3

Zé Inácio fez prognóstico seguido pelo STF sobre transferência de Lula

Pela manhã, deputado estadual maranhense analisou como arbitrária a decisão da juíza, apontando que ela deveria aguardar análise de Habeas Corpus no STF; horas depois, o supremo disse exatamente a mesma coisa

 

ZÉ INÁCIO PERCEBEU CEDO A ARBITRARIEDADE DA JUÍZA DE CURITIBA CONTRA LULA, o que foi confirmado horas mais tarde pelo STF

O deputado estadual Zé Inácio (PT) fez ontem uma ponderação pública que acabou casando exatamente com a decisão do Supremo Tribunal Federal em relação ao ex-presidente Lula.

Pela manhã, logo após decisão da juíza Carolinas Lebbos – de transferir Lula de Curitiba para São Paulo, sem ouvir a defesa – Inácio fez o seguinte comentário no Twitter:

À tarde, ao se reunir, o Plenário do STF decidiu acatar a decisão do ministro Edison Facchin, de suspender a transferência de Lula, argumentando que a juíza deveria esperar julgamento do recurso que tramita no Supremo.

Exatamente como pregou Zé Inácio horas mais cedo.

No final da tarde, o deputado do PT analisou como acertada a decisão do STF. E apontou que líderes dos mais diversos partidos recorreram à Suprema Corte “para denunciar tamanha ilegalidade contra o ex-presidente”.

O que se vê no episódio é que, pelo menos neste momento da história, os pensamentos de petistas se coadunam com os dos que realmente fazem justiça neste país.

É a história começando a s corrigir…

1

Moro e Dallagnol na mira do STF…

O ex-juiz federal e o procurador da Lava Jato manipularam dados de operações policiais e investigações do Ministério Público para emparedar ministros; e podem ver seu reinado de picaretagens cair por terra na Suprema Corte

 

A DUPLA DINÂMICA DALLAGNOL E MORO AGORA PODEM SER ALCANÇADOS PELOS BRAÇO DO STF; picaretagens contra ministros da Suprema Corte

O efeito das novas revelações do site The Intercept sobre as picaretagens do procurador da Lava Jato, Deltan Dallagnol, provocaram um efeito devastador no Supremo Tribunal Federal.

Já existe na Corte Suprema um grupo de ministros que quer frear as pretensões absolutistas do coordenador da Lava Jato e do ex-juiz que virou ministro da Justiça.

Já se sabe que Dallagnol tentou seduzir ministros como Edson Facchin e Luiz Roberto Barroso, manipulou ilegalmente investigações contra os ministros Dias Toffoli e Gilmar Mendes, e tentou influenciar até a escolha de um membro do STF. (Releia aqui, aqui e aqui)

As novas revelações do The Intercept trazem coisas ainda mais graves: o procurador da Lava Jato manipulou até partidos políticos para processar Gilmar Mendes, num ato tresloucado de autoritarismo.

As conversas reveladas pelo site do jornalistas Gleen Grennwald já deixam claro a manipulação do processo contra o ex-presidente Lula.

Agora, revelam que a dupla dinâmica Moro e Dallagnol também tentaram manipular a Justiça em todos as suas instâncias.

E devem pagar caro por essa petulância…

0

STF proíbe destruição e requer material apreendido com hacker’s…

Ministro Alexandre de Moraes determinou ao juiz responsável pela operação da Polícia Federal todas as gravações de autoridades, que o ministro da Justiça Sérgio Moro chegou a dizer que iria destruir

 

AOS POUCOS, DELTAN E MORO VÃO SE ENCALACRANDO NAS PRÓPRIAS PICARETAGENS, à medida que as autoridades vão se convencendo dos diálogos divulgados pelo site The Intercept

O ministro do Supremo tribunal federal Alexandre de Moraes determinou no fim da noite de quinta-feira, 1º, a entrega de todo o material apreendido com os hacker´s de Araraquara em operação da Polícia Federal.

Este é o material que o ministro da Justiça Sérgio Moro queria destruir, conforme informou a autoridades. (Relembre aqui)

Alexandre de Moraes determinou o encaminhamento do material baseado em notícias de que ministros do STF tenham sido investigados ilegalmente.

Esta investigação, promovida pelo procurador Deltan Dallagnol, foi noticiada na última quinta-feira pelo blog Marco Aurélio D’Eça, no post “Deltan espionou ministros e tentou influenciar indicações para o STF…”

Com base em gravações divulgadas pelo site The Intercept e pela Folha de S. Paulo, constatou-se que Dallagnol manipulou colegas do Ministério Público para obter informações comprometedoras contra ministros, para vazar à imprensa e pressioná-los em favor da Lava Jato.

Todo o material será analisado pelos ministros do STF…

3

Deltan espionou ministros e tentou influenciar indicações para o STF…

Procurador da Lava Jato usava métodos ilegais para obter informações contra ministros que entendia serem desfavoráveis aos seus projetos na investigação de políticos

 

DELTAN DALLAGNOL; DE POLÍCIA A CASO DE POLÍCIA após revelações do site The Intercept

O procurador Deltan Dallagnol, coordenador da operação Lava Jato, tentou obter informações que comprometessem pelo menos dois ministros do Supremo Tribunal Federal; Dias Toffoli e Gilmar Mendes.

A informação foi dada nesta quinta-feira, 1º, pelo site The Intercept, em parceria com a Folha de S. Paulo e Uol.

Nas conversas, Dallagnol usava colegas para obter informações, primeiro contra Dias Toffoli; depois, contra Gilmar Mendes.

Investigações contra ministros do STF só podem ser conduzidas pelo procurador-geral da República.

Mesmo assim, o procurador da Lava Jato tentava obter informações não autorizadas com colegas; e vazava para a imprensa, na tentativa de emparedar os ministros.

Deltan Dallagnol chegou, inclusive, a jogar contra um ministro do Superior Tribunal de Justiça, Humberto Martins, que estava cotado para a vaga de Teori Zawascki no STF.

A ideia era impedir a indicação de Martins, que acabou indo para o então ministro da Justiça, Alexandre de Morais.

A atuaçãod e Dallagnol neste aspecto específico das revelações do The Intercept é crime grave – e reforça as informações de sua manipulação no processo da Lava Jato.

11

Hacker confirma que diálogos entre Deltan e Moro são autênticos…

Em depoimento à Polícia Federal, Walter Delgatti Neto contou como acessou as contas do Telegram do ex-juiz e do procurador, garantiu que não editou nenhuma conversa entre os dois e confirmou que não conhece o jornalista Gleen Grennwald, responsável pela divulgação dos áudios

 

O HACKER WALTER DELGATTI; ACESSO POR ACASO À CONTA DE DELTAN DALLAGNOL e confirmação de diálogos não-republicanos com Sérgio Moro

O depoimento do hacker Walter Delgatti Neto – acusado de ser o responsável pelo grampo nas conversas entre o ex-juiz Sérgio Moro e o procurador Deltan Dallagnol – é uma espécie de pá-de-cal nas pretensões de Moro de negar a manipulação do julgamento de Lula.

O hacker não apenas confirmou a autenticidades das conversas entre o ex-juiz e o procurador como também revelou não conhecer o jornalista Gleen Grennwald; e muito menos a ex-deputada federal Manuela D’Ávila (PCdoB).

No depoimento à Polícia Federal, Delgatti explicou como chegou à conta de Dallagnol e disse que, só após ver o conteúdo das conversas dele com procuradores e com Moro, achou que tinha coisa errada nisso.

Foi então que procurou, via mensagem, a deputada Manuela D’Ávila – que a principio desconfiou, mas se convenceu após ouvir um dos áudios.  Manuela repassou o número a Grennwald, que também falou com Delgatti apenas por telefone.

E entendeu que as conversas eram de interesse público.

Como de fato são.

Se Moro queria – com a prisão do hacker – tentar destruir provas da autenticidade das conversas, ele apenas contribuiu para que elas fossem autenticadas.

Em outras palavras: está provado que ele manipulou a operação Lava Jato para levar à condenação de Lula.

A palavra, agora, está com o Supremo Tribunal Federal.

E não há outra saída, a não ser a anulação do julgamento.

Simples assim…

4

Moro alarma autoridades sobre grampos e avisa: vai destruir provas

Foi o próprio ministro da Justiça quem ligou para figurões da República afirmando haver conversas deles no material dos supostos hacker’s de Araraquara; mas, ao invés de manter o conteúdo, ele informou que dará fim neles, em mais um crime contra o Estado de Direito

DEPOIS DE MANIPULAR O JULGAMENTO DE LULA, SÉRGIO MORO AGORA TENTA DESTRUIR PROVAS contra si e contra aliados

O ex-juiz Sérgio Moro, agora ministro da Justiça, segue sua missão de Justiceiro, agindo contra o próprio estado de Direito no Brasil.

Foi Moro quem deu o alarme nesta quinta-feira, 25, ligando para deus-e-o-mundo na República alegando ter conversas de autoridades capturadas no material dos supostos hacker’s presos em Araraquara

Desde o presidente Jair Bolsonaro até a procuradora-geral da República, Raquel Dodge, passando por deputados, senadores e membros do Supremo Tribunal Federal, todos teriam sido grampeados pelos araraquaroviscks.

Mas o que fez o paladino da Justiça?!? ao invés de guardar as provas, ele já avisou a essas alarmadas autoridades que iria destruir tudo.

Está mais do que claro que Moro tenta livrar a própria pele.

Ao envolver autoridades da República nos grampos de Araraquara, o ex-juiz cria uma comoção nacional, escandaliza na imprensa e desqualifica quem publicar conversas desses grampos.

Pior: em sua fala às autoridades, subordina os chefes da operação da Polícia Federal como seus meros contínuos, dos quais ele toma qualquer coisa, a hora que quiser, para destruir, ao seu bel prazer.

Como Justiceiro – agora do Palácio do Planalto – Sérgio Moro pode até destruir as evidências contra ele e contra seus aliados.

Mas essas mesmas evidências já estão em poder da imprensa livre.

E elas também virão à tona…

2

Farsa?!? Prisão de hackers nada tem a ver com o caso The Intercept…

Presos pela Polícia Federal são investigados por denúncia do ministro Sérgio Moro feita no dia 4 de junho enquanto que as conversas reveladas pelo site remetem ao ano de 2015

 

DOIS DOS SUPOSTOS HACKERS PRESOS: VÍNCULOS FORJADOS E DIFICULDADE À DEFESA, num roteiro que exigiu a licença do próprio Moro

É uma farsa – aparentemente montada para tentar livrar a cara do ministro Sérgio Moro e a Lava Jato – a ligação dos supostos hackers presos nesta terça-feira, 23, com a divulgação de conversas do ex-juiz e de membros da Lava Jato.

Esta operação da Polícia Federal é fruto de uma reclamação formal de Moro, feita no dia 4 de junho, quando o ex-juiz afirmou que seu telefone havia sido hackeado. O próprio ministro afirmou, no entanto, que nada havia sido capturado do aparelho.

Após a acusação de Moro, a Polícia Federal montou a operação Spoofing. E após a prisão dos supostos envolvidos, outros membros do governo, como o ministro Paulo Guedes e a deputada federal Joyce Hasselman, resolveram dizer-se também hackeados.

Tudo dentro de um roteiro pré-estabelecido, que conta, inclusive, com providencial licença de Moro do posto de ministro da Justiça e comandante da Polícia Federal.

Ocorre que as conversas entre Moro e Deltan Dallagnol; e entre este e outros membros da Lava Jato – que alguns dos próprios envolvidos já confirmaram a autenticidade – se deu bem antes disso, e remonta ao ano de 2015, quando Moro ainda era juiz da Lava Jato.

São Centenas, talvez milhares, de conversas, documentos, planilhas e outras provas de que Moro e Deltan – julgador e acusador – armaram para montar a condenação do ex-presidente Lula.

Setores da imprensa vinculados ao governo Bolsonaro apressaram-se, ontem, a vincular as prisões da Spoofing ao caso The Intercept.

Outros setores, mais independentes, preferiram aguardar novos desdobramentos.

Até porque sentiram cheiro de uma farsa sendo montada…

0

Interferência de Moro nas delações gerou atrito entre procuradores

Em conversas divulgadas pelo The Intercept Brasil, Carlos Fernando Lima insurge-se contra o juiz, pede mais liberdade para trabalhar, mas é coagido por Deltan Dallagnol a seguir orientação do “chefe” da Lava Jato

 

CARLOS FERNANDO RECLAMOU DA ONIPRESENÇA DE MORO NA LAVA JATO, mas foi repreendido pelo colega Deltan Dallagnol

Novos diálogos divulgados pelo site The Intercept Brasil, sobre a interferência de Sérgio Moro na investigações da Lava Jato, não deixam mais nenhuma dúvida de que o ex-juiz manipulava a acusação contra o ex-presidente Lula.

Nas conversas, um dos procuradores da Lava Jato, Carlos Fernando Lima, reclama ao colega Deltan Dallagnol contra a presença de Moro nos acordos de delação premiada.

No dia 24 de fevereiro de 2015, Lima manda a seguinte mensagem a Dallagnol:

– O procedimento de delação virou um caos. Creio que se a sua divisão de serviço pressupõe que eu e Januário [Paludo] estamos encarregados dos acordos, eles devem ser tratados por nós. Você é o Promotor natural e pode discordar, e eu sempre ouço todos, mas o que vejo agora é um tipo de barganha onde se quer jogar para a platéia, dobrar demasiado o colaborador, submeter o advogado, sem realmente ir em frente. (…) Isso até é contrário à boa-fé que entendo um negociador deve ter. E é bom lembrar que bons resultados para os advogados são importantes para que sejam trazidos novos colaboradores. Eu desejo que sejam estabelecidas pautas razoáveis.

A resposta de Dallagnol deixa claro quem era o chefe da investigação, no caso, o próprio juiz Sérgio Moro:

– Carlos Vc quer fazer os acordos da Camargo mesmo com pena de que o Moro discorde? Acho perigoso pro relacionamento fazer sem ir FALAR com ele, o que não significa que seguiremos. Podemos até fazer fora do que ele colocou (quer que todos tenham pena de prisão de um ano), mas tem que falar com ele sob pena de ele dizer que ignoramos o que ele disse. Vc pode até dizer que ouve e considera , mas conveniência é nossa e ele fica à vontade pra não homologar, se quiser chegar a esse ponto. Minha sugestão é apenas falar.

A orientação de Dallagnol ao colega Carlos Lima mostra, de forma definitiva, que o procurador que coordenava a Lava Jato seguia as ordens do juiz que deveria julgar os casos investigados pelo Ministério Público.

Em outras palavras, Sérgio Moro atuou para condenar Lula e não para julgá-lo à luz das provas.

E, por isso, contaminou o processo…

2

Deltan Dallagnol usou cargo até para pedir férias no Beach Park…

Coordenador da Lava Jato, que será investigado por usar o posto para ganhar dinheiro, foi flagrado pedindo hospedagem e ingressos do parque aquático como condição para palestra paga em Fortaleza

 

DELTAN DALLAGNOL NA PALESTRA DA FIEC, EM FORTALEZA, de onde saiu para curtir no Beach Park com todas as despesas pagas, além de cachê de R$ 30 mil

Já desmascarado por usar o posto de coordenador da Lava Jato – e a própria estrutura do serviço público – para ganhar dinheiro com palestras, o procurador Deltan Dallagnol parece cada vez mais mercenário como membro do Ministério Público Federal.

Novos diálogos obtidos pelo site The Intercept Brasil revelam que Dallagnol chegou a negociar até hospedagem e ingresso no Beach Park, no Ceará, como condição para dar palestra paga em Fortaleza.

A Corregedoria Nacional do Ministério Público já abriu inquérito para investigar as palestras daquele que ficou conhcido como paladino da Justiça, e cuja a imagem começa a desmoronar como areia.

– Tais palestras teriam se dado em parceria com empresas privadas, com quem dividiram os valores – diz o documento da CNMP, que determinou a abertura da investigação.

O PARQUE AQUÁTICO CEARENSE QUE SERVIU DE JABÁ PARA PROCURADOR; conselho a Sérgio Moro: “as crianças adoraram”

Dallagnol comemorou o jabá do Beach Park em conversa com a mulher.

– Posso pegar [a data de] 20/7 e condicionar ao pagamento de hotel e de passagens pra todos nós – disse Dallagnol a ela.

Depois de curtir no sol cearense, o procurador chegou a aconselhar o então juiz da lava Jato, Sérgio Moro, a fazer o mesmo.

– Eu pedi pra pagarem passagens pra mim e família e estadia no Beach Park. As crianças adoraram. Além disso, eles pagaram um valor significativo, perto de uns 30k [R$ 30 mil]. Fica para você avaliar – aconselhou.

Ainda não há revelações de áudios que indiquem se Moro aceitou ou não o passeio no Beach Park.

Ainda…

2

Qual destes Dallagnol é verdadeiro?!?

Enquanto o jornal Estado de S. Paulo mostra o procurador da Lava Jato insistindo em ser paladino da Justiça, a Folha de S. Paulo revela seu interesse em ganhar dinheiro com a operação, usando, inclusive, a mulher como laranja

 

DALLAGNOL USA A MULHER COMO LARANJA PARA GANHAR DINHEIRO com palestras sobre a Lava Jato

Os diálogos do site The Intercept Brasil já revelaram ao mundo que a relação promíscua entre o ex-juiz Sérgio Moro e o procurador Deltan Dallagnol tinham um interesse comprometedor: condenar o ex-presidente Lula nos processos da Lava Jato.

Mas mesmo após as conversas reveladas entre os dois, Dallagnol segue endeusado por uma parte da imprensa e da sociedade.

E neste domingo, os dois Dallagnol – o que ensina a combater a corrupção e o que ensina a usar esquemas para ganhar dinheiro – surgem nas páginas dos jornais Estado de S. Paulo e Folha de S. Paulo.

Ao Estadão, em entrevista exclusiva, Dallagnol fala de corruptos e condena o uso das conversas em que foi flagrado manipulando processos.

– O interesse é anular condenações e barrar o avanço da investigação. A operação atingiu muitos poderosos e detentores do poder econômico. Poderia ser qualquer um deles, além dos corruptos que ainda não foram alcançados pela Lava Jato – diz o procurador.

Mas as novas gravações reveladas pela Folha de S. Paulo mostram, no mesmo dia, um Deltan Dallagnol bem mais igual aos que ele diz combater.

– Você e Amanda do Robito estão com a missão de abrir uma empresa de eventos e palestras. Vamos organizar congressos e eventos e lucrar, ok? É um bom jeito de aproveitar nosso networking e visibilidade – ensina à mulher o Dallagnol capitalista.

Amanda de Robito é a mulher do procurado Robson Pozzozon, também da Lava Jato, que entraria com ele na sociedade secreta para arrecadar dinheiro com as operações.

Dallagnol usa as mulheres como laranjas por que a lei proíbe que procuradores sejam sócios de empresas.

Em outras palavras, o coordenador da Lava Jato, que persegue corruptos é, ele próprio, um corrupto, que engana a lei para ganhar dinheiro com suas perseguições.

Simples assim…