0

405 anos da Batalha de Guaxenduba será lembrada em debate na AMEI…

Historiador Euges Lima coordenará a mesa redonda “405 Anos da Batalha de Guaxenduba – uma guerra brasílica”, que terá participação de associações literárias e artísticas de Icatu e de São Luís

 

A “batalha de Guaxenduba,” importante episódio da história do Maranhão colonial, estará completando este mês, 405 anos e para marcar essa data, o historiador Euges Lima em parceria com a Academia Icatuense de Letras, Ciências e Artes (AILCA) e a Associação Maranhense dos Escritores Independentes (AMEI), irão realizar uma Mesa Redonda – “405 anos da Batalha de Guaxenduba (1614/2019): uma guerra brasílica” – para debater o tema.

O evento será dia 19 de novembro, às 16 horas, no auditório da Livraria da AMEI, no São Luís Shopping, será aberto ao público e irão participar da mesa, o professor, historiador e vice-presidente do Instituto Histórico e Geográfico do Maranhão (IHGM), Euges Lima; o professor, historiador e presidente da AILCA, José Almeida (autor do livro: Icatu, Terra de Guaxenduba); o pesquisador e presidente da Casa dos Açores do Maranhão, Paulo Matos e o professor e pesquisador belga, Frans Gistelinck, autor do livro: “1612, A França Equinocial: encontro de dois mundos na Ilha do Maragnan,” que será lançado na oportunidade.

História

Na manhã do dia 19 de novembro de 1614, no sítio de Guaxenduba, atual povoado de Santa Maria, município de Icatu, Maranhão, franceses e portugueses se confrontaram numa encarniçada batalha pela posse do Maranhão. As forças portuguesas estavam sob o comando do mameluco Jerônimo de Albuquerque e o exército francês sob a liderança de Daniel de La Touche, senhor de la Ravardière.

Embora em superioridade numérica e bélica, mas por erros estratégicos e autoconfiança demasiada, os franceses acabaram sendo derrotados pelas debilitadas forças lusas, que se utilizando de um estilo de guerra peculiar ao Brasil colonial, mesclavam estratégias de guerra europeia com indígena, ao contrário dos seus inimigos, que apesar de contar com um significativo contingente de mais de dois mil índios Tupinambás e duzentos soldados franceses, usaram o estilo de combate tipicamente europeu das guerras de Flandres.

É sobre essa história, essa batalha épica da história do Maranhão e as causas para tão improvável vitória portuguesa, que os palestrantes irão debater no dia 19 de novembro, às 16 horas na AMEI, no São Luís Shopping.

5

Sobre pais e filhos…

Ao chegar ao poder nacional cercado de filhos encastelados nas instâncias políticas como profissão, Jair Bolsonaro potencializa os riscos para o estado de direito de um presidente com filhos sequiosos de poder e treinados para fazer o que quiserem

 

BOLSONARO COM O FILHOS, 02, 03 E 01, NA SEQUÊNCIA; mandatos populares como profissão, rachadinhas, enriquecimento e relação com milícias e assassinos

 

Certa feita, ouviu-se de um ex-ministro do Superior Tribunal de Justiça um comentário sobre um ex-governador do Maranhão que se pretendia candidato a prefeito. Dizia ele: “fulano só foi um bom governo porque tinha filhos pequenos; hoje são todos adultos, os problemas de comando serão potencializados”.

A presença do presidente Jair Bolsonaro no poder eleva essa máxima do ex-ministro à enésima potência.  

Ele chegou ao poder no comando de uma família mimada, onde todos receberam mandatos populares como espécie de carreiras de estado, profissões mesmo.

E por tudo isso, o 01, o 02 e o 03 acham que podem fazer o que quiserem.

– Papai eu quero ser diplomata nos EUA!!! – pede o Zerotrês.

– Talkey, meu filho, você será! – responde o pai.

O Zerohum diz: “Pai meu, não quero mais o Bebianno no governo”.

– Tu tá querendo isso aí? então terá, filho meu – garante o presidente.

LULA ENTRE OS FILHOS: investigação constante e patrulha bolsonarista nas redes sociais, mesmo diante da falta de provas das acusações

Desde a redemocratização do país, a partir de 1985, foram sete os presidentes do Brasil; dois deles – Itamar Franco e Michel Temer (ambos do MDB) – assumindo após cassação do titular.

Mas nenhum desses políticos teve uma família tão onipresente nas decisões de poder e de estado.

Até mesmo os filhos de Lula, que muita gente aponta, sem provas, como milionários a partir do governo do pai, foram tão presentes nas ações políticas entre 2003 e 2010.

Bolsonaro e seus rebentos são a típica família buscapé, que saíram dos subterrâneos das Câmaras e Assembleias – após fazerem fortuna com mandatos populares – para o centro do poder, sem o devido preparo.

FHC COM O FILHO PAULO HENRIQUE: mesmo com discrição familiar, não passaram incólume pela patrulha sobre negócios dos filhos nos governos dos pais

O resultado é este que se vê aí: milicianos protegidos, os Queiroz da vida ganhando notoriedade com as rachadinhas, e assassinos de políticos como vizinhos de condomínio, só para ficar nos casos mais recentes.

Jair Bolsonaro é absolutamente despreparado para o mandato presidencial, isto é um fato; mas poderia seguir aos trancos e barrancos caso seus filhos não fossem tão mimados.

O problema dele, é que o 01, 02 e 03 também acham que foram eleitos presidentes.

E como dizia o ministro do STJ há anos atrás, não há como o governo funcionar deste jeito.;

É simples assim…

3

ONU foi rechaçada ao querer saber da relação de Bolsonaro com a Ditadura

Comissários das Nações Unidas encaminharam cartas ao Itamaraty brasileiro e foram aconselhados a “não se meter em assuntos domésticos”; numa sala em Genebra, tiveram o silêncio como resposta à pergunta sobre o golpe de 1964

 

BOLSONARO COM O FILHO 03 E SEUS DIPLOMATAS NA ONU; mundo alarmado com declarações autoritárias em defesa do golpe militar

A declaração do filho do presidente Jair Bolsonaro sobre a possibilidade de reimplantar no Brasil um dispositivo como o AI-5 – ato mais terrorista da Ditadura Militar – chocou todos os países com assento na Organização das Nações Unidas.

Mas não é de hoje que a ONU se preocupa com o flerte dos Bolsonaro com o autoritarismo.

Desde que o presidente assumiu, comissários da ONU e diplomatas que servem nas Nações Unidas se preocupam com os riscos de o Brasil virar novamente uma ditadura.

E as respostas que ouvem dos representantes brasileiros só aumentam esta preocupação.

Em junho, durante um encontro em Genebra, os diplomatas brasileiros se recusaram a responder a uma pergunta se o Brasil atual considerava ou não 1964 como um golpe militar.

Além disso, a ONU encaminhou duas cartas ao governo Brasileiro com cobranças sobre a relação de Bolsonaro com a Ditadura.

Numa delas, recebeu resposta mal educada:  Brasília alertou o relator a não se meter em assuntos domésticos; e insistiu que 1964 se justificava.

A outra carta – que tratava sobre as declarações de Bolsonaro a respeito de Fernando Santa Cruz, morto pelo Regime Militar – sequer foi respondida.

Nesta quinta-feira, 31, quando o Bolsonaro 03 defendeu o AI-5 e a possibilidade de reimplantá-lo no Brasil mais uma vez, o mundo se alarmou.

Mas agora, já acostumado com a grosseria do atual governo brasileiro, preferiu só acompanhar aà distância a boçalidade do filho do presidente.

Que chegou a ser cotado para virar diplomata…

Com informações do UOL

2

Eduardo Bolsonaro confirma intenção em golpe de estado…

Horas depois do editorial deste blog, o deputado federal filho do presidente diz que pode ser decretado um novo AI-5 no pais, “se a esquerda insistir em radicalizar” o debate; declaração é, por si só, uma ameaça ao país

 

BOLSONARO CONTINUA TRANSFORMANDO SEU GOVERNO EM UMA ESPÉCIE DE TRINCHEIRA DE ABSOLVIÇÃO DA DITADURA MILITAR, que ele tanto admira

O blog Marco Aurélio D’Eça trouxe na abertura dos trabalhos desta quinta-feira, 31, o Editorial “Riscos de golpe cada vez mais acentuados no BrasiL…”.

O texto fazia uma avaliação das últimas declarações de aliados de Jair Bolsonaro (PSL) e dos ataques do próprio presidente às instituições e à imprensa livre; e mais uma vez alertava para o perigo de uma ditadura militar.

Poucas horas depois, em entrevista à jornalista Lêda Nagle, na internet, o deputado federal Eduardo Bolsonaro (PSL), filho do presidente, defendeu abertamente a instituição de um decreto nos moldes do Ato Institucional número 5, que implantou definitivamente a ditadura no Brasil, em 1968.

– Se a esquerda radicalizar a esse ponto, a gente vai precisar ter uma resposta. E uma resposta pode ser via um novo AI-5, pode ser via uma legislação aprovada através de um plebiscito como ocorreu na Itália. Alguma resposta vai ter que ser dada – afirmou o parlamentar.

Baixado em 13 de dezembro de 1968, o Ato Institucional nº 5 foi o mais duro golpe à democracia brasileira durante a ditadura militar. Instituído no governo do general Costa e Silva, o AI-5 deu poder de exceção aos governantes para punir arbitrariamente os que fossem inimigos do regime ou como tal considerados. (Entenda aqui)

O filho de Bolsonaro expressa um sentimento que vigora no núcleo mais duro do governo do pai, é defendido abertamente pelos seus ideólogos, como o “filósofo” Olavo de Carvalho e tem adeptos nos quartéis.

Desde o início do golpe que depôs a presidente Dilma Rousseff (PT), em 2013, o blog Marco Aurélio D’Eça vem alertando a sociedade para os riscos que é ter militares no comando do país, sobretudo em clima de tensão provocado pela incompetência de quem foi eleito.

Este alerta pode ser visto nos seguintes posts:

Protestos e golpe militar…

A construção de um golpe de estado…

Fantasmas da ditadura militar já rondam o país…

Os amantes da ditadura sempre andaram por aí…

Num regime sob a égide de um AI-5, qualquer um que seja considerado “inimigo do presidente” pode ser levado aos porões dos quartéis, desaparecer ou, simplesmente ser exilado do país.

A convocação de uma greve ou um protesto contra o governo, por exemplo, pode ser considerado ato de terror e os líderes serem chamados às falas.

Foi assim no Brasil a partir de 1968; pode voltar a ser assim, nas palavras do próprio Eduardo Bolsonaro

O mais grave é que há, na população comum do Brasil, quem apoie absurdos como este.

Que se preparem os que lutam pela democracia…

2

A história de uma foto: Roseana Sarney pós-cirurgia em 1998…

Registro da ex-governadora, dias após ela ter vencido a reeleição em primeiro turno; e depois de sofrer problemas de saúde em plena campanha e se submeter a uma série de difíceis cirurgias em São Paulo

 

MARCO AURÉLIO D’EÇA E ROSEANA: outubro de 1998, após ela vencer uma eleição na qual passou a campanha praticamente toda internada em São Paulo

A foto acima foi postada ontem como #TBT no perfil de Instagram do titular do blog Marco Aurélio D’Eça. E teve forte repercussão por marcar um dos momentos históricos da política maranhense.

Roseana foi eleita em 1994 para o primeiro mandato de governadora do Maranhão, exatamente quando o jornalista iniciava sua carreira no jornal O EstadoMaranhão.

Em 1998, já instituída a reeleição – e com a popularidade batendo recordes históricos – ela partiu para a reeleição contra o então ex-governador Epitácio Cafeteira, de quem ela tinha vendido quatro anos antes em uma difícil disputa.

Quem também concorreu nesta campanha foi o hoje prefeito de Paço do Lumiar, Domingos Dutra.

Exatamente no início da campanha, em junho, Roseana teve um problema de saúde grave e foi levada para São Paulo. À época repórter de política de O EstadoMaranhão, Marco Aurélio D’Eça foi destacado para acompanhar o desenrolar das coisas no Hospital das Clínicas, na capital paulista.

Roseana ficou cerca de 40 dias internada, com a campanha se desenrolando plenamente no Maranhão.

Assistiu a decisão da Copa de 1998 – derrota do Brasil para a França – em pleno leito hospitalar. O repórter assistiu sozinho, em um quarto de hotel nas proximidades do hospital.

Recuperada, Roseana voltou para o Maranhão já quase no fim da campanha; e foi eleita em primeiro turno, com votação recorde.

O registro da foto é de Geraldo Furtado, da Secom, dias após a vitória da então governadora, que fez questão de autografar e entregar pessoalmente ao jornalista.

Há ainda um brinde entre os dois, registrado por Biaman Prado, durante a posse em pleno Reveillon, na antiga sede da Assembleia, na rua do Egito – mas esta não se sabe por onde anda.

E já se vão 21 anos de história…

0

Criminosos da Lava Jato vão aos poucos se penitenciando….

Revelações do The Intercept, inconfidências dos procuradores, ascensão política de Sérgio Moro e agora o delírio assassino de Rodrigo Janot publicado em livro começam a mostrar, finalmente, a que tipo de gente se entregou os destinos do país

 

DALLAGNOL E JANOT: UM FICOU RICO COM PALESTRAS; O OUTRO VAI VIRAR BEST SELLER; efeitos colaterais ou diretos da Lava Jato?

No mesmo dia em que o Supremo Tribunal Federal decidiu revisar sentenças claramente parciais dadas pelo ex-juiz da Lava Jato, Sérgio Moro, o ex-procurador Rodrigo Janot revela em entrevista que chegou a carregar arma em plena reunião do STF para matar o ministro Gilmar Mendes.

Foi a este tipo de gente – Moro, Janot, Deltan Dallagnol – que se entregou os destino do país.

O STF decidiu anular sentença de Moro por ele ter cerceado a defesa de um dos condenados da Lava Jato; e assim o fez em vários outros casos, incluindo o do ex-presidente Lula, como já revelou o blog Marco Aurélio D’Eça. (Relembre aqui, aqui, aqui e aqui)

Rodrigo Janot, por sua vez, decidiu entrar de arma em punho no Supremo após revelação do jornalista Reinaldo Azevedo segundo a qual sua filha atuava na defesa das empreiteiras OAS e Odebrecht, o que o colocava em condição de suspeito para comandar a força tarefa do Ministério Público.

O Brasil se transformou para pior após a Lava Jato.

MORO COM BOLSONARO: BENEFICIÁRIO DIRETO DA LAVA JATO PREMIOU O ALGOZ DOS ADVERSÁRIOS com o posto de ministro

E ao longo dos últimos meses começou a se revelar as tramas, tramoias e traquitanas utilizadas por Moro, Janot, Dallagnol e seus auxiliares para alcançar este Brasil que só beneficiaria a eles próprios.

Moro virou ministro de Jair Bolsonaro; Dallagnol ficou milionário com palestras sobre a força tarefa; e Rodrigo Janot, agora, deve virar autor de best seller.

Foi este o Brasil construído por eles, com eles e para eles.

Felizmente, a história não deixa nada para trás…

7

De como foi costurado o encontro entre Flávio Dino e José Sarney…

Aproximação entre o governador e o ex-presidente tem origem na relação entre três personagens: o deputado federal Márcio Jerry, o jornalista e publicitário Félix Alberto e o presidente do grupo Mirante, Fernando Sarney

 

FLÁVIO DINO PROMETEU A SARNEY USAR TERMOS MAIS AMENOS para tratar das relações entre o seus grupos políticos

Janeiro de 2019. Já desligado do Grupo Mirante, o titular do blog Marco Aurélio D’Eça esteve na sede da empresa para tratar de projetos culturais da produtora Oficina de Interpretação SLZ, que atua no ramo de cinema, teatro e espetáculos musicais.

Nos corredores, encontra o presidente do grupo, Fernando Sarney, e o publicitário Feliz Alberto, com quem engata conversas sobre os rumos políticos do estado, ocasião em que, ambos, revelam a “necessidade de uma relação mais amistosa entre o governo Flávio Dino (PCdoB) e o maior grupo de mídia do Maranhão”.

Começavam ali as articulações que culminaram no encontro entre o governador Flávio Dino e o ex-presidente José Sarney, ocorrido na última quarta-feira, 26, em Brasília.

Neste meio tempo, várias foram as conversas entre Félix, Fernando e o deputado federal Márcio Jerry (PCdoB), principal interlocutor de Flávio Dino.

Com fortes relações tanto no grupo ligado à Mirante quanto no Palácio dos Leões, o blog Marco Aurélio D’Eça chegou a antecipar o encontro, diante da negativa da mídia alinhada a Dino. (Relembre aqui, aqui e aqui)

Mas, ao contrário do que se especula, o encontro de Dino com Sarney, em Brasília, passou mais pelo plano comercial do que político.

Era necessidade tanto de Dino quanto da Mirante, levantar um armistício que pudesse garantir ao Maranhão divulgação em massa, sobretudo das ações culturais no estado.

Tudo foi fechado bem antes do carnaval, efetivado nos últimos meses, mas não incluía encontro entre Dino e Sarney.

A reunião de Brasília se deu a pedido do próprio Dino – e avalizado por Sarney – sobretudo diante do cenário político nacional.

Tanto que Dino se comprometeu, espontaneamente, a nunca mais chamar o ex-presidente de oligarca.

Mas esta é uma outra história…

3

Othelino Neto e a recente história de renovação política no Maranhão…

Governador em exercício é fruto direto da mudança de paradigma político que se deu no estado e que encorajou jovens sem berços e sem sobrenomes ao jogo do poder

 

FRUTOS DA RENOVAÇÃO POLÍTICA REUNIDOS NA MESMA MESA: Rodrigo Lago, Edivaldo Júnior, Othelino Neto e Osmar Filho

Editorial

Se há uma coisa que se pode destacar de positivo nas mudanças de paradigma é a alternância que ele proporciona em todas as instâncias.

Exemplo desta alternância foi vivenciada em síntese, nesta quinta-feira, 16, quando o poder central no Maranhão mudou de mãos – ainda que de forma simbólica – elevando jovens à condição de chefes de poder, história que os ciclos políticos vividos no estado jamais proporcionariam.

Desde 2006, quando ele próprio entrou na política, abandonando a magistratura, o agora governador Flávio Dino abriu uma espécie de porteira, por onde passaram inúmeros outros homens e mulheres, jovens e maduros.

E ao longo destes 13 anos, o retrato político do estado mudou completamente de mãos em todos o seus aspectos.

Mas neste aspecto, é preciso fazer uma referência histórica: a ex-governadora Roseana Sarney – ela também, assim como Dino, fruto da elite política maranhense – já havia tentado essa renovação, a partir do seu segundo mandato, em 2008, que revelou outras lideranças, como Max Barros, César Pires, João Abreu, Luis Fernando Silva e Roberto Costa, para lembrar alguns.

OS BAILES QUATROCENTÕES DO PODER; espaços divididos para poucos em um Maranhão de castas e sobrenomes

Mas só a partir da disputa de Flávio Dino em São Luís, em 2008, esse processo de mudança se consolidou de vez.

A própria nominata dos que pretendem disputar a Prefeitura de São Luís em 2020 é a essência clara da renovação atual na política maranhense.

Se Eduardo Braide (PMN) lidera a corrida – ele um filho de político tradicional que se aposentara há quase 10 anos – a maioria dos demais postulantes à sucessão do prefeito Edivaldo Júnior (PDT) são nomes recentes da política, que só ascenderam a partir da renovação construída no estado.

São frutos desta mudança de paradigmas não apenas o atual governador e o prefeito da capital, mas também os três senadores maranhenses – Roberto Rocha (PSDB), Weverton Rocha (PDT) e Eliziane Gama (Cidadania) – os presidentes da Assembleia Legislativa e da Câmara Municipal, Othelino Neto (PCdoB) e Osmar Filho (PDT), respectivamente, além de deputados federais e estaduais, vereadores e prefeitos no interior.

O próprio vice-governador Carlos Brandão (PRB), apesar de estar em uma geração acima dos demais, também é fruto da renovação que vem varrendo o Maranhão político há pelo menos duas décadas.

Ele dificilmente teria oportunidades que hoje tem, se continuasse no processo de cartas marcadas e “duques” nomeados a dedo para os principais postos de poder.

PIRÂMIDE SOCIAL EGÍPCIA SERVIA DE BASE NO MARANHÃO HISTÓRICO para a divisão do poder entre governistas e oposicionistas

É claro que o processo que se vive hoje ainda mantém em evidência filhos e filhas, esposas e esposos, sobrinhos e netos dos que dividiram o poder por longos anos.

Alguns, hoje príncipes sem reinado; outros, construindo o próprio reino.

Mas a mudança que hoje brinda o estado com um Othelino Neto no exercício do governo deu à vida política também nomes como o de Weverton Rocha, Eliziane Gama (PPS), Fábio Câmara, Bira do Pindaré, Batista Matos, Wellington do Curso, Duarte Júnior, Dr. Yglésio, Cézar Bombeiro, Professor Sá Marques, Beto Castro dentre outros.

Gente comum, que sonhou com um espaço na política, foi atrás e conseguiu.

Mesmo sem sobrenome tradicional, mesmo sem fazer parte da elite quatrocentona que dividia os espaços de poder.

Flávio Dino é, ele próprio, fruto desta elite quatrocentona, embora renegue as origens elitizadas no Palácio dos Leões dos anos 70.

Mas a partir dele o Maranhão conseguiu dar um passo adiante, iniciando um processo de renovação que – se ainda não dá espaço para todos – pelo menos permite a todos sonhar.

Sonhos que ficarão ainda mais evidentes em 2020.

E, sobretudo, a partir de 2022…

Leia também:

Símbolos da cafonice provinciana de São Luís…

Os municípios como capitanias hereditárias…

Uma guerra de gerações políticas…

Por isso, Eliziane Gama…

Pais & filhos…

3

Nem Brasil, nem EUA. Nem Rússia, nem Cuba; Venezuela é do seu povo…

A ditadura tirana que assolou o país vizinho deve ser deposta por ações dos próprios venezuelanos, sem influências de ianques e brasileiros; e muito menos de ditaduras comunistas que ainda assolam o mundo

 

GUAIDÓ E LOPEZ PODEM, ELES MESMOS, RETOMAR O RUMO DA VENEZUELA, mas sem virar bonecos de ventríloquo de Donald Trump

Editorial

Está claro que a Venezuela vive há anos sob o jugo de um ditador tirano e sanguinário, que massacrou o seu povo, levando à miséria absoluta no país.

Apoiar a permanência de Nicolàs Maduro no comando venezuelano é ajudar a destruição do seu povo. O tirano só é apoiado por ditaduras tão nefastas quanto a dele, como as de Cuba, a da Rússia e a da China.

DESLUMBRADO COM TRUMP, BOLSONARO, FEITO CÃOZINHO AMESTRADO, pode levar o Brasil a uma guerra que não é sua

Mas está claro também que todas as tentativas de deposição de Maduro têm sido influenciadas pelos Estados Unidos, que acabaram arrastando o Brasil de Jair Bolsonaro (PSL), um cão amestrado, para o mesmo propósito.

A questão da Ditadura venezuelana envolve a soberania o seu próprio povo.

E entre o povo venezuelano há lideranças prontas para assumir o poder e levar para a cadeia os representantes deste regime nefasto, que vem destruindo o país desde os tempo de Hugo Chàvez.

NICOLÁS MADURO É UM TIRANO ASSASSINO, QUE DESTRUIU A VENEZUELA EM MENOS DE 20 ANOS, e precisa ser apeado do poder

O autoproclamado presidente Juan Guaidó e o líder contrarrevolucionário Leopoldo López – que também não são flores que se cheire – têm condição de tomar o poder na Venezuela, sobretudo se buscar apoio de militares insatisfeitos com o regime de Maduro.

E são eles que devem fazer essa retomada – sem nenhuma interferência de Donald Trump ou do seu cachorrinho amestrado que ora comanda o Brasil.

A FLÁVIO DINO CABE FICAR CALADO, PARA NÃO PASSAR MAIS UMA VEZ DE BOBO aos olhos da comunidade internacional

E por aqui, defensores do regime tirano, como o PCdoB de Flávio Dino, devem ficar calados, para evitar se afundar ainda mais na lama da esquerda.

A Venezuela é do povo venezuelano, não do Brasil ou dos Estados unidos.

Muito menos de Cuba ou da Rússia.

É simples assim…

11

A história fala; a ditadura se cala…

Imagem de menina cruzando os braços durante cumprimento do presidente Jair Bolsonaro – que viralizou na internet – reproduz com precisão outro fato histórico, ocorrido no regime militar

 

A MENINA YASMIN E SUAS COLEGUINHAS EM IMAGEM ICÔNICA, que entrará para a história; relembranças do golpe de 64

Viralizou na internet a imagem da menina identificada por Yasmim, que se recusou – acompanhada de outras coleguinhas – a cumprimentar o presidente Jair Bolsonaro (PSL), durante evento de páscoa.

Os alunos de uma escola do Distrito Federal foram levados ao Palácio do Planalto, na quarta-feira, 17, para cerimônia em comemoração à Pascoa.

Bolsonaro cumprimento os alunos, mas a menina Yasmim cruzou o braços. uma outra menina, fez sinal de dedo pra baixo, que significa desaprovação.

As fotos e o vídeo ganharam as redes sociais, blogs, sites e portais de internet, viralizando diante da reação da garota.

A HISTÓRICA IMAGEM DE FIGUEIREDO REJEITADO POR UMA MENINA DE 4 ANOS; a história repetida como tragédia

O episódio faz lembrar um outro envolvendo um presidente militar.

Em 1979, a menina Raquel Menezes, de apenas 4 anos, recusou-se a cumprimentar o então presidente João Batista Figueiredo, o último dos generais que governaram o Brasil após o golpe de 1964.

A imagem de Raquel Coelho é considerada histórica.

E agora terá a companhia da imagem de Yasmin…