2

Zemar pode ter sido vítima de armação no caso de suposto estupro de bebê…

Perícia constatou que ex-prefeito de Santa Luzia não abusou de criança, o que resulta em reviravolta no caso, que agora pode se voltar contra os acusadores

 

ZEMAR CHEGOU A SER PRESO SOB FALSA ACUSAÇÃO DE ESTUPRO, que foi descartado pelo laudo da polícia

O ex-prefeito de Santa Luzia, Zemar Dutra, pode ter sido vítima de uma armação que ainda será apurada pela polícia. Zemar foi preso no dia 15, sob acusação de estupro de uma menor de 3 anos.

Mas o laudo pericial mostrou que a acusação não era verdadeira.

Duas mulheres parentes e mais a mãe da criança acusaram o ex-prefeito, informando para a polícia que a menor estava sentindo dores nas partes íntimas, o que resultou na prisão do ex-prefeito.

Perícia feita pelo médico legista George Castro Figueira de Mello, constatou que  a vermelhidão na parte íntima da criança “representa uma vasodilatação ativa, com aumento de fluxo sanguíneo na região, comumente encontrada no contexto de uma resposta inflamatória local. Tal reação pode ter uma ampla diversidade de possíveis etiologias. Processos alérgicos, infecciosos, irritativos (por exemplo, provocados por roupas, urina, produtos de higiene, prurido), ou mesmo traumatismos poderiam explicar este achado.”

O laudo descarta conjunção carnal  “pois trata-se de criança com integridade himenal preservada, com óstio himenal pequeno, o que impossibilita a existência de conjunção carnal sem vestígios robustos […] Desta forma, não há elementos que permitam afirmar ou negar a ocorrência da violência sexual em apuração.”

Provavelmente a defesa do ex-prefeito entrará com outro pedido soltura do seu cliente argumentando o laudo que atesta a inocência de Zemar.

Abaixo, o laudo pericial da polícia:

 

 

3

Considerações sobre o caso Neymar…

Tentar minimizar a situação desqualificando a suposta vítima não resolve o problema; e o debate não pode ser influenciado apenas por questões de gênero e condição social dos protagonistas

 

Do que se viu até agora nas redes sociais a respeito do caso envolvendo o jogador Neymar Júnior e uma mulher que o acusa de estupro, foi uma exposição gratuita do preconceito social e do machismo que marcam a sociedade brasileira.

O caso é obscuro por si só, ao envolver uma figura pública com histórico de situações não muito lisonjeiras e uma mulher, como muitas no Brasil, em busca de prazeres e boa vida.

Mas reduzir o debate apenas ao fato de Neymar ser um milionário astro do futebol, capaz de atrair moçoilas de toda estirpe, é expor o machismo característico do brasileiro comum, incluindo o de muitas mulheres.

Ora, tentar minimizar o problema envolvendo o jogador apenas desqualificando a suposta vítima não ajuda na questão. Apontar o desajuste do craque como causa natural do problema, também é reducionista.

Até agora, Najila Trindade Mendes de Souza nunca negou que queria mesmo era sexo com Neymar; em suas declarações e depoimentos ela deixa claro que foi a Paris com o intuito de transar com o craque, uma, duas, dez vezes se fosse o caso.

Mas no momento em que uma mulher diz “não!”, é preciso que o companheiro entenda que é não. Ridicularizar isso, é diminuir a condição de mulher; é exacerbar o machismo.

“Não, é não” e ponto! E é bem aí o cerne da questão.

Neste aspecto, é preciso entender também o que caracteriza um estupro.

Qualquer prática sexual não consensual, forçada, que é feita independentemente de a vítima querer caracteriza estupro.

Se uma mulher, um homem, um homossexual ou seja lá quem for, decide ir para a cama com o parceiro, e, lá chegando, apesar do clima, não aceita algum tipo de prática, esta prática passa a ser estupro se feita mesmo assim.

Fazer sexo oral sem o consenso do companheiro, é estupro;

Sexo anal sem que a outra parte queira, é estupro;

Até o sexo papai-e-mamãe sem a vontade de um dos dois é estupro.

Seja com prostituta, gay, garoto de programa ou entre casados.

A suposta vítima poderia ter ido a Paris para fazer sexo 24h por dia; e ela mesma admite que foi para isso.

Mas se ela só aceitasse fazê-lo com camisinha, isso precisa ser respeitado.

Se ela não aceitar sexo anal, por exemplo, fazê-lo mesmo assim – “uma vez que ela já está lá mesmo, né?”, poderia justificar alguém – é praticar estupro.

Seja ela uma prostituta, um garoto de programa, um gay, uma mulher casada, um homem… se não quer fazer assim, não pode fazer assim.

Neste ponto, encerra-se a questão.

É simples assim…

1

Comunista é exonerado do governo um dia antes de prisão por estupro…

É mais uma história que mostra a incrível coincidência de ações policiais contra aliados de Flávio Dino e sua capacidade de se antecipar aos fatos

 

Antecipação providencial
Comunista Clemilton (em destaque) viria a ser preso no dia seguinte à exoneração da Seinc

O vice-presidente do PCdoB de Timon, Clemilton Colaço Ribeiro, foi preso pela polícia maranhense em 18 de abril, sob acusação de prática de estupro.

Além de dirigir o partido do governador Flávio Dino no município, Clemilton era também funcionário da Secretaria de Indústria e Comércio do governo comunista.

Mas ele foi exonerado exatamente no dia 17 de abril, um dia antes de sua prisão.

Mera coincidência?

Poderia ser, não fosse outros fatos que levam à suspeita de que Flávio Dino mantém uma forte rede de informações privilegiadas, que o fazem se antever a fatos que possam desgastar seu governo.

Foi assim com o caso do ex-adjunto da Secretaria de Administração Penitenciária, Danilo dos Santos Silva, preso na Operação Turing e exonerado da função logo que o pedido de prisão chegou à Justiça Federal. (Relembre aqui)

Foi assim também com o próprio Flávio Dino, que conseguiu saber, mais de 25 dias antes, qual era exatamente a acusação que lhe pesava – e que estava em sigilo – no âmbito da Operação Lava Jato. (Releia aqui)

Flávio Dino é um homem poderoso, não se pode negar.

Foi juiz federal, tem irmão procurador da República e uma influência gigantesca nos bastidores políticos e jurídicos.

Mas usar essas prerrogativas em proveito próprio o torna igual a tudo o que ele dizia ser diferente…

1

Zé Inácio cobra rigor na apuração de assassinato de líder camponesa…

Francisca das Chagas Silva foi violentada e estrangulada no dia 1º, em Miranda do Norte, crime que abalou sindicatos rurais e trabalhadores da agricultura em todo o estado

 

Zé INácio: violência contra a mulher deve ser combatida com rigor

Zé Inácio: violência contra a mulher deve ser combatida com rigor

O deputado estadual Zé Inácio (PT) vai pedir audiência ao secretário de Segurança Pública Jefferson Portela para obrar rigor na apuração do crime envolvendo a trabalhadora rural e líder camponesa Francisca das Chagas Silva.

– Também vou ao Judiciário e ao Executivo cobrar rapidez na elucidação do caso e alertar para o grande número de assassinatos no campo no estado – ressaltou o deputado petista.

Francisca foi assassinada de forma brutal, após ser violentada.

Os maranhenses na Marcha das Margaridas

Os maranhenses na Marcha das Margaridas

O Sindicato Rural de Miranda do Norte, a a Contag e a Fetag emitiram Nota de Repúdio pelo crime e alertaram para a relação entre vítimas de violência e mulheres negras no interior.

A polícia até agora não apresentou nenhum suspeito.

– Francisca das Chagas foi uma das muitas ‘margaridas” que participaram da Marcha das Margaridas, em agosto de 2015, em Brasília. É fundamental que este crime seja esclarecido – cobrou Zé Inácio. (Relembre aqui)

2

Magistrados farão ato público em Urbano Santos em repúdio à morte de Maísa Moreno…

Juízes de várias comarcas maranhenses se deslocarão na próxima segunda-feira (30) para a cidade de Urbano Santos, a 270 Km de São Luís, para participar de um ato público em repúdio ao assassinato da garota Maisa Moreno, de 6 anos, ocorrido no último domingo e contra a barbárie que resultou na depredação de vários prédios públicos, dentre os quais o fórum. A mobilização está sendo organizada pela Associação dos Magistrados do Maranhão (AMMA), em parceria com o juiz titular da comarca, Samir Mohana.  

O ato público acontecerá às 14h30, no auditório do Centro Administrativo da Prefeitura de Urbano Santos. Além de diretores da AMMA e magistrados de diversas comarcas, o evento contará com a presença do secretário de Segurança Pública do Estado, Jefferson Portela, de familiares da garota assassinado e pessoas da comunidade.

Na manhã de ontem (27), o presidente da AMMA, juiz Gervásio Santos, recebeu a visita do juiz Samir Mohana para definir a organização do ato público. Além de protestar contra o assassinato e levar apoio aos familiares da menina, os magistrados maranhenses farão manifestação de repúdio contra a forma criminosa que a imagem da garota foi exposta nas redes sociais, por meio de vídeos gravados em seus últimos minutos de vida e prestarão solidariedade ao juiz Samir Mohana, que esteve sob ameaça durante a depredação do fórum.

“O Judiciário maranhense não pode cruzar os braços para esta barbárie generalizada que tomou conta da sociedade. Precisamos erguer nossa voz e exigir um basta. Chega de Maísas mortas, chega de desrespeito e violência, inclusive contra as instituições”, declarou o juiz Gervásio Santos.

O presidente da AMMA também esteve no Tribunal de Justiça nesta sexta, para comunicar a realização do ato público e pedir celeridade na reforma do fórum de Urbano Santos, e recebeu todo o apoio do futuro presidente do TJMA, desembargador Cleones Cunha.

O desembargador Jamil Gedeon, coordenador da Infância e Adolescência, garantiu que será instalada no fórum uma Sala de Depoimento sem Dano (espaço em que são ouvidas crianças vítimas de abuso sexual), que receberá o nome de Maisa Moreno.