1

Veja mostra o Maranhão que Flávio Dino quer esconder do Brasil

Em ampla reportagem, revista analisa o governo comunista e revela concentração da riqueza, ampliação do desemprego e aumento da miséria no estado; e Dino já admite concorrer ao Senado não à presidência

 

Flávio Dino teve sua gestão maranhense exposta ao Brasil; e já admite concorrer mesmo ao Senado

O governador Flávio Dino (PCdoB) foi definido em reportagem da revista Veja, que já está nas bancas, como “a grande novidade da esquerda para a eleição de 2022”.

Mas a reportagem encontrou, cinco anos depois da eleição do comunista, um estado pior do que era até 2014, quase cinco décadas depois de governos ligados ao grupo do ex-presidente José Sarney.  

De acordo com Veja, estado viu ampliar-se a concentração de renda e o desemprego nos anos de Dino.

– Como se não bastasse, ele conseguiu uma “façanha” às avessas: em sua gestão, a miséria aumentou ainda mais no mais miserável de todos os estados brasileiros. Como “remédio”, o governador vem abrindo de forma temerária os cofres. Nesse aspecto, provou ser um comunista. Os últimos três anos do Maranhão foram no vermelho, com déficits consecutivos – ironizou a reportagem.

Flávio Dino, claro, culpa a crise econômica dos primeiros anos á frente do governo maranhense e o governo Bolsonaro, que acaba de completar apenas o seu primeiro ano.

O perfil de Veja revela dados ainda mais alarmantes em relação ao governo Flávio Dino, informações que não circulam com facilidade nos meios de comunicação maranhenses:

– O estado perdeu a linha de crédito com a União ao cair para a nota C, de mau pagador. Isso porque contraiu um déficit primário de 700 milhões de reais em 2018, com projeção de encerrar 2019 também no vermelho (o número ainda está sendo fechado). Dino foi obrigado a aumentar impostos sobre combustíveis, bens de consumo e prestação de serviços – a arrecadação continua irrisória – revela a revista.

Em sua reportagem, Veja insiste que Dino é uma das estrelas da esquerda na atual conjuntura nacional.

Mas talvez, até pela fragilidade dos resultados do seu governo, o próprio Dino já fala em outras alternativas nas eleições de 2022.

– Uma candidatura à Presidência poderá se colocar se houver um conjunto de forças me apoiando. Se não houver, serei candidato ao Senado – admitiu o governador, pela primeira vez.

A revista Veja com a reportagem sore Flávio Dino começou a circula nesta sexta-feira, 14…

2

Flávio Dino fracassa e miséria no Maranhão só aumenta…

Cinco anos depois de assumir o seu primeiro mandato, governador comunista vê o estado atingir o índice de 20% da sua população vivendo com menos de R$ 145,00 por mês, liderando o ranking da pobreza extrema

 

Flávio Dino em 2015, durante a posse para o primeiro mandato; cinco anos depois, o índice de miséria no Maranhão só aumentou, chegando a 20% da população

O governador Flávio Dino (PCdoB) elegeu-se em 2014 com o discurso de que, em 50 anos, a família Sarney tinha levado a população maranhense à pobreza extrema.

Na época, o índice de maranhenses vivendo com renda mensal de menos de R$ 145,00 estava na casa dos 13%.

Entre 2016 e 2018, já com o M,aranhão sob o comando de Dino, este índice subiu nada menos que 17,75%. Mesmo, assim, o comunista conseguiu se reeleger, mantendo o discurso do antisarneysismo.

Hoje, o Maranhão lidera o ranking de miséria do IBGE com praticamente 20% da sua população vivendo com menos de R$ 145 por mês, índice mais de três vezes maior que a média da população brasileira nesta situação.

E é com este passivo que Flávio Dino tenta construir sua candidatura a presidente do Brasil.

Vai conseguir?!?

2

Culpar Sarney de novo pela miséria, comunistas?!? Não dá mais, né?!?

Desde que saiu a notícia de que a pobreza extrema no Maranhão se manteve durante o governo Flávio Dino, blogs alinhados ao Palácio dos Leões voltaram com a mesma cantilena de responsabilizar a oligarquia; usar esses discurso cinco anos depois – e após duas vitórias seguidas do comunista – é cinismo puro

PLACA REPRESENTA BEM A SITUAÇÃO DE MISÉRIA EM QUE O MARANHÃO SE ENCONTRA, mesmo após cinco anos de governo comunista

Editorial

Blogs e jornalistas alinhados ao Palácio dos Leões entraram em polvorosa desde a manhã de ontem, quando foi divulgada a Síntese dos Indicadores Sociais do IBGE, mostrando que Flávio Dino (PCdoB) fracassou no combate à pobreza no Maranhão. (Entenda aqui)

Eles saíram-se com a velha cantilena, usada desde 2006 – quando Jackson Lago (PDT) derrotou o Grupo Sarney pela primeira vez – de que a culpa da pobreza é da tal “oligarquia Sarney”.

Ora, chega a ser vergonhoso que os aliados de Flávio Dino ainda tentem fazer média com o Palácio dos Leões usando argumentos surrados, que nem o próprio comunista acredita mais. (não entendeu? Entenda aqui e aqui)

– Essa triste realidade dificulta ainda mais estados pobres, como o Maranhão que foi herdado da oligarquia Sarney, de saírem desta situação – justifica um dos releases espalhados pelos palacianos. (Leia aqui)

Flávio Dino venceu as eleições de 2014 e assumiu em 2015 com o discurso poderoso de que, em quatro anos, nenhuma cidade do Maranhão estaria mais na relação da linha de pobreza.

Fracassou na missão.

NEM O PRÓPRIO FLÁVIO DINO AINDA INSISTE NO DISCURSO DE OLIGARQUIA SARNEY; sinal de que seus aliados ainda vivem numa bolha criada pelo Palácio dos Leões

Mesmo assim, se reelegeu em 2018, com o mesmo discurso e culpando o grupo Sarney pela própria incapacidade de combater a miséria maranhense.

O governador comunista elegeu dois senadores, a maioria da bancada na Câmara Federal e já está um ano no poder.

O grupo Sarney não tem mais nenhum representante legítimo nas instâncias de poder em Brasília – Câmara e Senado – e o único representante da família na Assembleia é Adriano Sarney (PV), que faz solitária, mas digna oposição ao governo que prometeu mudar o estado..

É cínico, portanto, que os aliados comunistas ainda tentem jogar nos outros a culpa do próprio fracasso.

Simples assim…

2

Flávio Dino conclui mandato com mais da metade dos maranhenses na pobreza absoluta…

De acordo com o IBGE, gestão do comunista provocou a volta da miséria ao estado a partir de 2016, mostrando o fracasso dos programas anunciados em vasta propaganda; e ele ainda tem mais quatro anos de mandato

 

Flávio Dino em seu discurso de posse, em 2015: fracasso das promessas e aumento da miséria no Maranhão

O Maranhão chega ao final do primeiro mandato do governador comunista Flávio Dino com 54,1% dos maranhenses na linha da pobreza extrema.

De acordo com o IBGE, mais da metade da população vive com menos de R$ 406,00 por mês, segundo revelou o blog Atual7 nesta quinta-feira, 27.

E Flávio Dino ainda tem mais quatro anos de mandato pela frente.

Em seu discurso de posse, o comunista maranhense prometeu que, ao fim do seu mandato, “nenhuma das cidades maranhenses” estaria “no rol das 100 piores do Brasil”, afirmação depois negada por ele próprio durante a campanha. (Releia aqui)

O fato é que, durante o período do governo Dino, o comunismo produziu no Maranhão nada menos que 312 mil miseráveis, como apontou o IBGE. (Relembre aqui)

E ainda faltam os dados de 2017 e 2018…

Leia também:

100  mil miseráveis por ano no período comunista no MA…

Governo Flávio Dino: fracasso por todos os lados…

Ainda a miséria e o PCdoB…

Flávio Dino, Roseana e o aumento da pobreza…

0

“Espero que o Maranhão possa dar um passo adiante”, diz Roberto Rocha, sobre índices de pobreza..

Em um aparte à fala do senador Paulo Paim (PT-RS), sobre os dados do IBGE referentes à situação de extrema pobreza no Brasil, o senador Roberto Rocha (PSDB-MA) manifestou-se em relação à posição do Maranhão como o estado com o maior percentual de pessoas em situação de pobreza da federação.

“Nós temos dois Brasis: No Brasil da metade pra baixo, a sociedade é maior que o governo. No Brasil da metade pra cima, o governo é maior que a sociedade, sendo que o maior agravo se dá no Nordeste, em particular, no Maranhão, em que, nessa pesquisa do IBGE, infelizmente foi identificado como o estado em pior situação. Tem a maior parte da população vivendo absolutamente abaixo da linha da pobreza”, contextualizou Rocha.

Ao externar sua preocupação com os índices maranhenses de pobreza, Roberto Rocha lembrou da abrangência do projeto de lei de sua autoria (PL 217/2015), que dobra o repasse de recursos para alimentação escolar em municípios com situação de extrema pobreza.

“Nós aprovamos, nesta casa, um projeto que dobra a percapita da merenda escolar para os municípios em extrema pobreza do País. Foram detectados no Brasil 470 municípios. Desses, 108 estão no Maranhão. Mais recentemente, o IPEA divulgou  30 municípios do Brasil sem nenhum organismo público de atendimento, dos quais 16 são do Maranhão”, revelou o parlamentar.

O senador maranhense finalizou seu aparte evidenciando que os índices sociais podem melhorar por meio do investimento na economia do estado.

“Eu só acredito no desenvolvimento social, quando está aliado ao desenvolvimento econômico. O desenvolvimento econômico não é inimigo do social, mas, sim puxa o social para cima. Eu espero que o nosso estado, o Maranhão, que termina criando um problema pro Brasil, na medida em que puxa os índices pra baixo, possa dar o passo adiante”.

2

Governo Flávio Dino: fracasso por todos os lados…

Sob qualquer aspecto que se analise – econômico, social, cultural, na educação, na Saúde ou na segurança – o comunista que assola o Maranhão atrasou em quatro anos o desenvolvimento do estado

 

Comunista assola o Maranhão há quatro anos; e o resultado é o balanço que integra esta página

Editorial

A cada entrevista, sabatina ou debate dos quais participa com adversário ou com os setores da imprensa independente, o governador Flávio Dino (PCdoB) vai sendo confrontado com a realidade do Maranhão sob seu comando.

E o resultado deste confronto é apenas um: o comunista que assola o Maranhão fracassou em todas as suas promessas de campanha e atrasou o estado em pelo menos quatro anos.

E o fracasso se dá em todos os aspectos.

O governo comunista gerou, segundo o IBGE, nada menos que 312 mil miseráveis em apenas três anos. (Saiba mais aqui e aqui)

Ao mesmo tempo, gerou desemprego, com aumento de impostos e favorecimento a grupos econômicos, forçando a falência de outros grupos. (Saiba mais aqui, aqui e aqui)

Com a falta de emprego, muitos maranhenses buscaram no transporte alternativo uma opção de trabalho.

A apreensão de carros e motos foi uma das grandes causas do fracasso comunista

E Flávio Dino fez o quê? mandou tomar e vender a moto e o carro do trabalhador que estive ao menos com uma parcela do IPVA atrasada. (Relembre aqui, aqui e também aqui)

Em 2015, Flávio Dino prometeu tirar as 30 cidades com pior Índice de Desenvolvimento Humano da listas das 100 mais miseráveis do país. Outro fracasso do comunista. (Releia aqui)

Na Educação, ele também piorou o ensino, segundo estudo do jornal O Estado de S. Paulo. O IDEB das séries iniciais do Ensino Fundamental – 1º a 5º ano – caiu de 4.3 em 2-15 para 4.1 nas escolas da rede estadual. (Releia aqui e aqui)

E fracassou também na tentativa de dobrar o número de policiais militares.

Em quatro anos, apesar de chamar concursados a toque de caixa, reduzir o tempo de treinamento dos soldados – o que ela mais riscos à população – o comunista só conseguiu criar 3,5 mil vagas no sistema de Segurança, segundo seu próprio Plano de Governo entregue à Justiça Eleitoral.

A geração de 312 mil miseráveis em três anos é um dos maiores legados do governo comunista que assola o Maranhão

O comunista que assola o Maranhão conseguiu destruir também o sistema de Saúde, que recebeu com nível de excelência há quatro anos atrás. (Relembre aqui, aqui, aqui e aqui)

Este é o balanço sucinto do governo comunista maranhense, após quase quatro anos de mandato e em meio à sua campanha para tentar se reeleger.

Ele merece novo mandato?!?

3

Flávio Dino, Roseana e o aumento da pobreza…

Sem contestação do comunista, ex-governadora afirma que tirou mais de 500 mil maranhenses da situação de miséria; por outro lado, o IBGE aponta que mais de 300 mil voltaram à essa condição nos últimos três anos

 

A ex-governadora Roseana Sarney mantém um discurso forte contra o seu adversário Flávio Dino (PCdoB) no que diz respeito à pobreza no Maranhão.

Com dados econômicos de sua época de governo, a emedebista garante ter tirado mais de 500 mil maranhenses da linha da pobreza com programas sociais do tipo “Primeiro Emprego”, “Viva Luz” e “Viva Água”.

E não recebe contestação alguma por parte do comunista.

Por outro lado, foi no governo Flávio Dino, segundo o IBGE, que 312 mil maranhenses voltaram à condição de miseráveis.

E este dado nem tem como ser contestado pelo comunista.

Para Roseana, a decisão de Flávio Dino de acabar com programas sociais criados por ela, combinada com o aumento desmedido de impostos, falta de grandes investimentos empresarias, levaram ao caos no Maranhão.

E fizeram com que 312 mil voltassem à linha da pobreza.

Simples assim…

Leia também:

As promessas não cumpridas de Flávio Dino e o aumento da miséria no MA…

Flávio Dino e a miséria no Maranhão…

De como Flávio Dino faliu o Maranhão em três anos…

4

Tropeço e autoritarismo…

Ao negar promessa dele mesmo de acabar com “os piores IDHs” do Maranhão, governador Flávio Dino se perde em argumentos descabidos e agressões aos que ousam contestar suas inverdades

 

A cara de Flávio Dino mostra a revolta que ele tem de quem ousa contestar seu governo

O governador Flávio Dino protagonizou mais um episódio patético em sua tentativa de amordaçar os veículos do grupo Mirante, impedindo que se questione os malfeitos do seu governo.

Desde a chegada até a saída da TV Mirante, onde foi entrevistado, ele fez questão de carregar o clima, com desrespeito a profissionais, agressões gratuitas e gestos deselegantes por onde passou.

Mas nem o autoritarismo de Flávio Dino o livrou do confronto com suas próprias promessas.

A maior delas, desmascarada em questionamento do jornalista Sidney Pereira: a de que, ao fim do seu mandato, “nenhuma das cidades maranhenses” estaria “no rol das 100 piores do Brasil”. E as aspas são necessárias para restaurar discurso do próprio Dino, na sacada do Palácio dos Leões, em janeiro de 2015.

Flávio Dino concluirá o mandato em dezembro entregando ao Maranhão mais 312 mil miseráveis gerados em seu governo, segundo dados oficiais do IBGE. O comunista tentou negar que tenha feito tal promessa e ainda a classificou de “absurda”.

Um absurdo que ele mesmo criou, como foi comprovado apenas horas depois de sua entrevista, quando começou a circular o vídeo de seu discurso de posse, exatamente no trecho em que ele faz a promessa fracassada.

Talvez já sabendo disso é que Dino deixou a Mirante com incontido mau humor.

Da coluna Estado Maior, de O EstadoMaranhão

10

A venezuelização do Maranhão…

A miséria e o desemprego gerados no governo comunista, somados à idolatria do PCdoB ao ditador da Venezuela, mostram que Flávio Dino caminha para seguir o mesmo caminho de Nicolas Maduro

 

A miséria que destrói o povo venezuelano já começa a ser vivida também no Maranhão, no governo Flávio Dino

Na Saúde, o instituto que gerenciava o Hospital Carlos Macieira tem o contrato cancelado pelo governo Flávio Dino (PCdoB), que levanta, em nota, suspeitas sobre a conduta da empresa que ele próprio contratou.

Em resposta, o Instituto Gerir diz que teve o contrato encerrado após calote do governo, da ordem de cerca de R$ 60 milhões.

Na Segurança, o governo age de forma ditatorial e retira um outdoor pago pelo Sindicato dos Policiais Civis (Simpol), em que tece críticas e aponta equívocos na gestão do governo no setor.

Em resposta, o mesmo Simpol chama Flávio Dino de ditador, epíteto que já começou a ganhar fama em todo o estado.

Gestos de Flávio Dino têm muito a ver com os dos ídolos do seu partido na Coreia e na Venezuela

E assim vai sendo conduzido o governo comunista do Maranhão, que pregou a mudança e novas práticas administrativas, mais o que se viu, três anos depois, foram miséria, desemprego e perseguição em todos os níveis.

Talvez até para fazer valer a postura do PCdoB, que exalta em seu próprio site o regime ditatorial e perseguidor de Nicolas Maduro, na Venezuela, Flávio Dino demonstra, cada vez mais, estar parecido com esse ídolo do partido, que acaba de ser reeleito em uma fraude eleitoral condenada em todos os regimes democráticos do mundo.

Curiosamente, o mesmo Flávio Dino conduz o processo de sua reeleição nos mesmos moldes de Nicolas Maduro, com perseguição a adversários, espionagem da Polícia Militar, manipulação da propaganda e geração de notícias falsas contra seus adversários.

Maduro é visto como ditador pelo mundo livre e democrático.

Flávio Dino já foi chamado de ditador por vozes do peso da ex-governadora Roseana Sarney, da ex-prefeita Maura Jorge e, agora, do prestigiado Sindicato dos Policiais.

É a venezuelização do Maranhão em todos os seus aspectos.

Da coluna Estado Maior, de O EstadoMaranhão

3

Desemprego é mais um número negativo na conta de Flávio Dino…

Governador que já destruiu a economia, aumentou o número de miseráveis e perseguiu empresários e funcionários públicos agora registra o maior número de fechamento de vagas de trabalho no Maranhão assolado pelo comunismo

 

Os quatro anos de Dino só geraram miséria, corrupção e desemprego

Editorial

O governo Flávio Dino (PCdoB) gerou o maior número de desempregados no Maranhão desde 2012, segundo dados da Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios Contínua (Pnad) do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE).

De acordo com o levantamento, a taxa de desocupados chegou a 15,6% no primeiro trimestre de 2018.

O índice é fruto direto da política comunista adotada por Flávio Dino no Maranhão, quer ele goste ou não. E nem adianta culpar o governo anterior; afinal, já se vão sete anos desde a taxa mais alta.

Os dados do IBGE refletem exatamente o assolamento do Maranhão em todos os níveis.

O governo Flávio Dino que aumentou o número de desempregados, é o mesmo que destruiu a economia, perseguiu empresários e gerou mais miseráveis no Maranhão.

A política de Flávio Dino tem se mostrado nociva ao estado em todos os seus aspectos.

Há mais desemprego;

menos segurança;

Piorou a Saúde;

E há mais miseráveis no estado.

É assim que o comunismo assola o Maranhão desde 2014…