1

Oposição a Dino e Edivaldo chega a 55% das intenções de voto em São Luís

Pré-candidatos que não rezam na cartilha do governador e do prefeito detêm a ampla maioria dos votos na capital maranhense. Mesmo com a profusão de candidatos, base governista apresenta menos de 30% dos votos

 

Wellington é o incômodo muro que separa o líder Eduardo Braide dos candidatos governistas na disputa em São Luís

Se as eleições para prefeito fossem agora, a população de São Luís veria, pela primeira vez, dois candidatos não apoiados pelo Governo do Estado ou pela prefeitura numa disputa de segundo turno.

Os deputados Eduardo Braide (PMN), com 40%, e Wellington do Curso (PSDB), com 12%, lideram a corrida pela sucessão do prefeito Edivaldo Júnior (PDT), segundo pesquisa Exata divulgada no fim de semana.

Somados ao também oposicionista Adriano Sarney (PV), que aparece  com 3%, a oposição chega a nada menos que 55% das intenções de voto.

Este índice é ainda maior quando se inclui nessa soma os votos de Jeisael Marx, que concorre de forma independente e registra 2%. E poderia ser maior se o candidato bolsonarista Allan Garcês apresentasse desempenho melhor que 0%.

O membro da base governista com melhor desempenho é o também deputado Duarte Júnior (PCdoB), que registra 11% – em condição de empate técnico com Wellington – mas não tem a simpatia nem de Flávio Dino (PCdoB), nem de Edivaldo júnior (PDT).

Ao lado do senador Weverton, Edivaldo e Flávio Dino correm o risco de ver minar seus poderes, com estratégias equivocadas em São Luís

Para efeito de comparação, o candidato declarado de Flávio Dino, Rubens Pereira Júnior (PCdoB), registra apenas 1% das intenções de voto; O nome indicado pelo PDT de Edivaldo, Osmar Filho, aparece um pouco à frente, com 3%.

Juntos, os seis pré-candidatos da base governista – Duarte Júnior, Neto evangelista (DEM), Bira do Pindaré (PSB), Osmar Filho, Dr. Yglésio (sem partido) e Rubem Júnior – somam apenas 29% das intenções de votos.

De acordo com a Exata, os índices de votos nulos e de eleitores indecisos – que chegam a 15% –  representam mais da metade de todos os votos dados aos holandinistas.

Sinais de que a dupla pode acabar perdendo o poder se insistir em estratégias equivocadas…

4

Flávio Dino usa tática surrada e divulga pesquisa para contrapor desgaste…

Em meio às críticas por causa do aumento abusivo de impostos, comunista divulga pesquisa feita de uma hora para outra que aponta aprovação de mais de 60% da sua administração

 

Flávio Dino debocha dos ses adversa´rios com pesquisa que aponta forte popularidade

O governador Flávio Dino (PCdoB) utilizou-se nesta sexta-feira, 23, de um expediente que tem usado desde o início do seu governo: a divulgação de pesquisas  do seu agrado sempre que lhe surge algum desgaste popular.

Desta vez, levantamento do Instituto Exata, comemorado em redes sociais e blogs alinhados ao Palácio dos Leões, aponta Flávio Dino com 61% de aprovação popular.

Os números da Exata vão na contramão do desgaste que Dino sofreu nas últimas duas semanas, quando empresários, movimentos sociais, especialistas em Economia e gente do povo esbravejaram contra o aumento do ICMS de combustíveis, bebidas e energia elétrica.

Mesmo diante desta agenda negativa, a Exata – que trabalha para o governo comunista desde o seu início – conseguiu encontrar mais de seis em cada 10 maranhenses que aprovam a gestão de Flávio Dino.

A estratégia comunista é a mesma desde o início do governo.

A cada vez que ele se vê em maus lençóis no Maranhão, apela para dois antídotos: uma entrevista em jornal de circulação nacional ou mesmo internacional – paga com dinheiro público, por intermédio de contrato de R$ 8 milhões com uma empresa do jornalista Ricardo Noblat – ou uma pesquisa que ateste sua força popular.

Até agora, a estratégia vem mantendo Dino estável do ponto de vista popular, mesmo sem o carisma característico dos grandes líderes.

Resta saber se essa estratégia vai fazê-lo se manter de bem com o povo até 2018, quando concorrerá à reeleição.

É aguardar e conferir…

4

Eliziane Gama e o início da campanha em São Luís…

Ainda liderando a corrida eleitoral e à frente de todos os adversários em eventual segundo turno, candidata do PPS precisa corrigir rumos, superar dogmas – políticos e religiosos – e cobrar posicionamento dos partidos aliados para recuperar força eleitoral

Eliziane tem força e carisma, mas precisa corrigir erros

Eliziane tem força e carisma, mas precisa corrigir erros

A deputada Eliziane Gama (PPS) é um fenômeno de carisma e de empatia popular, o que se reflete na sua força pessoal no confronto com os seus dois principais adversários na disputa de um segundo turno pela Prefeitura de São Luís.

Pelo menos é o que revelam não só a pesquisa Exata, mas todas as demais já divulgadas.

Mas Eliziane, mesmo assim, precisa corrigir os rumos políticos para manter a competitividade nesta fase da campanha.

Alguns erros do grupo da deputada levaram à situação de luz amarela que se apresenta na campanha. E precisam ser corrigidos imediatamente.

A própria presença de Wellington na disputa – que tirou boa parte do eleitorado da deputada – é resultado direto da dificuldade que Eliziane Gama tem de formar grupo e valorizar aliados.

Wellington é aliado da candidata pepessista desde as eleições de 2010 – inclusive filiado ao próprio partido dela – mas sempre foi tratado com certo distanciamento.

E foi esse distanciamento que levou o deputado a deixar o PPS e se abrigar no PP.

Partidos aliados

Eliziane também precisa exigir mais dos aliados partidários..

Na relação com o PSDB, por exemplo, cabe a ela estabelecer quando – e como – se dará a escolha do seu companheiro de chapa, evitando crises e desgastes de disputas internas entre tucanos, que precisam, inclusive, estar prontos para abrir mão da indicação em troca de um nome mais importante para o projeto..

O PSB também já deveria ter-se posicionado definitivamente em relação à deputada.

Os socialistas não podem mais empurrar a decisão para tomá-la apenas em um ponto de não-retorno, dentro da conveniência partidária e não da candidata.

Até porque, nesta relação, a dependência do projeto de Roberto Rocha ao projeto de Eliziane é bem maior que a dependência dela ao projeto dele.

Dogmas e vices

Eliziane precisa também superar dogmas – políticos e religiosos – que afastam a classe política e o eleitor mais qualificado do ponto de vista intelectual.

A deputada precisa reabrir diálogo efetivo com partidos como o PR, por exemplo, que tem no vereador Astro de Ogum uma de suas principais lideranças.

A cultura religiosa de Astro não pode ser empecilho à cultura religiosa da candidata.

A mesma questão deve ser levada em conta na relação com PMDB e PV, legendas vinculadas politicamente ao chamado grupo Sarney.

Eliziane não pode temer patrulha anti-sarneysista se o próprio prefeito Edivaldo Júnior (PDT) está cercado por partidos sarneysistas – como DEM, PTB, PSD, Pros e PSC – e nunca foi pressionado pelos aliados do governador Flávio Dino a abrir mão dessas legendas.

Qualquer um destes partidos poderiam dar à candidata do PPS um vice consistente do ponto de vista político-eleitoral, entre eles o próprio Astro, o deputado Adriano Sarney (PV) ou mesmo o vereador Fábio Câmara (PMDB).

Para os especialistas em pesquisas eleitorais, inclusive,  a chapa Eliziane/Fábio Câmara sempre foi classificada como uma chapa de dois candidatos, dada à sua representatividade em São Luís.

Eliziane Gama é a favorita na disputa eleitoral na capital maranhense, e isto a própria pesquisa Exata também mostrou.

E cabe apenas a ela própria definir o seu destino…