0

Roberto Costa repudia atropelamento proposital de cachorros…

Autor da lei que criou o Código de Defesa dos Animais no Maranhão, deputado estadual emitiu nota em que classificou de “covarde” a atitude da enfermeira Giselly Atan, que matou uma cadela e feriu um cão ao passar por cima deles, esta semana, em São Luís

 

Costa criticou a atropeladora de cachorros

O deputado estadual Roberto Costa (MDB) emitiu Nota de Repúdio em que classifica de covarde a ação da enfermeira Giselly Atan, que passou por cima de dois cachorros, de propósito, no Residencial Pinheiros, em São Luís.

Para Costa, é preciso punir a biocida com rigor, para evitar que outros episódios como este se repitam.

– A autora do crime, segundo a Autoridade Policial,  já foi denunciada na Delegacia de Meio Ambiente. Esperamos apenas que a Justiça seja feita para que barbaridades como estas não sejam marcadas pela impunidade – disse o parlamentar.

Veja abaixo a nota distribuída por Roberto Costa:

NOTA DE REPÚDIO

Como representante do Legislativo Maranhense e autor do Código de Defesa dos Animais no Maranhão (Lei 10.169/2014) venho manifestar meu repúdio ao ato de violência praticado contra esses seres tão frágeis em uma rua do bairro Residencial Pinheiros, em São Luís. 

Trata-se de atropelamento covarde de dois cachorros na localidade (inclusive, com a morte de um dos cães no ato). 

A autora do crime, segundo a Autoridade Policial,  já foi denunciada na Delegacia de Meio Ambiente. Esperamos apenas que a Justiça seja feita para que barbaridades como estas não sejam marcadas pela impunidade.

Este acontecimento faz crescer, ainda mais nossa, nossa vontade de despertar o sentimento de solidariedade, cuidado e carinho para com os animais. Firmamos o nosso compromisso em continuar fortalecendo campanhas de conscientização sobre maus tratos e outros temas ligados a proteção animal.

Nós, enquanto cidadãos, não podemos deixar que crimes desta natureza passem desapercebidos e a melhor forma de agir é denunciar. 

Na Lei 10.169/2014, definimos a Política Estadual de Proteção aos Animais e estabelecendo punições para qualquer  prática que implique crueldade aos animais (que pode ser conceituada como toda e qualquer ação ou omissão que implique em abuso, maus tratos, ferimentos ou mutilação de animais).

Roberto Costa 
Deputado Estadual

5

Biocídio: novo vídeo mostra que enfermeira premeditou atropelamento de cães…

Giselly Atan seguiu os dois animais pelas calçadas do Residencial Pinheiros até ter boa condição de atropelá-los; crime está sendo investigado pela polícia; atropeladora foi suspensa do serviço e repudiada em todo o país

 

Momento em que Giselly Atan atropela os cachorros

A versão completa do vídeo que mostra a enfermeira Giselly Atan atropelando dois cachorros em uma rua do Residencial Pinheiros,. em São Luís mostra a premeditação do crime.

A enfermeira seguiu um dos cães por toda a rua, esperando que ele descesse das calçadas. Assim que o cachorro desce, ao lado da cadela, a mulher se posiciona e acelera o carro, atropelando os dois.

O cão, de nome Pepe, conseguiu escapar, mas a cadela Dukesa morreu no local. Giselly Atan deve responder pelo crime de biocídio.

Procurada pela polícia, a enfermeira foi afastada do emprego na tarde desta quinta-feira, 16, e foi repudiada pelo próprio Conselho Regional de Enfermagem, além da OAB e de vários segmentos sociais.

O crime de Giselly Atan ganhou repercussão nacional e foi repudiado também por várias personalidades, em todo o país.

9

Empresária denunciada por matar cão de propósito em São Luís…

Giselly Atan passou por cima de dois cachorros que dormiam próximo a uma calçada do Residencial Pinheiros e deverá ser julgada por crime ambiental; donas dos cães lamenta o assassinato e crime repercute nacionalmente

 

ASSASSINA! Projeto John fez a denúncia contra Giselly Atan que ganhou repercussão nacional

A mulher identificada como sendo Giselly Atan, tida por empresária, foi denunciada formalmente pelo assassinato de uma cadela no Residencial Pinheiros, em São Luís.

Um vídeo gravado por testemunhas mostra o momento em que ela passa por cima dos cães, bem devagar, e demonstrar estar ciente do que está fazendo.

O vídeo ganhou repercussão nacional e Giselly Atan está sendo denunciada em todo o Brasil por crime ambiental. (Veja abaixo a crueldade da mulher)

Nas redes sociais, a dona do cachorro, identificada por Leila Cristina Oliveira disse que os animais estavam fora de casa porque haviam expulsado um ladrão, que arrombou a porta da casa.

– Eles expulsaram o ladrão, mas como a casa ficou aberta, eles foram para a rua do lado – disse Leila.

PRESSÃO NA JUSTIÇA. Luisa Mell respondendo a Leila Cristina, dona dos animais assassinados

Uma das mais ativas protetora dos animais no país, Luisa Mell disse que fará pressão ao governo para que a denúncia ande nos órgão de polícia do Maranhão.

O atropelamento cometido por Giselly Atan levou à morte a cadela Dukesa. Pepe, o cachorro, passa bem.

Nas redes sociais, a assassina está sendo chamada de… assassina…

5

Neto Evangelista tem proposta para substituição de carroças…

Estudo da Secretaria de Desenvolvimento Social prevê a a utilização de carros elétricos no lugar dos veículos de tração animal na capital maranhense

 

PROGRESSO – Carrinhos elétricos terão benefícios sociais, econômicos e ambientais

Um estudo da Secretaria de Estado do Desenvolvimento Social pode, finalmente, por fim à cruel utilização de animais em carroças na capital maranhense.

– Com a substituição das carroças, haverá uma diminuição do número de animais soltos em vias públicas. Podemos citar como benefícios para a população a diminuição de acidentes, a erradicação dos maus tratos aos animais e, também, a ausência de fezes em vias públicas, o que contribuirá para uma cidade mais limpa – disse Evangelista.

QUALIDADE DE VIDA – Neto Evangelista já começou o cadastramento de trabalhadores para operar os carrinhos

A pasta, chefiada pelo deputado estadual Neto Evangelista (PSDB), prevê a utilização dos novos veículos, inicialmente, em bairros como Cidade Olímpica, São Francisco e Coroadinho.

Para isso, já cadastrou 540 carroceiros em oito polos.

Os carrinhos elétricos, que levam o nome de Cavalo de Lata, é movido por uma bateria recarregável em qualquer tomada simples.

A ideia inicial é utilizá-los em fretes de entulho e coleta de lixo…

4

“Questão econômica não justifica crueldade com animais”, diz Eliziane Gama…

Deputada federal foi a única representante da bancada maranhense a se posicionar contra a PEC que liberou a vaquejada no país por entender que nada justifica o sofrimento animal neste tipo de atividade

 

DEFESA ANIMAL
Eliziane Gama entende que a renda oriunda da vaquejada não justifica a crueldade da atividade

A deputada federal Eliziane Gama (PPS) criticou a aprovação da PEC da Vaquejada pela Câmara Federal.

A parlamentar foi a única representante da bancada maranhense presente na votação a se opor à liberação da atividade.

Para a deputada, não se pode levar em conta apenas a questão econômica para justificar “uma crueldade absurda e primitiva”.

– Há várias atividades com forte poderio econômico que não fazem bem à sociedade; o que precisa ser visto é a forma cruel como os animais são tratados neste suposto esporte – disse ela.

LOBBY PODEROSO
Grupos que investem nas vaquejadas sentaram praça no Congresso para garantir seus ganhos

A prática de vaquejada havia sido proibida no país em outubro do ano passado, por decisão do Supremo Tribunal Federal, que a julgou inconstitucional por entender que a atividade submete os animais à crueldade.

Empresas que promovem os chamados circuitos milionários passaram a fazer lobby e convenceram parlamentares na Câmara e no Senado a apresentar uma Proposta de Emenda Constitucional para tornar a vaquejada legal.

– Os bingos e casinos também geram renda e empregos, mas o rastro de destruição que provocam não justificam a sua legalidade. A PEC da vaquejada apenas torna legal práticas cruéis contra os animais em nome de uma suposta geração de emprego e renda – concluiu a parlamentar.

1

Juscelino comemora aprovação da PEC da Vaquejada…

O deputado federal Juscelino Filho (DEM), praticante de Vaquejada e um dos maiores defensores do esporte na Câmara dos Deputados, comemorou em suas redes sociais, na noite desta quarta-feira, 10, a aprovação do primeiro turno da PEC 304/17, do Senado.

O voto SIM de Juscelino

A PEC não considera cruéis as práticas desportivas que utilizem animais, se forem registradas como manifestações culturais e bem de natureza imaterial integrante do patrimônio cultural brasileiro.

A PEC foi aprovada por 366 votos a 50 e precisa passar por um segundo turno de votação na Câmara.

– A vaquejada faz parte das nossas raízes. Ela é cultura e esporte, é atividade econômica com extensa, complexa e importante cadeia produtiva geradora de negócios, de renda, de riqueza e sobretudo de muitos empregos. A atividade movimenta R$ 600 milhões por ano, gera 120 mil empregos diretos e 600 mil empregos indiretos. Cada prova de vaquejada mobiliza cerca de 270 profissionais, incluídos veterinários, juízes, inspetores, locutores, organizadores, seguranças, pessoal de apoio ao gado e de limpeza de instalações – destacou o parlamentar.

1

Juscelino celebra aprovação da vaquejada em comissão da Câmara..

Juscelino é praticante de vaquejada

O deputado federal Juscelino Filho (DEM), comemorou a aprovação do parecer da PEC 304/17, na Comissão Especial que tratava da regulamentação da prática da vaquejada e do rodeio no país.

– Chega de insegurança jurídica! – enfatizou o parlamentar.

– Já era hora de tomarmos essa decisão e corrigirmos o equívoco que o STF cometeu e regulamentarmos essa importante prática – ponderou.

Juscelino destacou que a aprovação na comissão é um passo importante na regulamentação da vaquejada.

– Tenho certeza que também será o entendimento do plenário desta Casa, bem como do Senado Federal, para que possamos regulamentar de vez esse esporte, que representa tanto para as regiões Norte e Nordeste de nosso país – assegurou.

O parlamentar maranhense, que iniciou a prática quando tinha apenas 10 anos, ressaltou também a importância cultural e econômica do esporte e parabenizou as associações que defendem a vaquejada e as mobilizações sociais.

2

E a polícia não está nem aí…

A imagem de gatinhos assassinados por um marginal que usou seus cães para matá-los chocou a opinião pública esta semana; mas a desmobilizada Delegacia do Meio Ambiente pouco – ou nada – fará para elucidar o caso

 

Gatos atacados por cães famintos, levados por u facínora da Areinha

Gatos atacados por cães famintos, levados por u facínora da Areinha

Houve um temo em que a Delegacia do meio Ambiente passou a existir, de fato, em São Luís.

Foi quando o delegado Sebastião Uchôa passou por lá. Apaixonado por animais, Uchôa deu sangue para solucionar caos de maus tratos, e acompanhava pessoalmente as denúncias. (Relembre aqui)

Mas Uchôa deixou a DEMA, e ela voltou a ser o que era: apenas mais uma delegacia qualquer. (Saiba mais aqui)

Por isso é que o defensores dos animais e os que fazem a proteção de vidas não devem esperar muito da chacina dos gatinhos do rio Bacanga, trucidados por cachorros famintos levados por um bandido da Areinha.

É impossível conceber até que policiais possam fazer rondas na comunidade para descobrir o desgraçado.

É lamentável que ainda existam pessoas capazes de uma atrocidade dessas.

E masi lamentável ainda é saber que não se tem ninguém a quem recorrer…

2

Movimento Crueldade Nunca Mais prepara evento contra crueldade cometida aos animais…

Objetivo é manter a discussão sobre os riscos das vaquejadas, impedir que o Congresso Nacional libere este tipo de agressão travestida de esporte, e garantir que a proibição do Supremo Tribunal Federal passe a valer, de fato, para todo o Brasil

 

O animal é violentado nas vaquejadas do início ao fim do evento

O animal é violentado nas vaquejadas do início ao fim do evento

O Movimento Crueldade Nunca Mais se concentrará no domingo, 27 , na avenida Litorânea, em frente a barraca do Henrique/ Pizzaria Maggiorasca, às 8h30, numa manifestação nacional contra crueldade cometida aos animais.

O grupo fará caminhada até o parquinho da da praia.

Até o momento, 35 cidades aderiram ao movimento, mas os organizadores acreditam que esse número deve aumentar até o dia 27.

O objetivo é chamar a atenção da sociedade sobre o retrocesso que pode acontecer se uma Proposta de Emenda à Constituição (PEC) a favor das vaquejadas e rodeios de fato se transformar em realidade.

Atualmente, tramitam as PECs 50 e 270/2016 sobre o assunto.

O Supremo Tribunal Federal (STF) votou na sessão plenária, do dia 06 de Outubro de 2016, por proibir a prática de vaquejadas no Ceará.

A decisão do STF é referente apenas à regulamentação da vaquejada no Ceará e o resultado será válido para eventos realizados no Estado, no entanto, ela pode abrir caminhos para proibições dos eventos em todo o país.

2

Bancada maranhense se posiciona a favor da vaquejada..

Coordenador Juscelino Filho com parte a bancada e representantes do movimento

Coordenador Juscelino Filho com parte a bancada e representantes do movimento

Deputados federais maranhenses se reuniram na tarde de terça-feira, 25, para receber grupos que visitam Brasília e participam da mobilização nacional em prol da legalização da Vaquejada. Os participantes protestam contra a decisão do Supremo Tribunal Federal (STF) que tornou inconstitucional a prática do esporte no país.

De acordo com a Polícia Militar de Brasília, 3 mil pessoas, com 410 caminhões, 1,2 mil cavalos, 53 ônibus e 114 carros integraram o ato.

O coordenador da bancada, deputado federal Juscelino Filho (DEM-MA), que coleciona troféus como competidor de Vaquejada, falou sobre a manifestação e a modernização do esporte.

– Minha história com a Vaquejada começou quando eu tinha uns 10 anos. Corri e sou apaixonado. Me emocionei com a manifestação hoje aqui em Brasília, com os vaqueiros e as centenas de pessoas cantando os hinos e clamando por nossa ajuda, pois dependem dela. A prática vem se modernizando e a tese de maus tratos não convence, pois há proteção para que os animais não se machuquem. Gostaria que as pessoas que são contra assistissem a uma corrida, conhecessem a prática de verdade para terem sua opinião – defendeu.