3

Jair Bolsonaro mostra-se refém de Sérgio Moro…

Presidente recuou da ideia de tirar a pasta da Segurança do Ministério da Justiça, após ameaça pública do ministro de que deixaria o governo se isso ocorresse; governo mostra-se incomodado com a força do ex-juiz

 

Bolsonaro perde a queda de braço com Sérgio Moro e recua na divisão do Ministério da Justiça; ministro ganha ainda mais força no governo

O presidente Jair Bolsonaro mostrou-se absolutamente refém da vontade do ministro da Justiça, Sérgio Moro, ao recuar na decisão de tirar a pasta da Segurança Pública do Ministério da Justiça.

No início da semana, Bolsonaro havia admitido a possibilidade de criar outro ministério para cuidar especificamente da Segurança Pública, quebrando a promessa dada a Moro de um superministério para as duas áreas.

Moro ameaçou publicam,ente deixar o governo se a separação ocorresse; nesta sexta-feira, Bolsonaro recuou e anunciou que não iria separar.

Há um incômodo claro no núcleo do governo mais próximo de Bolsonaro com a popularidade crescente de Sérgio moro na opinião pública.

Analistas apontaram que a divisão do ministério seria uma tentativa de Bolsonaro de esvaziar Moro, o que não deu certo.

Com o recuo, Bolsonaro acabou por tornar-se refém da vontade o ministro da Justiça.

Que ganha poderes quase absolutos no governo…

2

“O nazismo está entronizado como política de estado”, diz Flávio Dino

Governador do Maranhão mostra preocupação com a onda crescente de ações autoritárias do governo Jair Bolsonaro e diz que é preciso responsabilidade das forças políticas de oposição, sem preconceitos ou sectarismo para contê-la

 

Flávio Dino tem cada vez mais tomado posições contrárias ao pensamento da ala de esquerda liderada por Lula e pelo PT

O governador Flávio Dino (PCdoB) mostrou-se preocupado com a onda crescente de ações autoritárias do governo Jair Bolsonaro; e apontou ao jornal Folha de S. Paulo que isto é uma ameaça ao Brasil

– O Brasil vive uma conjuntura de trevas. Nós temos uma ameaça objetiva à vida democrática, à dissolução da nação. O nazismo está entronizado como política de Estado daqui e de acolá – frisou ele, citando as declarações de apologia ao nazismo, do ex-secretário de Cultura Roberto Alvim. 

A entrevista de Dino à Folha e ao UOL se deu no dia em que pesquisa da CNT aponta crescimento na popularidade de Bolsonaro, sinal de que as políticas do governo acabam por ter eco em setores mais conservadores e arcaicos da sociedade, hoje com sensação de liberdade no país.

Diante desta conjuntura, Dino fez críticas, ainda que indiretamente, à postura sectária do ex-presidente Lula e do PT, que pregam um contraponto exclusivo da esquerda, sem diálogo com as demais forças democráticas.  

– Eu tenho responsabilidade com o Brasil e, por isso mesmo, não fico olhando preconceitos e rótulos, porque eu sei o tamanho dessa ameaça. O que estou procurando fazer é não deixar essa tal dessa bolha se cristalizar. Isso seria ruim para o Brasil – defendeu Dino, ao comentar sua ligação com o apresentador Luciano Huck e com o ex-presidente Fernando Henrique Cardoso, criticada por setores do PT.

Para Dino, a atual situação política do Brasil está se consolidando, e ninguém tem forças para contê-la sozinho…

1

Propostas de Lula e de Flávio Dino para o país são antagônicas

Enquanto o ex-presidente Lula e seu partido, o PT, reforçam a radicalização à esquerda, liderada por eles próprios, governador do Maranhão busca opções de centro e até liberais; ambos na tentativa de frear a extrema direita brasileira

 

Lula e Dino têm o mesmo objetivo, o enfrentamento da extrema direita brasileira; mas suas propostas são diferentes e até antagônicas

O início de 2020 no Brasil começou com uma espécie de polarização das lideranças nacionais de esquerda, protagonizada pelo ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT) e pelo governador do Maranhão, Flávio Dino (PCdoB).

E está cada vez mais claro o antagonismo das propostas de Lula e de Dino, embora ambos mantenham o discurso de aliados e o mesmo objetivo: frear a onda radical da extrema direita brasileira.

Desde que deixou a prisão em Curitiba (PR), Lula tem reforçado o discurso de unidade à esquerda, mas deixa claro que essa unidade só pode ser construída a partir da liderança do PT. Em seus discursos e entrevistas, o ex-presidente vê as demais legendas do campo progressista – PCdoB, PDT, PSB, PSOL – como meros coadjuvantes petistas nas eleições de 2022.

Flávio Dino, por sua vez, faz movimentos rumo ao centro – e chega a flertar até com propostas mais liberais.

Cotado como presidenciável em 22, o comunista maranhense já buscou diálogo com lideranças do PSDB e do Novo, mantém forte relação com o comando do DEM e busca aproximar outro nome da oposição, o ex-ministro Ciro Gomes (PDT), que anda ausente do debate.

O movimento de Dino tem gerado críticas do próprio PT, que defende radicalmente a dicotomia Esquerda X Direita como plataforma político-eleitoral no momento atual do país e do mundo.

Tanto o movimento de Lula quanto o de Flávio Dino têm um objetivo claro: frear as pretensões da extrema direita brasileira que chegou ao poder ancorada em propostas autoritárias, com viés de fascismo e flertando publicamente com o nazismo.

O tempo dirá se as duas propostas convergem para uma aliança mais radical ou se concentra ao centro, reunindo nomes e propostas de todos os espectros políticos.

As ideias já estão postas…

4

Sinhozinho Malta na presidência e Viúva Porcina na Cultura, diz Lima Duarte

Ator de 89 anos ironiza o convite de Jair Bolsonaro para a atriz Regina Duarte comandar a Secretaria de Cultura, ato que tem repercutido mal na própria classe artística

 

Jair Bolsonaro quer Regina Duarte, a Viúva Porcina, de Roque Santeiro, na Secretaria de Cultura

O ator Lima Duarte, de 89 anos, ironizou nesta segunda-feira, 20, segundo o jornal Folha de S. Paulo, o convite do presidente Jair Bolsonaro para a atriz Regina Duarte assumir a Secretaria Nacional  de Cultura.

– É perfeito para o Brasil de hoje: Sinhozinho Malta na Presidência e Viúva Porcina na Cultura – debochou Duarte, para quem o Sinhozinho Malta de Bolsonaro não tem o mesmo charme do original, interpretado por ele na novela Roque Santeiro, de 1985.

– Sem o charme, mas com todo o resto [das características do personagem, um coronel da cidade fictícia de Asa Branca] frisou.

Sinhozinho Malta e Viúva Porcina, na versão da novela Roque Santeiro, de 1985, um dos maiores sucessos da Rede Globo

Regina Duarte tem sido sondada por Bolsonaro desde a demissão do nazistóide Roberto Alvim,  que usou discurso do ideólogo do sistema de Adolf Hitler, Joseph Goebbels, para anunciar uma premiação da pasta.

Mas a chamada à atriz não repercutiu bem na classe artística, onde ela é queimada desde que resolveu gravar programa eleitoral tentando criar clima de medo no país com a eleição de Lula, ainda em 2002.

De lá para cá, Regina Duarte – filha de militares – passou a ser vista com reserva pelos colegas atores e atrizes.

Ela ainda não decidiu se aceita o convite de Bolsonaro, mas já esteve no palácio do Planalto.

Tá certo ou tá errado?:!?, diria o Sinhozinho Malta…

9

Como era esperado, Bolsonaro se curva novamente a Trump…

Presidente brasileiro mostrou-se claramente crítico em relação ao Irã, chamou o general morto de terrorista e disse que está pronto para apoiar qualquer medida contra o terrorismo no mundo, ignorando que a ação americana foi apenas um ato de vingança

 

Bolsonaro falou exatamente o que se esperava dele em relação ao ataque dos Estados Unidos ao Iraque, ordenado por Donald Trump

Previsível, o presidente Jair Bolsonaro  saiu em defesa do Estados Unidos na tensão internacional gerada pela morte do general iraniano Qasem Soleimani, em um atentado no aeroporto de Bagdah, no Iraque. 

Bolsonaro não disse nada além do que se esperava dele.

– Nós sabemos a posição do Irã perante o mundo, o que os árabes pensam a respeito do Irã e como o abandono de apoio ao Irã vem acontecendo ao longo dos anos. Não podemos concordar em grande parte com o que acontece lá – ressaltou o presidente, ignorando totalmente os motivos que levaram ao ataque americano. (Leia mais aqui)

Segundo as agências internacionais, Soleimani foi morto como vingança pela invasão de manifestantes à Embaixada dos EUA no Iraque, que teria sido aprovada pelo general. 

Mas para Bolsonaro, Suleimani era um terrorista.

– A vida pregressa dele (Suleimani) era voltada em grande parte para o terrorismo. Nossa posição aqui no Brasil é bem simples, tudo que pudermos fazer para combater o terrorismo, nós faremos – afirmou. 

Soleimani foi morto, pura e simplesmente, por ter apoiado a invasão de manifestantes à Em,baixada americana no Iraque

Ao contrário do que imagina a mente brilhante de Bolsonaro, Soleimani era, segundo a rede inglesa BBC, um dos mais populares generais do Irã, visto como herói nacional no Irã e respeitado internacionalmente pela luta contra o Estado Islâmico, o mesmo que os americanos dizem combater. 

A morte do general causou um clima de tensão não apenas no Oriente Médio, mas em todo o mundo.

Isso, no entanto, é distante do alcance intelectual do ora presidente brasileiro…

1

Crise entre Estados Unidos e Irã é teste para a visão de mundo de Bolsonaro…

Presidente brasileiro é visto com desconfiança pelos especialistas em política internacional, diante da postura servil ao presidente americano, pelo despreparo gerencial e pelo pouco conhecimento que demonstra da Geopolítica

 

Bolsonaro assumiu desde sempre postura submissa e servil a Donald Trump; a comunidade internacional agora espera posição brasileira diante do ataque americano ao Irã

Eleito presidente da República em um desses surtos psicóticos que abalam o inconsciente coletivo de tempos em tempos, Jair Bolsonaro vem dando seguidas demonstrações de despreparo, falta de conhecimento, incapacidade gerencial e tacanha visão de mundo.

O início do seu segundo ano de mandato apresenta a ele agora um teste de fogo para seu entendimento de Geopolítica.

O ataque das forças americanas a um aeroporto de Bagdah, no Iraque – que resultou na morte do general da Guarda Revolucionária Iraniana, Qassem Soleimani – deve ter retaliação do Irã.

O governo iraniano já anunciou que haverá vingança, abrindo um clima de guerra com impacto no mundo todo.

Desde que assumiu, Bolsonaro vem dando seguidas demonstrações de deslumbramento e servilismo  ao presidente americano Donald Trump. Tanto que entregou aos EUA a base de lançamentos de Alcântara, de onde os americanos monitoram o espaço aéreo e as bases espaciais do mundo todo. 

Esta postura do presidente brasileiro traz a tensão internacional também para o quintal do Brasil.

E a posição internacional de Bolsonaro dirá muito do futuro que o país terá neste conflito.

É aguardar e conferir…

2

Deputados criticam postura de Bolsonaro em relação a Paulo Freire..

Ignorante e sem cultura, presidente chamou de energúmeno o educador brasileiro – referência no mundo inteiro – o que causou revolta em Othelino Neto e Zé Inácio

 

Othelino Neto e Zé Inácio saíram em defesa de Paulo Freire e desqualificaram as agressões de Bolsonaro ao educador brasileiro

Foi enfaticamente rebatida pelos deputados Ohelino Neto (PCdoB) e Zé Inácio (PT) a fala do presidente Jair Bolsonaro contra o educador brasileiro paulo Freire, referência no mundo inteiro.

Absolutamente ignorante e sem nenhum traço de cultura no perfil, Bolsonaro chamou Paulo freire de energúmeno, o que causou revolta nos parlamentares maranhenses.

 – Isso é mais uma demonstração do destempero verbal do presidente do Brasil. Mas ele não consegue desclassificar um homem da envergadura de Paulo Freire, educador premiado nacional e internacionalmente, cuja obra é orgulho para todos nós brasileiros – frisou Othelino, que é presidente da Assembleia Legislativa.

Mas provocativo ainda, Zé Inácio questionou a capacidade intelectual do próprio Bolsonaro, e perguntou:

– Será que ele sabe, ao menos, o significado da palavra “energúmeno”?

Na avaliação de Zé Inácio, as palavras de Bolsonaro refletem a história, já que a direita brasileira nunca engoliu a capacidade de Paulo Freire.

 – Um dos métodos de manipulação é inocular indivíduos com o apetite burguês pelo sucesso pessoal. Essa manipulação às vezes é realizada diretamente pelas elites e, às vezes, indiretamente, por meio de líderes populistas. Líderes que não agem através do diálogo, mas insistem em impor suas decisões, não organizam as pessoas – elas as manipulam. Eles não liberam, nem são liberados: eles oprimem – frisou o deputado do PT, usando pensamento do próprio Paulo Freire.

O ataque de Bolsonaro ao maior educador brasileiro repercutiu negativamente no mundo inteiro…

1

Demissão de Kátia Bogéa expõe falta de interlocução nacional do MA pós-Sarney

Nenhuma das atuais lideranças políticas maranhenses tem atuação no cenário nacional com peso suficiente para ocupar espaços de poder no governo Bolsonaro; mesmo os bolsomínions ocupam apenas o 3º e 4º escalões

 

Exoneração de Kátia Bogéa no mesmo dia em que o Bumba-Meu-Boi maranhense foi eleito Patrimônio da Humanidade revela desprezo de Bolsonaro à classe política maranhense

Presidente do Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional (Iphan) desde 2016, Kátia Bogéa foi exonerada pelo presidente Jair Bolsonaro (Sem partido) no mesmo dia em que a Unesco elegeu o Bumba-Meu-Boi do Maranhão Patrimônio Cultural da Humanidade.

Mais do que uma perda para a arte e a cultura brasileiras a demissão de Kátia Bogéa expõe dois aspectos da política maranhense neste final de 2019:

1 – nenhuma liderança política do Maranhão conseguiu qualquer interlocução com o presidente Jair Bolsonaro neste primeiro ano de poder da extrema direita brasileira;

2 – mesmo os bolsomínions mais empedernidos conseguiram espaços apenas no terceiro e quarto escalões do governo do capitão.

Logo no início do ano, os deputados federais Hildo Rocha (MDB) e Aluísio Mendes (PTC), assim como o senador Roberto Rocha (PSDB), tentaram vender a ideia de proximidade com Bolsonaro, o que se mostrou uma inverdade ao longo do ano.

Aliás, os três posaram de padrinhos da indicação de Kátia Bogéa, que foi exonerada por questões claramente ideológicas, como revelaram sites nacionais.

Desde a aposentadoria política de José Sarney, ao fim do governo Michel Temer, o Maranhão ficou sem referência na interlocução nacional

Kátia foi nomeada presidente do Iphan em 2016, logo no início do governo Michel Temer, por influencia do ex-presidente José Sarney (MDB) – e logo mostrou-se fundamental para São Luís, viabilizando projetos como o Complexo Deodoro e a batalha pelo Bumba-Meu-Boi.

Nem mesmo os bolsomínions maranhenses – como Allan Garcês, Maura Jorge e Coronel Monteiro – conseguem espaços de poder nacional, ocupando meros cargos de representação estadual ou no quarto escalão em Brasília.

Como a outra banda da política maranhense atual é formada pelo grupo do governador Flávio Dino (PCdoB) – claramente hostil a Bolsonaro – a demissão da presidente do Iphan revela outro aspecto ruim para o estado, qual seja:

O Maranhão está isolado politicamente do Brasil na era pós-Sarney…

2

Flávio Dino agora se mostra parlamentarista?!?

Governador maranhense que quer ser candidato a presidente da República diz que é preciso ampliar a responsabilidade política do Congresso, diante da tendência de o país ter presidentes cada vez mais fracos

 

O twitter de Dino chamou atenção da mídia, mas não ficou claro se ele defende parlamentarismo ou se apenas ficou preocupado com o enfraquecimento do presidente

O governador Flávio Dino (PCdoB) fez uma postagem nesta quarta-feria, 11, que encaminha a retomada de um debate sobre a possibilidade de implantação do Parlamentarismo no Brasil.

Na postagem não fica claro se o comunista mostra-se a favor da troca de sistema político brasileiro ou se apenas faz um alerta sobre a retomada deste debate, preocupado com o enfraquecimento da instituição Presidência da República.

– Se essa tendência se confirma nos próximos anos, voltará o debate sobre o parlamentarismo como caminho institucional para gerar governabilidade, ampliando a responsabilidade política do Congresso – disse o governador.

O parlamentarismo como sistema de governo no Brasil foi derrotado no plebiscito realizado em 1993. de l[á para cá, vez por outras surgem lideranças propondo a retomada do debate.

Mas é a primeira vez que Flávio Dino fala do assunto, desde que entrou na vida pública, em 2006…

 

0

Simplício coordena grupo que debateu com o Governo Federal plano de ação em Alcântara

Objetivo do Maranhão é ampliar as políticas públicas hoje já implementadas pelo Governo do Estado na região do Centro de Lançamento

 

O secretário de Indústria, Comércio e Energia (Seinc), Simplício Araújo, coordenou o grupo que esteve recentemente no Centro de Lançamento de Alcântara (CLA), debatendo com representantes do Governo Federal um plano de ação para a cidade de Alcântara e região.

Durante reunião foram apresentadas as ações governamentais após a assinatura do Acordo de Salvaguardas Tecnológicas (AST), assinado por representantes do Brasil e dos Estados Unidos (EUA), que tem o objetivo de permitir que veículos lançadores e cargas úteis comerciais de qualquer nacionalidade, que contenham equipamentos ou tecnologias norte-americanas, sejam lançadas a partir do CLA, no Maranhão, com a devida proteção das tecnologias embarcadas.

Segundo o secretário da Seinc, Simplício Araújo, que esteve acompanhado na reunião com o secretário de Ciência, Tecnologia e Inovação, Davi Teles, ainda este mês, o Governo do Maranhão apresentará o plano de ação aos membros do Governo Federal, em Brasília. Segundo ele, a proposta é ampliar as políticas públicas que já promovem desenvolvimento e que estão em curso pelo Executivo Estadual.

“Nós sugerimos mudança na dinâmica, inserindo Alcântara numa visão de desenvolvimento maior, considerando portos em funcionamento e em projeto, a implantação da Esquadra da Marinha, como elemento importante após a aprovação do AST, o papel da Emap em toda a baía de São Marcos e as políticas que já estamos adotando em diversas áreas no Maranhão e, principalmente, apoio à comunidades rurais e quilombolas da região”, disse Simplício Araújo.

Para tratar das demandas referentes as ações governamentais, foi criado pelo Governo Federal, o Comitê de Desenvolvimento do Programa Espacial Brasileiro (CDPEB), que constituiu um Grupo Técnico com atribuição para planejar a implementação de políticas públicas e estabelecer um plano para a consolidação do CLA. A medida, é em virtude de uma nova atividade econômica, ao atender o mercado internacional de lançamentos privados, o CLA será importante indutor de desenvolvimento para Alcântara e para o País.