3

Apesar de Flávio Dino…

Mídia do governador tenta atribuir a ele estimativa de crescimento do PIB, mas o mérito é só do setor agropecuário, que o comunista persegue desde o início do seu mandato

 

A política agrícola de Flávio Dino se dá a partir de ideias como a do invasor Pedro Stédile, radical do MST

A Secretaria de Comunicação do governo Flávio Dino (PCdoB) bombardeou a mídia alinhada ao Palácio dos Leões, ontem, para comemorar um estudo do banco Santander que aponta estimativa de crescimento do PIB maranhense ao fim de 2017.

A festa midiática foi grande, atribuindo a Flávio Dino o desempenho do Maranhão.

Mas os títulos deveriam ser, “apesar de Flávio Dino, o Maranhão terá bom desempenho no PIB de 2017”.

E porque o “apesar de Flávio Dino…”?

Pelo simples fato de que, segundo o estudo, desenvolvido pelos economistas Everton Gomes e Rodolfo Margato, o desempenho no PIB será puxado pelo setor agropecuário, exatamente um dos menos apoiados pelo governo comunista no Maranhão.

Ao se analisar o estudo, percebe-se claramente que, sob a gestão de Dino, todos os demais setores da economia maranhense – Serviços, Indústria, Turismo… – apresentam desempenho negativo. E a agropecuária carrega nas costas o PIB maranhense, apesar do desdém do governador ao setor.

O comunista abandonou a Expoema nos dois primeiros anos de mandato, só retomando após pressão dos criadores

Dino faz vista grossa para invasões de terra no interior maranhense, joga loas em figuras como João Pedro Stédile e trata com frieza empresários que transformam regiões inteiras em campo de produção e geração de renda.

Para se ter ideia do maltrato do governador comunista aos pecuaristas, a categoria está sendo multada, hoje, por venda de bezerros de há quatro anos, por causa de uma regra inventada agora neste período.

Sem falar, é claro, no desrespeito com a Associação de Criadores, que desalojou do Parque Independência, extinguindo a Expoema, voltando depois após forte pressão popular.

O PIB do Maranhão, portanto, tende a crescer em 2017.

Não por causa de Flávio Dino, mas apesar de Flávio Dino…

Da coluna Estado Maior, de O EstadoMaranhão

2

Flávio Dino interrompeu ciclo de crescimento do PIB do governo Roseana…

Gestão da ex-governadora apresentou crescimento consecutivo entre 2010 e 2013, no período em que os outros estados brasileiros experimentavam queda em sua economia interna; comunista amarga queda drástica nos seus dois anos de mandato

 

Os investimentos de Roseana atraíram indústrias, que aumentaram o PIB…

 

Os dois anos consecutivos de queda do Produto Interno Bruto do Maranhão no governo Flávio Dino (PCdoB) encerrou um longo ciclo de crescimento experimentado pelo estado durante a gestão da ex-governadora Roseana Sarney (PMDB).

Entre 2010 e 2013, o Nordeste já começava a sentir os efeitos da crise econômica que se avizinhava ao Brasil.

E o Maranhão de Roseana foi o único estado nordestino que experimentou crescimento do PIB.

A média no governo Roseana foi de 2,2% ao ano, a mesma que Flávio Dino anunciou esperar em 2017, em seu discurso na Assembleia, semana passada.

A política econômica de Flávio Dino não favorece o crescimento do Maranhão

Foi só Flávio Dino assumir e o PIB de Roseana começou a virar “Pibinho”.

No primeiro ano da gestão comunista, em 2015, a queda foi de -3,3%.

No segundo ano, em 2016, o Maranhão despencou ainda mais, registrando -6,6%.

Até agora, nenhum representante do governo comunista falou sobre o assunto.

Mas, também, com um “pibinho” desses…

1

PIB do Maranhão despenca no governo Flávio Dino…

De acordo com relatório da Tendência Consultoria Integrada, o estado teve saldo negativo nos dois anos de governo comunista; e despencou em 2016, voltando aos patamares de antes de 2010

 

Flávio Dino mostra fracasso na condução da economia maranhense apesar de toda propaganda do governo

O Maranhão viveu dias sombrios no que diz respeito à sua economia nos dois primeiros anos do governo Flávio Dino (PCdoB).

É o que revela relatório da Tendência Consultoria Integrada, publicado nesta segunda-feira, 6, pelo jornal o Globo. (Leia aqui)

De acordo com o documento, o Produto Interno Bruto do Maranhão foi negativo em -3,3% no exercício de 2015, primeiro ano de Flávio Dino; o resultado foi ainda mais catastrófico em 2016, quando o PIB despencou para -6,9%, um dos piores do país.

Leia também:

Flávio Dino fracassa: Porto do Itaqui registra quase 1/4 de queda…

A venezuelização do Maranhão…

“Flávio Dino cria obstáculos ao crescimento do MA”, diz deputado…

 

Dados divulgados em O Globo: PIB maranhense despensa sob o comunismo

Ao comunista não cabe sequer argumentar que a queda foi resultado da crise econômica enfrentada pelo Brasil, já que muitos estados tiveram crescimento do PIB neste mesmo período.

Também não cabe dizer que a queda é resultado de suposta herança maldita recebida do governo Roseana Sarney (PMDB).

Primeiro porque Roseana apresentou crescimento em todo o seu período de governo.

Segundo, que vários estados cresceram em 2016 na comparação com 2015.

O resultado da queda do PIB maranhense mostra, no mínimo, a incapacidade do governo Flávio Dino de enfrentar uma crise como a do Brasil.

E o resultado é a falência do Maranhão…

2

Hildo Rocha critica desempenho do governo Dino: em um ano PIB do Maranhão encolheu 5%…

Hildo Rocha: PIB menor na era Dino

Hildo Rocha: PIB menor na era Dino

Em pronunciamento na tribuna da Câmara Federal, o deputado Hildo Rocha (PMDB/MA) destacou o encolhimento do PIB maranhense.

O parlamentar ressaltou que durante o governo Roseana Sarney o Estado registrou taxas de crescimento de até 12%. Segundo Rocha, o bom desempenho da ex-governadora, no que se refere ao desenvolvimento econômico do Maranhão, deve-se à política de incentivos por meio da qual o Maranhão despertou o interesse de grandes indústrias que se instalaram no Maranhão, entre as quais se destacam: Suzano (celulose); Eneva (Usina termelétrica do Itaqui); Votorantim e Queiroz Galvão (cimento); Gusa Nordeste; Ambev; Schincariol; Complexo Avícola da Notaro Alimentos (Balsas) e Frango Americano, entre outros empreendimentos.

Retrocesso

O deputado enfatizou que, em apenas um ano de governo, Dino conseguiu a proeza de fazer o Maranhão ficar 5% mais pobre.

“O governo de Flávio Dino não tem políticas públicas para o setor empresarial. Assim, infelizmente o Maranhão ficou 5% mais pobre já no primeiro ano do governo comunista”, afirmou.

Promessas ao vento

Hildo Rocha afirmou que Flavio Dino não cumpre as promessas de campanha. “Dino é um péssimo governador. Está expulsando os empreendimentos e com isso tem aumentado o número de desempregados em nosso estado”, declarou.