6

“Minha história com Lula fala mais alto que qualquer coligação formal”, diz Weverton

Senador do PDT diz que o Palácio dos Leões tenta afastá-lo do ex-presidente – com quem tem ligação histórica – por que sabe que o governador-tampão Carlos Brandão sempre foi de direita, que agora está volta ao governo, “junto com o que há de mais antigo na política do Maranhão”

 

Weverton tem fotos para todos os gostos com Lula, por que sempre esteve ligado ao ex-presidente e ao PT, na luta pelos trabalhadores…

O senador  Weverton Rocha (PDT) reagiu à altura nesta terça-feira, 10, a mais uma tentativa do Palácio dos Leões, do governador-tampão Carlos Brandão e do deputado federal Márcio Jerry (PCdoB) de tentar afastá-lo do ex-presidente Lula.

– Há uma tentativa insistente em me dissociar do Lula por que sabem que a minha história fala mais alto do que qualquer coligação formal que eles possam fazer com o PT – afirmou o senador.

…A relação é tanta que até os filhos do senador e a eposa já posaram para fotos na casa do ex-presidente…

 

O governo Flávio Dino e o tampão primeiro tentaram criar a candidatura bolsonarista de Dr. Lahésio Bonfim para enfrentá-los no segundo turno, acreditando na desistência de Weverton; fracassados, tentam agora transformar o próprio Weverton em bolsonarista.

– Desafio que mostrem qualquer votação minha a favor do governo Bolsonaro ou contra os trabalhadores; desafio que mostrem uma atitude minha contra o ex-presidente Lula. E desafio o governador Brandão a mostrar que esteve do lado de Lula antes destas eleições – rebateu Weverton.

Weverton esteve em jantar com o ex-presidente, em Brasília, onde recebeu apoio para seu projeto de disputar o Governo do Estado…

Ligado historicamente ao ex-presidente, com quem esteve em todas as eleições que o petista disputou, Weverton foi o primeiro – e único – maranhense a visitá-lo na cadeia, em Curitiba, após o golpe contra o qual o pedetista votou contra na Câmara Federal.

A relação de Weverton com Lula se estreitou ainda mais nestas eleições, em que o ex-presidente já declarou publicamente que prefere o senador ao candidato escolhido pelo ex-governador Flávio Dino.

…E nas conversas que teve com o petista em São Paulo, recebeu a certeza de que Lula prefere a sua eleição a do tampão Carlos Brandão

Sem relação com Lula, Brandão tenta há meses, sem sucesso, conseguir uma foto convincente com o ex-presidente; ele quer fotos iguais  – ou pelo menos próximas – das que Weverton tem com Lula o longo de sua história, e ainda mais agora, nestas eleições.

– Estão tentando nacionalizar o debate por querem evitar discutir o que mais interessa: o empobrecimento do Maranhão, a miséria e a pobreza espalhada pelo estado – afirmou.

Miséria que só piorou nos últimos quase oito anos de Flávio Dino. (Entenda aqui, aqui, aqui e também aqui)

Mas esta é uma outra história…

1

Sarney, o oráculo…

Peregrinação de candidatos à presidência da República à casa do ex-presidente mostra que, mesmo afastado da política, já com 92 anos, o maranhense é ainda o maior político da história do Brasil

 

Do alto dos seus 92 anos, Sarney tem prestígio, poder e influência sobre a política nacional, tudo o que qualquer político sonha em ter um dia

O ex-presidente José Sarney (MDSB) tornou-se uma espécie de oráculo nesta fase da pré-campanha que se aproxima da definição oficial dos candidatos.

Já passaram pela sua casa o ex-presidente Lula (PT), o presidente Jair Bolsonaro (PL), a senadora Simone Tebet (MDB), e até o filho do presidente, Flávio Bolsonaro (PL); todos querem ouvir de Sarney opiniões e impressões sobre a sucessão presidencial;.

Mesmo afastado da política e do alto dos seus 92 anos, Sarney é, ainda hoje, a principal referência no que diz respeito a influencias partidárias no país.

O maranhense representa o que todo político gostaria de ter: prestígio, poder e influência entre os poderosos de Brasília.

Se sonha ser como ele, o ex-governador Flávio Dino deveria passar uns dias em sua casa na capital federal…  

0

Flávio Dino fracassa em outra promessa de campanha: dobrar o efetivo da Polícia Militar

Mesmo sem dados oficiais claramente disponíveis, sites do próprio governo e portais de credibilidade permitem dizer que, nos oito anos de mandato do governador comunosocialista o efetivo de policiais à disposição da população praticamente estagnou em comparação com os últimos anos do governo Roseana Sarney

 

Flávio Dino prometeu dobrar efetivo da PM em 2014, mentiu em 2015 dizendo ter chegado a 15 mil e agora entrega o governo com pouco mais de 10 mil homens na tropa

Encerrando nesta quinta-feira, 31, o seu mandato de governador do Maranhão, o comunista Flávio Dino apresenta fracassos nas principais promessas de campanha feitas em 2014.

O blog Marco Aurélio D’Eça já mostrou que ele piorou o índice de miséria nos oito anos de mandato e vai deixar o Maranhão na rabeira do ranking da competitividade.

Mas Flávio Dino fracassou também em outra promessa de impacto: dobrar o efetivo da Polícia Militar do Maranhão.

Apesar das dificuldades de informações sobre o efetivo militar no estado, é possível fazer o levantamento com base em dados – ainda que confusos – fornecidos pelo próprio governo a sites tradicionais e portais oficiais.

Em 2015, quando assumiu o governo, Flávio Dino dispunha de 8.398 policiais, segundo levantamento do site G1 Maranhão. (Veja aqui)

Em janeiro de 2022, esse efetivo era de 10.836 PMs, um acréscimo de apenas 2.438 novos policiais em oito anos; isso quer dizer que Flávio Dino conseguiu nomear apenas 304 novos policiais por ano durante o seu mandato.

Em 2018, o governador chegou a mentir descaradamente em seu programa eleitoral, anunciando um efetivo de 15 mil homens na PM; foi desmascarado e apagou o vídeo da propaganda enganosa.

Para conseguir cumprir a promessa de dobrar o efetivo, o governador precisaria nomear ao menos 3 mil novos policiais por ano, a partir de 2015, algo absolutamente fora da realidade.

O mais grave é que a promessa de Dino de dobrar o efetivo militar não era para oito anos e sim quatro anos, o que amplia o seu fracasso.

E se for comparada a relação PM/população o fracasso comunista é ainda maior.

Ele entrega o mandato amanhã para o seu vice, Carlos Brandão (PSB), com a taxa de um policial para cada 816 habitantes; esta taxa é exatamente a mesma de 2015. (Entenda aqui e aqui) 

É a pior taxa policial/habitante do país.

Flávio Dino ocupou o poder no Maranhão com a promessa de mudar os índices do estado no período em que estivesse comandando os rumos da população.

Mas sai do governo fracassado em todos os aspectos de sua gestão…

7

Uma imagem que fala por si mesma…

Governador Flávio Dino finalmente se alinha ao grupo Sarney, que ele mesmo declarava como seus principais adversários e que acusava pela miséria do Maranhão; foto do secretário Márcio Jerry ao lado do deputado Adriano Sarney, neto do ex-presidente José Sarney, é o símbolo de um ciclo de poder que se iniciou em 1965 e abarcou todos os governos desde então

 

Márcio Jerry, Francimar Melo e Adriano: um comunista, um petista e um sarneysista juntos numa até então improvável pose para a posteridade

Análise da história

A imagem do ano foi divulgada nesta quarta-feira, 9, em blogs e redes sociais no Maranhão.

Lado lado, em sinal de positivo, figuram o secretário de Cidades Márcio Jerry – principal auxiliar e tido como mentor do governador Flávio Dino (PSB) – e ninguém menos que o deputado estadual Adriano Sarney (PV), neto do ex-presidente da República José Sarney (MDB).

Entre eles o presidente do PT maranhense, Francimar Melo, ligado ao conselheiro Washington Oliveira, ex-vice de Roseana Sarney (MDB).

O petista, neste contexto, foi usado estrategicamente por Flávio Dino para diluir o encontro com o Sarney; na cozinha do PT, portanto, o sarnopetismo se transformou em sarnodinismo; ou no dinosarneysismo.

A foto simboliza um ciclo que começou em 1965, com a eleição de José Sarney para o Governo do Estado, e se perpetuou nas décadas seguintes, com a eleição – ou absorção – de todos os governadores a partir de então.

E Flávio Dino não é exceção.

O blog Marco Aurélio D’Eça publicou em 17 de janeiro deste ano post em que o ex-deputado Ricardo Murad aponta Flávio Dino como o último governador da era Sarney no Maranhão.

– O período entendido como de mando do chamado Grupo Sarney – no qual o ex-secretário inclui também o governador Flávio Dino (PSB) como último representante – teve seus avanços significativos nos campos estruturais e econômicos, elevando o PIB do Maranhão para a 17ª posição no país; mas é preciso avançar mais, distribuindo a riqueza aos maranhenses – diz o post.

Bem antes disso, ainda em agosto de 2014, este blog publicou post em que trata da “Relação histórica de Flávio Dino com Sarney”, citando o próprio Márcio Jerry.

– A reação agressiva do jornalista Márcio Jerry, presidente do PCdoB, às declarações do senador José Sarney sobre a nomeação de Flávio Dino para a Embratur – logo Márcio, que vive defendendo campanha sem agressão (?) – mostrou que a histórica relação de Dino com Sarney é um assunto que deixa o comunista sem argumentos – dizia o post.

A foto de Márcio Jerry ao lado de Adriano Sarney é tão expressiva historicamente quanto a do mesmo Adriano, em abraço apertado com o vice-governador Carlos Brandão, sarneysista desgarrado prestes a assumir o governo.

Como disse Ricardo Murad em seu texto, o grupo Sarney iniciou um ciclo no Maranhão que tem Flávio Dino como atual representante.

Mas pode se manter com Carlos Brandão, agora com todos juntos e misturados…

2

Eleições devem consolidar transição de gerações no poder no Maranhão

A ascensão de jovens políticos a partir da eleição do governador Flávio Dino, em 2014, será posta à prova em outubro, na disputa entre o senador Weverton Rocha e o vice-governador Carlos Brandão, último representante da antiga política que dava as cartas no estado até então

 

Esta imagem de Flávio Dino representa bem a transformação que sua eleição trouxe ao Maranhão, com a renovação de quadros políticos, alguns deles nesta solenidade

Ensaio

O governador Flávio Dino (PSB) encerra o mandato no final de março, com um legado que nem mesmo a sua própria rede de comunicação conseguiu explorar ao longo dos últimos oito anos: ele é responsável pela maior transição de poder entre gerações na história do Maranhão.

Fo a vitória de Dino em 2014 – desenhada já a partir das eleições municipais de 2012 – que levou o maior contingente de jovens lideranças ao poder político no Maranhão, ocupando espaços institucionais e controle dos principais partidos. 

Este legado estará sendo posto à prova nas eleições de outubro, na disputa entre o senador Weverton Rocha (PDT) – um dos maiores expoentes desta nova geração – e o vice-governador Carlos Brandão (PSDB), último representante da antiga política, tradicional e patrimonialista, que controlava o poder no estado até 2010. 

Não há dúvida de que a disputa entre Weverton e Brandão é um choque de gerações

E este choque tem Flávio Dino como principal articulador; para um lado e para o outro.

Sem a vitória de Dino em 2014, é pouco provável que jovens políticos, como o prefeito de São Luís Eduardo Braide (Podemos), seu antecessor, Edivaldo Júnior (PSD), os presidentes da Câmara Municipal, Osmar Filho (PDT), e da Assembleia Legislativa, Othelino Neto (PDT) estivessem hoje no poder político maranhense.

Sem a vitória de Dino em 2014 nem Weverton Rocha, nem Eliziane Gama (Cidadania) teriam condições de sonhar ser senadores e não teriam hoje o destaque nacional que têm.

Quem poderia imaginar que garotos como André Fufuca (PP), Juscelino Filho (DEM), Pedro Lucas Fernandes (PTB), Fábio Macedo (PRB), Felipe Camarão (PT), Bira do Pindaré (PSB), Gil Cutrim (PRB), Roberto  Costa (MDB), Dr. Yglésio (PROS), Wellington do Curso (PSDB) e Duarte Júnior (PSB) pudessem estar hoje no comando ou disputando comando de partidos do porte de DEM, PP, MDB, PT, PSB e PSDB?

José Reinaldo Tavares é a maior representação do contexto histórico no qual está inserido o vice-governador Carlos Brandão

 

Mas o mesmo Flávio Dino que oxigenou a política maranhense, renovando seus quadros em quase a sua totalidade é também o responsável por dar sobrevida à velha política, representada pelo vice-governador Carlos Brandão (PSDB), último expoente da cultura coronelista e patrimonialista a disputar poder no Maranhão.

A “escolha pessoal” de Flávio Dino pelo tucano Brandão trouxe de volta à cena figuras que já deram sua contribuição em outro momento da história e deveriam estar em casa, refestelando-se com netos e bisnetos, como por exemplo o ex-governador José Reinaldo Tavares.

Ao incensar seu vice, Dino também “ressuscitou” ao debate figuras ainda mais distantes da atual realidade política, alguns cuja última eleição importante que disputou ocorreu no longínquo ano de 1984.

Flávio Dino deixa o governo em março, e a população maranhense é quem decidirá de que lado ele estará na foto da história.

Se com os jovens que ascenderam a partir de sua vitória em 2014 ou com a antiga política, que ele mesmo ressuscitou ao fazer sua “escolha pessoal” nas eleições.

O governador terá seis meses para se decidir…

Leia também:

José Reinaldo quer reaproximar Brandão da velha guarda sarneysista

Apoio a Brandão pode por fim ao que restou do grupo Sarney

Confronto de gerações nas eleições maranhenses

“Irmandade política” estuda cenários…

Lideranças em ascensão…

5

O jogo de poder é entre Flávio Dino e Weverton…

A disputa velada entre o governador e o senador implica o controle político no Maranhão nos próximos 20 ou 30 anos; nesta movimentação dos dois ainda jovens líderes, o vice-governador Carlos Brandão – representante da antiga classe política estadual – é apenas um coadjuvante

 

Aliados desde 2006, Flávio Dino e Weverton passaram a disputar claramente o poder a partir de 2018, quando o senador alcançou quase 2 milhões de votos, superando o governador

Ensaio

Não há disputa entre o senador Weverton Rocha (PDT) e o vice-governador Carlos Brandão (PSDB) pelo poder no Maranhão; o vice tucano do governador Flávio Dino (PSB) não disputa poder algum.

O jogo de poder que se estabeleceu no Maranhão é entre Weverton e Flávio Dino; e vai implicar o controle político no estado pelos próximos 20 ou 30 anos.

São Weverton e Dino quem lideram partidos, controlam instâncias de poder, têm bancadas, agregam lideranças e fazem a interlocução nacional, em maior ou menor grau.

Espécie de último remanescente da velha política no debate majoritário, neste embate de poder – ainda velado – Carlos Brandão é um mero coadjuvante.

O vice-governador não tem grupo, não tem partido, não tem liderança, não tem bancada e não tem qualquer interlocução nacional; é uma espécie de poste de Flávio Dino, um preposto para evitar que Weverton suceda o socialista no poder maranhense.

E como poste, o ainda tucano depende absolutamente das ações de Dino.

Preposto e “escolha pessoal” de Flávio Dino para o governo, Carlos Brandão veste a fantasia que o chefe mandar, política, partidária ou ideológica

Mas se Flávio Dino tem influência no PSB, no PCdoB e numa parte do PT, Weverton controla o PDT e dialoga diretamente com PP, PRB, DEM e a outra parte do PT.

Se Flávio Dino é visto pelo ex-presidente Lula como uma espécie de ponta-de-lança para o futuro Senado ou para um eventual ministério, Weverton é visto por Lula como um aliado histórico e de antigas lutas.

No quesito Lula, Brandão sequer é incluído, uma vez que não tem qualquer afinidade; neste aspecto, continua a ser o poste de Dino. 

E como preposto, vai depender do governador até na montagem do palanque, mesmo já estando no comando do governo.

Por que o jogo de poder está sendo travado somente entre Weverton e Flávio Dino.

E implica o controle político pelos próximos 20, 30 anos…

0

Ricardo Murad prega início de novo ciclo político no Maranhão

Ao incluir o governador  Flávio Dino como último governador da era compreendida por “Grupo Sarney”, ex-deputado reconhece os avanços econômicos e estruturais deste período, mas diz que é preciso iniciar nova época, em que a riqueza do Maranhão seja distribuída aos maranhenses

 

Imagem reproduzida por Ricardo Murad em suas redes sociais põem Flávio Dino como último representante do período que ele entende como de poder do Grupo Sarney

Análise histórica

O ex-deputado Ricardo Murad divulgou em suas redes sociais, no fim de semana, importante relato histórico dos últimos 60 anos de vida política no Maranhão.

Para ele, o período entendido como de mando do chamado Grupo Sarney – no qual o ex-secretário inclui também o governador Flávio Dino (PSB) como último representante – teve seus avanços significativos nos campos estruturais e econômicos, elevando o PIB do Maranhão para a 17ª posição no país; mas é preciso avançar mais, distribuindo a riqueza aos maranhenses.

– Não queremos mais enriquecer o estado, queremos enriquecer os maranhenses. Essa é a questão central das eleições. Mudar o sistema para dar vez ao povo – disse Murad.

Secretário de Saúde entre 2009 e 2014, Ricardo Murad foi responsável pela implantação do maior programa na área já visto na história do Maranhão; além de implantar hospitais em todas as regiões, o programa valorizou profissionais de saúde e deu atendimento digno aos cidadãos. (Relembre aqui, aqui, aqui, aqui,  e também aqui).

É com esta autoridade que o ex-secretário faz a análise histórica, reconhecendo avanços, mas apontando para o futuro.

– Vitorino Freire reinou absoluto até 1965 quando Sarney se elegeu governador. Com Sarney iniciou-se um novo tempo. São 57 anos de um sistema com grandes resultados macroeconômicos, mas que falhou em resolver o principal problema, a pobreza. É necessário acabar com a crescente concentração de renda e o aumento de pobres – prega Murad, para quem o governador Flávio Dino (PSB) é o último representante do ´período sarneysista.

Ricardo Murad aponta que este período trouxe também anomalias políticas, como a compra de mandatos eletivos e a manutenção de privilégios de poderosos, paradigmas que precisam ser quebrados

– Não será fácil porque significará o fim do poder e dos privilégios daqueles que se aproveitam das fragilidades dos eleitores para manter seus mandatos. Ficou fácil obter um mandato, basta ter poder e dinheiro – desabafa. 

O ex-deputado e ex-secretário alerta o eleitor para fiar atento sobre qual dos pré-candidatos a governador apresenta condições de iniciar um novo ciclo, “tal qual Sarney em 1965”.

– Essa é a questão central das eleições. Mudar o sistema para dar vez ao povo – pregou Murad, que deixa claro ainda não ver luz no fim do túnel.

– É o desafio que enfrentaremos para mudar o ciclo no dia 2 de outubro. Com quem? Eu ainda não tenho ideia – conclui o ex-parlamentar.

3

Weverton destaca 15 anos da eleição de Jackson governador…

Senador que se transformou no principal herdeiro político do ex-governador e ex-prefeito de São Luís – eleito em 2006, cassado em 2009 e falecido em 2011 – hoje lidera todas as pesquisas de intenção de votos para o mesmo cargo; e pelo mesmo PDT

 

A homenagem de Weverton ao seu líder político Jackson Lago: única lembrança pública entre os líderes políticos atuais

Momentos da história

O senador Weverton Rocha (PDT) lembrou nesta sexta-feira, 29, os 15 anos da vitória do ex-governador Jackson Lago (PDT), nas eleições de 2006.

Uma década e meia depois de Jackson, Weverton lidera a disputa pelo mesmo governo, e pelo mesmo PDT. 

– Há exatos 15 anos, o Maranhão elegia Jackson Lago governador pelo PDT. Foi uma vitória linda, que deu início a uma trajetória interrompida dois anos depois – ressaltou o senador, em suas redes sociais, lembrando a cassação do então governador, em 2009.

Em 2010, Weverton continuou ao lado de Jackson em nova disputa pelo Governo; curiosamente, naquela eleição, o então candidato Flávio Dino (PCdoB) foi acusado de queimar a candidatura do ex-governador no interior ao espalhar que ele estava inelegível.

Resultado: Roseana Sarney (MDB) foi reeleita no primeiro turno, com 50,04% dos votos.

O hoje senador, ainda muito jovem, descendo as escadas do Palácio como um dos fieis aliados do ex-governador; destes da foto, muitos nem sequer lembram mais

Nestes quinze anos, Weverton saiu do posto de militante estudantil para se tornar senador, é hoje o principal herdeiro político de Jackson no PDT e uma das principais lideranças políticas do Maranhão.

– Muitos projetos tiveram início ali e, apesar da interrupção, o legado ficou. E nós, do PDT, continuamos na luta para tornar realidade o sonho de um Maranhão mais feliz – disse.

Líder nas pesquisas de intenção de votos, Weverton participa neste sábado de mais uma edição do programa  “Maranhão Mais Feliz”, que leva sua pré-candidatura ao interior.

0

César Pires destaca trajetória do jornal O EstadoMaranhão

Em histórico discurso na tribuna da Assembleia Legislativa, parlamentar lembrou da importância do matutino – que encerra suas atividades neste sábado, 23 – e citou importantes escribas com passagem pela redação, incluindo o titular do blog Marco Aurélio D’Eça

 

César Pires incluiu nos anais da Assembleia discurso em que fala da trajetória do jornal O EstadoMaranhão

A história do jornal O Estado do Maranhão foi destacada na sessão desta quinta-feira, 21, pelo deputado César Pires, que fez um reconhecimento da importância do matutino, cujas atividades serão encerradas neste fim de semana, quando circulará sua última edição impressa.

“Foi um importantíssimo veículo de comunicação que deu espaço às ideias, às angústias e as reivindicações de tantos maranhenses”, ressaltou ele.

César Pires fez um breve relato histórico de O Estado, desde a sua fundação há 62 anos pelo ex-presidente José Sarney e o jornalista Bandeira Tribuzzi, lembrando que o jornal foi uma escola para a formação de tantos jornalistas quando ainda nem havia uma faculdade de comunicação no Maranhão. E ao longo de seis décadas se consolidou como o maior jornal impresso do estado, sempre investindo na qualidade gráfica, na modernização e na produção do conteúdo de credibilidade.

– O jornal contribuiu demais para o desenvolvimento do Maranhão, proliferando ideias, atendendo aos reclamos populares. Quantas vezes vi naquelas páginas serem veiculados anseios, reclamações, ponderações, angústias do povo do Maranhão. Vi pessoas como eu, para dar exemplo dos inúmeros Césares, Joãos e Antônios que não tiveram oportunidade, como eu tenho, de enaltecer a história de um dos mais belos matutinos da história do Maranhão – declarou César Pires.

O deputado destacou ainda que O Estado foi o primeiro jornal online e precursor da policromia em suas páginas, assim como inovou ao criar o Caderno Alternativo para veicular aquilo de mais forte há no Maranhão, que é a sua cultura.

– Sou feliz por ter participado dessa história, desde quando veiculava as minhas angústias como líder da oposição, na primeira página, na página três ou na Coluna Estado Maior. E me refiro às inúmeras pessoas que também tiveram a oportunidade de um dia veicular as suas ideias no jornal O Estado do Maranhão, sem segregações.

Pires citou ainda luminares da intelectualidade e profissionais do jornalismo que construíram as páginas do jornal, incluindo o titular do blog Marco Aurélio D’Eça, que foi repórter, colunista, editorialista, subeditor e editor do periódico, conforme relatado no post “Minha Vida no jornal O EstadoMranhão”.   

– A credibilidade de O Estado foi construída por grandes nomes da Academia Maranhense de Letras, como Ferreira Gullar, José Sarney, Bandeira Tribuzi, Joaquim Itapary, Benedito Buzar, Lino Moreira, e do jornalismo maranhense, como Ribamar Correa, Clóvis Cabalau, Carla Lima, Marco D’Eça e Gilberto Leda. Todos fazem parte de uma história memorável e digna. O jornal finaliza sua circulação, mas jamais morrerá, porque deixou legados indestrutíveis da sua contribuição para o desenvolvimento do Maranhão. É um dos mais nobres e corretos informativos que tivemos no Maranhão. Minha gratidão a tudo aquilo que o jornal fez pelos maranhenses – finalizou César Pires.

7

Flávio Dino dá mais um passo no sonho de ser Sarney

Ao constranger a Academia Maranhense de Letras a torná-lo imortal – apenas pelo fato de a cadeira em disputa ter pertencido ao seu pai – governador satisfaz o desejo pessoal, ainda que de forma caricata, de continuar seguindo a trajetória do ex-presidente da República

 

 

Flávio Dino vai movimentando as cordas que o poder lhe permite para construir, artificialmente, a trajetória que Sarney construiu de forma natural

Ensaio

O blog Marco Aurélio D’Eça publicou em 7 de novembro de 2014 – dias depois de o governador Flávio Dino (PSB) ter sido eleito para o primeiro mandato – o post “Flávio Dino cada vez mais Sarney…”.

Tratava-se de mais uma análise sobre o perfil do então comunista, que demonstrava em atos, movimentos, pensamentos e palavras o sonho de ser igualzinho ao ex-presidente, na trajetória, em prestígio político e em poder no Brasil.

Esse desejo de ser Sarney foi alimentado desde a infância, quando, ao lado de outros “herdeiros do poder”, como o senador Roberto Rocha (sem partido), se esbaldava nos corredores do Palácio dos Leões, assim como mostrou o blog Marco Aurélio D’Eça no post “Flávio Dino e sua relação histórica com os Sarney…”.

Sonho este reforçado pelo Jornal Pequeno – antes mesmo de ele ser eleito – como mostra artigo publicado em abril de 2014, e analisado pro este blog no post “Jornal alinhado a Flávio Dino orienta o comunista a ser como Sarney”.

O tempo passou, Flávio Dino foi reeleito governador e tentou repetir Sarney em tudo, incluindo o sonho – ainda inatingível – de tornar-se presidente da República.

Mas, se para o ex-presidente este caminho foi natural, Flávio Dino força a barra para percorrê-lo, como a que o tornou nesta quinta-feira, 21, membro da Academia Maranhense de Letras, num movimento tosco de constrangimento dos imortais, forçados a elegerem-no apenas pelo fato de a cadeira 32 ter pertencido ao seu pai, o imortal Sálvio Dino. 

Uma das características de José Sarney era a incapacidade de sentir ódio, que se somava à sua capacidade de converter adversários em aliados.

O próprio Flávio Dino já experimentou desta capacidade, tornando-se, nos últimos anos, sarneysista a ponto de oferecer a vaga de suplente de senador a um indicado do ex-presidente.

Dino ainda precisa percorrer um longo caminho até chegar perto do que Sarney foi: governador, presidente da República, quatro vezes presidente do Senado, maior político da história, escritor renomado e traduzido internacionalmente, membro das academias Maranhense e Brasileira de Letras e doutor honoris causa em diversas universidades mundo afora.

O ex-comunista – agora socialista e imortal postiço – está na estrada, como mostrou o blog Marco Aurélio D’Eça no post lá de 2014.

De qualquer forma, o próprio blog já alertava Flávio Dino, naquela época, do risco de se tornar caricato na tentativa de tornar-se outra pessoa.

E “virar uma mera cópia do que dizia combater”….