0

Números mostram Maranhão de miséria eterna…

Análises econômicas, sociais  ambientais e de desenvolvimento humano que começam a ser divulgadas – baseadas no Censo 2022 do IBGE – mostram que o estado segue a sua sina de pobreza e vergonha, baseado em uma economia de latifúndio e monocultura que enriquece forasteiros e empobrece a população, enquanto castas políticas se revezam historicamente no poder

 

Latifundiário, o governador Brandão comemora “bilhões” movimentados na AgroBalsas enquanto a população maranhense sofre com diarreia

Editorial

Os donos do poder no Maranhão – no Executivo, no Legislativo, no Judiciário e na mídia – comemoram esta semana o sucesso da feira AgroBalsas, que anuncia movimento de R$ 6 bilhões em negócios durante o evento, transmitido para todo o estado por meio de mídia financiada pelo governo Carlos Brandão (PSB). 

Nesta mesma semana, o IBGE, a Fipe e outros organismos de pesquisa começam a divulgar seus levantamentos econômicos, sociais, humanos e ambientais baseados nos dados do Censo 2022.

E o Maranhão é mais uma vez vergonha em todos os quesitos:

  • o endividado Maranhão fechará 2024 com déficit orçamentário de R$ 133 milhões, segundo estimativa da Firjan (Leia aqui)
  • segundo o PNAD, o estado tem taxa de desemprego no primeiro trimestre de 2024 20% maior que o último trimestre de 2023 (Veja aqui)
  • Maranhão tem 15% da população acima de 15 anos sem saber ler e escrever, segundo dados do Censo de 2022 (Saiba aqui)
  • vergonha das vergonhas: Maranhão lidera casos de diarreia no país, com 42 por 100 mil habitantes, segundo o SUS (entenda aqui)

Para efeito de comparação, os R$ 6 bilhões que a AgroBalsas e o governo Brandão anunciam por sua mídia parceira como movimento de apenas uma semana, é  maior que o orçamento da capital, São Luís, para todo o ano de 2024; mas o dinheiro da AgroBalsas não gera dividendo algum para a população maranhense, nem mesmo para a de Balsas.

A riqueza desta feira serve apenas ao agronegócio, ao latifúndio “estrangeiro” que explora a região com sua monocultura de soja, que abastece mercados da China e da Europa, deixando em Balsas e região apenas o solo degradado e a destruição do meio ambiente.

O Maranhão é miserável desde sempre; mas as famílias que se aproveitam desta miséria continuam a ocupar os postos de poder – em sua terceira ou quarta geração – no Executivo, Judiciário, Legislativo e Ministério Público, como castas hereditárias.

São os mesmos sobrenomes desde sempre. (Entenda aqui, aqui, aqui, aqui, aqui, mais aqui e também aqui)

E o Maranhão seguindo sua sina miserável, comemorando venda de máquina agrícola para forasteiros milionários enquanto sua gente vai se esvaindo em diarreias.

Diarreia é conhecida nas camadas mais pobres por “caganeira”; “caganeira” festejada em transmissões milionárias ao vivo.

Simples assim…

0

Números desmentem narrativa de Brandão sobre equilíbrio do governo…

Com dívidas de quase R$ 1 bilhão com empreiteiros, outro bilhão atrasado para fornecedores da Saúde e serviços médicos, operações de crédito com parcelas atrasadas, aparelhos quebrados no Hospital Carlos Macieira e hospitais praticamente fechados, governador se vê às voltas, agora, com ameaça de greve no Hospital Presidente Vargas, o que joga por terra seu discurso de que o Maranhão segue pujante

 

Propaganda de Brandão tenta vender um Maranhão que só existe na narrativa da Secom e da mídia alinhada ao Palácio dos Leões

Análise da Notícia

A mídia alinhada ao Palácio dos Leões passou a semana a divulgar release montado pela Secretaria de Comunicação apontando que o governo Carlos Brandão (PSB) reduziu o endividamento do Maranhão  em relação à sua capacidade de arrecadação. (Veja aqui)

Os números reais da situação do estado, no entanto, mostram que esta narrativa não passou de uma tentativa de responder à revelação do deputado estadual Othelino Neto (PCdoB), que apontou a dificuldade do estado de conseguir crédito, como este blog Marco Aurélio d’Eça registrou no post “Brandão usurpou Assembleia com projeto de empréstimo…”.

– Embora não tenha sido explicitado na mensagem governamental, presume-se que o Poder Executivo desejou, desde logo, obter uma autorização da Assembleia Legislativa, para a contratação, não apenas de uma operação de crédito em 2024, mas de três operações, sendo a primeira em 2024 e as demais nos dois exercícios financeiros subsequentes, em 2025 e em 2026”, explica Othelino.

A preocupação de Othelino revelou uma dura realidade do governo que nem os releases escamoteados da Secom conseguem esconder. 

  • Brandão deve mais de R$ 1 bilhão a empreiteiros; também deve outros R$ 1 bilhão em serviços médicos e fornecedores do setor de Saúde;
  • servidores públicos e prestadores de serviços em diversas pastas reclamam salários atrasados;
  • hospitais como o Carlos Macieira têm equipamentos importantes quebrados há meses;
  • outros, como o Hospital da Ilha e o de Traumatologia estão quase fechados.

Nota pública dos profissionais de Saúde expõe o caos que vivem os hospitais no governo Carlos Brandão

Nesta sexta-feira, profissionais do Hospital Getúlio Vargas anunciaram estado de greve por que não recebem desde janeiro, como mostra nota assinada por diversos profissionais de saúde.

Há suas semanas, o deputado estadual Rodrigo Lago (PCdoB) revelou na Assembleia Legislativa que o Maranhão deu calote em parcelas de dívidas antigas do estado, absorvidas pela União; e mesmo com todas as vantagens oferecidas pela mesma União para recebimento do que pagou, o governo maranhense não consegue honrar as dívidas.

Esta história também foi contada por este blog Marco Aurélio d’Eça, no post “Maranhão já deve R$ 3,3 bilhões e Brandão pode aumentar para R$ 5,5 bi…”.

De acordo com os dados dos deputados comunistas e os documentos divulgados por prestadores de serviços, o Maranhão vive hoje duas realidades distintas:

Uma é a da propaganda paga pela Secom, que vende um estado pujante e equilibrado.

A outra é a verdadeira, que mostra o estado quebrado.

Simples assim… 

0

Para Othelino, governo Brandão usurpou Assembleia com projeto de empréstimo…

Deputado estadual explicou que o Executivo dispõe de limite de apenas R$ 665 milhões para contrair dívidas no exercício fiscal de 2024, o que leva a entender que a proposta aprovada pelos deputados – de R$ 1,9 bilhão – incluía, indevidamente, autorização para novas operações em 2025 e 2026, que só poderiam ser votadas nos devidos exercícios financeiros

 

Ao lado de Wellington do Curso e Fernando Braide, Othelino foi um dos três deputados a votar contra o empréstimo da forma como queria o governo

O deputado estadual Othelino Neto (PCdoB) mostrou em uma extensa explicação em forma de press-release encaminhada pela sua assessoria que o governo Carlos Brandão (PSB) usurpou a competência da Assembleia Legislativa ao fazer aprovar, indevidamente, operação de empréstimo em valor três vezes acima do limite permitido para o exercício fiscal de 2024.

  • Segundo Othelino, em 2024 só está permitida pela Secretaria do Tesouro Nacional, operação de crédito para o Maranhão no valor exato de R$ 665.067.925,54;
  • A Assembleia, no entanto, aprovou operação de crédito de R$ 1,9 bilhão, valor três vezes maior que o permitido.

O parlamentar, que já foi presidente da Assembleia, entende que a forma de apresentação do projeto significa uma usurpação da competência dos deputados pelo governo uma vez que – ao que se presume da articulação governista – antecipa autorizações que deveriam ser analisadas apenas no exercício fiscal próprio, em 2025 e 2026.

– Embora não tenha sido explicitado na mensagem governamental, presume-se que o Poder Executivo desejou, desde logo, obter uma autorização da Assembleia Legislativa, para a contratação, não apenas de uma operação de crédito em 2024, mas de três operações, sendo a primeira em 2024 e as demais nos dois exercícios financeiros subsequentes, em 2025 e em 2026”, explica Othelino.

O parlamentar chegou a apresentar uma Emenda Modificativa ao Projeto de lei 152/2024 para que fosse aprovada operação apenas para o valor de R$ 665 milhões autorizados pela Secretaria de Tesouro Nacional para 2024, o que foi rejeitada pelo plenário.

No entender do deputado, o projeto, da forma como foi aprovado na Assembleia, corre o risco de ser rejeitado na Secretaria do Tesouro Nacional.

Por furar o teto autorizado para 2024…

0

Maranhão já deve R$ 3,3 bilhões, que Brandão pode elevar para R$ 5,5 bi…

Com passivos absorvidos da Caema, débitos atrasados com a União e com os municípios maranhenses, Governo do Estado conseguiu nesta quarta-feira, 27, autorização da Assembleia Legislativa para contrair novo empréstimo, de cerca de R$ 2 bilhões com o Banco do Brasil, apenas um mês depois de aprovar um primeiro crédito, de R$ 350 milhões, a ser contraído no BNDES

 

Brandão busca dinheiro em ano eleitoral, mas pode entregar o estado ao sucessor com ais de R$ 5 bilhões em dívidas

O Governo do Estado tem uma divida ativa atual de cerca de R$ 3,3 bilhões de reais, segundo dados apresentados pelo deputado estadual Rodrigo Lago (PCdoB) à Assembleia Legislativa: .

  • São R$ 2,2 bilhões de um débito da Caema que o Executivo absorveu em 2023;
  • Outro R$ 1 bilhão o Maranhão deve para a União, que foi fiadora em empréstimos não pagos durante a pandemia;
  • além disso, deveria ter repassado R$ 133 milhões aos municípios desde novembro de 2023, mas reteve os recursos por falta de caixa.

Nesta lista não estão incluídos os juros pagos semestralmente – R$ 276 milhões – de um empréstimo de 2014, usados nos governos Roseana Sarney (MDB) e Flávio Dino (PCdoB), e a previsão de crédito aprovado em fevereiro pela Assembleia Legislativa, de R$ 350 milhões, a ser contraído no BNDES.

Mesmo assim, os deputados estaduais aprovaram nesta quarta-feira, 27, nova autorização para o governador Carlos Brandão (PSB) buscar dinheiro no mercado financeiro, este da ordem de R$ 1,9 bilhão, oferecido pelo Banco do Brasil. 

Isso significa que, caso viabilize todos as operações de créditos, Brandão entregará o Maranhão ao seu sucessor com dívidas da ordem de R$ 5,5 bilhões, sem incluir juros e correções monetárias ao longo dos anos que durarão os empréstimos.

  • São R$ 3,3 bi + R$ 1,9 bi + R$ 350 milhões = R$ 5,5 bilhões.

Um passivo e tanto para quem quiser ser o governador a partir de 2026…

0

Ex-secretário de Jackson critica planejamento de Brandão e cobra deputados do PDT…

Em artigo intitulado “Idiossincrasias”, Abdelaziz Santos desqualifica uso da empresa Macroplan na elaboração do do plano estratégico, reclama da falta de lembrança do governo pedetista na retomada do Plano Plurianual e diz que dirigentes de empresas como a Gasmar vivem de “palestras mirabolantes pelo mundo sem compromisso com a verdade” 

 

Aziz mostra tristeza com os números do governo Brandão e decepção com a postura dos deputados do PDT na Assembleia

O ex-secretário de Planejamento Abdelaziz Santos, voltou a criticar duramente o governo Carlos Brandão (PSB), sobretudo nos aspectos da economia e do desenvolvimento do estado neste primeiro período de mandato; para Aziz, que é economista, os auxiliares de Brandão “teimam em apostar nos projetos de bilhões de dólares que por aqui aportam”, sem qualquer resultado no dia dia da população.

– Nem mesmo a minha formação em economia consegue contar tanta fartura! Vale, Alumar, Suzano, polo de soja de Balsas e adjacências, Eneva, o gigantismo do Porto de Itaqui, nenhum deles quis saber até hoje da população, tanto assim que estamos mais pobres hoje do que antes deles – destaca Abelaziz, citando como exemplo a Empresa Maranhense de Gás (Gasmar), recentemente listada pelo Tesouro Nacional por dar prejuízo milionário aos cofres públicos maranhenses.

– A Gasmar criou a expectativa de que os proprietários de veículos em São Luís iriam dispor de gás veicular até o final de 2022. Estamos em 2024 e nada. Assim, talvez seja prudente o Governador proibir que os dirigentes da empresa andem falando tais bobagens, e fiquem mesmo apenas fazendo palestras mirabolantes sobre petróleo e gás pelo mundo afora, sem qualquer compromisso com a verdade. Isso nos aliviaria muito, além de liberar o Governo dessas piadas de mau gosto – provoca o ex-secretário.

Aziz Santos não é o primeiro especialista a fazer um balanço negativo do governo Brandão em 2023; este blog Marco Aurélio d’Eça já publicou o post “Brandão está perdido, sem rumo e sem projeto”, com crítica do presidente do Novo, Leonardo Arruda, e a análise do também ex-secretário Simplício Aráujo, intitulada “Simplício vê ‘um ano perdido para o Maranhão'”.

Apesar dos projetos de bilhões, Maranhão continua em, níveis miseráveis de IDH, nos padrões da Venezuela

Em seu artigo, intitulado “Idiossincrasias!” Aziz não poupa sequer os deputados do seu partido, o PDT, que acabaram votando no projeto do governo que atenta contra as comunidades tradicionais. 

– O que fazem mesmo esses deputados ainda nas nossas fileiras? A passagem do ano não seria uma boa hora de despedida? – cobra Aziz; compõem a bancada pedetista na Assembleia – todos alinhados ao governo Brandão – os deputados Osmar Filho, Glalbert Cutrim, Drª Viviane e Cláudia Coutinho.

Ao destacar as ações do governo Jackson Lago em planejamento de 10 anos para o Maranhão – em contraponto ao da Macroplan, que prevê resultados só em 50 anos – Aziz ensina que o desenvolvimento local deveria ser a tônica de qualquer política econômica. 

– Como se a população fosse comer minério de ferro, bauxita, alumínio, aço, papel e coisas que tais. Não conseguem entender que grandes projetos são intensivos de capital e visam essencialmente o lucro – comenta, ressaltando o resultado do Maranhão após o primeiro período de governo Brandão: 57% da população no índice da pobreza.

– Aos poucos, por esse e outros motivos, um ou outro deputado começa um tímido movimento de oposição ao atual governo maranhense, num estado em que oposição virou artigo de luxo desde o Governo Flávio Dino. Claro, competentes como são, primeiro se elegem no pacote governamental para depois se conscientizarem que tomaram o rumo equivocado. De qualquer forma, sejam bem vindos para o lado de cá! – conclui o ex-secretário.

0

Simplício Araújo vê “um ano perdido para o Maranhão”…

Ex-secretário de Indústria e Comércio e ex-candidato a governador diz que, ao contrário de outros estados – que se esforçam, para buscar investimentos – o governo maranhense usa a máquina pública apenas para campanhas eleitorais; e provoca: “Cite uma grande ação ou obra construída e entregue pelo governo do Maranhão em 2023”

 

Gráfico mostra o Maranhão nos níveis da Venezuela em desenvolvimento humano, situação que se agravou desde Flávio Dino e se mantém com Brandão

 

O ex-candidato a governador Simplício Araújo fez um duro balanço do estado sob o governo Brandão (PSB) em 2023; e viu “um ano perdido para o Maranhão”.

– Enquanto os demais estados brasileiros potencializam esforços para atração de investimentos, desenvolvimento e geração de empregos, o maranhense assiste o governo usar a máquina pública apenas para campanhas eleitorais – afirmou Simplício, que foi secretário de Indústria e Comércio no governo Flávio Dino.

O ex-candidato é a segunda liderança política em menos de uma semana a desenhar um quadro desolador como balanço do primeiro ano de gestão do governo Brandão.

Na semana passada, o presidente regional do Partido Novo, Leonardo Arruda, criticou duramente a gestão do governador, que segundo ele, é  calçada apenas em aumento de arrecadação com aumentos de impostos, mas inchando a máquina pública com excesso de secretarias e de parentes.

– Brandão está sem perdido, sem rumo e sem projeto – afirmou Arruda.

Simplício Araújo entende que sem gestão – o que falta no governo Brandão – o Maranhão não tem chances de se desenvolver

As críticas das lideranças encontram respaldo nos números oficiais, que mostram um Maranhão afundado na miséria, com índices sociais vergonhosos e sem nenhum tipo de desenvolvimento econômico, alcançando níveis de Venezuela, como mostrou o ex-senador Roberto Rocha, com base em números do Índice de Desenvolvimento Humano.

Mesmo assim, Brandão tenta aumentar os custos com um empréstimo de R$ 350 milhões já autorizado pela Assembleia Legislativa, e outro, de cerca de R$ 1 bilhão, que ainda depende de autorização do Senado.

Para Simplício Araújo, o que falta ao estado é gestão, que não se vê no governo Carlos Brandão; o ex-secretário encerrou sua crítica nas redes sociais com um desafio à população maranhense:

– Cite uma grande ação ou obra construída e entregue pelo governo do Maranhão em 2023…

0

Weverton põe dúvidas sobre necessidade de empréstimo pretendido por Brandão…

Senador pedetista questionou a aprovação da Assembleia Legislativa para uma operação de crédito da ordem de R$ 350 milhões no mesmo momento em que o governador  cria mais despesas com aumento do número de secretarias e vai garantir aumento da arrecadação com elevação de taxas e impostos

 

Na articulação em favor de Dino, Weverton conseguiu apoio até de Sérgio Moro; agora, se posiciona como líder da oposição no Maranhão

O senador Weverton Rocha (PSDT) voltou à carga contra o governador Carlos Brandão, criticando, sobretudo, a operação de empréstimo autorizada pela Assembleia Legislativa, de cerca de 350 milhões.

– Eu tenho as minhas dúvidas se o Maranhão vai realmente precisar desse empréstimo. Primeiro, porque quem está com dificuldades não cria mais despesas. O governador acabou de criar novas secretarias, então não me parece que ele esteja precisando de mais recursos – falou o senador, em entrevista ao jornalista Elias Lacerda.

Para Weverton, o Maranhão terá forte aumento de arrecadação em 2024, após o próprio Brandão aumentar significativamente a alíquota de impostos e as taxas de vários serviços no estado.

– O Maranhão deve arrecadar bem a partir do ano que vem, porque ele (Brandão) acabou de aumentar os impostos estaduais consideravelmente. Isso deve dar uma robustez no caixa, ele deve melhoras as condições para continuar investindo no Maranhão, para continuar fazendo o trabalho que se espera dele – ressaltou.

Em junho, após seis meses de silêncio em relação ao governo, Weverton Rocha já havia criticado o interesse de Brandão em um empréstimo, à época na casa dos R$ 3,5 bilhões; ele criticou duramente o governador, como revelou este blog Marco Aurélio d’Eça no post “Vou estar atento e acompanhar de perto…”.

A postura dura de Weverton em relação ao governador se dá após sua atuação em defesa da indicação do ministro Flávio Dino para o Supremo Tribunal Federal; e indica que o senador  pedetista deve mesmo assumir o contraponto político ao Palácio dos Leões, como líder da oposição.

Mas esta é uma outra história…

0

“Brandão está perdido, sem rumo e sem projeto”, diz presidente do Novo

Em Carta Aberta ao governador – espécie de Balanço de 2023 – Leonardo Arruda aponta que, ao mesmo tempo em que sufoca a população com aumento de impostos, criação de novas taxas em serviços essenciais como água e energia, Brandão cria mais despesas, aparelhando o estado com parentes, empréstimos desnecessários e novas secretarias que não servem para nada

 

Leonardo Arruda descascou o governo Brandão em uma carta aberta que serve também como balanço independente da gestão em 2023

Análise da notícia

Em carta aberta divulgada esta semana – espécie de balanço da gestão em 2023 – o presidente do Partido Novo no Maranhão, Leonardo Arruda, apontou as ações nocivas do governo Carlos Brandão (PSB) para o futuro do estado, como aumento de impostos e taxas para aumentar a arrecadação e gastos desnecessários com empréstimos e criação de novas secretarias.

O documento é uma das mais duras críticas ao governo iniciado em 2023, um balanço completo dos resultados alcançados pelo estado no primeiro ano do governo Brandão. Para Arruda, o governador demonstra uma angústia visível com a “falta” de recursos, mas parece não saber o que fazer, com ações se revelam nocivas para o Maranhão, “incoerentes despesas desnecessárias”.

– As últimas medidas adotadas por sua gestão causam preocupação e refletem o quanto o seu governo está perdido, sem rumo e sem projeto algum para livrar o Maranhão da profunda crise fiscal e social que bate à nossa porta – aponta o dirigente partidário.

Brandão fecha 2023 com aumento de ICMS de 18% para 22%. Criou novas taxas no Detran, reajustou a conta de luz em mais de 30%, tributou o agronegócio e aumentou as taxas de embarque rodoviários e aquaviários; o dirigente cita ainda o desembolso de R$ 1,5 milhão para a escola de samba Mangueira, revelado neste blog Marco Aurélio d’Eça, no post “Em crise financeira, governo Brandão vai dar R$ 1,5 milhão para a Mangueira homenagear Alcione…” 

Ao mesmo tempo, porém cria novas despesas com empréstimos milionários e aumenta o já inchado número de secretarias com mais três pastas “que não servem para absolutamente nada”.

– É tanta gente e tanta troca de cadeiras que até me arrisco a dizer que o senhor não decorou ainda seus nomes – afirmou Arruda.

O Partido Novo, comandado por Arruda no estado, é um exemplo de agremiação política no Brasil, com seleção rigorosa de seus membros e excelência em gestão, como a do governador  de Minas Gerais Romeu Zema, cotado, inclusive, para a presidência da República em 2026.

Manutenção da miséria

A imagem de Flávio Dino segurando um retrato de Brandão durante a campanha é o símbolo da manutenção da miséria maranhense

Capítulo especial Leonardo Arruda guarda para a miséria do estado, aumentada no governo Flávio Dino e mantida – até com certo orgulho – pelo atual governador.

– Seu Governo parece se recusar a pensar o Maranhão do futuro, porém brada aos 4 cantos inaugurando restaurantes populares, dando carrinho de lanche para ambulantes e entregando cestas básicas/peixes para seus apadrinhados políticos distribuírem aos seus eleitores. Seriam esses os seus maiores programas para o desenvolvimento econômico e social do Maranhão? – provoca o presidente do Novo.

O blog Marco Aurélio d’Eça também delineia, historicamente, em diversos posts desde 2015, os fracassos de Flávio Dino à frente do governo e o aumento da miséria, mantida por Brandão. (Relembre aqui, aqui, aqui, aqui e também aqui) 

Reafirmando que o Maranhão segue à deriva, com Brandão aparelhando o estado com parentes e controlando os demais poderes, Leonardo Arruda encerra carta aberta, espécie de balanço de 2023, com um alerta:

– Essa política de pão e circo levará o Maranhão à bancarrota! Nesse ritmo que vai, V. Excelência será eternamente lembrado como um dos piores governantes que o nosso Estado já teve.

Abaixo, a íntegra da carta aberta ao governador Brandão:

Carta Aberta ao Governador do Maranhão

Prezado Governador,

As últimas medidas adotadas por sua gestão causam preocupação e refletem o quanto o seu governo está perdido, sem rumo e sem projeto algum para livrar o Maranhão da profunda crise fiscal e social que bate à nossa porta.

É perceptível a angústia do seu governo com a “falta” de recursos para honrar os compromissos, e as soluções encontradas por sua gestão infelizmente se demonstram nocivas para o Estado. Vosso Governo já escolheu um inimigo em comum para combater – que é a baixa arrecadação -, porém se esquecendo que os grandes vilões da atualidade são as incoerentes despesas desnecessárias que possuímos.

Quer ver?

Olha esse exemplo: de um lado, reajuste de ICMS (de 18 para 22%), suspensão do pagamento dos prestadores de serviço, atraso salarial de médicos, etc., e, de outro, aumento de Secretarias de Estado. O nosso Maranhão, que já estava inchado com 33 Secretarias e 5 Agências, ganhou na calada da noite mais 3 Secretarias que não servem para absolutamente nada, a não ser para empregar seus compadres políticos. É tanta gente e tanta troca de cadeiras que até me arrisco a dizer que o senhor não decorou ainda seus nomes.

Todos os dias são relatos e mais relatos na mídia sobre a criação de novas taxas, a exemplo daquela que tributa o AGRO e das recentemente criadas no DETRAN; reajuste acima de 30% na conta de água; taxas de embarque rodoviário e do ferryboat elevadas; etc.

Mais estranho ainda é conseguir autorização para contrair R$ 300 milhões em empréstimo – com aval quase unânime da Assembleia – enquanto o Maranhão segue insolvente ao não pagar as parcelas dos empréstimos contraídos, principalmente, durante a Gestão do seu padrinho político – e novo Ministro do STF -, Flávio Dino.
Bom, mas está escancarado que coerência não é um dos atributos de sua gestão, afinal, enquanto inúmeros artistas locais – que se apresentaram no “maior São João do mundo” – não receberam ainda seus pagamentos, vosso governo anuncia que enviará R$ 1,5 milhão para a Mangueira, conhecida escola de samba carioca que desfilará às custas do suor do trabalhador maranhense.

Seu Governo parece se recusar a pensar o Maranhão do futuro, porém brada aos 4 cantos inaugurando restaurantes populares, dando carrinho de lanche para ambulantes e entregando cestas básicas/peixes para seus apadrinhados políticos distribuírem aos seus eleitores. Seriam esses os seus maiores programas para o desenvolvimento econômico e social do Maranhão?

Está claro que não existe sequer um plano de médio/longo prazo para desenvolver o Estado!

Nosso Maranhão segue à deriva enquanto V. Excelência busca, a qualquer custo, aparelhar ainda mais o Estado ao indicar seus familiares para ocupar cargos de destaque em outros poderes, a exemplo da Sec. De Relações Institucionais da ALEMA, que é chefiada por seu irmão, Marcos Brandão – que detém mais poderes do que a própria presidente da Assembleia – e de seu sobrinho, Daniel Brandão, Conselheiro no TCE.

Para concluir, Governador, fica o alerta: essa política de pão e circo levará o Maranhão à bancarrota! Nesse ritmo que vai, V. Excelência será eternamente lembrado como um dos piores governantes que o nosso Estado já teve.

Leonardo Arruda

Presidente do Diretório estadual do Maranhão

0

De José Reinaldo a Flávio Dino: a história de miséria perpétua do Maranhão…

Riqueza per capta anual produzida em 2022 é de apenas R$ 17.471,85 , praticamente sem avanços significativos nos últimos 20 anos, período em, que Jackson Lago e Roseana Sarney também governaram o estado; Carlos Brandão festeja sabe-se lá o quê

 

Não há o que comemorar!!! Maranhão continua miserável, seja qual for o governador de plantão no Palácio dos Leões

Análise da Notícia

Parece uma maldição eterna.

A cada número divulgado sobre a riqueza e a pobreza do Maranhão, o estado envergonha o país como o mais miserável.

Os dados do IBGE divulgados nesta sexta-feira, 17, mostram que o  Maranhão continua com o pior PIB per capta do Brasil, com R$ 17.471,85, quase cinco vezes menor que o do Distrito Federal.

A média de crescimento nos últimos 20 anos é de apenas 3,4%, praticamente residual, resultado direto não de intervenções para o combate à miséria, mas da correção monetária natural no período.

Foram quatro governadores entre 2002 e 2021 – José Reinaldo Tavares, Jackson Lago, Roseana Sarney e Flávio Dino – e o estado continua a vergonha nacional no critério de pobre4za.

Só Flávio Dino teve mais de sete anos de poder, e foi o único a prometer a riscar a miséria do mapa. Não riscou, como mostram os números.

O atual governador  Carlos Brnadão (PSB) tentou faturar em cima dos números comemorando o estado como “u7m dos que mais avançam em 20 anos”, como anunciou setores da imprensa alinhados ao Palácio dos Leões em reprodução de release do governo. (Leia aqui e aqui)

Ele deveria repensar a festa e olhar para os problemas.

Para que nãos e repitam daqui cinco, 10, 20 anos novamente… 

0

Famem e Frente Parlamentar unem forças para combater a pobreza no Maranhão

O presidente da Federação dos Municípios do Estado do Maranhão (Famem), Ivo Rezende, deu início à semana participando de uma reunião preparatória da Frente Parlamentar de Combate à Pobreza. Sob a liderança do deputado estadual Arnaldo Melo, a discussão visa abordar e propor soluções para as causas que contribuem para o baixo Índice de Desenvolvimento Humano (IDH) no estado, buscando elevá-lo a patamares mais altos de desenvolvimento.

Durante a reunião, o presidente da Famem destacou a importância da entidade associativa na defesa dos interesses comuns dos maranhenses e reafirmou mais uma vez a capacidade da Federação em atuar em projetos em prol dos municípios. “Em nome da Famem e dos municípios, reaforço o nosso compromisso com essa iniciativa tão fundamental para o fortalecimento do nosso estado e garanto total suporte da Federação para multiplicar esforços em todos os municípios, atuando como agente mobilizador”, disse o presidente.

O deputado Arnaldo Melo ressaltou a natureza não “política-eleitoral” da frente, enfatizando que esse é um projeto macro, voltado para a melhoria global dos índices do estado. Ele destacou o orçamento participativo como uma ferramenta fundamental, proporcionando à população a capacidade de influenciar decisões. Melo afirmou também que dialogar com o presidente da Famem é equivalente a dialogar com todo o Maranhão.

A próxima reunião está marcada para o dia 22, onde a Federação estará presente, apresentando trabalhos desenvolvidos por sua equipe técnica para combater os desafios socioeconômicos do Maranhão.

Da assessoria