0

Participação da BRMalls no São Luís Shopping é de 15%…

Esta é a quantidade de ações que a empresa brasileira pretende se desfazer do centro de compras da capital maranhense, em busca de melhores resultados em sua operação

 

É de apenas 15% a participação da BRMalls no Shopping São Luís, na capital maranhense.

E é dessa participação que a empresa pretende se desfazer, segundo apurou o blog Marco Aurélio D’Eça, em busca de negócio “que traz mais resultados”.

A empresa controladora de shoppings centers em todo o país é sócia no Maranhão do Grupo Claudino, que detém 50% do controle do SLS. O restante das ações está diluída entre outros sócios de menor monta.

Ainda segundo apurou este blog, a BRMalls tem – ou teria – participação também no Rio Anil Shopping, da qual já se desfez.

De acorod com reportagem da revista IstoÉ Dinheiro, a BRMalls iniciou em 2017 um processo de desinvestimento e “revisão de portfólio. Nesse contexto, já se desfez de sete operações em vários estados.

Com a venda da participação no São Luís Shopping, diz a Dinheiro, “restarão ainda 29 complexos comerciais sob controle da empresa.

0

“Apenas o processamento de mandioca” da Magnífica não ocorre no Maranhão, diz Ambev…

Em Nota encaminhada ao blog Marco Aurélio D’Eça, cervejaria informa que seu produto local “foi pensado e desenvolvido levando em conta o gosto do consumidor maranhense, com uma receita única para o Maranhão, onde é vendida de forma exclusiva”

 

MAGNIFICA E SUAS IRMÃS DE MANDIOCA DA AMBEV; insumo maranhense vai e volta de Pernambuco, num processo oneroso para produção da cerveja barata

Em nota encaminhada ao blog Marco Aurélio D’Eça, a cervejaria Ambev tenta contestar o post “A farsa da ‘cerveja maranhense’ da Ambev…”

No documento, a empresa garante que a Magnífica utiliza em seu processo de produção “mandioca produzida apenas em solo maranhense, plantada no interior do estado, via agricultura familiar, gerando trabalho e renda localmente”.

– A fabricação da cerveja também ocorre no Maranhão, na cervejaria Equatorial, que fica na região de São Luís – diz a nota.

A Ambev, no entanto, reconhece que o processamento industrial da mandioca “é realizado em outro local”, “pelo fato de ainda não haver uma fecularia no estado”.

Neste caso específico, a Ambev maranhense acaba por revelar um processo distinto da cultura dos próprios controladores da empresa – o grupo 3G Capital – que trabalha exatamente em processos radicais de cortes de custos.

Imagine os gastos com Extração de mandioca no Maranhão, transporte para a fecularia em Pernambuco e depois o transporte de volta para o Maranhão?!?

O que diria o lendário Jorge Paulo Lemman, conhecido pelo corte radical de custos de produção de suas empresas?!?

O blog Marco Aurélio D’Eça fez este questionamento à assessoria da cervejaria, mas não recebeu resposta até o fechamento deste post.

De qualquer forma, abaixo, a nota da Ambev sobre a Magnifica:

A Cervejaria Ambev esclarece que as receitas de suas cervejas regionais são diferentes. Inclusive, cada uma delas foi premiada de forma diferente nos testes cegos da maior premiação de cerveja do mundo, o World Beer Awards.

A Magnífica, especificamente, foi pensada e desenvolvida levando em conta o gosto do consumidor maranhense, com uma receita única para o Maranhão, onde é vendida de forma exclusiva.

m seu processo de produção, a Magnífica utiliza mandioca produzida apenas em solo maranhense, plantada no interior do estado, via agricultura familiar, gerando trabalho e renda localmente. A fabricação da cerveja também ocorre no Maranhão, na cervejaria Equatorial, que fica na região de São Luís.

Apenas o processamento industrial da mandioca, pelo fato de ainda não haver uma fecularia no estado, é realizado em outro local, como dito no lançamento.

6

Shopping São Luís é posto à venda…

Empreendimento controlado pela BRMalls será repassado na novos donos  para que a companhia se dedique “naquilo que traz mais resultados”

 

SÃO LUÍS SHOPPING TERÁ NOVO DONO, conforme informações de sua controladora à revista IstoÉ Dinheiro

Inaugurado em meados dos anos 90, o Shopping Sã00o Luís, um dos principais centros de venda da capital maranhense está sendo posto à venda pela sua controladora, a BR Malls.

O empreendimento, construído pelo mesmo grupo que controla o Armazém Paraíba será repassado a novos controladores juntamente com o Shopping Via Brasil, do Rio de Janeiro.

A venda do Shopping São Luís – que apesar de manter padrão classe A não registra forte presença de público – faz parte do processo de encolhimento dos ativos da BR Malls, que já repassou outras sete operações em shoppings país a ora.

– Eles estão concentrando esforços naquilo que traz mais resultados – explicou o consultor Luiz Alberto marinho, sócio da consultoria GS&Malls.

O São Luís Shopping é o segundo centro comercial de São Luís a ter troca de controladores; há dois ano, o Rio Anil Shopping também mudou de dono, para fazer frente aos demais empreendimentos do setor na capital.

Mesmo com a venda dos shoppings do Rio de São Luís, a BR Malls manterá o controle de outros 29 complexos de compras no Brasil.

Com informações da revista IstoÉ Dinheiro

12

A farsa da “cerveja maranhense” da Ambev…

Além de ser produzida em outro estado, produto supostamente local – anunciado assim por ter mandioca na composição – trata-se apenas da reprodução da mesma fórmula já usada em Pernambuco e Ceará

 

CERVEJA DE MANDIOCA DA AMBEV: mesmo produto, produzido em Pernambuco, é rotulado com nomes diferentes, dependendo do “estado de origem”

A Cervejaria Ambev lançou com estardalhaço, há alguns meses, a cerveja Magnífica, supostamente produzida genuinamente no Maranhão.

Era uma tentativa de fazer frente às cervejas mais populares e baratas, para alcançar consumidores distantes dos sabores puro malte, que vêm ganhando força em todo o país. (Entenda aqui e aqui)

Mas é enganosa a propaganda da Ambev para a Magnífica.

Além de ser produzida em Pernambuco – e não no Maranhão, como faz pensar a propaganda – a Magnífica é, na verdade, apenas a reprodução de uma fórmula igual, já produzida no próprio estado de Pernambuco e no Ceará.

Nos dois estados a cerveja de mandioca é vendida com os nomes de “Nossa” e “Legítima”, respectivamente.

Mas trata-se da mesma cerveja, vendida no Maranhão com o rótulo “Magnífica”

O que a Ambev usa do Maranhão é apenas a mandioca, comprada de produtores locais e levada para pernambuco, onde se junta à produção de vários outros estados para produzir a mesma cerveja, que usa um nome em cada estado.

E é esta a história da suposta cerveja “genuinamente maranhense”…

0

Simplício Araújo apresenta carteira de mais de 20 bilhões de investimentos privados ao BNB

Durante reunião sobre a programação do Fundo Constitucional de Financiamento do Nordeste (FNE) 2020, o secretário de Indústria, Comércio e Energia (Seinc), Simplício Araújo, apresentou os mais de 20 bilhões em investimentos privados prospectados pelo Governo do Estado, por meio da Seinc.

O aporte está ligado a política de atração de investimentos adotada pelo Executivo Estadual, que mantém o Maranhão com segurança política, jurídica e econômica, salários em dia, além de um diálogo franco e transparente, que resultou na prospecção dos investimentos.

Segundo o secretário Simplício Araújo, os investimentos contribuem com as políticas do Governo do Estado para a geração de emprego, renda, desenvolvimento e adensamento de cadeias produtivas, conforme determinação do Governador Flávio Dino.

“Essa carteira de investimentos, indica que estamos no caminho certo. São investimentos que geram emprego, renda, desenvolvimento e ajudam na expansão de negócios aqui instalados. Com esse cenário, tenho certeza que o BNB que é nosso parceiro, poderá contribuir com o FNE”, explicou.

Os investimentos apresentados por Simplício Araújo estão ligados aos setores de tancagem, avicultura, carne, couro, energia, indústrias, entre outros. Tudo isso, atrelado aos trabalhos de adensamento de cadeias produtivas. Boa parte dos investimentos, estão resultando em contrapartidas sociais realizadas por meio da Seinc, que já entrega de ambulâncias, equipamentos, caminhão, casas de farinhas entre outras ações.

Sobre o FNE

Provido de recursos federais, o FNE financia investimentos de longo prazo e, complementarmente, capital de giro ou custeio. Além dos setores agropecuário, industrial e agroindustrial, também são contemplados com financiamentos os setores de turismo, comércio, serviços, cultural e infraestrutura.

0

Gás natural pode virar tema de CPI da Assembleia…

Tentativas de diálogo com a Eneva, que explora a riqueza mineral maranhense sem nada em troca para o estado, tem se esgotado e deputados já ameaçam abrir investigação contra a empresa

 

OS DEPUTADOS DA COMISSÃO DE ECONOMIA DA ASSEMBLEIA: debate sobre os benefícios do gás para o Maranhão

A Assembleia Legislativa pode abrir uma Comissão Parlamentar de Inquérito para investigar as operações do Complexo Parnaíba, empresa do grupo Eneva que explora o gás natural no Maranhão.

Dentre outras coisas, os parlamentares querem saber porque o Maranhão é o único dentre os estados produtores de gás natural que não dispõe de redes de gás para veículos e uso doméstico.

A Eneva explora uma bacia com algo em torno de 11 milhões de metros cúbicos de gás natural, mas este produto é todo exportado para outros estados.

Aos municípios maranhenses restam apenas os recursos dos royalties pela exploração.

Há pelo menos dois meses, o deputado Fábio Macedo (PDT), que atua na região onde a Eneva tem sua usina de exploração do gás, tenta dialogar com a empresa sobre os benefícios que esta exploração traz para o Maranhão.

Até barrados na porta do complexo os parlamentares já foram, o que levou à cogitação da criação de uma CPI na Assembleia…

1

Mesmo com redução nas refinarias, postos mantêm preço dos combustíveis em São Luís…

Revendedores alegam que frequentes aumentos de ICMS impedem redução drástica, e diz que preços começarão a cair após recebimento de novas cargas, o que não ocorre quando há aumento

 

O presidente Jair Bolsonaro (PSL) anunciou na última sexta-feira, 31, redução de 6% no preço do diesel e de 7% no litro da gasolina nas refinarias.

Até agora, no entanto, nenhum posto apresentou redução nas bombas capaz de ser percebida pelos consumidores.

O Sindicato dos Revendedores de Combustível alega que os  frequentes aumentos de ICMS pelo Governo do Estado inibe essa redução, mesmo com cortes nas refinarias.

Curiosamente, o sindicato alega que só ao longo da semana esses preços começarão a ser reduzidos, quando os postos receberem os novos fornecimentos.

Não é o que acontece, no entanto, quando há aumento; nesses casos, o reajuste é repassado imediatamente após o anúncio.

E o Procon também nãos e manifesta…

0

Navio encalhado no Maranhão pode gerar US$ 100 milhões de prejuízo à Vale…

 Mineradora é acusada de usar supercargueiros em seu porto maranhense – que não tem calado suficiente para suportá-lo – e pode ser obrigada a indenizar seguradora coreana

 

A VALE ESTARIA USANDO NAVIOS MAIORES DO QUE O CALADO DO SEU PORTO SUPORTA, e pode pagar indenização por isso (imagem meramente ilustrativa)

Uma indenização de US$ 100 milhões está sendo cobrada à mineradora Vale pela empresa coreana de seguros Marine Insurance, que acusa a brasileira de descaso com seu porto.

Segundo a revista Veja, um navio supercargueiro acabou encalhado no Maranhão por ter calado superior ao suportado no porto da mineradora brasileira.

A informação vinha sendo mantida em sigilo, até ser descoberta por Veja, que aponta o valor de US$ 100 milhões na indenização.

A vale não se manifestou…

4

Supermercados Maciel podem ser usados em contra-ataque ao Mateus..

Grupo que vem fechando as portas de várias unidades em São Luís – fato atribuído a benefícios fiscais dados ao concorrente – está sendo estudado como porta de entrada do Pão de Açucar no Maranhão

 

FORTE NO VAREJO E NO ATACADO, GRUPO ASSAÍ é controlado pelo poderoso Grupo Pão de Açucar/Casino

Desde que começou a fechar suas portas em São Luís, o grupo supermercadista Maciel ganhou a comoção popular a partir de um post do blog Marco Aurélio D’Eça publicado em 23 de julho de 2018.

A partir do texto “De como Flávio Dino ajudou a destruir a concorrência nos supermercados maranhenses…”, analistas, especialistas do setor e população em geral passaram a atribuir intervenções fiscais do governo Flávio Dino (PCdoB) como causa do crescimento do grupo Mateus.

E desde então, o próprio Ilson Mateus tem se desdobrado para explicar que nada tema  ver com a derrocada do Maciel. (Entenda aqui, aqui e aqui)

AS PORTAS FECHADAS DO GRUPO MACIEL podem servir de portas para chegada do Pão de Açucar, concorrente do Mateus

Agora, no entanto, as portas fechadas dos Supermercados Maciel podem se transformar nas portas abertas para o maior grupo supermercadista do Brasil, o Pão de Açucar, fincar, finalmente, bandeiras no Maranhão.

O grupo paulista já estuda a possibilidade de utilização das lojas do Maciel para implantar a rede Assaí, principal concorrente do próprio Mateus no Norte-Nordeste, segundo revelou em primeira mão o blog do Diego Emir. (Leia aqui e aqui)

ILSON MATEUS, DO GRUPO MATEUS, TEVE QUE SE EXPLICAR diante de suspeitas de benefícios fiscais de Flávio Dino

Consolidado no Maranhão, o Mateus tem disputado mercado no Norte e Nordeste com a rede Assaí, que, agora, pode atacá-lo dentro da sua própria casa.

A chegada da rede controlada pelo Pão de Açucar pode garantir a saudável concorrência do setor, que se julgava perdida com o fechamento do Maciel.

A menos que uma interferência estatal venha impedir a chegada do novo player ao Maranhão…

0

Gás de cozinha terá aumento a partir de segunda-feira…

Reajuste médio ao consumidor final em São Luís, causado pelo aumento dos combustíveis e do ICMS, deve girar em torno de R$ 3,00, segundo informações do Sindicato dos Revendedores

 

COZINHAR FICARÁ BEM MAIS CARO a partir de segunda-feira no Maranhão

O consumidor final terá que arcar com um custo a mais na casa dos R$ 3,00 para comprar gás de cozinha a partir de segunda-feira, 11.

A Nacional Gás, principal distribuidora de GLP no Maranhão, já encaminhou aos seus revendedores Comunicado em que anuncia reajuste médio de R$ 1,50 já a partir deste sábado.

O blog Marco Aurélio D’Eça apurou que serão aplicados pelos revendedores, além dos R$ 1,50, outros R$ 0,70 de “Pauta Fiscal”, ainda em fevereiro, e mais R$ 0,80 da Petrobras, o que formará o aumento básico de R$ 3,00 na venda ao consumidor final.

Embora o comunicado ao qual este blog teve acesso não aponte, o reajuste foi influenciado pelo aumento do ICMS dos combustíveis no Maranhão e o aumento do GLP também nas refinarias.

O preço final do gás ficará entre R$ 67 e R$ 75% dependendo da localidade e da marca…