tentar salvar a pele das revelações das conversas, Moro tem repetido a cantilena  de que as gravações podem não ser autênticas, terem sido alteradas ou simplesmente manipuladas.

Se ele diz isso, por que pediu desculpas ao MBL?!? Se a parte em que ele manipula o julgamento de Lula para garantir a condenação do ex-presidente é uma fraude, por que só a parte do MBL é verdadeira.

A situação do agora ministro da Justiça é uma das mais delicadas da histórica das figuras públicas no Brasil, não importa se [ainda] tenha ou não apoio popular.

E quanto mais ele tenta negar os fatos, mas se comprova sua intenção de manipular o julgamento de Lula…