0

STF estuda usar conversas vazadas da Lava Jato como provas…

Pedido de investigação da conduta de representantes da Lava Jato – feita oficialmente à Procuradoria Geral da República pelo ministro Gilmar Mendes – pode levar à perícia das conversas já divulgadas para testar sua autenticidade

 

AÇÃO DA POLÍCIA FEDERAL LEVOU À PRISÃO DE SUPOSTOS HACKERS RESPONSÁVEIS PELAS CONVERSAS DA “VAZA JATO”; Sérgio Moro tentou destruir as provas, mas o STF quer verificar sua autenticidade

O Supremo Tribunal Federal vai acionar a Procuradoria-Geral da República para que encontre meios de verificar a autenticidade das conversas entre o ex-juiz Sérgio Moro e integrantes da Lava Jato, muitas delas já divulgadas pelo site The Intercept.

As conversas foram apreendidas durante operação da Polícia Federal que prendeu supostos hackers responsáveis pelo grampo de autoridades. A princípio, o próprio Sérgio Moro – hoje ministro da Justiça – tentou destruir as provas, mas elas foram encaminhadas ao ministro Alexandre de Morais.

A perícia pode ocorrer no bojo de uma investigação sobre a conduta de agentes da Lava Jato, já solicitada oficialmente à PGR pelo ministro Gilmar Mendes – que tem apoio de outros ministros.

As conversas de Telegram, obtidas pelo The Intercept Brasil e divulgadas pelo site e por outros veículos – incluindo o blog Marco Aurélio D’Eça – expuseram a proximidade entre Sergio Moro e procuradores e colocaram em dúvida a imparcialidade, como juiz, do atual ministro da Justiça e a conduta da força-tarefa, incluindo o chefe, Deltan Dallagnol.

Se a autenticidade for atestada, as conversas poderão ser usadas em processos com eventuais impactos sobre decisões judiciais e agentes públicos que atuaram na Lava Jato.

E levar a anulação de muitas decisões…

0

Ao pedir desculpas, procuradora oficializa diálogos de Deltan contra Lula

Flagrada em uma das conversas debochando da morte da mulher do ex-presidente, procuradora Jerusa Viecilli acaba por confirmar que as conversas gravadas são, de fato, originais, o que deve levar à anulação do processo

 

PROCURADORA JERUSA VIECILI NÃO TEVE OUTRA SAÍDA SENÃO ADMITIR QUE DEBOCHOU DE LULA, o que confirma autenticidade dos diálogos

Ao divulgar nesta quarta-feira, 28, mensagem no Twitter em que pede desculpas ao ex-presidente Lula, a procuradora Jerusa Viecilli acabou por desmascarar ainda mais o chefe da Operação Lava Jato, Deltan Dallagnol.

O site The Intercept, em parceria com a Folha de S. Paulo, divulgou trechos de conversas entre procuradores da Lava Jato na qual eles debocham da morte da mulher do ex-presidente, Marisa Letícia.

– Querem que eu fique pro enterro? Preparem para nova novela da ida ao velório – disse Jerusa, em uma mensagem logo depois da notícia de que a mulher de Lula havia morrido, vítima de um AVC.

Em resposta à colega, a procuradora Laura Tesller – a mesma que foi chamada de fraca por Sérgio Moro e afastada das audiências com Lula -debochou mais ainda:

– Quem for fazer a próxima audiência do Lula, é bom que vá com uma dose extra de paciência para a sessão de vitimização.

Ontem, Viecilli publicou em seu perfil no Twitter:

– Errei. E minha consciência me leva a fazer o correto: pedir desculpas à pessoa diretamente afetada, o ex-presidente Lula – disse ela.

A ALA DA PROCURADORA NO TWITTER AUTENTICA AS REVELAÇÕES DO THE INTERCEPT sobre a manipulação da Lava Jato

Ao pedir desculpas pelo conteúdo vazado, a procuradora garante a autenticidade das gravações e revela que houve mesmo os diálogos, até então negados pelo chefe da Lava Jato, Deltan Dallgnol.

Se os diálogos debochados são autênticos, todos os demais também o são, o que leva, claramente, à necessidade de anulação do julgamento de Lula.

Não há outro caminho senão este…

0

STF proíbe destruição e requer material apreendido com hacker’s…

Ministro Alexandre de Moraes determinou ao juiz responsável pela operação da Polícia Federal todas as gravações de autoridades, que o ministro da Justiça Sérgio Moro chegou a dizer que iria destruir

 

AOS POUCOS, DELTAN E MORO VÃO SE ENCALACRANDO NAS PRÓPRIAS PICARETAGENS, à medida que as autoridades vão se convencendo dos diálogos divulgados pelo site The Intercept

O ministro do Supremo tribunal federal Alexandre de Moraes determinou no fim da noite de quinta-feira, 1º, a entrega de todo o material apreendido com os hacker´s de Araraquara em operação da Polícia Federal.

Este é o material que o ministro da Justiça Sérgio Moro queria destruir, conforme informou a autoridades. (Relembre aqui)

Alexandre de Moraes determinou o encaminhamento do material baseado em notícias de que ministros do STF tenham sido investigados ilegalmente.

Esta investigação, promovida pelo procurador Deltan Dallagnol, foi noticiada na última quinta-feira pelo blog Marco Aurélio D’Eça, no post “Deltan espionou ministros e tentou influenciar indicações para o STF…”

Com base em gravações divulgadas pelo site The Intercept e pela Folha de S. Paulo, constatou-se que Dallagnol manipulou colegas do Ministério Público para obter informações comprometedoras contra ministros, para vazar à imprensa e pressioná-los em favor da Lava Jato.

Todo o material será analisado pelos ministros do STF…

3

Deltan espionou ministros e tentou influenciar indicações para o STF…

Procurador da Lava Jato usava métodos ilegais para obter informações contra ministros que entendia serem desfavoráveis aos seus projetos na investigação de políticos

 

DELTAN DALLAGNOL; DE POLÍCIA A CASO DE POLÍCIA após revelações do site The Intercept

O procurador Deltan Dallagnol, coordenador da operação Lava Jato, tentou obter informações que comprometessem pelo menos dois ministros do Supremo Tribunal Federal; Dias Toffoli e Gilmar Mendes.

A informação foi dada nesta quinta-feira, 1º, pelo site The Intercept, em parceria com a Folha de S. Paulo e Uol.

Nas conversas, Dallagnol usava colegas para obter informações, primeiro contra Dias Toffoli; depois, contra Gilmar Mendes.

Investigações contra ministros do STF só podem ser conduzidas pelo procurador-geral da República.

Mesmo assim, o procurador da Lava Jato tentava obter informações não autorizadas com colegas; e vazava para a imprensa, na tentativa de emparedar os ministros.

Deltan Dallagnol chegou, inclusive, a jogar contra um ministro do Superior Tribunal de Justiça, Humberto Martins, que estava cotado para a vaga de Teori Zawascki no STF.

A ideia era impedir a indicação de Martins, que acabou indo para o então ministro da Justiça, Alexandre de Morais.

A atuaçãod e Dallagnol neste aspecto específico das revelações do The Intercept é crime grave – e reforça as informações de sua manipulação no processo da Lava Jato.

4

Moro alarma autoridades sobre grampos e avisa: vai destruir provas

Foi o próprio ministro da Justiça quem ligou para figurões da República afirmando haver conversas deles no material dos supostos hacker’s de Araraquara; mas, ao invés de manter o conteúdo, ele informou que dará fim neles, em mais um crime contra o Estado de Direito

DEPOIS DE MANIPULAR O JULGAMENTO DE LULA, SÉRGIO MORO AGORA TENTA DESTRUIR PROVAS contra si e contra aliados

O ex-juiz Sérgio Moro, agora ministro da Justiça, segue sua missão de Justiceiro, agindo contra o próprio estado de Direito no Brasil.

Foi Moro quem deu o alarme nesta quinta-feira, 25, ligando para deus-e-o-mundo na República alegando ter conversas de autoridades capturadas no material dos supostos hacker’s presos em Araraquara

Desde o presidente Jair Bolsonaro até a procuradora-geral da República, Raquel Dodge, passando por deputados, senadores e membros do Supremo Tribunal Federal, todos teriam sido grampeados pelos araraquaroviscks.

Mas o que fez o paladino da Justiça?!? ao invés de guardar as provas, ele já avisou a essas alarmadas autoridades que iria destruir tudo.

Está mais do que claro que Moro tenta livrar a própria pele.

Ao envolver autoridades da República nos grampos de Araraquara, o ex-juiz cria uma comoção nacional, escandaliza na imprensa e desqualifica quem publicar conversas desses grampos.

Pior: em sua fala às autoridades, subordina os chefes da operação da Polícia Federal como seus meros contínuos, dos quais ele toma qualquer coisa, a hora que quiser, para destruir, ao seu bel prazer.

Como Justiceiro – agora do Palácio do Planalto – Sérgio Moro pode até destruir as evidências contra ele e contra seus aliados.

Mas essas mesmas evidências já estão em poder da imprensa livre.

E elas também virão à tona…

4

Nada pode esconder um fato: Moro manipulou o julgamento de Lula

A prisão dos supostos hackers pela Polícia Federal apenas confirma a veracidade dos diálogos entre o ex-juiz e procuradores da Lava Jato; e, independentemente da forma como foram obtidas, essas conversas revelam a injustiça contra o ex-presidente

 

SÉRGIO MORO COMANDA A PRÓPRIA POLÍCIA QUE “DESCOBRIU” OS HACKER’s; mas isso não diminui a verdade das conversas reveladas por Gleen Grennwald

O fato: o site The Intercept Brasil publicou um material gravíssimo, que aponta para uma manipulação do julgamento de Lula.

Como o editor do portal, jornalista Glenn Grennwald, conseguiu as conversas é o de menos.

O que se precisa  nesta histórica toda é: os diálogos são autênticos!!? Há comprovação das datas com os fatos?!?

E as respostas já dadas, inclusive por pessoas envolvidas nas conversas, é que, de fato, elas existiram.

UM DOS SUPOSTOS HACKER’s PRESOS PELA POLÍCIA DE SÉRGIO MORO; cortina de fumaça para encobrir crimes contra a Justiça brasileira

Os supostos hackers presos pela Polícia Federal – controlada por quem? Pelo próprio Moro – podem ter grampeados, podem ter roubados ou clonado os celulares de do ex-juiz de Deltan Dallagnol.

Podem até ter vendido ao jornalista, mas nada disso importa.

Nada disso diminui o fato de que Moro e Deltan manipularam o julgamento de Lula para obter a sua condenação.

E os dois é que deveriam estar na cadeia.

Simples assim…

2

Farsa?!? Prisão de hackers nada tem a ver com o caso The Intercept…

Presos pela Polícia Federal são investigados por denúncia do ministro Sérgio Moro feita no dia 4 de junho enquanto que as conversas reveladas pelo site remetem ao ano de 2015

 

DOIS DOS SUPOSTOS HACKERS PRESOS: VÍNCULOS FORJADOS E DIFICULDADE À DEFESA, num roteiro que exigiu a licença do próprio Moro

É uma farsa – aparentemente montada para tentar livrar a cara do ministro Sérgio Moro e a Lava Jato – a ligação dos supostos hackers presos nesta terça-feira, 23, com a divulgação de conversas do ex-juiz e de membros da Lava Jato.

Esta operação da Polícia Federal é fruto de uma reclamação formal de Moro, feita no dia 4 de junho, quando o ex-juiz afirmou que seu telefone havia sido hackeado. O próprio ministro afirmou, no entanto, que nada havia sido capturado do aparelho.

Após a acusação de Moro, a Polícia Federal montou a operação Spoofing. E após a prisão dos supostos envolvidos, outros membros do governo, como o ministro Paulo Guedes e a deputada federal Joyce Hasselman, resolveram dizer-se também hackeados.

Tudo dentro de um roteiro pré-estabelecido, que conta, inclusive, com providencial licença de Moro do posto de ministro da Justiça e comandante da Polícia Federal.

Ocorre que as conversas entre Moro e Deltan Dallagnol; e entre este e outros membros da Lava Jato – que alguns dos próprios envolvidos já confirmaram a autenticidade – se deu bem antes disso, e remonta ao ano de 2015, quando Moro ainda era juiz da Lava Jato.

São Centenas, talvez milhares, de conversas, documentos, planilhas e outras provas de que Moro e Deltan – julgador e acusador – armaram para montar a condenação do ex-presidente Lula.

Setores da imprensa vinculados ao governo Bolsonaro apressaram-se, ontem, a vincular as prisões da Spoofing ao caso The Intercept.

Outros setores, mais independentes, preferiram aguardar novos desdobramentos.

Até porque sentiram cheiro de uma farsa sendo montada…

3

Esquema judicial para condenar Lula pode ter funcionado até no TRF-4

Novas conversas em poder do site The Intercept, publicadas pela Veja, apontam para possível direcionamento no julgamento dos casos pelo relator em segundo grau, desembargador João Pedro Gebran Neto

 

DALLAGNOL CHEGOU A IRONIZAR A CONVERSA QUE TEVE COM GEBRAN NETO SOBRE AS PROVAS DA LAVA JATO; caso claro de antecipação de sentença

Um novo pacote de conversas entre procuradores da Lava Jato sobre membros do judiciário reforçam a possibilidade de que a condenação do ex-presidente Lula foi mesmo construída nos bastidores da Justiça brasileira.

E desta vez, as conversas reveladas pela revista Veja, que já está circulando, mostram que o esquema pode ter funcionado também no TRF-4, onde o caso Lula foi julgado em segundo turno, o que resultou em sua prisão imediata.

De acordo com a reportagem, o procurador Deltan Dallagnol conversou com o seu colega procurador Carlos Augusto da Silva Cazarré – que funciona como representante do MPF na segunda instância – sobre o julgamento de um recurso no TRF-4, que tem como relator o desembargador João Pedro Gebran Neto.

Os dois procuradores articulam sondagens para saber se o TRF confirmaria ou não a sentença de Adir Assad, já condenado na Lava Jato. Cazarré diz que vai sondar, mas diz que já havia percebido algo.

Mais grave, no entanto, é a postura de Dallagnol: ele revela que “em conversas fortuitas” com Gebran Neto, recebeu a informação de que as provas eram inconsistentes.

Dallagnol até brinca com a conversa: “nova forma de investigação: conversa fortuita com desembargador”.

Para qualquer jurista minimamente esclarecido, só o fato de o relator do caso manifestar-se sobre a qualidade das provas apresentadas por uma das partes já é suficiente para questionar a parcialidade do julgamento.

A reportagem da Veja adianta que há novos pacotes de conversas relacionadas à segunda instância, que condenou Lula.

Em outras palavras, o cerco está fechando para os paladinos da Justiça…

4

Maioria defende revisão de sentenças de Moro após conversas vazadas…

Pesquisa do Instituto Datafolha, que avaliou também a aprovação do governo Jair Bolsonaro – os piores seis meses de um presidente no período democrático – diz que brasileiro reprova conversas do ex-juiz sobre julgamento de Lula

 

JAIR BOLSONARO E SÉRGIO MORO ABATIDOS EM PLENO VOO; o primeiro já tem o pior desempenho da história; o outro preferiu se esconder para “reenergizar” o corpo e a mente

Teve pouca atenção da mídia nacional os dados da pesquisa do Instituto Datafolha sobre a performance do ex-juiz da Lava Jato, Sérgio Moro, reveladas pelo site The Intercept.

Mas talvez, esses números possam explicar a estranha licença de Sérgio Moro, para “reenergizar o corpo”, segundo definiu o próprio governo Jair Bolsonaro (PSL).

Para o Datafolha, 58% dos brasileiros consideram “inadequadas as conversas de Moro com a Força-Tarefa da Lava Jato”.

E os mesmos 58% de brasileiros consideram que as decisões de Moro precisam ser revistas.

Os números do Datafolha divulgados pela mídia mostram que Bolsonaro tem a pior avaliação dos primeiros seis meses de governo de um presidente eleito pós-ditadura militar.

Como se vê, é um governo que desMOROna à medida que o tempo avança na história.

E nem mesmo os Justiceiros da Lava Jato têm hoje condições de salvá-lo…

2

Se as mensagens do The Intercept não são autênticas, por que Moro pede desculpas por elas?!?

Mesmo tentando questionar a veracidade dos áudios que o desmascaram, ex-juiz encaminhou pedido de desculpas formal ao grupo Movimento Brasil Livre (MBL) por tê-los chamado de “tontos”

 

Já desmascarado em sua imparcialidade pelas conversas criminosas reveladas pelo site The Intercept, o ex-juiz Sérgio Moro foi pego em mais uma contradição em sua patética tentativa de se livrar das teias que criou.

Ele encaminhou pedido de desculpas formal ao Movimento Brasil Livre (MBL), grupo da extrema direita que foi chamado de “tontos” em uma conversa com o procurador Deltan Dalagnoll.

– Se de fato usei o termo, peço escusas, mas saibam que têm todo o meu respeito e sempre terão – declarou Moro, segundo a gravação publicada no Youtube pelo deputado estadual Arthur Mamãe Falei (DEM-SP), do MBL.

Ora, para tentar salvar a pele das revelações das conversas, Moro tem repetido a cantilena  de que as gravações podem não ser autênticas, terem sido alteradas ou simplesmente manipuladas.

Se ele diz isso, por que pediu desculpas ao MBL?!? Se a parte em que ele manipula o julgamento de Lula para garantir a condenação do ex-presidente é uma fraude, por que só a parte do MBL é verdadeira.

A situação do agora ministro da Justiça é uma das mais delicadas da histórica das figuras públicas no Brasil, não importa se [ainda] tenha ou não apoio popular.

E quanto mais ele tenta negar os fatos, mas se comprova sua intenção de manipular o julgamento de Lula…