0

Agora presidente da Uncema, Cel. Célio Roberto visita Flávio Dino

Comandante do Corpo de Bombeiros, que assumiu o comando da União dos Militares Cristãos Evangélicos do Maranhão, esteve no Palácio dos Leões acompanhado do presidente da associação nacional da categoria, coronel Emilson Souza

 

Célio Roberto ao lado de Flávio Dino, apresentando os representantes dos militares cristãos-evangélicos

O comandante do Corpo de Bombeiros do Maranhão, coronel Célio Roberto, tomou posse nesta quarta-feira, 16, na presidência da União dos Militares Cristãos Evangélicos do Maranhão (UMCEMA).

Pela manhã, ele esteve no Palácio dos Leões, em visita ao governador  Flávio Dino (PCdoB), acompanhado do presidente da União de Militares Cristãos Evangélicos do Brasil (UMCEB), coronel Emilson Souza.

Dino é destacado na categoria como incentivador da religiosidade nos quarteis.

Os militares em pose para foto ao lado do governador Flávio Dino: encontro em novembro na capital maranhense maranhense

Os representantes da UMCEB convidaram Flávio Dino para o 20º Congresso de Militares Cristãos do Brasil, que este ano será realizado em São Luís, entre os dias 4 e 7 de novembro.

– Uma honra, um desafio, mas com o apoio do governador, nós, sem dúvida nenhuma, teremos um evento aqui abençoado. Já aproveitamos para convidar não só os militares evangélicos, mas os demais militares e toda sociedade maranhense para este evento que faremos no mês de novembro – enfatizou Célio Roberto.

Também participou do encontro, o vice-presidente da UMCEB, major Joel Rocha.

8

A quem interessa abertura dos templos religiosos?!?

Em tempos de acesso à internet em qualquer classe social – e com a pandemia de coronavirus em altos níveis de contaminação – insistir em cultos e missas presenciais só se justifica como caça-níquel

 

Sujeitos como estes quatro ficam cada vez mais ricos com as igrejas abertas, ainda que seu povo morra de CoVID-19

O segmento evangélico brasileiro dá altos índices de apoio ao presidente Jair Bolsonaro, sobretudo na massa alienada que vê o seu líder religioso como uma espécie de semideus.

As igrejas vazias também contribuem no combate ao coronavirus; e Deus há de compreender essa necessidade

Este apoio foi construído ainda antes das eleições de 2018, por intermédio de sujeitos do tipo de Silas Malafaia e Edir Macedo, cujas fortunas crescem a olhos vistos diante da manipulação que promovem da fé de incautos.

E são estes sujeitos os que têm brigado pela volta dos cultos presenciais nas igrejas evangélicas, o que foi negado esta semana pelo Supremo Tribunal Federal.

E têm o apoio incondicional do presidente Jair Bolsonaro, numa espécie de troca de favores pelo apoio nas eleições de 2018.

Mas é claro que a reabertura dos templos religiosos nada tem a ver com salvação ou fé dos fieis.

Essa reabertura só interessa a gente como Edir Macedo, Silas Malafaia e outros barões da fé.

As igrejas enfrentam drástica queda na arrecadação de ofertas e doações, que só ocorrem com a presenca do fiel nos templos.

E sem as ofertas, estes ‘”líderes ” não têm como manter o padrão de vida visto pelos fieis como dádivas de Deus.

Fez bem o STF em garantir a governadores e prefeitos a autoridade para proibir cultos presenciais no Brasil.

Cabe aos poderes constituídos proteger os cidadãos, mesmo os que não sabem nem o que fazem, como a massa alienada de evangélicos brasileiros.

Se depender só de Bolsonaro, eles vão se aglomerar com vontade; e ate felizes.

E muito mais gente acabara morrendo por causa disto…

3

Pressão de evangélicos gera polêmica na pandemia de CoVID-19…

Empoderados pelo governo Jair Bolsonaro, líderes religiosos tentam forçar poderes Legislativo e Judiciário a liberar a realização de cultos, em desrespeito às medidas sanitárias, e mesmo diante das ameaças do coronavírus

 

Empoderados por Bolsonaro, tipos como Silas Malafaia forçam a barra pela reabertura dos cultos,m mesmo diante do pior momento da pandemia no país

A mais nova polêmica envolvendo a pandemia de coronavírus envolve agora lideranças regiliosas, sobretudo os evangélicos.

Líderes das mais diversas igrejas evangélicas brasileiras tentam forçar uma barra para que os poderes Legislativo e Judiciário liberem a realização de cultos, afrontando as medidas sanitárias; e no pior momento da pandemia.

Estes líderes foram empoderados pelo governo Jair Bolsonaro e formam a base bolsomínia, sobretudo a mais radical, que minimiza os efeitos da CoVID-19, desdenha da vacina e prega contra as restrições sociais.

No sábado, uma tal Associação de Juristas Evangélicos conseguiu do ministro Kássio Nunes Marques – indicado por Bolsonaro ao Supremo Tribunal Federal – liberar a realização de cultos.

Nesta segunda-feira, 5, porém, em outra ação, o ministro Gilmar Mendes negou liminar favorável a realização desses cultos.

A forçação de barra de evangélicos deve levar a questão ao plenário do STF, obrigado a decidir entre o direito de culto e o direito da coletividade à saúde.

E qualquer que for a decisão gerará mais polêmica…

0

Ministro do STF acaba com a “farra de capelães” no Maranhão

Acatando representação da Procuradoria-Geral da República, Nunes Marques considerou inconstitucional a nomeação de ministros religiosos nas forças policiais por entender que o Estado não deve interferir na liberdade espiritual de suas tropas

 

Alguns dos pastores e padres nomeados sem concurso na Polícia Militar e no Corpo de Bombeiros; decisão põe fim à farra de oficiais sem concurso criada por Flávio Dino

O Ministro Nunes Marques, do Supremo Tribunal Federal, pôs fim à farra dos capelães nas forças policiais do Maranhão, em decisão proferida nesta terça-feira, 23.

A decisão – que deverá agora ser analisada no Pleno do STF – colocará fora da Polícia Militar, do Corpo de Bombeiros, da Polícia Civil e do Sistema Penitenciário dezenas de padres, pastores e parentes de padres e pastores nomeados oficiais dessas instituições sem nenhum concurso público.

O ministro Nunes Marques entendeu que é inconstitucional a nomeação de oficiais para a Polícia Militar e para o Corpo de Bombeiros sem concurso público que habilite os habilite a passar pela formação necessária.

No caso da Polícia Civil e do Sistema Penitenciário, Marques considerou que o estado não pode interferir na liberdade religiosa do cidadão, esteja ele livre ou preso.

Nunes Marques considerou inconstitucional a interferência do estado na liberdade religiosa dos cidadãos maranhenses

O Maranhão é o estado com o maior número de capelães religiosos nas forças policiais, a maioria deles nomeada entre os anos de 2014 e 2018, em períodos de campanha do governador Flávio Dino. (Relembre aqui, aqui, aqui e aqui)

O caso também corre na Justiça Eleitoral; e pode tornar Flávio Dino inelegível por crime eleitoral…

7

Fábio Leite reforça campanha com apoio no campo Tirirical da AD

Pastor que disputa uma vaga na Câmara Municipal articulou com o colega Oziel Gomes, líder na região – a segunda maior de São Luís – e participou de culto de assembleia geral, ampliando a base de eleitores

 

Fábio Leite falou aos membros da Assembleia de Deus sobre suas propostas como vereador, em culto de assembleia geral na região do Tirirical

O pastor e candidato a vereador de São Luís Fábio Leite ampliou significativamente a sua base eleitoral ao receber apoio no campo Tirirical da Assembleia de Deus, a maior denominação evangélica de São Luís.

– Fiz uma articulação maravilhosa aí no nosso campo Tirirical, segundo maior campo da nossa denominação – comentou Leite.

O pastor com os colegas dirigentes da AD em Tirirical: forte base de apoio e lideranças de influência na denominação

Ele participou do culto de assembleia geral na região, falou de suas propostas e recebeu o apoio importante.

O campo Tirirical da AD é presidido pelo pastor Osiel Gomes…

6

Pastor Fábio Leite reforça campanha de Eduardo Braide entre evangélicos

Ex-candidato a prefeito de São Luís e coordenador político da Igreja Assembleia de Deus, pré-candidato a vereador do Podemos tem presença marcante na atuação pública e nos bastidores da campanha do candidato a prefeito

 

A amizade com Braide abriu portas para o candidato do Podemos na Assembleia de Deus, o que nenhum outro líder político da denominação conseguiu neste processo eleitoral

Pré-candidato a vereador pelo Podemos, o pastor Fábio Leite é, atualmente, a liderança política ligada à Assembleia de Deus com maior penetração no segmento evangélico de São Luís.

Amigo pessoal e correligionário do candidato do Podemos a prefeito, Eduardo Braide, Leite é o responsável por torná-lo uma espécie  de quase-unanimidade no segmento, sobretudo na própria AD.

 

A amizade e confiança mútua com o pastor Coutinho fortaleceu o nome de Fábio Leite na Assembleia de Deus

Líder carismático, o pastor sobrepôs nestas eleições de São Luís até mesmo os políticos com mandatos na denominação, alcançando a confiança absoluta – e provavelmente o voto – do líder da igreja, pastor José Guimarães Coutinho.

Nenhuma outra liderança tem penetração no segmento como Fábio Leite, que goza também da confiança do próprio Eduardo Braide.

O que o torna, naturalmente, um dos principais nomes do Podemos à Câmara Municipal…

1

Missionário Marco Aurélio reforça campanha de Duarte Júnior

Empresário do ramo imobiliário e agente da Receita Estadual se une ao grupo do pastor Enos Ferreira para ampliar a base de apoio do candidato do Republicanos, com quem já esteve nas eleições de 2018

 

Marco Aurélio decidiu levar sua experiência como militante social, dirigente sindical e missionário para a campanha de Duarte Júnior em São Luís

O corretor de imóveis e empresário Missionário Marco Aurélio vai reforçar a base de apoio do deputado estadual Duarte Júnior (Republicanos) na disputa pela Prefeitura de São Luís.

Candidato a vereador e a deputado estadual, pelo PTC, Marco Aurélio uniu seu grupo ao grupo do pastor Enos Ferreira e se alinhou ao projeto de Duarte.

– Estive com Duarte, definimos nosso apoio a ele e quero valorizar esse momento. Já fui candidato a deputado estadual e vereador; e vamos contribuir para esta vitória rumo à prefeitura – ressaltou.

Com forte influência política no segmento evangélico, o missionário da IADESL é formado em Ciências Imobiliárias pela UFMA, com especialização em Gestão Pública; também é agente da Receita Estadual. 

Marco Aurélio é presidente Sindicato dos Corretores de Imóveis do Maranhão e vice-presidente para Assuntos Legislativos da Federação Nacional dos Corretores de Imoveis, além de diretor de comunicação da Associação dos Agentes da Receita e empresário do ramo imobiliário.

Voltado para as causas sociais, foi nessas ações que passou a se envolver com a política, assumindo papel de liderança nos segmentos que atua.

– Já apoiei o deputado Duarte Júnior na eleição de 2018; agora ampliaremos este apoio unindo nosso grupo ao do pastor Enos Ferreira, que é secretário de Relações Institucionais do Governo Do Estado – ressaltou Marco Aurélio.

Na avaliação do missionário, a capacidade e a jovialidade de Duarte, já demonstradas em sua passagem pelo Procom-MA, garantirá gestão de qualidade na Prefeitura de São Luís.

E acredita que seu trabalho no segmento evangélico influenciará esta vitória.

– Somos da Assembleia de Deus, o que reforça o projeto na igreja e nas comunidades – concluiu…

2

Ministério Público denuncia capelães militares por filiação partidária

Indicados por lideranças evangélicas – a maior parte da Assembleia de Deus – esses militares sem concurso tiveram que ingressar em agremiações ligadas ao governo Flávio Dino, onde permaneceram mesmo depois de assumir patentes na PMMA e no Corpo de Bombeiros

 

Alguns dos capelães nomeados por Flávio Dino na Polícia Militar e no Corpo de Bombeiros: interesses partidários se confundindo com o evangelho

A promotora de Justiça Militar Márcia Haydée Porto de Carvalho denunciou à Justiça pelo menos nove capelães nomeados para a Polícia Militar e para o Corpo de Bombeiros no governo Flávio Dino (PCdoB).

Eles são acusados de se manter filiado a partidos políticos da base dinista mesmo após receber patentes de oficiais militares, afrontando o Código Militar.

Todos eles vão responder a ação penal pelo crime.

Da PMMA foram denunciados o capitão Francisco Fábio Silva Leite (ex-PSC, hoje Podemos), e os primeiros-tenentes Ernamilson Gomes de Macedo (PL), Pedro de Lima Villela (PDT), Jessé Lemos Coutinho (DEM) e Cícero Batista Martins Guimarães (PSC).

No Corpo de Bombeiros a denúncia do Ministério Público alcançou o major Ailton César Alves de Sousa (PTB), o capitão Paulo Guilherme Fernandes de Oliveira (Patriotas) e o primeiro-tenente Antônio Márcio da Silva (Republicanos).

Esses mesmos, e outros capelães militares – todos nomeados sem concurso público – já respondem a Ação Eleitoral, por abuso de poder e outros crimes eleitorais praticados tanto nas eleições de 2014 quanto nas eleições de 2018.

As ações eleitorais correm no Tribunal Superior Eleitoral.

A promotora chegou a alertar na ação que a filiação dos capelães gerava “especulações na opinião pública de que tinham como objetivo satisfazer seus interesses partidários, diversos da função de ministros de fé”.

Mesmo assim, pela articulação política entre o governo e a Assembleia de Deus, eles permaneceram filiados;

E alguns só pediram desfiliação após tomar conhecimento da investigação do Ministério Público.

Agora vão ter que responder a ação penal…

3

Evangélicos tentam barrar julgamento de “abuso de poder religioso”

Bancada da Bíblia e líderes das principais igrejas brasileiras já se articulam para tentar impedir o TSE de votar o relatório do ministro Edson Fachin, que aponta possibilidade de cassação de candidatos que manipulam fieis

 

A chamada bancada da bíblia tem como alvo, para, o relatório do ministro Edson Fachin, que prevê o crime de abuso de poder religioso

Líderes evangélicos e membros da chamada bancada da bíblia no Congresso Nacional se articulam para tentar impedir o Tribunal Superior Eleitoral de julgar o relatório do ministro Edson Fachin, que cria o crime de “abuso de poder religioso” na legislação eleitoral.

O relatório de Fachin começou a ser votado em junho, durante julgamento de um caso envolvendo uma pastora da Assembleia de Deus de Goiás, que se eleu vereadora sob suspeita de manipular o voto dos fieis de sua igreja.

Atualmente, a legislação prevê apenas os crimes de abuso de poder político e econômico para casos eleitorais; em seu relatório, Fachin admitiu que é possível punição também para quem usa a é dos fieis em proveito eleitoral.

O blog Marco Aurélio D’Eça vem abordando o assunto há pelo menos duas semanas.

Na quarta-feira, 8, mostrou como os candidatos a prefeito dividiram a Assembleia de Deus nas atuais eleições de São Luís.

Historicamente, este blog trata do tema, que chama de “coronelismo gospel”.

Para o advogado Luiz Alberto Peccinin, especialista em Direito Eleitoral, só o fato de o TSE abrir a discussão sobre o assunto – mesmo que não conclua o julgamento antes da campanha de 2020 – j´abre possibilidade para que candidatos e partidos questione o abuso religioso.

– Só pelo fato do TSE sinalizar uma abertura certamente vamos ter muitos questionamentos disso a partir dessas eleições. Até porque o abuso da estrutura [religiosa] já estava sendo analisado – diz Peccinin.

A precisão é que o TSE retome o julgamento da questão logo nas primeiras sessões após o recesso…

3

“Coronelismo gospel” pode gerar cassação de políticos no TSE…

Justiça Eleitoral iniciou este mês discussão sobre punição ao “Abuso de Poder Religioso” nas eleições, o que gerou reação dura de grupos conservadores; objetivo é frear o uso de igrejas em projetos de poder político, comumente associado ao toma-lá-dá-cá

 

O coronelismo gospel criado nas últimas décadas no Maranhão tem gerado imagens como esta em épocas eleitorais: um comunista com bíblia nas mãos em culto evangélico

O Tribunal Superior Eleitoral iniciou neste mês de julho uma discussão sobre formas de punir o abuso de poder religioso nas eleições.

Até agora, o TSE só punia – inclusive com perda de mandato – políticos flagrados em abuso de poder político ou econômico; mas o ministro Edson Fachin decidiu iniciar o debate sobre o abuso de líderes religiosos para favorecer candidatos.

– A imposição de limites às atividades eclesiásticas representa uma medida necessária à proteção da liberdade de voto e da própria legitimidade do processo eleitoral, dada a ascendência incorporada pelos expoentes das igrejas em setores específicos da comunidade – disse Fachin.

O processo – resultante do pedido de cassação de uma pastora da Assembleia de Deus de Goiás, eleita vereadora sob acusação de usar seu posto na igreja – está suspenso por um pedido de vistas; deve voltar à pauta em agosto. (Saiba mais aqui)

O blog Marco Aurélio D’Eça publicou nesta quarta-feira, 8, o post “Políticos fatiam Assembleia de Deus entre candidatos a prefeito…”.

Trata-se de Editorial crítico sobre o abuso de lideres religiosos em tempos eleitorais, que é recorrente, sobretudo no Maranhão, onde as igrejas se transformaram em um imenso filão eleitoral; e não é de hoje. (Relembre aqui,  aqui e aqui)

É exatamente este abuso e formas de puni-lo, que Fachin e seus colegas começaram a analisar no TSE.

A posição do ministro gerou reações, sobretudo na base do governo Jair Bolsonaro, extremamente vinculado aos movimentos evangélicos.

– Fachin propôs ao TSE a hipótese de cassação de mandato por “abuso de poder religioso”. Problema: a lei fala em abuso de poder econômico ou político. Um tribunal não pode, por ativismo, criar a nova hipótese – provocou a controvertida deputada federal Carla Zambelli (PSL-SP).

Mas há quem veja o início do debate como salutar para a democracia brasileira e para a liberdade de escolha do cidadão.

– Igrejas não podem doar recursos ou usar de sua estrutura e de seus meios de comunicação para beneficiarem candidatos – afirmou o advogado Luiz Eduardo Peccinin, especialista em direito eleitoral.

Ele é autor do livro “Discurso Religioso na Política Brasileira: Democracia e Liberdade Religiosa no Estado Laico”. (Conheça aqui)

Em nenhum estado do Brasil as forças policiais têm tantos capelães como o Maranhão mostra nesta foto, fruto da relação de troca entre as igrejas e o poder político

No Maranhão, é histórico o posicionamento político-religioso, sobretudo na Assembleia de Deus.

Desde a década de 80, a denominação religiosa manteve ao menos um representante na Assembleia Legislativa ou na Câmara Federal; chegou a ter o vice-governador, pastor Luiz Porto (PPS), no governo Jackson Lago (PDT).

Atualmente, conta com uma senadora, um deputado federal e dois estaduais eleitos como “representante oficial” da igreja no pleito de 2018.

A força eleitoral da AD é proporcional ao espaço conquistado por pastores e líderes da igreja nas instâncias de poder, sobretudo no governo Flávio Dino (PCdoB) e na gestão de Edivaldo Júnior (PDT), desde 2012. (Entenda aqui)

E é justamente esta troca que caracteriza abuso, agora julgado no TSE…