0

Eliziane e Damares discutem políticas para mulheres maranhenses

Senadora e ministra da Família, juntamente com a  secretária Ana Mendonça e a deputada Mical Damasceno (PTB) estiveram reunidas em Brasília

 

A líder do Cidadania no Senado, Eliziane Gama e a Secretária de Estado da Mulher, Ana Mendonça se reuniram, nesta terça-feira, 28, com a ministra da Família, Mulher e dos Direitos Humanos, Damares Alves, para discutir o fortalecimento das políticas públicas para as mulheres maranhenses.

A deputada estadual Mical Damasceno acompanhou o encontro que aconteceu em Brasília.

Um dos objetivos da reunião foi o pedido de ampliação do convênio com o governo federal para a Casa da Mulher Brasileira, que faz atendimento humanizado e especializado às mulheres vítimas de violência doméstica.

“Estou muito feliz com a receptividade da ministra. Nós pedimos que o governo federal renove o convênio de manutenção da Casa da Mulher Brasileira que faz um trabalho extraordinário de atendimento às mulheres maranhenses”, esclareceu a senadora Eliziane Gama.

Durante o encontro, Eliziane Gama destacou a importância de iniciativas como o Observatório da Mulher contra a violência (OMV) criado pelo Senado em 2016.
Na semana passada, a senadora maranhense solicitou a implantação do Observatório no Maranhão. A plataforma de referência nacional e internacional em dados, pesquisa, análise e intercâmbio entre as principais instituições atuantes no tema da violência contra as mulheres.

“A partir dessa iniciativa, queremos compartilhar com o estado as ferramentas desenvolvidas pelo Senado, para auxiliar no aprimoramento de políticas de enfrentamento à violência contra mulheres maranhenses”, disse, ao ressaltar que a parceria será feita com a secretaria estadual da Mulher.

0

Eliziane Gama defende participação de minorias na política…

Ao criticar tentativa de eliminação da cota feminina nos partidos, senadora diz que é preciso que homens e mulheres lutem juntos pela inclusão de todos

 

ELIZIANE DISCURSA DURANTE CONGRESSO DO CIDADANIA 23; senadora maranhense é referência na legenda

A senadora Eliziane Gama apresentou forte discurso durante o Congresso Nacional do PPS, que agora se chama Cidadania 23.

Ao criticar a tentativa de acabar com as cotas para mulheres nas nominatas de candidatos de cada partido, Eliziane ressaltou a importância de manter as minorias ativas politicamente.

– Não podemos retroceder e excluir a participação das mulheres na política que é fruto de lutas históricas – disse ela, lembrando já haver projetos em Brasília na tentativa de eliminar as cotas femininas nos partidos.

Para ela, todos – homens e mulheres – devem lutar juntos pela participação de todas as minorias na política.

– A participação das minorias na política deve ser uma luta de homens e mulheres no nosso país.destacou Gama – concluiu.

0

Weverton diz que a política precisa dar respostas para combater violência contra a mulher

Parlamentar destaca semana de pautas com projetos relacionados à políticas feministas e ressalta importância de seus projetos que tratam das questões de gênero

 

Ao lado de Eliziane Gama e de Jaques Wagner, Weverton destaca ações em defesa das mulheres

Em homenagem ao Dia da Mulher, o Senado votou esta semana uma série de projetos prioritários da bancada feminina.

“Nós sabemos que ainda temos muito o que fazer. É muita violência e a gente precisa que a política, o Congresso Nacional, todos façam a sua parte para darmos uma resposta a isso”, afirmou o senador Weverton (PDT-MA) durante sessão presidida pela senadora Leila Barros, a Leila do Vôlei (PSB-DF), com a presença da senadora maranhense Eliziane Gama (PPS).

Weverton lembrou que reapresentou no Senado um projeto que tipifica como crime hediondo e aumenta a pena para estupro compartilhado e que seu projeto de lei que aumenta a pena para o feminicídio foi transformado em lei no final do ano passado.

O senador também pediu prioridade para seu projeto que inclui o ecocardiograma fetal entre os exames de pré-natal disponibilizados pelo SUS.

“Faço um apelo para que o governo libere sua base para votar, porque já está aprovado pela Câmara (dos Deputados), só falta votar aqui”, afirmou.

Sobre o fato de a Mesa ter sido formada apenas por senadoras, Weverton comentou que “a composição feminina da Mesa tem um simbolismo relevante e justo numa luta para que as mulheres ocupem cada vez mais cargos de direção, não só hoje e não só no Senado, mas sempre e em todos os espaços”.

Pauta feminina

Na terça-feira (12), o Senado aprovou em regime de urgência projeto para penalizar, com multa, a violação do direito à amamentação, assegurando o direito das mães de amamentar em local público ou privado sem sofrer qualquer impedimento.

Também foi aprovado em regime de urgência, o projeto de lei do Senado (PLS) que obriga os condenados por violência doméstica e familiar contra a mulher a ressarcirem os cofres da Previdência Social por benefícios pagos em decorrência desse crime.

Na quarta (13), foi aprovado o projeto de lei que endurece a cobrança sobre empregadores que praticam discriminação salarial entre homens e mulheres.

Os três projetos seguem para a análise da Câmara dos Deputados.

0

Mulheres serão maioria na Mesa da Assembleia em 2019…

Do blog de Diego Emir

Definidas as últimas duas vagas em aberto na composição da Mesa Diretora, ficou certo que as mulheres vão ser a maioria no comando da Assembleia Legislativa. O presidente Othelino Neto terá a companhia seis mulheres que vão se dividir entre os cargos de vice-presidente, secretárias e procuradoria da Mulher.

Detinha, esposa de Josimar de Maranhãozinho, ocupará a segunda vice-presidência; dra Thaysa Hortegal, esposa de Luciano Genésio, estará na terceira vice-presidência; Andreia Rezende, esposa de Stênio Rezende, será a primeira secretária; Cleide Coutinho, viúva de Humberto Coutinho, será a segunda secretária; Daniela Tema, esposa de Cleomar Tema, será a quarta secretária e Ana do Gás será a Procuradora da Mulher.

A forte presença das mulheres, mostra que as deputadas podem desempenhar um papel de protagonismo na atual legislatura.

Além das deputadas vão ocupar a Mesa Diretora, Glalbert Cutrim que está em seu segundo mandato e será o primeiro vice-presidente; Arnaldo Melo ou Roberto Costa ficam com a quarta vice-presidência e o novato Pará Figueiredo será o terceiro secretário.

0

Proposta de Weverton Rocha agrava pena para feminicídio…

Aprovado na Câmara Federal, projeto do parlamentar maranhense já está em mãos do presidente Michel Temer, para sanção, e deve virar lei nos próximos dias

 

Deputado Weverton Rocha deve ter lei de sua autoria aprovada nos próximos dias

Uma proposta do deputado federal Weverton Rocha (PDT) – senador eleito pelo Maranhão – deve virar lei nos próximos dias.

O projeto, que o agrava a pena de feminicídio, foi aprovado na Câmara Federal, na forma de substitutivo do deputado Alberto Fraga, mantendo a íntegra do texto original.

A proposta de Weverton Rocha prevê aumento de um terço da pena para quem comete o crime contra menores de 14 anos, maiores de 60, mulheres com deficiência ou portadora de doenças degenerativas que acarretem condição limitante ou de vulnerabilidade física ou mental ou na presença física ou virtual de descendente ou de ascendente da vítima.

Também são agravadas as penas para quem comete o crime em descumprimento das medidas protetivas de urgência.

O texto do deputado maranhense foi encaminhado à sanção presidencial no dia 29 de novembro.

A Michel Temer cabe agora decidir-se pela sanção ou não da nova lei…

0

Eliziane Gama chega ao Senado como uma das cinco mulheres eleitas…

Parlamentar vai dividir a representação partidária com o colega eleito no Espírito Santo, Marcos do Val, e deve ter papel de protagonista no debate político a partir de 2019

 

Apesar de uma das mais jovens, Eliziane Gama será uma das mais experientes senadoras a partir de 2019

A deputada federal Eliziane Gama é um dos dois senadores eleitos pelo PPS nas eleições deste ano.

Ao lado do colega Marcos do Val, do Espírito Santo, ela vai formar a bancada socialista na Câmara Alta, e deverá ter papel de protagonista.

Com a saída de representantes de peso da bancada feminina – Gleisi Hoffmann (PT-PR), Ana Amélia (PP-RS) e Vanessa Graziotin (PCdoB-AM) – Eliziane dividirá com  Kátia Abreu (PDT-TO) o protagonismo entre as mulheres.

Além de Eliziane Gama, elegeram-se senadoras Mara Gabrilli (PSDB-SP), Leila do Volei (PSB-DF), Juíza Selma Aruma (PSL-MT) e Zenalde Maia (PHS-RN).

Com destacada atuação de gênero na Câmara Federal, Eliziane pretende dedicar seu mandato no Senado à causa das mulheres e das minorias.

E com maior espaço de articulação, pretende entrar no debate nacional…

1

Assembleia pode ter maior bancada feminina da história…

Pelo menos 10 novas deputadas devem estrear na Casa a partir de fevereiro de 2019; elas vão se somar a outras quatro que devem garantir reeleição, superando 1/3 das cadeiras do parlamento estadual

 

QUEM CHEGA. Andrea, Detinha, Belezinha, Cleide, Daniela, Jaine, Drª Thaiza, Detinha, Helena e Rose devem ser as novas parlamentares na AL…

A eleição do próximo domingo, 7, pode revelar a maior bancada feminina da história da Assembleia Legislativa do Maranhão.

Pelo menos 14 mulheres – o que representa mais de 1/3 das vagas – devem ocupar cadeiras a partir de fevereiro de 2019.

As quatro parlamentares que concorrem à reeleição – Andrea Murad (PRB), Valéria Macedo (PDT), Francisca Primo (PCdoB) e Ana do Gás (PCdoB) – têm amplas chances de reeleição.

A elas devem se somar outras 10 mulheres que sairão das urnas como deputadas estaduais.

São elas: Detinha de Maranhãozinho (PR), Cleide Coutinho (PDT), Daniela Tema (DEM), Thaíza Ortegal (PP), Betel Gomes (PRTB), Dulcilene Belezinha (PR), Andrea Resende (DEM), Helena Duailibe (SDD), Rose Sales (PMN) e Jaine Milhomem (DC).

O número pode ser ainda maior, o que garantirá um percentual ainda mais histórico para as mulheres na Assembleia maranhense.

As duas maiores bancadas da história recente foram registradas em 1998 e 2002, quando oito mulheres se elegeram para a Assembleia.

…QUEM FICA. Elas devem se juntar a Valéria Macedo, Ana do Gás, Francisca Primo, Andrea Murad, na maior bancada feminina da história

Em 1998 elegeram-se: Malrinete Gralhada, Teresa Murad, Aparecida Furtado, Sandra de Deus, Vete Botelho, Janice Braide, Marly Abdalla e Maura Jorge.

Já em 2002 foram eleitas Maura Jorge, Telma Pinheiro, Graça Paz, Janice Braide, Cristina Archer, Teresa Murad, Helena Heluy e Socorro Waquim.

A estimativa deste blog para 2018 é baseada no cruzamento das informações dos levantamentos já registrados na Justiça Eleitoral.

É aguardar e conferir…

1

PMB define pré-candidaturas para as eleições no Maranhão…

César Pires com as lideranças do PMB

A presidente estadual do Partido da Mulher Brasileira (PMB), Efigênia  Tavares, é uma das pré-candidatas da legenda para disputar as eleições deste ano no Maranhão.

Em visita ao deputado César Pires, ela informou sobre sua pré-candidatura e o processo de estruturação e fortalecimento do PMB no estado.

“Estamos organizando nosso partido para participar de forma efetiva das eleições deste ano, com o maior número possível de mulheres candidatas a deputadas estaduais e federais no Maranhão. Acreditamos que o PMB sairá fortalecido desse pleito eleitoral”, declarou Efigênia Tavares, que visitou o deputado acompanhada do secretário geral do PMB, Carlos Campelo.

César Pires elogiou Efigênia Tavares por sua decisão de ser candidata a deputada federal e por buscar a estruturação do PMB no Maranhão.

“O partido tem fortes lideranças e tenho certeza que dará uma grande contribuição ao pleito eleitoral deste ano, elevando o nível da disputa no nosso estado”, declarou ele.

Além de Efigênia Tavares, o PMB terá 17 candidatos à Assembleia Legislativa e quatro à Câmara Federal, além de concorrer a uma vaga no Senado.

1

Eliziane quer discutir ações contra feminicídio com Cármen Lúcia…

A deputada federal Eliziane Gama (PPS) enviou nesta semana ofício ao Supremo Tribunal Federal para solicitar uma audiência com a presidente da Corte, ministra Cármen Lúcia.

A magistrada também é presidente do Conselho Nacional de Justiça (CNJ).

A intenção da parlamentar e discutir com Cármen medidas para o enfrentamento da violência contra as mulheres. Eliziane está preocupada com a atuação de determinados juízes para tipificar os crimes violentos contra o sexo feminino.

Segundo ela, menos de 10% do total de mortes de mulheres estão sendo classificados como feminicídio, que é o homicídio doloso praticado contra a mulher por “razões da condição de sexo feminino”.

“A magistratura brasileira tem um importante papel neste campo. É preciso levar em conta que o feminicídio é um crime hediondo, bárbaro e que destrói toda a família. Não podemos tolerar essa violência”, disse Eliziane.

A deputada maranhense defendeu ainda a ampliação do número de varas especializadas e de delegacias de proteção à mulher.

O Brasil é o país com a quinta maior taxa de feminicídio do mundo.

Segundo a Organização Mundial da Saúde (OMS), o número de assassinatos chega a 4,8 para cada 100 mil mulheres. O Mapa da Violência de 2015 aponta que, entre 1980 e 2013, 106.093 pessoas morreram por sua condição de ser mulher.

As mulheres negras são ainda mais violentadas.