4

A deliquência diária do chamado “cidadão de bem”…

Ao invadir agências bancárias para saquear dinheiro deixado por bandidos que arrombaram bancos, em Bacabal, moradores da cidade igualam-se aos marginais e dão mau exemplo para o mundo

 

Policial conta dinheiro recuperado após assalto à agência do BB em Bacabal

Editorial

Certamente, alguns deles deveriam estar, meses atrás, gritando palavras de ordem contra políticos corruptos ou a favor da moralização.

Não há dúvidas de que, ao ver matérias com crimes e corrupção nos telejornais, muitos se indignaram ao longo da vida e chegaram a pregar pena de morte a criminosos.

Mas foram estes mesmos “cidadãos de bem” que se aproveitaram da ação de uma quadrilha em Bacabal, para saquear dinheiro das agências bancárias invadidas pelos criminosos.

Moradores da cidade, em meio ao caos deixado pelos bandidos, agiram como tais, levando o dinheiro deixado.

São pessoas que, certamente, gritam contra políticos corruptos enquanto se aproveitam do jeitinho para furar fila ou ter atendimento prioritário onde chegam.

É a deliquência diária do chamado cidadão de bem, que esbraveja contra o crime dos outros, mas não pestaneja para se dar bem no cotidiano.

E o mau exemplo ganhou o mundo em imagens tão chocantes quanto as da ação dos criminosos.

E agora esses “cidadãos de bem” vão ter que responder pela associação criminosa…

1

Comunista é exonerado do governo um dia antes de prisão por estupro…

É mais uma história que mostra a incrível coincidência de ações policiais contra aliados de Flávio Dino e sua capacidade de se antecipar aos fatos

 

Antecipação providencial
Comunista Clemilton (em destaque) viria a ser preso no dia seguinte à exoneração da Seinc

O vice-presidente do PCdoB de Timon, Clemilton Colaço Ribeiro, foi preso pela polícia maranhense em 18 de abril, sob acusação de prática de estupro.

Além de dirigir o partido do governador Flávio Dino no município, Clemilton era também funcionário da Secretaria de Indústria e Comércio do governo comunista.

Mas ele foi exonerado exatamente no dia 17 de abril, um dia antes de sua prisão.

Mera coincidência?

Poderia ser, não fosse outros fatos que levam à suspeita de que Flávio Dino mantém uma forte rede de informações privilegiadas, que o fazem se antever a fatos que possam desgastar seu governo.

Foi assim com o caso do ex-adjunto da Secretaria de Administração Penitenciária, Danilo dos Santos Silva, preso na Operação Turing e exonerado da função logo que o pedido de prisão chegou à Justiça Federal. (Relembre aqui)

Foi assim também com o próprio Flávio Dino, que conseguiu saber, mais de 25 dias antes, qual era exatamente a acusação que lhe pesava – e que estava em sigilo – no âmbito da Operação Lava Jato. (Releia aqui)

Flávio Dino é um homem poderoso, não se pode negar.

Foi juiz federal, tem irmão procurador da República e uma influência gigantesca nos bastidores políticos e jurídicos.

Mas usar essas prerrogativas em proveito próprio o torna igual a tudo o que ele dizia ser diferente…

3

PMs podem estar por trás de sumiço de PMs em Buriticupu…

De acordo com testemunha, dois oficiais e dois praças estariam envolvidos no desaparecimento de um cabo e de um soldado, em um esquema que, segundo apurou o blog, envolveria roubo de veículos, de cargas e assalto a bancos na região

 

os dois praças da PM desaparecidos há mais de dois meses: mistério

Ao que tudo indica, membros da própria Polícia Militar podem estar envolvidos no desaparecimento dos policiais militares Carlos Alberto Constantino Sousa e Júlio César da Luz Pereira, caso ocorrido em 17 de novembro de 2016.

De acordo com uma testemunha já ouvida pela Polícia Civil – que mantém o caso em segredo de justiça – os dois PMs foram levados de casa por outros dois policiais militares. No mesmo dia, a testemunha foi procurada pelo dois oficiais (um tenente e um major), que a “aconselharam” a manter silêncio sobre o caso.

Um áudio das declarações da testemunha, já legendado e com imagens, foi publicado no blog do jornalista Silvan Alves. (Ouça abaixo)

É visível o constrangimento do comando da PMMA sobre o assunto, que pode envolver uma quadrilha especializada em roubo de cargas e veículos, assaltos a bancos e tráfico de armas.

O sumiço dos dois policiais teria por motivação a apreensão de uma caçamba, sem ordem judicial, em Buriticupu, o que chamou atenção para outras práticas criminosas ocorridas dentro da própria companhia de Polícia da região.

Nem a delegada responsável pela investigação, nem o comandante da PM falam sobre o assunto.

E o mistério só aumenta…

4

Sejap já havia admitido acordo com bandidos de Pedrinhas…

Secretaria do governo Flávio Dino reconhece que separou os presos no presídio – “não por regime, mas por rivalidade” – para “preservar a integridade física” dos criminosos

 

A Secretaria de Administração Penitenciária do governo Flávio Dino (PCdoB)  já havia admitido, em entrevista ao site G1, ainda no dia 1º de janeiro, que separou os presos do Complexo de Pedrinhas, por facções, para evitar novos confrontos entre internos. (Leia aqui)

Esta atitude, que a Sejap classificou de “medidas de ressocialização”, fere as regras dos presídios, que orienta a separação apenas por comportamento.

No entendimento da Sociedade Maranhense de Direitos Humanos, livres para circular dentro de um bloco inteiro do presídio, com todas as garantias do governo, as facções ganham tranquilidade para planejar ações externas, como assaltos a ônibus, explosões de caixas eletrônicos e arrombamentos de residências.

– Diminuem os crimes contra a vida, que são resultantes dessa briga de execuções entre facções, e aumenta os crimes contra o patrimônio, que tem como base exatamente o assalto, o roubo – explica o representante da SMDH, historiador Wagner Cabral.

Dentro desta lógica, o governo pode, por exemplo, “vender” à população que diminuíram os índices de homicídio.

Em nota encaminhada ontem ao jornal O EstadoMaranhão, o governo usa exatamente este argumento. E admite que separou os presos para não ter que conviver com novos crimes dentro de Pedrinhas.

– Essa providência de gestão se mostrou acertada, diminuindo a violência e a incidência de crimes no presídio, protegendo inclusive a integridade dos apenados – diz a nota.

A tradução é óbvia: no acordo com as facções, o governo se preocupou apenas em evitar o desgaste nacional  de notícias sobre morte em Pedrinhas.

Mas é a população quem vai pagar a conta, com aumento de roubos, assaltos, arrombamentos e explosões de bancos e caixas eletrônicas.

Simples assim…

24

E que a Justiça não atrapalhe…

Alguns membros do Tribunal de Justiça morrem de ódio quando a imprensa faz críticas ao poder Judiciário.

Mas estes mesmos membros sabem que o Judiciário maranhense não goza lá de muita credibilidade na opinião pública – pelos vários exemplos que se sucedem na mídia, quase que diariamente.

E não é tentando intimidar a imprensa que vão mudar esta imagem.

O caso Décio Sá é mais uma oportunidade que o Judiciário maranhense tem para mostrar que toma decisões baseado na análise da lei e  nas circunstâncias de um crime (clamor popular, motivos torpes, periculosidade do acusado etc…) e não apenas por interesses inconfessáveis.

Os advogados dos agiotas Gláucio Pontes, José Alencar Miranda e Júnior Bolinha – e até mesmo o do assassino confesso Jhonatan de Souza – só estão aguardando os dados do inquérito fornecidos pela polícia para entrar com medidas que garantam a liberdade dos acusados.

E são advogados de peso, muitos com relações estreitas – e até familiares – no Judiciário.

A polícia tem feito a sua parte, buscando o maior número de provas e reclacionando o maior número de crimes praticados pelos assassinos, para garantir a eles o máximo de tempo na cadeia – antes e depois do julgamento.

E que a Justiça agora não venha atrapalhar…

3

Polícia quase apresenta homem errado como envolvido na morte de Décio Sá…

Por pouco, a polícia não apresentou a pessoa errada como envolvido na morte do jornalista Décio Sá, quarta-feira.

Preso no Terminal da Integração do São Cristovão, Airton Martins Monroe seria apresentado como sendo Airton “Neguinho”  um dos parceiros de crime do assassino Jhonatan Souza.

O falso suspeito já estava no carro que transportaria os envolvidos para a sede da Secretaria de Segurança quando os delegados foram informados de que havia um equívoco.

O homem nem chegou a ser apresentado, e a polícia não deu maiores informações, liberando-o no mesmo dia da prisão.

Airton Neguinho, o verdadeiro envolvido, continua foragido.

Segundo a polícia, ele é o responsável por ter feito o contato com Jhonatan, a pedido de Júnior Bolinha.

Além dele, a polícia procura o homem conhecido por Denis Nascimento Alves.

Ele está entre Gleysson Marcena e Jhonatan Souza na primeira foto do  post abaixo, sobre as duas prisões dos pistoleiros.

15

Quem é quem na quadrilha…

Miranda e Gláucio: pai e filho

José de Alencar Miranda: De acordo com a polícia, foi quem, juntamente com seu filho, Gláucio Alencar Pontes, viabilizaram os R$ 100 mil para a morte de Décio Sá.

Gláucio Alencar Miranda: É um dos homens mais ricos do Maranhão, fortuina acumulada com agiotagem e negociações de fornecimento de merenda a prefeituras. Foi convencido por Júnior Bolinha a eliminar Décio.

Bolinha: em Stª Inês, um próspero empresário

Júnior Bolinha: conhecido em Satna Inês como empresário, odiava Décio Sá, desde que o jornalista o denunciou por roubo de um trator, o que levou à perda da representação da Coca Cola na região.

Buchecha: o faz-tudo de Bolinha

Buchecha: Faz-tudo de Bolinha. Operacionalizaou o aluguel da casa no Parque Vitória, onde ficaram hsopedados os dois pistoleiros do Pará.

O assassino Jhonatan

Jhonatan de Souza: O assassino do jornalista. Foi trazido do Pará para a execução. Seguiu Décio por dois dias, até decidir agir, no bar Estrela do Mar.

3

Franklin Wellington e Leandro Mozart…

Penitanciária de Pedrinhas: bandidos fuigram daqui

Os bandidos Franklin Wellington dos Santos e Leandro Mozart são considerados de alta periculosidade.

Condenados em Imperatriz, cumpriam pena por assassinatos, roubos e outros crimes no presídio daquele município.

Foram transferidos para a Penitenciária de Pedrinhas, sem maiores explicações do sistema penitenciário.

Franklin Wellington e Leandro Mozart desapareceram do presídio em São Luís no final de abril, sem deixar vestígios.

Para policiais e investigadores do Ministério Público, os dois empreenderam fuga após ter a saída facilitada pela segurança do presídio.

O caso ganhou pouca repercussão por que, na época da fuga, ainda era forte o burburinho relacionado à morte do jornalista Décio Sá.

A polícia também parece pouco interessada no esclarecimento desta fuga e na recaptura dos criminosos.

Será por quê???

21

Só mais um assassino protegido pela lei…

Cara de playboy, duplo-assassino

Nome do assassino: Rodrigo Araújo Lima, 22 anos.

Matou duas pessoas ao mesmo tempo, mas pagou R$ 6 mil de fiança e vai ficar solto – provalvemente para o resto da vida.

Talvez matando de novo, mesmo sem carteira de motorista.

E quem perdeu foram as vítimas, mortas por um playboyzinho destes que andam nas madrugadas cheios de cana e sem responsabilidade alguma.

Se pagou R$ 6 mil de fiança é de família rica. Talvez por isso, aprendeu a irreponsabilidade no trânsito, se achando acima da lei.

Infelizmente, seu crime será apenas estatística, como o dos Demócritos, os Regadas, os Medeiros da vida.

Todos assassinos protegidos pela lei…