1

Moro e Dallagnol na mira do STF…

O ex-juiz federal e o procurador da Lava Jato manipularam dados de operações policiais e investigações do Ministério Público para emparedar ministros; e podem ver seu reinado de picaretagens cair por terra na Suprema Corte

 

A DUPLA DINÂMICA DALLAGNOL E MORO AGORA PODEM SER ALCANÇADOS PELOS BRAÇO DO STF; picaretagens contra ministros da Suprema Corte

O efeito das novas revelações do site The Intercept sobre as picaretagens do procurador da Lava Jato, Deltan Dallagnol, provocaram um efeito devastador no Supremo Tribunal Federal.

Já existe na Corte Suprema um grupo de ministros que quer frear as pretensões absolutistas do coordenador da Lava Jato e do ex-juiz que virou ministro da Justiça.

Já se sabe que Dallagnol tentou seduzir ministros como Edson Facchin e Luiz Roberto Barroso, manipulou ilegalmente investigações contra os ministros Dias Toffoli e Gilmar Mendes, e tentou influenciar até a escolha de um membro do STF. (Releia aqui, aqui e aqui)

As novas revelações do The Intercept trazem coisas ainda mais graves: o procurador da Lava Jato manipulou até partidos políticos para processar Gilmar Mendes, num ato tresloucado de autoritarismo.

As conversas reveladas pelo site do jornalistas Gleen Grennwald já deixam claro a manipulação do processo contra o ex-presidente Lula.

Agora, revelam que a dupla dinâmica Moro e Dallagnol também tentaram manipular a Justiça em todos as suas instâncias.

E devem pagar caro por essa petulância…

0

STF proíbe destruição e requer material apreendido com hacker’s…

Ministro Alexandre de Moraes determinou ao juiz responsável pela operação da Polícia Federal todas as gravações de autoridades, que o ministro da Justiça Sérgio Moro chegou a dizer que iria destruir

 

AOS POUCOS, DELTAN E MORO VÃO SE ENCALACRANDO NAS PRÓPRIAS PICARETAGENS, à medida que as autoridades vão se convencendo dos diálogos divulgados pelo site The Intercept

O ministro do Supremo tribunal federal Alexandre de Moraes determinou no fim da noite de quinta-feira, 1º, a entrega de todo o material apreendido com os hacker´s de Araraquara em operação da Polícia Federal.

Este é o material que o ministro da Justiça Sérgio Moro queria destruir, conforme informou a autoridades. (Relembre aqui)

Alexandre de Moraes determinou o encaminhamento do material baseado em notícias de que ministros do STF tenham sido investigados ilegalmente.

Esta investigação, promovida pelo procurador Deltan Dallagnol, foi noticiada na última quinta-feira pelo blog Marco Aurélio D’Eça, no post “Deltan espionou ministros e tentou influenciar indicações para o STF…”

Com base em gravações divulgadas pelo site The Intercept e pela Folha de S. Paulo, constatou-se que Dallagnol manipulou colegas do Ministério Público para obter informações comprometedoras contra ministros, para vazar à imprensa e pressioná-los em favor da Lava Jato.

Todo o material será analisado pelos ministros do STF…

3

Deltan espionou ministros e tentou influenciar indicações para o STF…

Procurador da Lava Jato usava métodos ilegais para obter informações contra ministros que entendia serem desfavoráveis aos seus projetos na investigação de políticos

 

DELTAN DALLAGNOL; DE POLÍCIA A CASO DE POLÍCIA após revelações do site The Intercept

O procurador Deltan Dallagnol, coordenador da operação Lava Jato, tentou obter informações que comprometessem pelo menos dois ministros do Supremo Tribunal Federal; Dias Toffoli e Gilmar Mendes.

A informação foi dada nesta quinta-feira, 1º, pelo site The Intercept, em parceria com a Folha de S. Paulo e Uol.

Nas conversas, Dallagnol usava colegas para obter informações, primeiro contra Dias Toffoli; depois, contra Gilmar Mendes.

Investigações contra ministros do STF só podem ser conduzidas pelo procurador-geral da República.

Mesmo assim, o procurador da Lava Jato tentava obter informações não autorizadas com colegas; e vazava para a imprensa, na tentativa de emparedar os ministros.

Deltan Dallagnol chegou, inclusive, a jogar contra um ministro do Superior Tribunal de Justiça, Humberto Martins, que estava cotado para a vaga de Teori Zawascki no STF.

A ideia era impedir a indicação de Martins, que acabou indo para o então ministro da Justiça, Alexandre de Morais.

A atuaçãod e Dallagnol neste aspecto específico das revelações do The Intercept é crime grave – e reforça as informações de sua manipulação no processo da Lava Jato.

0

Interferência de Moro nas delações gerou atrito entre procuradores

Em conversas divulgadas pelo The Intercept Brasil, Carlos Fernando Lima insurge-se contra o juiz, pede mais liberdade para trabalhar, mas é coagido por Deltan Dallagnol a seguir orientação do “chefe” da Lava Jato

 

CARLOS FERNANDO RECLAMOU DA ONIPRESENÇA DE MORO NA LAVA JATO, mas foi repreendido pelo colega Deltan Dallagnol

Novos diálogos divulgados pelo site The Intercept Brasil, sobre a interferência de Sérgio Moro na investigações da Lava Jato, não deixam mais nenhuma dúvida de que o ex-juiz manipulava a acusação contra o ex-presidente Lula.

Nas conversas, um dos procuradores da Lava Jato, Carlos Fernando Lima, reclama ao colega Deltan Dallagnol contra a presença de Moro nos acordos de delação premiada.

No dia 24 de fevereiro de 2015, Lima manda a seguinte mensagem a Dallagnol:

– O procedimento de delação virou um caos. Creio que se a sua divisão de serviço pressupõe que eu e Januário [Paludo] estamos encarregados dos acordos, eles devem ser tratados por nós. Você é o Promotor natural e pode discordar, e eu sempre ouço todos, mas o que vejo agora é um tipo de barganha onde se quer jogar para a platéia, dobrar demasiado o colaborador, submeter o advogado, sem realmente ir em frente. (…) Isso até é contrário à boa-fé que entendo um negociador deve ter. E é bom lembrar que bons resultados para os advogados são importantes para que sejam trazidos novos colaboradores. Eu desejo que sejam estabelecidas pautas razoáveis.

A resposta de Dallagnol deixa claro quem era o chefe da investigação, no caso, o próprio juiz Sérgio Moro:

– Carlos Vc quer fazer os acordos da Camargo mesmo com pena de que o Moro discorde? Acho perigoso pro relacionamento fazer sem ir FALAR com ele, o que não significa que seguiremos. Podemos até fazer fora do que ele colocou (quer que todos tenham pena de prisão de um ano), mas tem que falar com ele sob pena de ele dizer que ignoramos o que ele disse. Vc pode até dizer que ouve e considera , mas conveniência é nossa e ele fica à vontade pra não homologar, se quiser chegar a esse ponto. Minha sugestão é apenas falar.

A orientação de Dallagnol ao colega Carlos Lima mostra, de forma definitiva, que o procurador que coordenava a Lava Jato seguia as ordens do juiz que deveria julgar os casos investigados pelo Ministério Público.

Em outras palavras, Sérgio Moro atuou para condenar Lula e não para julgá-lo à luz das provas.

E, por isso, contaminou o processo…

2

Deltan Dallagnol usou cargo até para pedir férias no Beach Park…

Coordenador da Lava Jato, que será investigado por usar o posto para ganhar dinheiro, foi flagrado pedindo hospedagem e ingressos do parque aquático como condição para palestra paga em Fortaleza

 

DELTAN DALLAGNOL NA PALESTRA DA FIEC, EM FORTALEZA, de onde saiu para curtir no Beach Park com todas as despesas pagas, além de cachê de R$ 30 mil

Já desmascarado por usar o posto de coordenador da Lava Jato – e a própria estrutura do serviço público – para ganhar dinheiro com palestras, o procurador Deltan Dallagnol parece cada vez mais mercenário como membro do Ministério Público Federal.

Novos diálogos obtidos pelo site The Intercept Brasil revelam que Dallagnol chegou a negociar até hospedagem e ingresso no Beach Park, no Ceará, como condição para dar palestra paga em Fortaleza.

A Corregedoria Nacional do Ministério Público já abriu inquérito para investigar as palestras daquele que ficou conhcido como paladino da Justiça, e cuja a imagem começa a desmoronar como areia.

– Tais palestras teriam se dado em parceria com empresas privadas, com quem dividiram os valores – diz o documento da CNMP, que determinou a abertura da investigação.

O PARQUE AQUÁTICO CEARENSE QUE SERVIU DE JABÁ PARA PROCURADOR; conselho a Sérgio Moro: “as crianças adoraram”

Dallagnol comemorou o jabá do Beach Park em conversa com a mulher.

– Posso pegar [a data de] 20/7 e condicionar ao pagamento de hotel e de passagens pra todos nós – disse Dallagnol a ela.

Depois de curtir no sol cearense, o procurador chegou a aconselhar o então juiz da lava Jato, Sérgio Moro, a fazer o mesmo.

– Eu pedi pra pagarem passagens pra mim e família e estadia no Beach Park. As crianças adoraram. Além disso, eles pagaram um valor significativo, perto de uns 30k [R$ 30 mil]. Fica para você avaliar – aconselhou.

Ainda não há revelações de áudios que indiquem se Moro aceitou ou não o passeio no Beach Park.

Ainda…

2

Qual destes Dallagnol é verdadeiro?!?

Enquanto o jornal Estado de S. Paulo mostra o procurador da Lava Jato insistindo em ser paladino da Justiça, a Folha de S. Paulo revela seu interesse em ganhar dinheiro com a operação, usando, inclusive, a mulher como laranja

 

DALLAGNOL USA A MULHER COMO LARANJA PARA GANHAR DINHEIRO com palestras sobre a Lava Jato

Os diálogos do site The Intercept Brasil já revelaram ao mundo que a relação promíscua entre o ex-juiz Sérgio Moro e o procurador Deltan Dallagnol tinham um interesse comprometedor: condenar o ex-presidente Lula nos processos da Lava Jato.

Mas mesmo após as conversas reveladas entre os dois, Dallagnol segue endeusado por uma parte da imprensa e da sociedade.

E neste domingo, os dois Dallagnol – o que ensina a combater a corrupção e o que ensina a usar esquemas para ganhar dinheiro – surgem nas páginas dos jornais Estado de S. Paulo e Folha de S. Paulo.

Ao Estadão, em entrevista exclusiva, Dallagnol fala de corruptos e condena o uso das conversas em que foi flagrado manipulando processos.

– O interesse é anular condenações e barrar o avanço da investigação. A operação atingiu muitos poderosos e detentores do poder econômico. Poderia ser qualquer um deles, além dos corruptos que ainda não foram alcançados pela Lava Jato – diz o procurador.

Mas as novas gravações reveladas pela Folha de S. Paulo mostram, no mesmo dia, um Deltan Dallagnol bem mais igual aos que ele diz combater.

– Você e Amanda do Robito estão com a missão de abrir uma empresa de eventos e palestras. Vamos organizar congressos e eventos e lucrar, ok? É um bom jeito de aproveitar nosso networking e visibilidade – ensina à mulher o Dallagnol capitalista.

Amanda de Robito é a mulher do procurado Robson Pozzozon, também da Lava Jato, que entraria com ele na sociedade secreta para arrecadar dinheiro com as operações.

Dallagnol usa as mulheres como laranjas por que a lei proíbe que procuradores sejam sócios de empresas.

Em outras palavras, o coordenador da Lava Jato, que persegue corruptos é, ele próprio, um corrupto, que engana a lei para ganhar dinheiro com suas perseguições.

Simples assim…

 

1

De como Sérgio Moro manipulou para usar Ministério Público contra Lula…

Ex-juiz da Lava Jato criticou performance de procuradora ao coordenador da Lava Jato, que conversou com um colega sobre mudanças, resultando na alteração da escala de membros do MPF na audiência com o ex-presidente

 

DALLAGNOL E MORO: MANIPULAÇÃO DA ACUSAÇÃO PARA PREJUDICAR A OUTRA PARTE NO PROCESSO, que deveria ser julgado com imparcialidade

O último diálogo do ex-juiz da Lava Jato Sérgio Moro, revelado pelo blog do jornalista Reinaldo Azevedo e pela Band News, é a prova mais cabal de que o agora ministro da Justiça interferiu decisivamente no processo contra o ex-presidente Lula.

Em 13 de março de 2017, em uma conversa com o coordenador da Lava Jato no Ministério Público, Deltan Dallagnol, Moro critica expressamente do desempenho da procuradora Laura Tesller como inquisidora; e sugere que algo seja feito para o depoimento de Lula.

– Prezado, a colega Laura Tessler de vcs é excelente profissional, mas para inquirição em audiência, ela não vai muito bem. Desculpe dizer isso, mas com discrição, tente dar uns conselhos a ela, para o próprio bem dela. Um treinamento faria bem. Favor manter reservada essa mensagem…. – disse Moro.

No mesmo dia, Dallagnol conversa sobre o assunto com o também procurador Carlos Fernando Lima. Os dois travam o seguinte diálogo sobre as audiências, que se conclui desta forma:

Dallagnol: – Vamos ver como está a escala e talvez sugerir que vão 2, e fazer uma reunião sobre estratégia de inquirição, sem mencionar ela…

Lima: Por isso tinha sugerido que Júlio ou Robinho fossem também. No do Lula não podemos deixar acontecer….

E não deixaram acontecer mesmo.

No depoimento de Lula, ocorrido em 10 de maio de 2017, Laura Tesller não estava presente, como queria Moro; ela foi substituída por “Júlio” (Júlio Noronha) e “Robinho” (Robson Pozzobon), como antecipou Lima.

Tradução óbvia: Moro não gostou do desempenho de um membro da acusação, mostrou sua contrariedade ao chefe da acusação, que articulou para que esse membro fosse substituído.

Moro manipulou o processo, portanto, para prejudicar uma das partes, no caso, o próprio Lula.

E sua sentença está contaminada por esta manipulação.

Deve ser anulada, pura e simplesmente…

2

Zé Inácio vê conduta criminosa de Sérgio Moro no julgamento de Lula…

Deputado estadual do PT diz que o ex-juiz da Lava Jato estabeleceu uma relação de conluio com o procurador Deltan Dallagnol para perseguir e condenar o ex-presidente como forma de influenciar as eleições de 2018

 

ZÉ INÁCIO PEDE A ANULAÇÃO SUMÁRIA DO JULGAMENTO DE LULA POR SÉRGIO MORO, e diz que o juiz agiu em conluio com o Ministério Público

O deputado estadual Zé Inácio (PT) fez duro discurso esta semana para analisar a revelação de um esquema envolvendo o juiz Sérgio Moro e o coordenador da Lava Jato, procurador Deltan Dallagnol.

 – As conversas tornadas públicas pelo Site The Intercept demonstram a condução antiética e criminosa dos principais atores da Operação Lava Jato. O ex-juiz Sérgio Moro e o Ministério Público estabeleceram relação de conluio para perseguir e condenar réus que eram seus alvos políticos, especialmente, o ex-presidente Luís Inácio Lula da Silva – afirmou o parlamentar.

Na avaliação do petista, Sérgio Moro assumiu o papel de chefe das investigações contra Lula, orientando até a montagem da denúncia, ferindo a Constituição e do Código de Ética da Magistratura.

– Moro e os procuradores liderados por Dallton Dallagnol conspiraram para fabricar evidências que driblassem a regra do juízo natural, a presunção de inocência e o amplo direito de defesa. Atuaram abertamente para influir nos resultados das eleições presidenciais de 2018. Em uma primeira etapa para condenar o ex-presidente e torná-lo inelegível. Depois para impedir que sua voz fosse ouvida pelos eleitores antes do pleito – destacou o parlamentar, a partir da Nota divulgada pelo Comitê Lula Livre.

– O sistema de justiça vem sendo manipulado para servir de arma aos setores mais conservadores de nosso país. O restabelecimento da ordem democrática exige a imediata demissão do ministro da Justiça com a responsabilização criminal e a abertura de processo administrativos contra todos que participaram da conspiração sob seu comando, que também devem ser prontamente afastados das suas funções – completou.

Zé Inácio também defendeu a anulação sumária dos julgamentos de Lula e imediata liberdade do ex-presidente nas instâncias superiores da Justiça.

0

Ao confessar falta de provas contra Lula, Dallagnol revela manipulação de Moro contra ex-presidente

Procurador da Lava Jato foi orientado pelo juiz a reforçar a acusação sobre o apartamento do Guarujá; mas a condenação do petista se deu com outro argumento, que sequer estava na denúncia

 

MANIPULADORES. DALLAGNOL RECEBEU ORIENTAÇÕES DE MORO PARA FAZER A DENÚNCIA CONTRA LULA, mas o juiz condenou o presidente por fatos que nem foram denunciados

Um dos trechos mais importantes das escutas reveladas pelo site The Intercept Brasil é aquele em que o coordenador da Lava Jato no Ministério Público, Deltan Dallagnol, confessa não ter provas contra Lula no caso do Triplex do Guarujá.

O que se vê nas conversas entre Dallagnol e o então juiz Sérgio Moro é uma trama para encontrar formas de dar embasamento à acusação contra o ex-presidente; para que Moro pudesse arrumar um jeito de condená-lo.

Em um trecho, o procurador reconhece: A denúncia é baseada em muita prova indireta de autoria, mas não caberia dizer isso na denúncia e na comunicação evitamos esse ponto.”

Mais à frente, em outra conversa, ele vai mais fundo, e confessa em outro grupo de WhatsApp coisas ainda piores:

“Fora esse item, até agora tenho receio da ligação entre petrobras e o enriquecimento, e depois que me falaram to (sic) com receio da história do apto… São pontos em que temos que ter as respostas ajustadas e na ponta da língua”

Traduzindo: Dallagnol reconhece que as provas contra Lula são inconsistentes, mas revela que não mostrou isso na apresentação para tentar conquistar a opinião pública contra o ex-presidente, como revela em outro trecho:

“A opinião pública é decisiva e é um caso construído com prova indireta e palavra de colaboradores contra um ícone que passou incólume (sic) pelo mensalão”

O resultado é que, para poder fazer ligação de Lula com os desvios da Petrobras, Deltan Dallagnol confessa que usou de uma armação: acusar o ex-presidente pelos contratos com a OAS.

O problema é que o próprio Sérgio Moro reconheceu em sua sentença não haver ligação entre Lula e os contratos da OAS. 

Leia agora o trecho da denúncia feita pelo procurador para tentar ligar Lula ao apartamento:

“Com efeito, em datas ainda não estabelecidas, mas compreendidas entre 11/10/2006 e 23/01/2012, LULA, de modo consciente e voluntário, em razão de sua função e como responsável pela nomeação e manutenção de RENATO DE SOUZA DUQUE [RENATO DUQUE] e PAULO ROBERTO COSTA nas Diretorias de Serviços e Abastecimento da PETROBRAS, solicitou, aceitou promessa e recebeu, direta e indiretamente, para si e para outrem, inclusive por intermédio de tais funcionários públicos, vantagens indevidas, as quais foram de outro lado e de modo convergente oferecidas e prometidas por LÉO PINHEIRO e AGENOR MEDEIROS, executivos do Grupo OAS, para que estes obtivessem benefícios para o CONSÓRCIO CONPAR, contratado pela PETROBRAS para a execução das obras de “ISBL da Carteira de Gasolina e UGHE HDT de instáveis da Carteira de Coque” da Refinaria Getúlio Vargas – REPAR e para o CONSÓRCIO RNEST/CONEST, contratado pela PETROBRAS para a implantação das UHDT´s e UGH´s da Refinaria Abreu e Lima – RNEST, e para a implantação das UDA´s da Refinaria Abreu e Lima – RNEST. As vantagens foram prometidas e oferecidas por LÉO PINHEIRO e AGENOR MEDEIROS, a LULA, RENATO DUQUE, PAULO ROBERTO COSTA e PEDRO JOSÉ BARUSCO FILHO [PEDRO BARUSCO], para determiná-los a, infringindo deveres legais, praticar e omitir atos de ofício no interesse dos referidos contratos.”

Agora leia o que Sérgio Moro diz em sua sentença condenatória:

“Este juízo jamais afirmou, na sentença ou em lugar algum, que os valores obtidos pela Construtora OAS nos contratos com a Petrobras foram usados para pagamento da vantagem indevida para o ex-Presidente”.

A tradução de tudo o que se lê é óbvia: Dallagnol denunciou Lula por uma coisa e Sérgio Moro o condenou por outra coisa, que sequer tinha sido denunciada. (Entenda aqui)

E o resultado de tudo é o que se vê agora revelado nas reportagens do site Intercept Brasil.

Para resolvê-las, o que fazer? Tirar Lula da cadeia e levar os dois manipuladores para seu lugar.

É simples assim…

Com informações do blog de Reinaldo Azevedo

5

Julgamento de Lula precisa ser anulado…

Independentemente de o ex-presidente ser ou não culpado, a decisão do juiz Sérgio Moro – em conluio com o procurador Deltan Dallagnol – está marcada por posicionamento político e esquemas de forja de provas; e tinha um objetivo: tirar o PT das eleições de 2018

 

DELTAN E MORO EM FESTA CONTRA LULA: acusador e julgador com o mesmo objetivo: tirar o ex-presidente das eleições de 2018

Editorial

Não se deve discutir neste momento de convulsão institucional no Brasil se Lula é ou não inocente nos casos julgados pelo juiz Sérgio Moro.

O que deve estar em discussão para tomada de providências é: Sérgio Moro armou para botar o ex-presidente na cadeia.

As conversas divulgadas pelo site The Intercepth é um escândalo de proporções internacionais; e revelam que o tal juiz – agraciado depois com cargo de ministro da Justiça com promessa de ida para o Supremo Tribunal Federal – é um manipulador tão asqueroso quanto todos aqueles que ele dizia combater.

O problema de Moro é a sua influência direta na condução das investigações que ele mesmo iria julgar mais tarde.

A constituição é clara quando impede um juiz de ser, ao mesmo tempo, investigador e julgador de um caso; e Moro foi, no caso de Lula, exatamente isso; um perseguidor e julgador.

O juiz da Lava Jato manipulou informações, ignorou provas e – mais grave – orientou o inseguro Dallagnol sobre como fazer para dar consistência às suas denúncias.

Nas conversas vazadas, Dallagnol confessa claramente a falta de provas para acusar Lula, momento em que recebe orientação de Moro para fortalecer o processo.

Isso, por si só, independentemente do mérito sobre a culpabilidade de Lula, compromete todo o julgamento.

Há os que dirão: “mas a condenação foi confirmada em segunda instância”.

Para este caso, já ficou evidente a manipulação dos julgadores do TRF-4, admitida por eles próprios.

Este blog trata o caso Lula desde o início como um golpe do Judiciário.

Um golpe para tirá-lo da eleição de 2018 e impedi-lo de voltar a ser presidente da República.

Isso fica evidente nos diálogos adjacentes revelados por The Intercept, que mostram a  preocupação de procuradores coma  influência de Lula nas eleições.

Já se dizia que Sérgio Moro ganhou como prêmio pela perseguição a Lula uma vaga garantida no Supremo Tribunal Federal.

Hoje, deveria era ocupar o lugar do ex-presidente em Curitiba…