0

Em São Luís, Juscelino Filho abre reunião de Economia Digital do G20

Ministro das Comunicações participou nesta segunda-feira, 10, de seminário que fala de segurança na economia digital, antecipando o encontro dos representantes das nações mais ricas do mundo

 

O ministro das Comunicações, Juscelino Filho, abre na terça-feira, 11, às 9h, a 3ª reunião do Grupo de Trabalho de Economia Digital do G20. O evento, que contará com delegações das 19 maiores economias do mundo e da União Europeia, será realizado no Blue Tree Towers, em São Luís (MA). Nesta segunda-feira, 10, o ministro participou de um seminário com o tema “Segurança na Economia Digital”, em parceria com o Gabinete de Segurança Institucional da Presidência da República.

“Por determinação do presidente Lula, dada assim que o Brasil passou a presidir o G20, nossa agenda está voltada ao desenvolvimento e à superação das desigualdades. O Grupo de Trabalho de Economia Digital é um ambiente único para tratarmos da transformação digital das sociedades e como isso pode e precisa ser um grande aliado nesse desafio, em especial nos países emergentes”, afirmou Juscelino Filho.

Como nas duas primeiras reuniões do grupo de trabalho coordenado pelo ministro das Comunicações, a de São Luís seguirá tratando dos seguintes eixos temáticos: Inclusão Digital, Conectividade Universal e Significativa; Governo Digital; Integridade da Informação e Confiança no Ambiente Digital; e Inteligência Artificial para o Desenvolvimento Sustentável.

A próxima reunião será realizada em Maceió (AL), de 9 a 13 de setembro.

O ministro Juscelino Filho também destacou o fato de a cidade receber o evento do G20.

“Além de provar a capacidade da nossa capital de receber eventos internacionais dessa proporção, vamos movimentar a economia e divulgar São Luís e o nosso Maranhão. Preparamos experiências gastronômicas e culinárias incríveis, e tenho certeza que os delegados terminarão a reunião planejando retornar em breve ao estado”, disse.

Da Assessoria

0

Ex-secretário de Jackson critica planejamento de Brandão e cobra deputados do PDT…

Em artigo intitulado “Idiossincrasias”, Abdelaziz Santos desqualifica uso da empresa Macroplan na elaboração do do plano estratégico, reclama da falta de lembrança do governo pedetista na retomada do Plano Plurianual e diz que dirigentes de empresas como a Gasmar vivem de “palestras mirabolantes pelo mundo sem compromisso com a verdade” 

 

Aziz mostra tristeza com os números do governo Brandão e decepção com a postura dos deputados do PDT na Assembleia

O ex-secretário de Planejamento Abdelaziz Santos, voltou a criticar duramente o governo Carlos Brandão (PSB), sobretudo nos aspectos da economia e do desenvolvimento do estado neste primeiro período de mandato; para Aziz, que é economista, os auxiliares de Brandão “teimam em apostar nos projetos de bilhões de dólares que por aqui aportam”, sem qualquer resultado no dia dia da população.

– Nem mesmo a minha formação em economia consegue contar tanta fartura! Vale, Alumar, Suzano, polo de soja de Balsas e adjacências, Eneva, o gigantismo do Porto de Itaqui, nenhum deles quis saber até hoje da população, tanto assim que estamos mais pobres hoje do que antes deles – destaca Abelaziz, citando como exemplo a Empresa Maranhense de Gás (Gasmar), recentemente listada pelo Tesouro Nacional por dar prejuízo milionário aos cofres públicos maranhenses.

– A Gasmar criou a expectativa de que os proprietários de veículos em São Luís iriam dispor de gás veicular até o final de 2022. Estamos em 2024 e nada. Assim, talvez seja prudente o Governador proibir que os dirigentes da empresa andem falando tais bobagens, e fiquem mesmo apenas fazendo palestras mirabolantes sobre petróleo e gás pelo mundo afora, sem qualquer compromisso com a verdade. Isso nos aliviaria muito, além de liberar o Governo dessas piadas de mau gosto – provoca o ex-secretário.

Aziz Santos não é o primeiro especialista a fazer um balanço negativo do governo Brandão em 2023; este blog Marco Aurélio d’Eça já publicou o post “Brandão está perdido, sem rumo e sem projeto”, com crítica do presidente do Novo, Leonardo Arruda, e a análise do também ex-secretário Simplício Aráujo, intitulada “Simplício vê ‘um ano perdido para o Maranhão'”.

Apesar dos projetos de bilhões, Maranhão continua em, níveis miseráveis de IDH, nos padrões da Venezuela

Em seu artigo, intitulado “Idiossincrasias!” Aziz não poupa sequer os deputados do seu partido, o PDT, que acabaram votando no projeto do governo que atenta contra as comunidades tradicionais. 

– O que fazem mesmo esses deputados ainda nas nossas fileiras? A passagem do ano não seria uma boa hora de despedida? – cobra Aziz; compõem a bancada pedetista na Assembleia – todos alinhados ao governo Brandão – os deputados Osmar Filho, Glalbert Cutrim, Drª Viviane e Cláudia Coutinho.

Ao destacar as ações do governo Jackson Lago em planejamento de 10 anos para o Maranhão – em contraponto ao da Macroplan, que prevê resultados só em 50 anos – Aziz ensina que o desenvolvimento local deveria ser a tônica de qualquer política econômica. 

– Como se a população fosse comer minério de ferro, bauxita, alumínio, aço, papel e coisas que tais. Não conseguem entender que grandes projetos são intensivos de capital e visam essencialmente o lucro – comenta, ressaltando o resultado do Maranhão após o primeiro período de governo Brandão: 57% da população no índice da pobreza.

– Aos poucos, por esse e outros motivos, um ou outro deputado começa um tímido movimento de oposição ao atual governo maranhense, num estado em que oposição virou artigo de luxo desde o Governo Flávio Dino. Claro, competentes como são, primeiro se elegem no pacote governamental para depois se conscientizarem que tomaram o rumo equivocado. De qualquer forma, sejam bem vindos para o lado de cá! – conclui o ex-secretário.

0

Grupo Mateus arrecada R$ 235 milhões com venda de imóveis que ele próprio alugará…

Transação com o Fundo Imobiliário TRXF11 prevê a compra de dois terrenos em Caruaru (PE) e um em Aracaju (SE), onde serão construídas as lojas do grupo supermercadista; também foram adquiridas dois imóveis na Paraíba, onde já há lojas em funcionamento; os contratos de aluguel são de 20 anos

Lojas do Mateus em construção e em funcionamento serão vendidas e alugadas pelo próprio grupo, em operação com o Fundo Imobiliário TRXF11

O Fundo Imobiliário FII TRX Real Estate publicou na semana que passou “Fato Relevante” na imprensa anunciando o compromisso de compra de cinco imóveis do grupo maranhense de supermercados Mateus; o valor da transação é de R$ 234,7 milhões.

São dois terrenos na cidade de Caruaru, em Pernambuco, e um em Aracaju, capital do Sergipe, onde o Fundo Imobiliário vai construir novas lojas, que serão alugadas para o próprio Mateus, na modalidade built to suit; outras duas lojas do Mateus já em funcionamento na Paraíba também foram compradas, e passarão a ser alugadas na modalidade sale and leaseback.

Este tipo de transação era comum entre empresas de varejo, atacadistas, grandes magazines, supermercados e farmácias até o início dos anos 2000; as empresas transferiam sues ativos imobiliários para terreiros e alugavam os mesmos imóveis, diminuindo custos fiscais e patrimoniais.

Nos anos 2000, as empresas passaram a incorporar seus próprios imóveis, ampliando o valor patrimonial em ativos. Com a operação, o Grupo Mateus reinaugural este tipo de negócio.

Os alugueis das lojas já existentes e das novas terão prazo de 20 anos…

0

“Brandão está perdido, sem rumo e sem projeto”, diz presidente do Novo

Em Carta Aberta ao governador – espécie de Balanço de 2023 – Leonardo Arruda aponta que, ao mesmo tempo em que sufoca a população com aumento de impostos, criação de novas taxas em serviços essenciais como água e energia, Brandão cria mais despesas, aparelhando o estado com parentes, empréstimos desnecessários e novas secretarias que não servem para nada

 

Leonardo Arruda descascou o governo Brandão em uma carta aberta que serve também como balanço independente da gestão em 2023

Análise da notícia

Em carta aberta divulgada esta semana – espécie de balanço da gestão em 2023 – o presidente do Partido Novo no Maranhão, Leonardo Arruda, apontou as ações nocivas do governo Carlos Brandão (PSB) para o futuro do estado, como aumento de impostos e taxas para aumentar a arrecadação e gastos desnecessários com empréstimos e criação de novas secretarias.

O documento é uma das mais duras críticas ao governo iniciado em 2023, um balanço completo dos resultados alcançados pelo estado no primeiro ano do governo Brandão. Para Arruda, o governador demonstra uma angústia visível com a “falta” de recursos, mas parece não saber o que fazer, com ações se revelam nocivas para o Maranhão, “incoerentes despesas desnecessárias”.

– As últimas medidas adotadas por sua gestão causam preocupação e refletem o quanto o seu governo está perdido, sem rumo e sem projeto algum para livrar o Maranhão da profunda crise fiscal e social que bate à nossa porta – aponta o dirigente partidário.

Brandão fecha 2023 com aumento de ICMS de 18% para 22%. Criou novas taxas no Detran, reajustou a conta de luz em mais de 30%, tributou o agronegócio e aumentou as taxas de embarque rodoviários e aquaviários; o dirigente cita ainda o desembolso de R$ 1,5 milhão para a escola de samba Mangueira, revelado neste blog Marco Aurélio d’Eça, no post “Em crise financeira, governo Brandão vai dar R$ 1,5 milhão para a Mangueira homenagear Alcione…” 

Ao mesmo tempo, porém cria novas despesas com empréstimos milionários e aumenta o já inchado número de secretarias com mais três pastas “que não servem para absolutamente nada”.

– É tanta gente e tanta troca de cadeiras que até me arrisco a dizer que o senhor não decorou ainda seus nomes – afirmou Arruda.

O Partido Novo, comandado por Arruda no estado, é um exemplo de agremiação política no Brasil, com seleção rigorosa de seus membros e excelência em gestão, como a do governador  de Minas Gerais Romeu Zema, cotado, inclusive, para a presidência da República em 2026.

Manutenção da miséria

A imagem de Flávio Dino segurando um retrato de Brandão durante a campanha é o símbolo da manutenção da miséria maranhense

Capítulo especial Leonardo Arruda guarda para a miséria do estado, aumentada no governo Flávio Dino e mantida – até com certo orgulho – pelo atual governador.

– Seu Governo parece se recusar a pensar o Maranhão do futuro, porém brada aos 4 cantos inaugurando restaurantes populares, dando carrinho de lanche para ambulantes e entregando cestas básicas/peixes para seus apadrinhados políticos distribuírem aos seus eleitores. Seriam esses os seus maiores programas para o desenvolvimento econômico e social do Maranhão? – provoca o presidente do Novo.

O blog Marco Aurélio d’Eça também delineia, historicamente, em diversos posts desde 2015, os fracassos de Flávio Dino à frente do governo e o aumento da miséria, mantida por Brandão. (Relembre aqui, aqui, aqui, aqui e também aqui) 

Reafirmando que o Maranhão segue à deriva, com Brandão aparelhando o estado com parentes e controlando os demais poderes, Leonardo Arruda encerra carta aberta, espécie de balanço de 2023, com um alerta:

– Essa política de pão e circo levará o Maranhão à bancarrota! Nesse ritmo que vai, V. Excelência será eternamente lembrado como um dos piores governantes que o nosso Estado já teve.

Abaixo, a íntegra da carta aberta ao governador Brandão:

Carta Aberta ao Governador do Maranhão

Prezado Governador,

As últimas medidas adotadas por sua gestão causam preocupação e refletem o quanto o seu governo está perdido, sem rumo e sem projeto algum para livrar o Maranhão da profunda crise fiscal e social que bate à nossa porta.

É perceptível a angústia do seu governo com a “falta” de recursos para honrar os compromissos, e as soluções encontradas por sua gestão infelizmente se demonstram nocivas para o Estado. Vosso Governo já escolheu um inimigo em comum para combater – que é a baixa arrecadação -, porém se esquecendo que os grandes vilões da atualidade são as incoerentes despesas desnecessárias que possuímos.

Quer ver?

Olha esse exemplo: de um lado, reajuste de ICMS (de 18 para 22%), suspensão do pagamento dos prestadores de serviço, atraso salarial de médicos, etc., e, de outro, aumento de Secretarias de Estado. O nosso Maranhão, que já estava inchado com 33 Secretarias e 5 Agências, ganhou na calada da noite mais 3 Secretarias que não servem para absolutamente nada, a não ser para empregar seus compadres políticos. É tanta gente e tanta troca de cadeiras que até me arrisco a dizer que o senhor não decorou ainda seus nomes.

Todos os dias são relatos e mais relatos na mídia sobre a criação de novas taxas, a exemplo daquela que tributa o AGRO e das recentemente criadas no DETRAN; reajuste acima de 30% na conta de água; taxas de embarque rodoviário e do ferryboat elevadas; etc.

Mais estranho ainda é conseguir autorização para contrair R$ 300 milhões em empréstimo – com aval quase unânime da Assembleia – enquanto o Maranhão segue insolvente ao não pagar as parcelas dos empréstimos contraídos, principalmente, durante a Gestão do seu padrinho político – e novo Ministro do STF -, Flávio Dino.
Bom, mas está escancarado que coerência não é um dos atributos de sua gestão, afinal, enquanto inúmeros artistas locais – que se apresentaram no “maior São João do mundo” – não receberam ainda seus pagamentos, vosso governo anuncia que enviará R$ 1,5 milhão para a Mangueira, conhecida escola de samba carioca que desfilará às custas do suor do trabalhador maranhense.

Seu Governo parece se recusar a pensar o Maranhão do futuro, porém brada aos 4 cantos inaugurando restaurantes populares, dando carrinho de lanche para ambulantes e entregando cestas básicas/peixes para seus apadrinhados políticos distribuírem aos seus eleitores. Seriam esses os seus maiores programas para o desenvolvimento econômico e social do Maranhão?

Está claro que não existe sequer um plano de médio/longo prazo para desenvolver o Estado!

Nosso Maranhão segue à deriva enquanto V. Excelência busca, a qualquer custo, aparelhar ainda mais o Estado ao indicar seus familiares para ocupar cargos de destaque em outros poderes, a exemplo da Sec. De Relações Institucionais da ALEMA, que é chefiada por seu irmão, Marcos Brandão – que detém mais poderes do que a própria presidente da Assembleia – e de seu sobrinho, Daniel Brandão, Conselheiro no TCE.

Para concluir, Governador, fica o alerta: essa política de pão e circo levará o Maranhão à bancarrota! Nesse ritmo que vai, V. Excelência será eternamente lembrado como um dos piores governantes que o nosso Estado já teve.

Leonardo Arruda

Presidente do Diretório estadual do Maranhão

0

Aumento de impostos vai gerar desemprego e desacelerar economia no MA…

Economista Wagner Matos, do quadro EconoDicas, da TV Mirante, avaliou que a população pagará a conta do que chamou de “irresponsabilidade da administração pública”, com impactos já a partir de dezembro e janeiro, época de despesas extras para todas as famílias, de alta e baixa renda

 

O economista Wagner Matos apontou na TV Mirante as graves consequências do aumento de impostos no Maranhão

O economista Wagner Matos, do quadro Econodicas, da TV Mirante, criticou fortemente o aumento de impostos no governo Carlos Brandão (PSB) o que, segundo ele, é fruto da irresponsabilidade do próprio governo.

Para Matos, que dá dicas de economia no programa Bom Dia Mirante, o aumento de ICMS vai gerar desaceleração econômica e fará com que a população pague a conta desta irresponsabilidade.

A assembleia Legislativa aprovou esta semana aumento da alíquota de ICMS em diversos setores da Economia. Segundo o economista, os efeito desse desastre já deverão ser sentidos em dezembro e janeiro, época de gastos extras.

Ele relacionou quatro consequências imediatas graves:

  • Inflação
  • Aumento de preços
  • Desaceleração do setor produtivo
  • desemprego e aumento da informalidade

O blog Marco Aurélio d’Eça vem apontando desde junho, com exclusividade, a falência da economia maranhense no governo Brandão, com resultados drásticos em diversos setores, o que foi revelado em posts como

Para tentar salvar as contas do governo, Brandão busca desde meados de R$ 2023 um empréstimo de  R$ 4 bilhões, também revelado com exclusividade pelo blog Marco Aurélio d’Eça, no post “Brandão estuda novo empréstimo de R$ 4 bilhões para o Maranhão…”.

Além do aumento de impostos, Brandão conseguiu da Assembleia aprovação para um empréstimo menor, da ordem, de R$ 3oo milhões, mas que também aumentará dívida do Maranhão.

– A população paga a conta da irresponsabilidade da administração pública – definiu o economista da TV Mirante…

0

Fernando Braide destaca importância do 25º Congresso Brasileiro de Economia, realizado em SL

Convidado para participar da programação inédita em São Luís, o deputado estadual Fernando Braide (PSD) destacou, em seu discurso na tribuna da Assembleia Legislativa do Maranhão, a importância do debate promovido a partir do 25º Congresso Brasileiro de Economia. Debatendo pautas relacionadas ao desenvolvimento econômico com foco na sustentabilidade, o evento mobilizou palestrantes, estudantes, profissionais e autoridades durante os três dias de programação.

O evento, promovido de terça-feira (7) até esta quinta (9), reuniu renomados palestrantes, estudantes, profissionais e autoridades, proporcionando uma plataforma para a troca de ideias e conhecimentos. As palestras e painéis abordaram temas essenciais, desde políticas públicas inovadoras até práticas empresariais sustentáveis, destacando a importância de um planejamento estratégico para o desenvolvimento econômico responsável.

Fernando Braide enfatizou a necessidade de políticas públicas focadas em promover o desenvolvimento sustentável no Maranhão.

“Este congresso é um marco para nosso estado. As discussões e ideias compartilhadas pelos profissionais que participaram são fundamentais para orientar nossas ações políticas e precisam ser colocadas em prática para promovermos um futuro economicamente viável e sustentável para todos os maranhenses”, declarou o deputado.

O evento não apenas promoveu o intercâmbio de conhecimentos, mas também inspirou estudantes e profissionais a se envolverem ativamente nas questões relacionadas ao desenvolvimento econômico e à sustentabilidade. A presença de autoridades como o deputado Fernando Braide, que representou a Comissão de Assuntos Econômicos da Alema ao lado da também deputada Drª Vivianne (PDT), destacou o compromisso político com essas causas essenciais.

Ao encerrar seu discurso, o deputado também agradeceu aos realizadores do evento em nome do presidente do Conselho Regional de Economia do Maranhão (Corecon-MA), Marcello Duailibe e reafirmou seu compromisso com a promoção de políticas públicas que impulsionem o desenvolvimento sustentável no Maranhão, ressaltando a importância do debate promovido por eventos como o 25º Congresso Brasileiro de Economia.

0

Roberto Costa repercute viagem à China e vê futuro de investimentos no MA

O Deputado Estadual Roberto Costa fez uso da tribuna da Assembleia Legislativa para compartilhar os resultados da viagem à China, compondo a comitiva do Governo do Maranhão.

A missão foi conduzida pelo vice-governador Felipe Camarão, integrando ainda Taynah Soares, esposa do vice-governador, o deputado Ricardo Arruda, os secretários de estado  Bira do Pindaré (SAF), Diego Rolim (SAGRIMA) e Leandro Silva (SEATI), e Hugo Veiga, assessor de relações internacionais da vice-governadoria.

A viagem foi fundamental para o fortalecimento das relações comerciais e econômicas entre o Maranhão e a China. A comitiva visitou diversas cidades chinesas da Província de Hubei, além de Xangai, Macau e Hong Kong, e explorou indústrias e instituições de ensino superior chinesas, como a Universidade de Hubei e a Universidade de Medicina Tradicional Chinesa, destacando o potencial de intercâmbio de conhecimentos e pesquisa. 

Entre as empresas citadas pelo deputado foram Huapei, Dongfeng, Chitian Motor, Xiaohu Duck, Midea e Nine Dragons Paper, indústrias especializadas na agricultura, produção de caminhões, ônibus e veículos elétricos, embalagem alimentar, ar-condicionados, produtos alimentícios e produção de papel. “A Nine Dragons Paper é a maior produtora de papel do mundo e o empresário Liu Mang já demonstrou interesse em investir no Maranhão”, disse Roberto Costa.

Roberto Costa disse que o sentimento do governo Chinês é de entusiasmo para investir no nordeste do Brasil e principalmente no Maranhão.

“E vale destacar que hoje nós temos a joia da coroa. O nosso diferencial, a nossa joia da coroa é exatamente uma situação logística, com o potencial do nosso Porto do Itaqui, importante não apenas para o Maranhão, mas para o Brasil. E isso foi destacado em todos os diálogos que nós mantivemos sob o comando do Felipe Camarão e com orientações do governador Brandão”, discursou Roberto Costa.

A viagem consolidou uma perspectiva de assinatura de um acordo de intenções, demonstrando o forte interesse do governo chinês em aproveitar as potencialidades do Maranhão, particularmente o Porto do Itaqui, como um ponto estratégico para o comércio com o Oriente. Com a liderança do vice-governador Felipe Camarão, e o apoio decisivo do governador Carlos Brandão, a comitiva estabeleceu bases sólidas para futuras parcerias que não apenas beneficiarão o estado, mas também contribuirão para o fortalecimento das relações comerciais entre o Brasil e a China.

“Foram praticamente 12 dias de intenso trabalho, com grandes  perspectivas de assinatura de um acordo de intenções entre o Maranhão e a China. O governador Brandão dará agora as tratativas para começar um processo de parcerias concretas para que a gente possa construir, dentro do Maranhão, indústrias que vão ajudar a China, mas, acima de tudo, ajudar o Maranhão, economicamente, e na geração de emprego”, finalizou Roberto Costa.

Da assessoria

0

Brandão reassume o governo em condições de reequilibrar as finanças…

Governador volta ao Maranhão após interinidade de uma semana do vice-governador Felipe Camarão, autor de um Decreto de corte de despesas – devido a perda de receita da ordem de R$ 750 milhões em 2023 – que criou as bases para reorganizar as contas estaduais

 

Camarão assinou o decreto que deu a Brandão as condições para reorganizar as finanças do Maranhão

Ao reassumir o Governo do Estado nesta segunda-feira, 9, o governador Carlos Brandão (PSB) terá em mãos um plano estratégico já montado para reorganizar as finanças do Maranhão.

O Decreto com o corte de despesas em toda as áreas foi assinado na semana passada pelo então govenador em exercício Felipe Camarão (PT).

Camarão revelou queda de arrecadação da ordem de R$ 750 milhões, o que justificou o corte.

Caberá a Brandão por em execução a estratégia para reequilibrar as finanças…

0

Maranhão perdeu R$ 700 milhões em 2023, revela Felipe Camarão…

Governador  em exercício explicou que a redução de 25% no custeio do estado se faz necessário neste momento para manter em dia a folha de pagamento e os compromissos com os prestadores de serviços do Governo do Estado

 

Felipe Camarão revelou à jornalista Carla Lima motivos do corte de 25% nas despesas do estado

O governador  em exercício Felipe Camarão (PT) explicou nesta sexta-feira, 6, os motivos que o levaram a determinar um corte de 25% nas despesas da máquina do governo.

– De janeiro para cá, o Maranhão teve frustradas receitas da ordem de R$ 700 milhões; foram R$ 700 milhões que deixaram de entrar nos cofres públicos, o que impacta diretamente na gestão da máquina – explicou o governador, em entrevista à TV Mirante.

Felipe Camarão assumiu o governo na segunda-feira, 2, com a missão de reorganizar a máquina para garantir o pagamento da folha de pessoal e os compromissos com os prestadores de serviços em todas as áreas.

Em junho, o blog Marco Aurélio d’Eça revelou com exclusividade que o governador Carlos Brandão estava em busca de empréstimo de cerca de R$ 4 bilhões para garantir o funcionamento da máquina a partir de 2024.

Na semana passada, o próprio Carlos Brandão confirmou o itneresse3 no empréstimo, da ordem de R$ 3,5 bilhões.

Segundo Felipe Camarão, o Maranhão precisa elevar sua capacidade de pagamentos no Tesouro Nacional para viabilizar a liberação desse empréstimo. 

– Hoje a nota é C, o que inviabiliza a contratação do financiamento – explicou Felipe Camarão.

Felipe Camarão fica no exercício do governo até o próximo domingo, quando Carlos Brandão retorna da Europa…

0

Roberto Rocha vê risco de colapso na economia do Maranhão

Ex-senador analisa que o estado já tinha perdido o poder de investimento com a “granada sem pino deixada por Flávio Dino no colo de Carlos Brandão”, e agora perde também o poder de endividamento, o que levará fatalmente atraso na folha de pagamentos, ao caos e à falência de toda a cadeia produtiva

 

Roberto Rocha vem alertando há oito anos sobre os riscos da governança ideológica de Flávio Dino no Maranhão

O ex-senador Roberto Rocha (PTB) fez nesta quarta-feira, 23, um prognóstico assustador para o Maranhão; segundo ele, a economia do estado corre sério risco de entrar em colapso.

Rocha explica que isso ocorre por que o Governo do Estado já havia perdido o poder de investimento com o que chamou de “granada sem pino deixada pelo ex-governador Flávio Dino no colo do sucessor Carlos Brandão”; e agora perdeu o poder de endividamento, sem crédito para buscar novos recursos, mesmo em forma de novo empréstimo.

– Eu tenho alertado há quase uma década que a política ideológica, o modelo de governança, estavam arruinando a já fragilizada economia do Maranhão. Ora, se a Venezuela e a Argentina, dois países ricos, não aguentaram, por que o Maranhão iria aguentar? A conta sempre chega! – disse o ex-senador, em conversa com o blog Marco Aurélio d’Eça.

No início do mês, com base nos números do Índice de Desenvolvimento Humano da ONU, Rocha mostrou como o Maranhão desceu ao nível da Venezuela no período de governo de Flávio Dino, dados mostrados pelo blog Marco Aurélio d’Eça no post “Com pior IDH, Maranhão chega ao nível da Venezuela sob Flávio Dino…”.

Em crise financeira por falta de arrecadação, fato que o próprio governo admitiu ao pedir ao Supremo Tribunal Federal o direito de dar calote em mais uma parcela da dívida com o Bank Of América, o estado tenta negociar um novo empréstimo, de R$ 4 bilhões, mas esbarra na inadimplência com a União.

– Um empréstimo internacional é avalizado pela União, tanto que tem que passar pelo Ministério da Fazenda e pelo Senado Federal. A primeira parcela que o estado deixa de pagar, a União paga, e o valor dilui nas parcelas seguintes; mas a partir da segunda, a União paga e desconta do Fundo de Participação dos Estados (FPE). É como diz o ditado: “quem tem com o que me pague não me deve nada” – explicou Roberto Rocha, que foi membro da Comissão de Orçamento do Senado Federal.

Para o ex-senador o atraso dos repasses constitucionais à Assembleia Legislativa, ao Ministério Público e ao Tribunal de Justiça, o atraso também no pagamento de fornecedores é apenas alguns dos pontos da crise, que pode piorar.

– Neste caso [com o confisco do FPE] o governo do Maranhão não pagará nem a Folha; e a economia poderá colapsar – lamenta o ex-senador.