1

“Um caso ímpar, torcer para que o eleito não cumpra suas promessas”, diz Othelino…

Em discurso na Assembleia Legislativa, presidente da Casa declara respeito ao resultado das urnas, mas lembra que será preciso torcer para que o governo Bolsonaro não traga o caos que se desenhou em seu discurso de campanha

 

O presidente da Assembleia Legislativa, deputado Othelino Neto (PCdoB) fez um discurso equilibrado, nesta segunda-feira, 29, sobre a vitória de Jair Bolsonaro (PSL) para a presidência do Brasil.

Mas lembrou que, para esperar um país de paz, é preciso que o eleito não cumpra suas promessas de campanha.

– É um caso talvez ímpar, onde precisamos torcer para que grande parte das promessas feitas pelo hoje presidente eleito, ele não as cumpra, porque só assim o país terá a paz necessária para que possamos viver bem – alertou.

Mesmo assim, Othelino desejou êxito ao eleito.

– Que Bolsonaro possa, principalmente, pacificar o Brasil. Todos precisam ser respeitados e bem cuidados, independente de terem lhe conferido o voto ou não. Quando passa a eleição, o governante não é só governante de quem o elegeu, é governante de todos. Foram 47 milhões de votos para Haddad, o que é uma quantidade expressiva e sinaliza que o presidente eleito precisa reconhecer que tem uma banda da população que precisa ser vista e respeitada – lembrou.

Veja o vídeo acima…

5

O PT deve ter orgulho do seu legado…

Mesmo derrotado em todas as instâncias da Justiça, com seu principal líder preso e desgastado na mídia e na população menos afeita ao debate político, partido resistiu no campo onde deveria resistir e chega ao fim de mais uma eleição como opção clara de poder

 

O PT precisa ter convicção de que venceu o bom combate, respeitou a democracia e lutou contra o autoritarismo

Editorial

As eleições de 2018 produziram uma vítima fatal: o PSDB.

O partido do presidenciável Geraldo Alckimin e do senador Roberto Rocha – que disputou o governo do Maranhão – sai deste pleito totalmente liquidado e sem perspectiva de poder, ainda que vença as eleições de São Paulo e de Minas Gerais.

Indecisos quanto a postura que deveria adotar diante da criminalização imposta à classe política pelo Judiciário e pela imprensa, os tucanos foram a principal vítima da operação Lava Jato .

Por outro lado, o PT, o oposto-espelho do PSDB, resistiu politicamente, jogou o jogo que deveria jogar e chega ao segundo turno como opção clara de poder.

Independentemente do resultado das eleições, o PT se manterá forte politicamente.

Mesmo desgastado junto a parte do eleitorado menos afeita ao debate político, criminalizado por setores do Judiciários que flertam com o autoritarismo e demonizado pela mídia, o PT resistiu em seu campo – não claudicou, como o PSDB – e ousou denunciar ser vítima de perseguição política em todos o níveis.

E é preciso lembrar que o partido esteve quase 15 anos no poder, com a perspectiva de impor-se, mas optou sempre pelo respeito às regras constitucionais e democráticas.

Com uma das maiores bancadas na Câmara Federal, o partido de Lula se manterá no centro do debate, tenha ou não o presidente eleito.

E é esta convicção que os petistas devem levar às ruas neste segundo turno, de peito aberto e gritando, com convicção onde estiver doendo.

Porque, no jogo do poder, o silêncio e a omissão são para os covardes.

Simples assim…

1

Um salve aos caminhoneiros…

Categoria profissional fez o que todos têm vontade, mas não têm coragem, e trouxe o cidadão brasileiro a refletir sobre a importância de sua participação política

 

Editorial

 

Há milhares de categorias na classe trabalhadora brasileira.

Nenhuma, até hoje, teve tanta coragem quanto a dos caminhoneiros.

Esses pais e mães de família, que deram a cara a tapa, aceitaram ficar ao relento, sob sol e chuva, comendo mal e vivendo em condições sanitárias desprezíveis conseguiram parar o país para chamar a atenção para uma situação que afeta a todos.

Ninguém teve a coragem de gritar. Nem os médicos, tão ciosos em seus apitaços nas ruas, pedindo o “Fora Dilma”; nem as donas de casa, com suas panelas nas janelas.

E os jornalistas?!? Impressionante a leniência dos jornalistas com o estado de coisas.

Esta classe tão combativa, tão corajosa nos tempos da faculdade é incapaz de dar sua opinião nos temas mais comuns.

Aliás, houve jornalista interpelado por caminhoneiros que simplesmente estabeleceram: “não posso dar opinião”.

Mas os caminhoneiros foram para as ruas, foram gritar.

Depois de tudo é fácil bater palmas, é fácil mostrar simpatia em shows ou em telas de celular.

É fácil até mesmo escrever este texto.

Mas são os caminhoneiros que deram a cara a tapa.

Viva os caminhoneiros…

14

O fator Lula e um país de preconceitos…

Com Brasil dividido entre o Sul Rico e o Nordeste empobrecido fruto das diferenças sociais que se tentou diminuir nos últimos, o pais que se pode ter é este, com Lula e preso e Bolsonaro quase presidente

 

Editorial

Há um preconceito arraigado no Brasil que perpassa, inclusive, pelo próprio dia dia das pessoas.

E atinge a todos.

O cara que mora na Cidade Operária se acha melhor que aquele da Vila Olímpica; o que chega à Cohab considera os da Operária miseráveis. Quem mora na Cohama pensa que é melhor que os do Cohatrac… e os do Calhau?!? Esses se dizem a elite de São Luís.

Mas São Luís, pra Salvador, é um nada.

E Salvador pra São Paulo?!? Estes se acham o Brasil que produz.

E é assim que segue o dia dia do brasileiro, com o Sul achando que sustenta o Nordeste; empresários achando que sustenta os empregados; funcionários públicos se dizendo melhor que o operário..

Foi esse preconceito arraigado no brasileiro que rachou o país durante o governo Lula.

Porque o patrão não vai querer seu filho na mesma escolha da filha do seu empregado. O paulista não vai querer ver o Nordeste rico e industrializado.

E o resultado é este Brasil hoje: de Lula preso e Bolsonaro quase-presidente.

E Viva o preconceito!

Viva as diferenças sociais!

Viva a elite quatrocentona!!!

7

Hildo Rocha destaca ganhos da terceirização para os trabalhadores…

Deputado diz que regulamentação garantirá segurança ao trabalhador e lembra que os argumentos contra são o mesmos usados quando se regulamentou as micro-empresas, hoje responsáveis por boa parte da economia brasileira

 

O deputado Hildo Rocha (PMDB) destacou os principais pontos do Projeto de Lei que regulamenta a prestação de serviços terceirizados.

De acordo com o parlamentar, a proposta que foi aprovada na semana passada, além de garantir todos os direitos trabalhistas previstos na CLT garante a responsabilidade subsidiaria por parte da empresa contratante o que significa mais garantias para trabalhadores e trabalhadoras.

– Se a empresa contratada não honrar os compromissos assumidos com os seus funcionários a empresa que contratou terá que assumir todas as garantias trabalhistas previstas nos contratos. O que nós fizemos foi regulamentar um setor da produção e de serviços que não tinha nenhuma lei que protegesse as relações de trabalho terceirizado. Os terceirizados terão dupla garantia dos direitos trabalhistas e previdenciários, a da empresa em que trabalha e da empresa para a qual irá trabalhar como terceirizado – destacou o deputado.

Rocha destacou que o acesso aos serviços públicos continuará sendo obrigatoriamente por meio de concursos.

– Aqueles que dizem que a nova lei acabará com concurso público não leram o projeto ou estão mentindo por maldade. Dizer que agora professores da rede pública poderão ser contratados sem concurso é mentira. Eu quero que alguém me mostre, no projeto que foi aprovado, um artigo que se refira à administração pública – desafiou Rocha.

O deputado maranhense lembrou que quando o legislativo aprovou a Lei Geral das Micro e Pequenas Empresas (LC 123/2006) aqueles que eram contra usavam argumentos idênticos aos que utilizam para criticar o PL da Terceirização.

– Dizia-se, na época, que as pequenas e microempresas não teriam capacidade para honrar com os compromissos trabalhistas e que as condições de trabalho seriam precarizadas. Nada disso aconteceu. Hoje 52% da mão-de-obra brasileira é empregada nas pequenas empresas. Assim será também com as terceirizadas porque faltava apenas uma legislação específica para dar a segurança jurídica que os empreendedores precisam para investir, gerar empregos e contribuir para o desenvolvimento do nosso país – disse o parlamentar.

2

Eliziane teme que terceirização precarize ainda mais as relações de trabalho…

Eliziane Gama votou contra o projeto de terceiriziação

Para a deputada federal Eliziane Gama (PPS), o projeto que regulamenta a terceirização e o trabalho temporário pode trazer consequências danosas aos empregados brasileiros.

A proposta foi aprovada na noite desta quarta-feira, 22, pelo plenário da Câmara, com voto contrário da parlamentar maranhense.

Na opinião de Eliziane, caso sancionado o texto que permite a terceirização em todas as atividades de uma empresa, a formalização do trabalho poderá estar sob ameaça.

– Causa-nos muita preocupação o fato desta matéria representar risco para o emprego formal. A partir deste projeto, não há nenhuma garantia de estabilidade do emprego. E todos sabem que o valor dos salários vai cair substancialmente, já que as terceirizadas pagam a seus funcionários uma remuneração bem menor do que os valores que recebem dos seus contratantes – disse a deputada maranhense.

O projeto também regulamenta aspectos do trabalho temporário, aumentando de três para nove meses o tempo máximo de sua duração.

Eliziane Gama também está preocupada com as consequências desta proposta para o serviço público. A medida prevê que a contratação terceirizada seja feita sem restrições, inclusive na administração pública.

Para ela, as regras só serão boas para o empresariado.

4

A vitória de Trump e o futuro político no Brasil…

Quando figuras como Vladimir Putin, Marize Le Pen, Silas Malafaia e Jair Bolsonaro comemoram a vitória de um líder mundial como o novo presidente dos Estados Unidos, é de se esperar dias nebulosos para a comunidade mundial

 

Donad Trump comemora vitória: ascensão do republicano agita comunidade de extrema direita no mundo inteiro

Donad Trump comemora vitória: ascensão do republicano agita comunidade de extrema direita no mundo inteiro

Este blog tem alertado desde o início do segundo turno, que cada vez mais líderes não-políticos têm chegado ao poder .

O chamados outsiders, que rejeitam rótulos e convenções da política tradicional, esnobam os partidos e conquistam a população de forma direta chegaram ao poder em Belo Horizonte, no Rio de Janeiro e em São Paulo.

Assim como este blog, o governador Flávio Dino (PCdoB) também percebeu este movimento, e demonstrou preocupação sobre o fenômeno. (Releia aqui)

A vitória do0 magnata Donald Trump nos Estados Unidos é resultado desta tendência; ou talvez a causa maior dela ao redor do mundo.

Mas se a tendência é real para o bem, é também para o mal

Ultranacionalista, imperialista, xenófobo, racista e sexista em doses altas, Trump se dá ao luxo de assumir todos estes predicados sem a preocupação de desgaste, por que, deixa claro, não é um político tradicional.

E é exatamente este o risco.

Basta ver os nomes que comemoraram sua vitória ao redor do mundo: Vladmir Putin, na Rússia; Marine Le Pen, na França, dentre outros representantes da extrema direita na comunidade internacional. (Leia aqui)

marcos Feliciano com Jair Bolsonaro: ameaças reais ao Brasil livre

marcos Feliciano com Jair Bolsonaro: ameaças reais ao Brasil livre

Para o Brasil, o efeito mais perigoso é a ascensão de gente como o deputado federal Jair Bolsonaro, representante-mor do primitivismo político, social e religioso.

Talvez até por isso, gente do quilate de Silas Malafaia e Marcos Feliciano tenham batido palmas para a vitória do republicano.

Por todos estes aspectos, o mundo amanheceu pior neste 9/11 – que é, curiosamente, um número inverso ao 11/9, uma data triste no calendário internacional.

E a tendência é que se torne ainda pior de hoje em diante…

2

Juscelino destaca ações de Temer para retomada do crescimento…

Juscelino fala na comissão sobre seus projetos

Juscelino fala na comissão sobre projetos do governo para retomada do crescimento

Durante reunião da Comissão Mista de Orçamento (CMO) realizada quarta-feira, 16, na Câmara dos Deputados, o deputado Juscelino Filho (DEM-MA), elogiou as medidas que têm sido anunciadas pelo governo Temer para a retomada do crescimento.

“São medidas realistas, que criam um cenário de credibilidade e retomam a confiança dos investidores”, apontou.

Em seu pronunciamento, o parlamentar ainda ressaltou notícias econômicas relevantes divulgadas recentemente.

“O crescimento da atividade econômica de 0,3% em abril e a divulgação da expectativa de que a inflação em 2017 deve voltar ao centro da meta de 4,5% são sinais positivos de recuperação”, afirmou.

Além disso, sublinhou a solidez das medidas anunciadas.

“O governo federal está modelando, à partir do PPI (Programa de Parcerias de Investimentos), um amplo e robusto sistema para ampliar e fortalecer a interação entre o Estado e a iniciativa privada. Essas ações criam boas perspectivas e geram expectativas de provável impacto positivo no cenário econômico”, acrescentou.

O PPI, atua por meio de contratos de parceria destinados à execução de empreendimentos públicos de infraestrutura e outras medidas de desestatização.

Em resposta aos apontamentos feito por Juscelino, o ministro interino do Planejamento, Desenvolvimento e Gestão, Dyogo Oliveira, convidado da Comissão, destacou a estabilização economia do país.

“Temos um setor privado competente, que administra a crise. Temos também um ciclo virtuoso da renda que movimenta a nossa economia. Precisamos sair desse momento de expectativas negativas para prosseguir. ” Dyogo ainda pediu a colaboração do Congresso Nacional, em especial da CMO, para alavancar o setor e citou os compromissos com as áreas de educação e saúde, que precisam ser disciplinados para que os recursos possam ser aplicados. “As prioridades da LDO, vão de acordo cm a possibilidade de executar”, evidenciou ao encerrar.

1

Governo Michel Temer: Fiesp já começa a apresentar a fatura…

Provável futuro presidente já pensa em ampliar para 65 anos a idade mínima da aposentadoria – para homens e mulheres – e tem estudo de flexibilização da CLT para beneficiar empresários, propostas defendidas pela poderosa Federação das Indústrias de São Paulo, que vem financiando as ações pelo impeachment

 

Paulo Skaf, da Fiesp, com Temer: o mercado paulista dará o norte do governo

Paulo Skaf, da Fiesp, com Temer: o mercado paulista dará o norte do governo

Foi pouco repercutida – talvez até por interesses dele próprio – matéria publicada no jornal O Globo, semana passada, com uma síntese de algumas propostas do vice-presidente Michel Temer (PMDB) para a área econômica de um eventual futuro governo.

Temer já admite aumentar para 65 anos a idade mínima da aposentadoria, tanto para homens quanto para mulheres.

Ainda na área da previdência, de acordo com o Globo – que entrevistou o ex-ministro Roberto Brant, responsável pela formulação das propostas nesta área para o novo governo – Temer quer desvincular do salário mínimo os benefícios de aposentados e deficientes.

A Federação das Indústrias do Estado de São Paulo vem tentando, há anos, aumentar a idade da aposentadolria, sob a alegação de colapso do sistema. A proposta é criticada por centrais sindicais. E o governo Dilma caiu em desgraça com a Fiesp por se recusar a implantar a idade mínima universal de 65 anos para aposentadoria.

Flexibilização da CLT

Michel Temer também estuda flexibilizar as regras da Consolidação das Leis do Trabalho (CLT), outra proposta da Fiesp.

A ideia é fazer com que os acordos firmados com sindicatos possam valer mais que a CLT, mesmo que o trabalhador não tenha apoiado o acordo.

Por esta proposta, as empresas poderiam, por exemplo, suspender benefícios como hora extra, aumentos regulamentares de salários, e até parcelamento de salários, em comum com sindicatos.

Segundo o jornal O Globo, o virtual futuro presidente estuda encaminhar as propostas ao Congresso ainda no mês de maio, no calor do momento da troca de governo.

Em tempo: a Fiesp vem financiando todos os atos contra o governo Dilma na capital paulista e em outros estados, com o objetivo de derrubar o governo Dilma Rousseff (PT).

Agora, começa a apresentar as faturas ao governo Temer…

Leia aqui a íntegra da matéria de O Globo